segunda-feira, 28 de setembro de 2015

LUA DE SANGUE, SUPER LUA E A VOLTA DE CRISTO.

Muito legal as fotos do nosso amado Pastor Junior Grosse que estão disponíveis para o seu deleite em seu facebook - foram mais de 60 fotos!

 É curioso que esse fenômeno "coincide" com a Festa dos Tabernáculos (Sukkot ou Cabana), comemorado duas semanas após o 1º Hosh Hashaná 5776, que neste ano aconteceu em 14 de setembro de 2015 (uma terça feira)
A festa começa dia 28 de setembro e termina dia 4 de outubro, sendo o oitavo dia da festa - chamado de o grande dia da festa - Shmini Atzeret (5 de outubro). Foi nesse dia que jesus exclamou em alta voz dizendo que se alguém tivesse sede que viesse a ele para beber e que se alguém nele cresse como dizem as Escrituras, do seu interior correriam rios de água viva - Jo 7.37, 38.

O Sukkot é realizado no 15º dia do sétimo mês de Tishri, sendo um tempo de regozijo e ações de graça. A festa dura uma semana e nele o povo deve habitar em tendas. Ela é uma festa agrícola, assim como a Páscoa e o Pentecoste. 
O toque das trombetas durante a festa convocava o povo, que se postava nas ruas para assistir à marcha dos sacerdotes que iam ao tanque de Siloé, enchiam uma vasilha de prata de água e depois rumavam para o templo e a derramavam no altar.
Esse ritual de derramamento de água simbolizava ações de graça pela CHUVA (olha a chuva ai pregada ontem pelo Pr. Sabino Leila Dourado) que possibilitou a colheita do ano. Orações por mais chuva eram feitas para possibilitar a colheita da próxima estação.Esse ritual simbolizava também a alegria espiritual e salvação.


quanto à volta de Cristo?

Você já reparou que todos os eventos principais da vida de Jesus Cristo estão relacionadas de alguma forma com as festas judaicas?

As festas sempre fizeram parte do calendário judeu e nosso Deus, com certeza, é Deus que gosta de festas e da alegria que há em nossos corações. Deus é alegre como é alegre a vida e tudo o que ele criou, por isso devemos celebrá-lo.


Não adianta nem resolve nada fecharmos nossa cara e ficarmos emburrados pelos rumos que as coisas estão seguindo como que contrariados. Deus reina e governa soberanamente e nos convidou para junto com ele sermos seus cooperadores na administração e no governo de muitas coisas na terra que ele nos deu. Os mandados de Deus, cultural, social e espiritual, não foram anulados com o novo testamento. Antes foram ratificados e confirmados.

Eu repito: “É interessante observar essas festas e associá-las com Cristo e com sua vida terrestre e com todos os eventos relacionados a ele, por que as festas, em suma, falarão dele ou de eventos relacionados a vida dele, de alguma forma.
Tudo tem a sua razão de ser justamente por causa da semente que Deus está preservando e guardando. Ali Moisés está recebendo a lei e os preceitos e conduzindo um povo, uma nação, separada e santa para o Senhor, não por causa, exclusivamente, do povo em si, mas por que no meio daquele povo há a semente messiânica.

(...) Há uma forte relação entre as festas e todo cerimonial no Tabernáculo, inclusive o próprio tabernáculo, com o Messias, o Cristo que haveria de vir.” (do livro do mesmo autor: SAINDO DO CATIVEIRO - Reflexões bíblicas no livro de Êxodo).
Dentro do tópico A PRÁTICA DA SANTIDADE  - Lv 17:1 a 27:34 -, estão instruções e detalhes das santas convocações, ou seja, das festas solenes do Senhor. Depois de uma pequena introdução dos vs. 1-2, ele trata das festas solenes:
·           O sábado – vs. 3 (Ex 23:12).
·           A páscoa – vs. 4 – 8 (Ex 23:14,15; 34:18; Dt 16:1-8).
·           As primícias – vs. 9 – 14 (Ex 23:16; 34:22-26).
·           O pentecostes – vs. 15-25 (Dt 16:9-12).
·           O dia da expiação – vs. 26 – 32 .
·           A festa dos tabernáculos – vs. 33-44.
Aqui também as festas são orientações e mandamentos de Deus ao homem para serem cumpridas e observadas. O quadro a seguir foi copiado da Bíblia de Estudo de Genebra - BEG. Nele poderemos ver didaticamente as festas organizadas de acordo com seu dia de celebração, uma descrição sucinta, o propósito e as respectivas referências bíblicas.
OU DIA
DIA DE (*)
CELEBRAÇÃO
DESCRIÇÃO
PROPÓSITO
Ref.:
Sábado
A cada sete dias
Dia de descanso; ninguém deveria trabalhar.
Dar descanso
para a as pessoas e os animais.

