quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Marcos 1 1-45 - JESUS, AQUI, CHAMA SEUS PRIMEIROS DISCÍPULOS; HOJE, CHAMA VOCÊ!

Agora, iniciaremos um novo livro da Bíblia: O Evangelho de Marcos para o segmentar. Que bom e que gostoso poder ler, estudar, meditar e dissecar este livro.
I. O INÍCIO DO MINISTÉRIO DE JESUS (1.1-13)
Vários acontecimentos próximos ao início do ministério de Jesus demonstraram que ele era o aguardado Messias de Israel.
Tem-se início o ministério de Jesus, conforme Marcos. Ele inicia o seu Evangelho com relatos breves de acontecimentos extraordinários que ocorreram no começo do ministério de Jesus.
Esses três acontecimentos incluíram (1) o testemunho profético de João Batista (1.1-8), (2) o testemunho do Pai e do Espírito no batismo de Jesus (1 9-11) e (3) o testemunho do Espírito e dos anjos no deserto durante o período da tentação de Jesus por Satanás (1.12-13). Isso fez com que, seguindo a BEG, dividíssemos essa primeira parte em três subpartes: A. O testemunho da profecia (1.1-8) – veremos agora; B. O testemunho do batismo (1.9-11) – veremos agora; e, C. O testemunho no deserto (1.12-13) – veremos agora.
A. O testemunho da profecia (1.1-8)
Marcos ressalta que João Batista cumpriu a profecia de Isaías de que um mensageiro precederia o retorno da graça do Senhor ao seu povo. Marcos também observou que João Batista anunciaria que o retorno da graça do Senhor viria por meio de Jesus.
Ao contrário dos Evangelhos de Mateus e de Lucas, Marcos não contém um relato do nascimento de Jesus.
O "princípio" (Gn 1.1; Jo 1.1) é identificado com o ministério de João Batista (cf. At 1.22) e com as profecias do Antigo Testamento que anunciavam a vinda de João.
Conforme a BEG, o evangelho é um termo que pertence à área de relatos históricos, que significa "boas-novas" (2Sm 4.10; 1 Rs 1.42) ou simplesmente "novas" (1 Sm 4.17; Jr 20.15).
Os gregos usavam essa palavra para acontecimentos importantes, como o nascimento de um imperador ou uma vitória militar importante.
O evangelho de Jesus é o anúncio da salvação de Deus consumada em Cristo.
Algumas traduções trazem "a respeito de Jesus Cristo", mas no original lê-se 'de Jesus Cristo", uma forma (intencionalmente) ambígua. Conquanto o conteúdo do Evangelho de Marcos seja "a respeito" de Jesus Cristo, também se refere ao evangelho "de" Cristo, pois procede dele (Rm 1.9; 1Co 9.12; 2Co 10.14).
Assim, o Evangelho de Marcos afirma possuir autoridade divina e exige implicitamente ser recebido pela igreja como a Palavra de Cristo por intermédio de seus apóstolos (cf. Ap 1.1).
Jesus é a forma grega do hebraico Yeshua, que significa "Javé salva" ou "salvador" (Mt 1.21). Já Cristo está baseado na palavra grega para “ungido” que corresponde a palavra hebraica “mashiach”, ou “Messias” ou “Ungido”. (Veja Mt 1.1.).
Embora “Filho de Deus” possa ser considerado simplesmente como mais um título messiânico (como o SI 2.7 aplicado à dinastia de Davi), Marcos com certeza estava apresentando Jesus no início do seu Evangelho como o Filho divino e eterno (12.37; 13.32; 14.36; 15.39).
Desta forma começou Marcos: “Princípio do evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus” – vs. 1.
Marcos trata logo de ligar sua afirmação ás Escrituras, dizendo estar escrito. O tempo verbal no grego sugere um significado semelhante à "permanece escrito", expressando o caráter inalterável da Escritura inspirada por Deus.
