sexta-feira, 24 de abril de 2015

Ezequiel 25:1-17 - ORÁCULOS CONTRA AMOM, MOABE, EDOM E FILÍSTIA.

Para nos situarmos na leitura e não perdemos nosso foco, estamos estudando o livro de Ezequiel composto de 48 capítulos. Agora que concluímos a parte I, entraremos na parte II, começando com o capítulo 25. Esta segunda parte irá até o capítulo 32.
II. PROFECIAS CONTRA AS NAÇÕES (25.1-32.32).
Entramos agora em uma nova parte de nossa divisão proposta. Nesta parte II, veremos de 25.1 a 32.32, os oráculos contra as nações.
Sem dúvidas, a BEG está sendo de grande valia em nossos estudos e reflexões. Recomendamos sua aquisição e leitura, principalmente de suas notas, quadros, comentários e artigos teológicos. A maior parte do conteúdo informativo deste capítulo vem de suas preciosas notas. Um bom aprendizado a todos.
Entre os oráculos de advertência sobre a destruição de Jerusalém (caps. 1-24) e as profecias de esperança e restauração (caps. 33-48), Ezequiel incluiu uma seção de oráculos contra outras nações.
Ele denunciou sete nações, assim como Amós havia falado contra sete nações antes de empreender as suas acusações contra Israel (Am 1.3-2.5).
Os profetas de Israel desempenhavam um importante papel em tempos de guerra, com frequência fornecendo oráculos sobre determinadas batalhas (1Sm 22.5; 28.6; 1Rs 20.13-14,22; 22.6-7; 2Rs 3.11; 6.12,16; 9.6-7; 20.14; 2Cr 16.7; 18.5; 20.14,20; 28.9; Is 39.3; Jr 28.8; 38.14).
Os oráculos contra as nações estrangeiras nos livros proféticos refletem essa função; assemelham-se aos oráculos do campo de batalha proferidos pelos profetas durante o curso de uma guerra, mas nesse caso eram proferidas como predição de batalhas que viriam.
Evidências arqueológicas das culturas que circundavam Israel atestam a existência de cerimônias nas quais os poderes inimigos eram ritualmente denunciados ou simbolicamente destruídos; alguns oráculos dos profetas bíblicos podem ter tido tal arranjo.
Ezequiel apresentou seus oráculos em ordem geográfica, começando no noroeste com Amom e prosseguindo de acordo o fuso horário para o sul e ao redor até os estados fenícios no norte, então voltando ao poder de maior importância no sul, o Egito.
A maioria dos antigos estados do Oriente Próximo foi objeto desses oráculos ou foi pelo menos mencionada por eles - com uma notável exceção - a Babilônia (38.2). A Babilônia foi o instrumento do castigo de Deus contra a maioria dessas nações.
Ezequiel anunciou que Deus traria devastação sobre as nações que haviam afligido o seu povo.
Dividiremos essa parte II em seis seções: A. Amom (25.1-7); B. Moabe (25.8-11); C. Edom (25.12-14); D. Filístia (25.15-17); E. Fenícia (26.1-28.26); F. Egito (29.1-32.32).
A. Amom (25.1-7).
Veremos nos sete versículos seguintes as profecias contra Amom.
Tudo começa com a palavra de Deus vindo ao seu profeta, o filho do homem e dizendo para ele dirigir o seu rosto e, em seguida, profetizar contra os filhos de Amom.
Ezequiel já havia falado contra Amom (21.28-32). A história dos relacionamentos entre Israel e os amonitas havia sido longa e variada, mas era principalmente um registro de conflitos (Dt 2.19,37; 3.11; 23.3-4; Jz 3.13; 10.6-18; 11.4-33; 1Sm 11.1-11; 14.47; 2Sm 8.12; 10.1-11.1; 12.26,31; 1Rs 11.7,33; 2Rs 23.13; 24.2; 1Cr 19.7-19; 20.1,3; 2Cr 20.1,10,22-23; 26.8; 27.5; Jr 27.3; 40.11). Oráculos contra essa nação são encontrados também em Jr 49.1-6; Am 1.13; Sf 2.8-9.
Vários desses oráculos contra nações estrangeiras terminam com a "fórmula de reconhecimento" (vs. 7,11,17) - e sabereis que eu sou o SENHOR - muito comum, como já tivemos a oportunidade de salientá-la diversas vezes neste livro. As nações reconheceriam a soberania universal do Senhor.