Éx 20:8-11
Lv 23:3;
Mt 12:1-14;
Hb 4:1-11

Lua
Nova
O primeiro dia do
mês lunar
Festa religiosa; as atividades comerciais eram suspensas.
Celebrar o início do mês lunar.
Nm 10:10;28:11-15::
1Sm 20:5-6,29;
2Rs 4:23;
Am 8:5
Ano de
descanso
A cada sete anos
Ano de descanso; as terras não eram cultivadas.
Dar descanso para a terra
Éx 2310-11:
Lv 25:1-7, 18-22,
Dt 15:1-18
Ano do
jubileu
A cada cinquenta
anos
Libertação dos escravos; devolução das terras aos donos originais.
Ajudar os pobres; preservar a ordem social.
Lv 25:8-11; 27:17-24;
Nm 36:4
Páscoa  
14 ele nisã
(março-abril)
_
Um cordeiro era morto e comido com ervas amargas e pão sem fermento.
Lembrar a libertação de Israel do Egito.
Èx 12:1-14;
Lv 23:5;
Jo 2:13
Pães Asmos
15-21 de nisã
(março-abril)
Eram preparados pães
sem fermento; reuniões
de adoração.
Lembrar como Deus havia tirado os israelitas do Egito às pressas.
Êx 12:15-20; 13:3-10; Lv 23:6-8;
Mc 14:1:12
Primícias – primeiras colheitas
16 de nisã
 (março-abril)
Oferta dos primeiros frutos das colheitas,
Reconhecer que os frutos da terra vinham de Deus
Lv 23:9-14
'
Semanas
('Pentecostes)
6 de sivã
(maio-junho)
Celebrada cinquenta dias depois da oferta das primícias; celebrava a colheita do trigo.
Mostrar alegria e gratidão a Deus pela colheita.
Èx 23:16;
Lv 23:15-21; At 2:1
Trombetas (**)
1 de tisri '
(setembro-outubro)
Dia de descanso e de fazer ofertas; as trombetas e os chifres eram tocados o dia inteiro.
Comemorar o início do ano civil.
LV 23:23-25;
Nm 29:1-6

Dia da
Expiação
(Yom Kippur)
10 de tisri
(setembro-outubro)
Dia de descanso e jejum;
eram oferecidos sacrifícios,
Oferecer sacrifícios pelos pecados dos sacerdotes e do povo; purificar o santuário.
Lv 16; 23:26-32;
Hb 9:7
Tabernáculos
(ou Cabanas)
1 5-21 de tisri
(setembro-outubro)
Uma semana de festa por causa da colheita; o povo morava em cabanas e oferecia sacrifícios.
Lembrar a peregrinação
do povo pelo deserto.

Lv 23:33-36a, 39-43:
Jo 7:22,37
Santa
convocação

22 de tísrí
(setembro-outubro)
Dia de convocação, descanso e sacrifícios.
Comemorar o encerramento do ciclo de festas.
Lv 23:36b;
Nm 29:35-38
Purim
14-15 de adar (fevereiro-março
Dia de alegria e festas; o livro de Ester era lido.
Comemorara libertação dos judeus no tempo de Ester.
Et 9:18- 32
(*) - e equivalência em nosso calendário;
(**) - depois chamado Rosh Hashaná ou Ano novo

Eu acredito que, no futuro, quando estudarmos o fato histórico da volta de Cristo, veremos que ele estava relacionado a algumas das festas judaicas. Você já sabe qual? Então se prepare, pois ele está voltando!

...



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.