Ao citar Is 40.3 e MI 3.1, Marcos mostrou o desenvolvimento uniforme da revelação sob o controle divino do Senhor da História.
Que isso fique bem claro: o Antigo Testamento é o início e a origem do evangelho, sendo este a interpretação inspirada da mensagem do Antigo Testamento à luz da pessoa e obra de Jesus Cristo.
A citação referenciada de Isaías consiste num encadeamento de passagens referentes aos mensageiros que Deus enviou para preparar o seu povo (Êx 23.20; Is 40.3; MI 3.1).
As citações do Antigo Testamento nos ensinam a colocar João no centro do plano de Deus para tratar com o seu povo, e não numa posição sectária insignificante como alguns sugerem.
João estava no deserto. Ele pregava no deserto visando fazer distinção entre ele e os líderes religiosos corruptos de Jerusalém, bem como para simbolicamente relembrar Israel do êxodo (cf. Jr 2.2ss.) e da promessa de retorno do exílio (Is 40.1ss.). João, no deserto, fazia o batismo de arrependimento.
A comunidade de Qumran, com a qual João pode ter tido contato quando jovem, praticava rituais de purificação/batismos. Gentios convertidos ao judaísmo também eram batizados.
Para João, o batismo era não apenas um sinal de arrependimento radical e de um abandono do pecado para voltar-se para Deus, mas também uma identificação com o remanescente fiel de Israel, preparados para o reino do Messias.
Ele pregava o batismo de arrependimento para remissão de pecados. João não concedia perdão de pecados. Aqui, a preposição grega "para" significa "em preparação para" ou "com vistas a". O perdão definitivo de pecados pertence à nova aliança (Jr 31.34) que o Messias traria.
Até João, conforme Marcos, vinha toda a região da Judéia e todo o povo de Jerusalém. Marcos usou uma hipérbole para indicar que o povo da aliança ia até João em grande número, sem dúvida famílias inteiras.
A aparência e jeito de João lembrava os profetas antigos que já fazia uns 400 anos que a terra tinha se silenciado deles. João se vestia de pelos de camelo. As roupas e o alimento de João o identificavam com a prática dos profetas do Antigo Testamento (2Rs 1.8; Zc 13.4).
João pregava insistentemente e com grande clareza. Quem é aquele a quem João anunciava e diante de quem ele não se sentia digno nem mesmo de curvar-se? As profecias do Antigo Testamento são claras: "virá ao seu templo o Senhor... o Anjo da Aliança" (Ml 3.1). Um pouco antes de MI 3.1 o Senhor havia identificado esse mensageiro como "meu mensageiro".
O Filho possuía o Espírito Santo em medida plena (Is 42.1; 61.1). A nova aliança também trouxe um maior derramamento do Espírito Santo ao povo de Deus do que aquele dado no Antigo Testamento (Ez 37.14; cf. Jr 31.33-34; JI 2.28-29; a BEG recomenda, neste ponto ver seu artigo excelente teológico "O Espírito Santo", em At 2).
B. O testemunho do batismo (1.9-11).
É neste ponto que, depois da introdução de Marcos, surge Jesus, a partir do vs. 9. Quando João batizou Jesus, o Pai revelou a posição exclusiva de Jesus como o Filho de Deus ao enviar seu Espírito Santo, que desceu sobre ele como uma pomba.
De acordo com Jo 2.20, um dos primeiros atos do ministério público de Jesus, depois do seu batismo, aconteceu quando do quadragésimo sexto aniversário da reconstrução do templo. Uma vez que Herodes começou a construção do templo em 19 a.C., podemos concluir que Jesus foi batizado em 26 ou 27 d.C. Nazaré.
Esse grande fato aconteceu em uma vila minúscula que ficava na Galileia, uma região desprezada (Jo 7.41,52) por ser "dos gentios" (Mt 4.15), por causa de sua miscigenação étnica.
Jesus sabia que isso era parte do plano divino ("toda a justiça", Mt 3.15) pelo qual ele se identificou totalmente com a condição humana e começou a sua obra de salvação.