A punição se adequava ao crime: por terem se regozijado com o mal causado a Jerusalém, os amonitas se tornariam eles mesmos presas de um poder estrangeiro. Embora muitos desses pequenos estados nessa área tivessem escapado da destruição durante a invasão babilônica de 587-586 a.C., fontes extra bíblicas indicam que Nabucodonosor dizimou tanto Amom quanto Moabe em 582 a.C. Ezequiel fez essa mesma afirmação em 21.28-32.
B. Moabe (25.8-11).
Dos versos de 8 ao 11, o profeta falará da parte do Senhor contra Moabe.
Os relacionamentos entre Israel e Moabe eram, também, em grande parte uma história de conflito (Êx 15.15; Nm 21.11-29; 22.1-36; 23.6-17; 24.17; 25.1; Dt 2.8-9,18,29; 23.3; 34.5-6; Jz 3.12-30; 11.15-18; Rt 1.1-2; 1Sm 12.9; 14.47; 22.3-4; 2Sm 8.2; 1Rs 11.1,7; 2Rs 1.1; 3.4-26; 13.20; 24.2; 1 Cr 18.2; 2Cr 20.1,10,22-23). Outros profetas também incluíram oráculos contra essa nação (Is 15.1-9; 16.2-14; Jr 48.1-47; Am 2.1-2; Sf 2.8-9). Moabe partilharia do destino de Amom.
Reparem que somente reconheceriam o Senhor como Deus após sofrerem esses severos juízos – vs. 11.
C. Edom (25.12-14).
Dos versos de 12 ao 14, a palavra profética era contra Edom.
Edom fez incursões em Judá na ocasião da queda de Jerusalém (35.15; 36.5; SI 137.7-9; Lm 4.21-22). As tensões entre Israel e Edom começaram com os relacionamentos de Jacó e Esaú, os filhos gêmeos de Isaque, dos quais essas duas nações descendiam respectivamente (Gn 25.23,30; cf. Gn 36.1,8-9; Nm 20.14-21; 24.18; Dt 23.7, Jz 11.17-18; 1Sm 14.47; 2Sm 8.13-14; 1Rs 11.14-17; 22.47; 2Rs 3.8-26; 8.20-22; 14.7,10; 16.6; 2Cr 20.2; 21.8-10; 25.14,19-20; 28.17).
Embora os irmãos finalmente tivessem se reconciliado (Gn 33), as tensões entre os dois povos continuamente reapareciam. Ezequiel inclui um segundo oráculo contra Edom, no cap. 35; outros profetas fizeram pronunciamentos contra Edom em Is 34.5-11; Jr 49.7-22; Lm 4.21-22; Am 1.11; Obadias e MI 1.3-5.
D. Filístia (25.15-17).
Dos versos de 15 ao 17, encerrando este capítulo, as profecias são contra a Filístia.
As nações mencionadas até aqui estavam localizadas do outro lado do Jordão a partir da localização de Judá. Entretanto, os filisteus ocupavam a planície costeira do lado oeste do Jordão e controlavam um longo segmento da estrada internacional costeira.
Reivindicações territoriais conflituosas e interesses estratégicos competitivos causaram uma história de relações inamistosas com Israel; Ezequiel já havia falado sobre essa inimizade (16.27,57).
Os filisteus representaram um importante papel nos registros bíblicos durante o período dos juízes e da monarquia unida (Gn 21.34; 26.1,8,14-15; Ex 15.14; Js 13.2-3; Jz 3.3,31; 10.7; 13 1,5; 14.4; 15.20; 16.28; 1Sm 4.1-17; 5.1-11; 7.7-14; 9.16; 13.3-5,19-23; 14.13,31- 47; 17.1-55; 18.25-30; 19.8; 23.1-5; 27.1,7; 28.1-5; 29.1-4; 31.1-2,7; 2Sm 1.20; 3.18; 5.17-25; 8.1; 21.15-19; 23.9-16; 1Rs 4.21; 15.27; 16.15; 2Rs 18.8; 1Cr 14.16; 18.1; 2Cr 9.26; 17.11; 21.16; 26.6-7; 28.18).
Outros profetas também incluíram oráculos contra os filisteus (Is 14.29-31; Jr 47.1-7; JI 3.4; Am 1.6-8; Sf 2.4-7; Zc 9.5-6). Não há nenhuma informação suplementar sobre as atividades dos filisteus na ocasião da queda de Jerusalém.
Reparem que Edom e a Filístia tinham igualmente havido vingativamente contra os israelitas para os dizimarem – vs. 12 e 15 – e portanto, tinham se feito culpados e era por causa disso que estavam recebendo uma palavra profética forte contra eles.
Quem eram os filisteus/queretitas?
