terça-feira, 28 de abril de 2015

Ezequiel 29:1-21 - PROFECIAS CONTRA O EGITO.

Para nos situarmos na leitura e não perdemos nosso foco, estamos estudando o livro de Ezequiel composto de 48 capítulos. Ainda, estamos na parte II, no capítulo 29, seção F.
Ressaltamos que entre os oráculos de advertência sobre a destruição de Jerusalém (caps. 1-24) e as profecias de esperança e restauração (caps. 33-48), Ezequiel, o profeta, o filho do homem, incluiu uma seção de oráculos contra outras nações.
II. PROFECIAS CONTRA AS NAÇÕES (25.1-32.32).
A. Amom (25.1-7) – já vista; B. Moabe (25.8-11) – já vista; C. Edom (25.12-14) – já vista; D. Filístia (25.15-17) – já vista; E. Fenícia (26.1-28.26) – já vista; F. Egito (29.1-32.32) – começaremos agora.
F. Egito (29.1-32.32).
Nesses quatro capítulos finais desta parte II, veremos que Ezequiel profetizou contra o Egito, um dos grandes impérios do mundo antigo. Todas as profecias são datadas (29.1,17; 30.20; 31.1; 32.1,17), com exceção do oráculo que se inicia em 30.1.
Os capítulos seguem o padrão geral visto na seção anterior: um primeiro julgamento contra o Egito (29.1-16), um segundo julgamento (29.17-21), um lamento sobre o Egito (30.1-19), um terceiro julgamento (30.20-26), um quarto julgamento (31.1-18), um lamento por Faraó (32.1-16) e um lamento sobre o Egito e sobre Faraó (32.17-32).
Propomos, destarte, seguindo a BEG a seguinte divisão dessa seção “F”: 1. Julgamento contra o Egito (29.1-6) – veremos agora; 2. Segundo julgamento contra o Egito (29.17-21) – veremos também agora; 3. Lamento sobre o Egito (30.1-19); 4. Terceiro julgamento contra o Egito (30.20-26); 5. Quarto julgamento contra o Egito (31.1-18); 6. Lamento por Faraó (32.1-16); 7. Lamento pelo Egito e por Faraó (32.17-32).
1. Julgamento contra o Egito (29.1-6).
No primeiro julgamento contra o Egito que vai até o verso 16, Ezequiel condenou o Egito à destruição.
Aconteceu no décimo ano, no décimo mês, aos doze dias do mês do reinado de Joaquim; janeiro de 587 a.C., cerca de um ano depois que Nabucodonosor instituiu o cerco contra Jerusalém - 24.1 – que veio ao seu profeta a palavra de Deus dizendo para ele dirigir o seu rosto contra Faraó e, consequentemente, contra todo o Egito.
Era para ele falar e dizer que Faraó, rei do Egito, era o grande dragão, ou crocodilo, que pousava no meio dos seus rios e que dizia que o rio era seu e que o tinha feito para si mesmo.
Ezequiel equipara o Egito – estamos nos baseando no texto da BEG - a um monstro do mar (vs. 2-5). O termo usado poderia designar tanto os abundantes crocodilos do Nilo, como o monstro do mar que representava o caos na mitologia do antigo Oriente Próximo.
A Bíblia chama essa criatura mitológica de "monstro marinho", "dragão", "leviatã" (em algumas traduções) ou "Raabe" (32.2; Jó 3.8; 7.12; 26.12-13; 41.1; SI 74.13-14; 89.10; Is 27.1; 51.9; cf. Ap 12.13; 20.2); o termo Raabe era também uma designação poética para o Egito (Jó 9.13; SI 87.4; Is 30.7).
Na mitologia das culturas que rodeavam Israel, esse monstro marinho era um deus que competia com outros deuses, mas na Bíblia ele era simplesmente outra criatura viva submissa ao comando de Yahweh.
Ele se dizia rei, deus, e que tinha os rios sob o seu domínio e que ainda os tinha criado para ele mesmo, no entanto, o Criador Bendito, tal qual um pescador iria lançar sobre ele a sua isca presa num anzol e iria fisgá-lo, ou pescá-lo juntamente com os outros peixes dos seus rios que se apegariam às suas escamas e todos seriam tirados dos rios.
Deus arrancaria esse monstro do mar com tanta facilidade quanto os pescadores arrastam o peixe que serve de alimento, mas Deus o deixaria apodrecendo na praia - 28.2-10.
Depois de tirado dos rios seriam lançados no deserto e seus corpos seriam expostos a todo tipo de animal terrestre e celeste, servindo, assim, como pasto – vs. 5.