Do grego euthus, essa palavra “logo” é uma característica desse Evangelho (doze vezes no restante no NT, mas quarenta e duas vezes em Marcos), que geralmente significa "logo após" ou "imediatamente" (1.12,18,20,23, 29,42,43), embora aqui não se refira a apressar-se, mas talvez à certeza e inevitabilidade do plano soberano de Deus, nos relembrando que foi Deus quem estabeleceu o ministério de Jesus e que Cristo seguiu esse plano divino sem hesitação.
Esse símbolo visível da unção do Espírito – o Espírito Santo descendo, vs. 10 - é um sinal do messianidade de Jesus (vs. 8). No batismo de Jesus, assim como posteriormente no batismo cristão (Mt 28.19), todas as três pessoas da Trindade estão envolvidas: observamos a iniciativa do Pai, o sacrifício vicário do Filho e o poder capacitador e glorificador do Espirito.
Agora era o Pai que se manifestava e do Filho testemunhava dos céus: Tu és o meu filho. O mistério da pessoa de Jesus é expresso nessa declaração divina.
Ele é a segunda pessoa da divindade, o representante dos que creem e o Filho fiel e verdadeiro de Israel. Ele agrada ao Pai, e o Pai o reconhece como Filho tanto em sentido pessoal como oficial, real (SI 2.7; Is 42.1; Mc 1.1).
O Pai acrescenta ao Filho a expressão amado. Ou "aquele que eu amo". Essa expressão descreve o relacionamento único que existe entre Pai e Filho (veja Gn 22.2,12,16, onde a mesma frase é utilizada no AT em grego). Esse relacionamento fica evidente pela repetição, no original, do artigo definido "o", o qual reproduzido literalmente seria "o meu filho, o amado".
C. O testemunho no deserto (1.12-13).
Logo, em seguida, foi Jesus para o deserto, conduzido pelo Espírito Santo. O caráter singular de Jesus foi demonstrado logo a seguir pelo estímulo do Espírito Sinto ao conduzi-lo para o deserto, onde Cristo não apenas enfrentou Satanás corno também recebeu a ajuda de anjos.
Foi o Espírito que o impeliu. "impelir" é a tradução literal do original, e podemos perceber a ideia da exigência divina na escolha desse termo.
Depois que Jesus foi batizado, o Espírito o conduziu para o deserto. Da mesma maneira, todos os que pertenciam a Israel, o "filho" de Deus (Ex 4.23), foram "batizados, assim na nuvem corno no mar, com respeito a Moisés" (1Co 10.2; veja também Êx 14.13-31), foram depois conduzidos para o deserto (Ex 15.22) e provados não apenas ali (Ex 15.25) corno também durante os quarenta anos seguintes (p. ex., Êx 16.4; 20.20). Em muitos pontos, a vida de Jesus recapitulou acontecimentos importantes da história de Israel.
Admitidos os paralelos acima quanto à história de Israel, certamente encontramos aqui o análogo aos quarenta anos da peregrinação de Israel pelo deserto (Dt 1.3).
Ele foi tentado, ou o verbo grego pode significar "provar" (uma experiência benéfica à qual Deus expõe o seu povo) ou "tentar" (um artifício malicioso do demônio visando desviar os servos de Deus para longe do Senhor). O poder soberano de Deus transforma a "tentação" em "provação".
Ele estava com as feras, com os animais selvagens no deserto. Desde a queda, os animais selvagens ameaçam a vida humana (Lv 26.22) Esse detalhe salienta o fato de que o deserto simboliza um lugar de maldição, que fica muito longe do paraíso.
No entanto, depois de sua prova, os anjos o serviam. Os anjos também acompanharam Israel durante o primeiro êxodo (Ex 14.19; 23.20 [citado em Mc 1.2]; 32.34; 33.2). A presença de anjos nos faz lembrar que Deus sempre cuida do seu povo nos momentos de tentação e provação.