Aparentemente os filisteus entraram em massa em Canaã na última metade do segundo milênio a.C., como parte de uma grande migração de grupos étnicos da área do Mediterrâneo; registros egípcios os denominam como "povos do mar".
Os queretitas podem ter sido um grupo ou tribo dos filisteus. Seu nome provavelmente credita sua ascendência como ligada aos habitantes de Creta. Os queretitas são frequentemente associados aos peletitas (possivelmente filisteus); foram contratados como soldados mercenários de Davi (2Sm 8.18; 15.18; 20.7,23; 1Rs 1.39,44; 1Cr 18.17; veja 1Sm 30.14).
Ez 25:1 De novo veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Ez 25:2 Filho do homem, dirige o teu rosto contra os filhos de Amom,
e profetiza contra eles.
Ez 25:3 E dize aos amonitas:
Ouvi a palavra do Senhor Deus:
Assim diz o Senhor Deus:
Visto que tu disseste:
Ah! contra o meu santuário quando foi profanado,
e contra a terra de Israel quando foi assolada,
e contra a casa de Judá quando foi para o cativeiro;
Ez 25:4 por isso eis que te entregarei em possessão
ao povo do Oriente, e em ti estabelecerão
os seus acampamentos,
e porão em ti as suas moradas.
Eles comerão os teus frutos, e beberão o teu leite.
Ez 25:5 E farei de Rabá uma estrebaria de camelos,
e dos amonitas um curral de rebanhos;
e sabereis que eu sou o Senhor.
Ez 25:6 Porque assim diz o Senhor Deus:
Visto como bateste com as mãos, e pateaste com os pés,
e te alegraste com todo o despeito do teu coração
contra a terra de Israel;
Ez 25:7 portanto eis que eu tenho estendido a minha mão contra ti,
e te darei por despojo às nações,
e te arrancarei dentre os povos,
e te destruirei dentre os países,
e de todo acabarei contigo;
e saberás que eu sou o Senhor.
Ez 25:8 Assim diz o Senhor Deus:
Visto como dizem em Moabe. e Seir:
Eis que a casa de Judá é como todas as nações;
Ez 25:9 portanto, eis que eu abrirei o lado de Moabe desde as cidades,
desde as suas cidades que estão pela banda das fronteiras,
a glória do país, Bete-Jesimote, Baal-Meom,
e até Quiriataim,
Ez 25:10 e ao povo do Oriente, juntamente com os filhos de Amom,
eu o entregarei em possessão,
para que não haja mais memória dos filhos de Amom
entre as nações.
Ez 25:11 Também executarei juízos contra Moabe;
e saberão que eu sou o Senhor.
Ez 25:12 Assim diz o Senhor Deus:
Pois que Edom se houve vingativamente para com a casa de Judá,
e se fez culpadíssimo, vingando-se deles.
Ez 25:13 portanto assim diz o Senhor Deus:
Também estenderei a minha mão contra Edom,
e arrancarei dele homens e animais;
e o tornarei em deserto desde Temã;
e cairão à espada até Dedã.
Ez 25:14 E exercerei a minha vingança sobre Edom,
pela mão do meu povo de Israel;
e farão em Edom segundo a minha ira e segundo o meu furor;
e conhecerão a minha vingança, diz o Senhor Deus.
Ez 25:15 Assim diz o Senhor Deus:
Porquanto os filisteus se houveram vingativamente,
e executaram vingança com despeito de coração,
para destruírem com perpétua inimizade;
Ez 25:16 portanto assim diz o Senhor Deus:
Eis que estendo a minha mão contra os filisteus,
e arrancarei os quereteus,
e destruirei o resto da costa do mar.
Ez 25:17 E executarei neles grandes vinganças,
com furiosos castigos;
e saberão que eu sou o Senhor,
quando eu tiver exercido a minha vingança sobre eles.
Todos eles neste capítulo, todas as nações julgadas: Amom, Moabe, Edom e Filístia haveriam de saber que o Senhor é Deus, no entanto, somente saberiam na hora que ocorresse o grande juízo de Deus contra elas.
Não somente às nações ocorre isso, mas em nossas vidas individualmente. Pensamos que existimos eternamente, por causa da eternidade que Deus colocou em nossos corações, e saímos aprontando e agindo contra a sua vontade, até que vem o juízo e ai, sim, reconhecemos o Senhor como Deus.
Que pena que é assim! Se tivéssemos a capacidade de antever os resultados das consequências de nossos atos tresloucados, será que iríamos ainda assim, ser loucos e insensatos?
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 102 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.