As aves e os animais foram dados como alimento para a humanidade (Gn 1.30; 9.2); o reverso desse relacionamento era urna maldição pactual comum (32.4; Dt 28.26; SI 79.2; Is 17.4-6; Jr 7.33; 15.3; 16.4; 19.7; 34.20). 
Por conta de tudo isso, os moradores do Egito iriam saber que o Senhor é Deus, principalmente porque tem sido um bordão de cana para a casa de Israel. A descrição de Ezequiel do Egito como uma cana quebrada relembra os comentários semelhantes feitos pelo comandante assírio a Ezequias (2Rs 18.21,24).
Porquanto tinha o Egito dito que o rio era seu e que o tinha criado para si, o Senhor não o pouparia de jeito algum e lançaria sobre ele a sua espada e exterminaria dali tanto homens como animais e toda a terra do Egito se tornaria em desolação e deserto – vs. 7-10. Pela segunda vez, aqui, Deus afirma que após isso, saberiam que o Senhor é Deus.
Isso se cumpriria desde Migdol até Sevene. Isto é, do norte ao sul. Migdol ficava no norte do Egito, provavelmente no delta leste do Nilo; era uma localidade na rota do êxodo (Ex 14.2; cf. Ez 30.6; Nm 33.7; Jr 44.1; 46.14). Sevene ficava ao sul do Egito, junto à primeira catarata do Nilo; era o ponto terminal para a navegação em águas profundas e representava a fronteira sul do Egito.
O seu castigo duraria 40 anos. É difícil fixar um período histórico definido de quarenta anos para um exílio egípcio; o número pode ter sido simbólico em vez de representar um período definido. O seu deserto seria tão terrível que nem pé de animal ou de homem haveria de passar por ela, nos 40 anos – vs. 11.
Seria assim tornada a terra do Egito em desolação no meio das terras assoladas, ficando deserta por 40 anos e com os egípcios espalhados entre as nações e disperso pelos países. Ao final desse tempo seriam ajuntados os egípcios que foram espalhados e restaurados do cativeiro e Deus os faria voltar à terra de Patros, à sua terra natal, a partir do qual se tornariam, doravante, um reino humilde.
Na verdade, depois de sua época áurea de grandes conquistas e importância no cenário mundial, o Egito nunca mais se levantou e atualmente é um país sem expressão alguma que depende em grande parte de seu turismo para ganhar fundos e se manter entre as nações, de forma bem humilde.
O Egito nunca reconquistou o poderio e a bravura militar que havia caracterizado a sua história no período bíblico – vs. 15. Israel que antes se confiava neles, agora nem olhava mais para ele, nem olhará pois nunca mais se exaltará sobre as nações, sendo diminuídos para que não mais dominem e, via de regra, pela terceira vez neste capítulo, saberiam que o Senhor é Deus.
Verdade! Quer uma prova da existência de Deus? A sua palavra proferida nos tempos do Egito e até hoje – século XXI - preservada de que o Egito nunca mais se ergueria sobre as nações.
2. Segundo julgamento contra o Egito (29.17-21).
Dos versos de 17 ao 21, um segundo julgamento contra o Egito. Ezequiel pronunciou um segundo e extenso discurso contra o Egito.
A palavra do Senhor veio ao seu profeta no tempo e no espaço, conforme registrada: no vigésimo sétimo ano, no mês primeiro, no primeiro dia do mês, do reinado de Joaquim. O dia de ano-novo, abril de 571 a.C., dezesseis anos depois do oráculo anterior (29.1).
O cerco erguido por Nabucodonosor contra Tiro durou treze anos (veja a nota sobre 26.7), terminando provavelmente no ano anterior a essa profecia de Ezequiel (572 a.C.). O cerco havia sido demorado e caro, e não compensou o esforço.
Para compensá-lo, Deus estaria dando a ele, Nabucodonosor, rei da Babilônia, toda a terra do Egito para ser totalmente dele. E aí poderia tomar de todo despojo e roubar toda presa – vs. 19 – e isso seria a sua paga para ele e seu exército, como se fosse isso a sua recompensa, pois trabalhou para Deus e Deus lhe pagaria com a terra do Egito.
Ez 29:1 No décimo ano, no décimo mês, no dia doze do mês,
veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Ez 29:2 Filho do homem, dirige o teu rosto contra Faraó,
rei do Egito, e profetiza contra ele
e contra todo o Egito.