II. O MINISTÉRIO DE JESUS NA GALILEIA (1.14 - 9.50)
Jesus revelou a sua preocupação em estender a salvação aos gentios ao dedicar grande parte do seu ministério público às regiões ao norte, onde viviam muitos gentios. Ele envolveu-se em controvérsias com líderes religiosos, realizou muitos milagres e ensinou às multidões. Jesus recusou ser aclamado publicamente e empregou a maior parte do seu tempo preparando os doze discípulos para sua morte e ressurreição, bem corno para o futuro ministério deles.
Até ao cap. 9, estaremos vendo o ministério de Jesus na Caldeia. Marcos divide, conforme a BEG, o ministério de Jesus em dois estágios. Antes de passar ao relato da atividade de Jesus na Judeia e em Jerusalém, Marcos descreveu como Jesus fez grande parte da sua obra na Galileia, uma região ao norte conhecida como gentia, pois muitos gentios moravam ali. Ao focalizar a atenção do ministério de Jesus aos gentios, Marcos procurava despertar o interesse dos seus leitores gentios que seguiam a Cristo.
Dividiremos esta parte II em 17 subpartes, conforme a BEG: A. O chamado dos primeiros discípulos (1.14-20) - veremos agora; B. O ministério em Cafarnaum (1.21-34) - veremos agora; C. O ministério ao redor da Caldeia (1.35-45) - veremos agora; D. Curando em Cafarnaum (2.1-12); E. O chamado de Levi (2.13-17); F Controvérsias com as autoridades (2.18 - 3.12); G. O chamado dos doze (3.13-19); H. Acusações em Cafarnaum (3.20-35); I. As parábolas do reino (4.1-34); J. A viagem para Decápolis (4.35 - 5.20); K. A continuidade do ministério na Galileia (5.21 - 6.6); L. A missão dos doze na Galileia (6.7-30); M. A alimentação dos cinco mil (6.31-44); N. A visita a Genesaré (6.45 - 7.23); O. Tiro, Sidom e Decápolis (7.24 - 8.9); P. A região de Cesareia de Filipe (8.10 - 9.32); e, Q. O retorno a Cafarnaum (9.33-50).
A. O chamado dos primeiros discípulos (1.14-20).
Passada a tentação ou provação, onde Jesus saiu-se vitorioso e fora servido por anjos, João foi preso e Jesus foi para a Galileia, sempre proclamando as boas novas.
Agora ele irá chamar os seus discípulos. Marcos relata, em primeiro lugar, como Jesus deu início ao seu ministério chamando discípulos na Galileia. Marcos enfatizou isso porque estava bastante interessado no papel que esses discípulos desempenhariam como testemunhas de Jesus.
A mensagem de Jesus era que o tempo havia chegado e que o Reino de Deus estava próximo, portanto deveriam se arrepender e crerem nas boas novas. Também pode ser traduzido como "o tempo é chegado".
Os acontecimentos do passado, especialmente os atos de salvação de Deus em relação a Israel, alcançam o clímax nesse momento de salvação por meio de Jesus.
O reino de Deus é aquele estágio final no qual Deus reina sem oposição num universo transformado e no qual o seu povo redimido é glorificado.
O reino está próximo no sentido de que a vinda de Jesus começou a pôr em movimento a sua realização. Deus exige arrependimento e fé de todos aqueles que esperam desfrutar desse reino. Aqui também a BEG recomenda uma leitura muito interessante sobre o reino de Deus, trata-se de seu artigo teológico "O reino de Deus" em Mt 4.
Estava Jesus andando à beira mar do mar da Galileia. Um lago com cerca de 19 km de extensão por 10 km de largura, também conhecido no Novo Testamento como lago de Genesaré ou mar de Tiberíades.
Ele logo avista Simão e a seu irmão André lançando redes ao mar, ou seja, trabalhando e provendo o sustento para os seus. Foi nesse instante que Jesus interrompeu aquela jornada deles e fez seu convite para virem após ele, que doravante ele os faria pescadores de homens.
Marcos chama atenção para o fato de que Jesus chamou seus discípulos para que estes convidassem a outros. Buscar os perdidos tornou-se o objetivo principal da igreja embrionária.
Outra coisa que chama a atenção foi a prontidão da resposta de ambos, pois imediatamente deixaram tudo e passaram a segui-lo.
Um pouco mais adiante dali, viu Jesus num barco a Tiago, filho de Zebedeu e João, seu irmão, preparando as redes, ou seja, ambos estavam ali trabalhando também.
Deus nunca chama desocupados, mas sempre os que estão trabalhando. O fato de que Tiago e João eram pescadores salienta a prioridade de Jesus em "pescar homens". Sob esse aspecto, é interessante observar que Jesus não recrutou pessoas com instrução religiosa; antes, chamou aqueles dentre a plebe.
Esses também, prontamente, deixaram tudo e o seguiram. Parece até que já esperavam por isso. Tudo indica, pelo fato de terem empregados e barcos, que o negócio deles era próspero. Essa prontidão em servir ao Senhor deve estar em nosso sangue, principalmente agora que o tempo está mais abreviado.
B. O ministério em Cafarnaum (1.21-34).
Veremos, até o vs. 34, o ministério em Cafarnaum. Marcos relata corno Jesus surpreendeu a muitos com os seus ensinos e milagres em Cafarnaum.
Assim que chegou o sábado foi que Jesus resolveu entrar na sinagoga deles e passar a ensiná-los. Sábado vem do hebraico Shabbat, que significa "descanso". Assim, o sábado é o dia para descansar, um dia consagrado a Deus (Gn 2.2-3).
O plano de Deus para a vinda do seu reino não contradiz revelações anteriores quanto à exigência da consagração do sábado (Dt 5.15) e da congregação habitual do seu povo (Ex 23.14-17; SI 68.26).
Em última análise, ele as cumpre. Jesus ensinou e curou com frequência nas sinagogas no dia de sábado (3.1-5; 6.2; Lc 13.10-16) e participou do culto de adoração (Lc 4.1516). Ensinar na sinagoga era um costume reservado aos rabinos respeitados.
O ensino de Jesus era diferente e bem mais profundo e esclarecedor, pois que também falava como quem tem autoridade. Ao contrário dos Evangelhos de Mateus e de Lucas, o relato de Marcos não especifica quais são esses ensinos, apenas indica o estilo de Jesus em contraste com o dos escribas.
Os ensinamentos de Jesus não eram meras opiniões humanas, mas o ensino autoritativo do Filho de Deus. Seu ensino contrastava com o ensino dos mestres da lei.
Foi exatamente quando Jesus ensinava que surgiu ali um homem possesso que o questionava. Ele querendo roubar a atenção dizia que sabia de onde Jesus viera e ainda pergunta o que ele, o Senhor, queria com eles.
O que queres conosco é uma expressão idiomática que implica aborrecimento, rejeição ou vontade de separar-se. A única outra ocorrência dessa expressão no Novo Testamento aparece quando Jesus repreende Maria (Jo 2.4). Na Septuaginta (a tradução grega do AT hebraico), essa frase ocorre em passagens como Jz 11.12; 2Sm 16.1; 1Rs 17.18; 2Rs 3.13; Os 14.8.
Eles sabiam que ele era Nazareno. Ou, "de Nazaré". Nazaré, que estava localizada a oeste do mar da Galileia, era a cidade natal de Jesus.
E também sabiam que ele era o Santo de Deus. Um termo aplicado a Arão (SI 106.16) e a Sansão 13.7; 16.17) no sentido de "especialmente consagrado ao Senhor".
Nos Evangelhos, essa descrição de Jesus só ocorre nesse incidente (veja também Lc 4.34), porém os apóstolos o descrevem desse modo em At 2.27; 13.35 (citando o SI 16.10) e em At 3.14. Os demônios tremem diante da presença da santidade divina.