Ez 29:3 Fala, e dize:
Assim diz o Senhor Deus:
Eis-me contra ti, ó Faraó, rei do Egito,
grande dragão, que pousas no meio dos teus rios,
e que dizes:
O meu rio é meu, e eu o fiz para mim.
Ez 29:4 Mas eu porei anzóis em teus queixos,
e farei que os peixes dos teus rios se apeguem
às tuas escamas;
e tirar-te-ei dos teus rios, juntamente com todos os peixes
dos teus nos que se apegarem as tuas escamas.
Ez 29:5 E te lançarei no deserto, a ti e a todos os peixes dos teus rios;
sobre a face do campo cairás;
não serás recolhido nem ajuntado.
Aos animais da terra e às aves do céu te dei por pasto.
Ez 29:6 E saberão todos os moradores do Egito que eu sou o Senhor,
porque tu tens sido um bordão de cana para a casa de Israel.
Ez 29:7 Tomando-te eles na mão, tu te quebraste
e lhes rasgaste todo o ombro; e quando em ti se apoiaram,
tu te quebraste, fazendo estremecer todos os seus lombos.
Ez 29:8 Portanto, assim diz o Senhor Deus:
Eis que eu trarei sobre ti a espada,
e de ti exterminarei homem e animal.
Ez 29:9 E a terra do Egito se tornará em desolação e deserto;
e saberão que eu sou o Senhor.
Porquanto disseste:
O rio é meu, e eu o fiz;
Ez 29:10 por isso eis que eu estou contra ti e contra os teus rios;
e tornarei a terra do Egito em desertas e assoladas solidões,
desde Migdol de Sevené até os confins da Etiópia.
Ez 29:11 Não passará por ela pé de homem,
nem pé de animal passará por ela,
nem será habitada durante quarenta anos.
Ez 29:12 Assim tornarei a terra do Egito em desolação
no meio das terras assoladas,
e as suas cidades no meio das cidades assoladas
ficarão desertas por quarenta anos;
e espalharei os egípcios entre as nações,
e os dispersarei pelos países.
Ez 29:13 Pois assim diz o Senhor Deus:
Ao cabo de quarenta anos ajuntarei os egípcios dentre os povos
entre os quais foram espalhados.
Ez 29:14 E restaurarei do cativeiro os egípcios,
e os farei voltar à terra de Patros, à sua terra natal;
e serão ali um reino humilde;
Ez 29:15 mais humilde se fará do que os outros reinos,
e nunca mais se exalçará sobre as nações;
e eu os diminuirei, para que não mais dominem
sobre as nações.
Ez 29:16 E não será mais a confiança da casa de Israel
e a ocasião de ser lembrada a sua iniqüidade,
quando se virarem para olhar após eles;
antes saberão que eu sou o Senhor Deus.
Ez 29:17 E sucedeu que, no ano vinte e sete, no mês primeiro,
no primeiro dia do mês, veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Ez 29:18 Filho do homem,
Nabucodonosor, rei de Babilônia,
fez com que o seu exército prestasse
um grande serviço contra Tiro.
Toda cabeça se tornou calva, e todo ombro se pelou;
contudo não houve paga da parte de Tiro para ele,
nem para o seu exército,
pelo serviço que prestou contra ela.
Ez 29:19 Portanto, assim diz o Senhor Deus:
Eis que eu darei a Nabucodonosor, rei de Babilônia,
a terra do Egito; assim levará ele a multidão dela,
como tomará o seu despojo e roubará a sua presa;
e isso será a paga para o seu exército.
Ez 29:20 Como recompensa do serviço que me prestou,
pois trabalhou por mim, eu lhe dei a terra do Egito,
diz o Senhor Deus.
Ez 29:21 Naquele dia farei brotar um chifre para a casa de Israel;
e te concederei que abras a boca no meio deles;
e saberão que eu sou o Senhor.
Bem naquele dia, Deus faria brotar ali um chifre para a casa de Israel. No original, "chifre", este era um símbolo do poder político (Dt 33.17; 1 Sm 2.10; 2Sm 22.3; SI 18.2; 75.4-5,10; 89.24; 92.10; 112.9; 132.17; 148.14; Jr 48.25; Lm 2.3,17, Dn 7.7-8,20-21; Zc 1.1841; Ap 17.12). Esse oráculo contra o Egito termina com esperança para Israel; compare com 28.24-26.
Naquele dia, Ezequiel poderá falar livremente, pois o Senhor iria conceder isso a ele que abriria a boca no meio deles e, dessa forma, novamente, saberão que o Senhor é Deus - 24.27; 33.22.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 98 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.