No entanto, Jesus o repreendeu e pediu que se calasse. No judaísmo dos dias de Jesus, essa era uma expressão técnica que indicava a presença do poder de Deus para estabelecer o seu reino diante do mal.
Em obediência ao comando de Jesus, aquele espírito teve de sair e aproveitou para sacudir o homem violentamente. O povo ficou estupefato e as notícias dele começaram a se espalhar.
Saindo dali foram com Tiago e João à casa de Simão e André, onde a sogra de Pedro estava enferma. O fato de que Pedro era casado indica que o matrimônio, e não o celibato (que é, não obstante, uma possibilidade legítima; veja Mt 19.12; 1 Co 7.7 8,32), é o normal para os líderes cristãos (cf. 1Co 9.5).
Os discípulos falam dela a Jesus e este a tocando liberou cura para ela de forma que a febre a deixou e pode servi-los.
Ao anoitecer, depois do pôr-do-sol, o povo sabendo que Jesus estava ali, levou a ele doentes e endemoninhados. Jesus, então cura muita gente, mas sempre as advertindo que disso não falassem por ai.
Ao cair do sol, Jesus já vinha curando no dia de sábado (vs. 21ss.), embora não publicamente (cf. 3.1-6). Como não ousavam quebrar o ritual tradicional do sábado judaico, o povo esperava até o pôr do sol para levarem seus doentes a Jesus.
A grande quantidade de possessões demoníacas na Galileia (v. 32) pode ter relação com a influência gentia/pagã nessa região, especialmente a fascinação pelo ocultismo (a BEG recomenda aqui a leitura de seu artigo teológico "Demônios", em 1Co 10).
Essa é a primeira vez que Jesus adverte outras pessoas a não anunciarem a sua messianidade (veja v. 43; 3.12; 4.10-11; 5.19; 9.9; veja também a nota sobre 5.19). Jesus não tinha dúvida a respeito da sua missão; pelo contrário, mantinha segredo para evitar que um fervor popular prematuro comprometesse o plano de Deus quanto ao sofrimento e morte do seu Filho.
C. O ministério ao redor da Caldeia (1.35-45).
Doravante, até ao final deste capítulo, veremos o ministério de Jesus ao redor da Galileia. Jesus viajou pela Caldeia, pregando e realizando muitos milagres. As multidões entusiasmadas o seguiam a todo lugar, mas Jesus as evitava para que pudesse completar a tarefa que Deus havia lhe designado.
Jesus tinha por hábito levantar-se de madrugada para ir orar. Veja o vs. 35. Ele foi a um lugar deserto para orar, ou, ''um lugar solitário", onde Jesus travava suas lutas espirituais (vs. 12; cf. vs. 3). Também é um símbolo, como na antiga Israel, da caminhada dos cristãos atuais (1 Co 10.1-11; Hb 13.12-13). Precisamos resgatar isso também em nossas vidas!
Nisso, Simão foi procurar por Jesus e ao encontrá-lo eles diziam que todos estavam à sua procura. No entanto, Jesus disse para eles para saírem dali em direção aos povoados vizinhos para que lá também pregasse, pois para isso tinha vindo. Jesus declarou o seu projeto de pregação evangelística com muita clareza (vs. 14; Lc 19.10).
Então, ele sai por ai a percorrer e a pregar nas sinagogas e a expulsar demônios.
Em sua jornada, se aproxima dele um leproso e o provoca. Esse termo “leproso” era usado para se referir a várias doenças da pele.
No Antigo Testamento, a lepra tornava as pessoas não apenas fisicamente, mas também espiritualmente impuras, cuja consequência era a exclusão da vida comunitária (Lv 13.46).
Jesus respeitou a lei mosaica ("servir de testemunho" vs. 44), mas demonstrou que, como sumo sacerdote pertencente à outra linhagem (Hb 7.11-8.13), seu ministério aos leprosos ultrapassava as restrições do Antigo Testamento.
Assim, ele tocou o homem doente e lhe deu a cura que havia sido prometida para o estágio final do reino de Deus.
O verso 41 diz que Jesus foi movido por grande compaixão por aquela alma que sofria. O verbo original expressa emoção profunda, como a que Jesus demonstrou diante do túmulo de Lázaro (Jo 11.33,38). Ele o curou completamente, mas o advertiu severamente para que não contasse isso a ninguém, antes fosse mostrar-se ao sacerdote e oferecer pela sua purificação os sacrifícios que Moisés ordenou, para assim servir de testemunho.
As recomendações de Jesus não foram atendidas, pois aquele homem não conseguira se conter. Literalmente, passou a "proclamar muito". Ainda não era o momento para proclamar livremente (veja o vs. 34), embora depois da sua ressurreição a pregação quanto a Jesus ser o Messias estaria na ordem do dia (Mt 10.27; Lc 12.2-3; cf. At 2.29ss.; 4.13; 28.31).
O resultado disso foi que Jesus não podia mais entrar publicamente em nenhuma cidade, mas ficava do lado de fora, em lugares ermos, ou, "lugares solitários". Ainda assim, vinham a ele gente de todas as partes.
Mc 1:1 Princípio
do evangelho de Jesus Cristo,
Filho de Deus.
Mc 1:2 Conforme está escrito na profecia de Isaías:
Eis aí envio diante da tua face o meu mensageiro,
o qual preparará o teu caminho;
Mc 1:3 voz do que clama no deserto:
Preparai o caminho do Senhor,
endireitai as suas veredas;
Mc 1:4 apareceu João Batista no deserto,
pregando batismo de arrependimento
para remissão de pecados.
Mc 1:5 Saíam a ter com ele
toda a província da Judéia
e todos os habitantes de Jerusalém;
e, confessando os seus pecados,
eram batizados por ele no rio Jordão.
Mc 1:6 As vestes de João eram feitas de pêlos de camelo;
ele trazia um cinto de couro
e se alimentava de gafanhotos e mel silvestre.
Mc 1:7 E pregava, dizendo:
Após mim vem aquele
que é mais poderoso do que eu,
do qual não sou digno de, curvando-me,
desatar-lhe as correias das sandálias.
Mc 1:8 Eu vos tenho batizado com água;
ele, porém, vos batizará
com o Espírito Santo.
Mc 1:9 Naqueles dias,
veio Jesus de Nazaré da Galiléia
e por João foi batizado no rio Jordão.
Mc 1:10 Logo ao sair da água,
viu os céus rasgarem-se
e o Espírito descendo como pomba sobre ele.
Mc 1:11 Então,
foi ouvida uma voz dos céus:
Tu és o meu Filho amado,
em ti me comprazo.
Mc 1:12 E logo
o Espírito o impeliu para o deserto,
Mc 1:13 onde permaneceu quarenta dias,
sendo tentado por Satanás;
estava com as feras,
mas os anjos o serviam.
Mc 1:14 Depois de João ter sido preso,
foi Jesus para a Galiléia,
pregando o evangelho de Deus, Mc 1:15 dizendo:
O tempo está cumprido,
e o reino de Deus está próximo;
arrependei-vos
e crede no evangelho.
Mc 1:16 Caminhando junto ao mar da Galiléia,
viu os irmãos Simão e André,
que lançavam a rede ao mar,
porque eram pescadores.
Mc 1:17 Disse-lhes Jesus:
Vinde após mim,
e eu vos farei pescadores de homens.
Mc 1:18 Então,
eles deixaram imediatamente as redes
e o seguiram.
Mc 1:19 Pouco mais adiante,
viu Tiago, filho de Zebedeu,
e João, seu irmão,
que estavam no barco consertando as redes.
Mc 1:20 E logo os chamou.
Deixando eles no barco
a seu pai Zebedeu com os empregados,
seguiram após Jesus.
Mc 1:21 Depois, entraram em Cafarnaum,
e, logo no sábado,
foi ele ensinar na sinagoga.
Mc 1:22 Maravilhavam-se da sua doutrina,
porque os ensinava
como quem tem autoridade
e não como os escribas.
Mc 1:23 Não tardou que aparecesse na sinagoga
um homem possesso de espírito imundo, o qual bradou:
Mc 1:24 Que temos nós contigo, Jesus Nazareno?
Vieste para perder-nos?
Bem sei quem és:
o Santo de Deus!
Mc 1:25 Mas Jesus o repreendeu, dizendo:
Cala-te
e sai desse homem.
Mc 1:26 Então, o espírito imundo,
agitando-o violentamente
e bradando em alta voz,
saiu dele.
Mc 1:27 Todos se admiraram,
a ponto de perguntarem entre si:
Que vem a ser isto?
Uma nova doutrina!
Com autoridade ele ordena aos espíritos imundos,
e eles lhe obedecem!
Mc 1:28 Então,
correu célere a fama de Jesus em todas as direções,
por toda a circunvizinhança da Galiléia.
Mc 1:29 E, saindo eles da sinagoga,
foram, com Tiago e João,
diretamente para a casa de Simão e André.
Mc 1:30 A sogra de Simão
achava-se acamada, com febre;
e logo lhe falaram a respeito dela.
Mc 1:31 Então, aproximando-se,
tomou-a pela mão;
e a febre a deixou,
passando ela a servi-los.
Mc 1:32 À tarde,
ao cair do sol,
trouxeram a Jesus
todos os enfermos e endemoninhados.
Mc 1:33 Toda a cidade estava reunida à porta.
Mc 1:34 E ele curou
muitos doentes de toda sorte de enfermidades;
também expeliu muitos demônios,
não lhes permitindo que falassem,
porque sabiam quem ele era.
Mc 1:35 Tendo-se levantado alta madrugada,
saiu,
foi para um lugar deserto
e ali orava.
Mc 1:36 Procuravam-no diligentemente
Simão e os que com ele estavam.
Mc 1:37 Tendo-o encontrado, lhe disseram:
Todos te buscam.
Mc 1:38 Jesus, porém, lhes disse:
Vamos a outros lugares,
às povoações vizinhas, a fim
de que eu pregue também ali,
pois para isso é que eu vim.
Mc 1:39 Então,
foi por toda a Galiléia,
pregando nas sinagogas deles
e expelindo os demônios.
Mc 1:40 Aproximou-se dele um leproso rogando-lhe, de joelhos:
Se quiseres, podes purificar-me.
Mc 1:41 Jesus, profundamente compadecido,
estendeu a mão,
tocou-o e disse-lhe:
Quero,
fica limpo!
Mc 1:42 No mesmo instante,
lhe desapareceu a lepra,
e ficou limpo.
Mc 1:43 Fazendo-lhe, então,
veemente advertência,
logo o despediu Mc 1:44 e lhe disse:
Olha, não digas nada a ninguém;
mas vai, mostra-te ao sacerdote
e oferece pela tua purificação
o que Moisés determinou,
para servir de testemunho o povo.
Mc 1:45 Mas,
tendo ele saído,
entrou a propalar muitas coisas
e a divulgar a notícia,
a ponto de não mais poder Jesus entrar publicamente
em qualquer cidade,
mas permanecia fora,
em lugares ermos;
e de toda parte
vinham ter com ele.
Marcos começa com a frase de que este é o princípio do Evangelho de Jesus Cristo e em seguida mostra João Batista, depois o Pai dando testemunho acerca do Filho e o Espírito Santo vindo sobre ele e o conduzindo ao deserto para ser tentado/provado.
Podemos ver aqui, já no primeiro capítulo, Jesus se levantando de madrugada e indo a um lugar para orar; vemos ainda ele saindo a pregar, a ensinar e a curar e, no início de seu ministério, a chamar os seus discípulos. Essa é a obra que ainda não cessou e que devemos dar continuidade!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 231 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.