segunda-feira, 30 de março de 2015

Lamentações 5:1-22 - A GRANDE MISERICÓRDIA DE DEUS.

Chegamos ao fim de nossas reflexões no livro de Jeremias e de Lamentações de Jeremias. Como já dissemos, estamos, ainda, refletindo no livro de Lamentações que se propõe a expressar e orientar outros em seus lamentos sobre as terríveis condições impostas sobre Jerusalém e sobre o povo de Deus pelos babilônicos.
Agora veremos o quinto e último capítulo.
V. O APELO DE JUDÁ PELO AUXÍLIO DE DEUS – 5:1-22.
Neste último capítulo, veremos a condição de Judá a qual era terrível, mas o futuro traria dias melhores para a nação.
O apelo de Judá pelo auxílio de Deus começa com a oração, provavelmente de Jeremias, pedindo ao Senhor lembrança e consideração.
Lamentações termina com este poema que tem o seu clímax no desesperado apelo dos judeus exilados, para que sejam aliviados em suas dificuldades. Este é o único poema do livro que não é escrito como um acróstico, embora siga o padrão dos 22 versos.
Uma abertura comum – vs. 1, pedindo lembrança e considerações - para um lamento comunitário. Sião não está mais lutando com os sofrimentos imediatos do cerco e da pilhagem (como no cap. 4). O tempo já havia passado e eles estavam repletos de experiências sombrias e humilhantes.
Agora eles se lembram de sua herança e que ela estava nas mãos de estranhos. A Terra Prometida, herança conferida por Deus a Israel (cf. Dt 4.21; 12.9), especificamente o território de Judá (Js 15.20-63), estava totalmente nas mãos de estranhos, de estrangeiros.
Era, sem dúvidas, uma situação ultrajante, considerando que Deus havia dado a terra especificamente aos israelitas e exigido que eles expulsassem os estrangeiros para possuí-la.
Agora estavam órfãos – sem pai – e as mães eram como viúvas. Essa situação de orfandade e viuvez era daqueles cuja posição social os tornava dependentes dos outros para proteção e provisão. Deus havia ordenado a Israel que cuidasse dessas pessoas, partilhando com elas os bens da terra (Dt 14.28-29). Os israelitas haviam falhado no cumprimento desse dever e assim Deus negava a eles, pelo exílio, as boas dádivas da terra.
O verso 4 é uma espécie de inversão da linguagem de Dt 6.10-11 (ver 8.7-10; Js 9.21-23). Ali eles tinham os poços, plantações e criações que não tinham cavado, plantado ou criado e agora eram obrigados a se susterem com trabalho estrangeiro, de aluguel, por causa da tomada da posse da terra.
Estavam também, e por isso, sem qualquer descanso. Outra inversão (cf. v. 4) da linguagem comumente usada para ofertar bênção (Dt 12.9). O descanso é uma parte indispensável do gozo da bênção de Deus (1.3).
No verso 6, eles confessam as suas alianças com os egípcios e assírios. Um reconhecimento dos tratados que Judá havia feito com essas nações contra a vontade de Deus (4.17; veja 2Rs 18.14).
Já no verso 7, uma falha grave já resolvida em outras passagens das escrituras que era a ideia dos filhos amargarem ou carregarem as consequências dos atos dos pais. Uma descrição semelhante de solidariedade é encontrada em Êx 20.5. O mal-entendido de que os filhos são punidos pelos pecados dos pais é evitado por passagens como Dt 2.16; Jr 31.29-30; Ez 18. Aqueles que compartilham do julgamento de seus pais o fazem porque também compartilharam dos seus pecados (veja o v. 16; Rm 5.12,18-19).
Ao se referirem ao termo escravos àqueles que dominavam sobre eles, entendemos que estava fazendo uma referência irônica aos próprios babilônios, insinuando que as circunstâncias do momento desvirtuavam os verdadeiros relacionamentos entre Deus, Israel e as nações. Israel era, na realidade uma nação livre da escravidão (Dt 15.12-18).
Até o pão era obtido com dores no deserto ao terem de enfrentar, possivelmente a espada dos saqueadores que tiravam vantagem das comunidades enfraquecidas – vs. 9. A fome era tanta que confrontavam qualquer coisa para dela se verem livres, mesmo esses perigos de salteadores e de aproveitadores.
Ele continua a descrever em detalhes a situação terrível pela qual passavam e agora, em nome do povo, se voltam às suas mulheres e suas virgens que eram molestadas, sem piedade. Como em 2Sm 13.14; 13.32, a palavra hebraica traduzida como "forçaram" indica estupro (cf. Jz 20.5). A perda da virgindade fora do casamento trazia vergonha sobre a mulher e a sua família e podia ter sérias consequências (Dt 22.13-21).
O enforcamento de seus príncipes – vs. 12 - era uma degradação, adicionando à tortura da humilhação, o horror da execução (Dt 22.22-23; 1 Sm 31.10). Os seus jovens eram os que levavam a mó, um trabalho humilhante para um jovem (veja Jz 16.21); esse tipo de trabalho era tradicionalmente reservado para as mulheres. O propósito disso era mesmo abaixar a moral de todos de forma que somente servissem e não reagissem.
No verso 14, nem os velhos se assentavam mais nas portas, nem os jovens cantavam. Uma alusão, conforme a BEG, aos aspectos da vida normal de Judá que havia cessado. A porta onde ocorriam tratativas legais e sociais, estava deserta. A severidade da vida como povo conquistado obliterava a despreocupação anterior dos jovens.
Já não havia mais gozo ou alegria nos corações de forma que se converteu em lamentos a própria dança de celebração e de alegria.
Caiu-lhes a coroa de suas cabeças, ou seja, alguns tomam essa expressão como se referindo a Jerusalém em particular (cf. 1.1; 2.15; 5.18), mas ela simbolizava mais provavelmente a glória de Judá entre as nações (cf. Ex 19.6), que agora estava toda abatida e derrotada. Dela se ouvia apenas “ai de nós, porque pecamos!”.
De coração desmaiado – vs. 17 -, os olhos se escureceram e as visões foram tampadas e anuladas toda esperança. O poeta fechou o círculo, voltando a 1.1, retomando o tema do escândalo da cidade escolhida por Deus agora destruída e abandonada.
Somente o Senhor permanece para sempre, reina e seu trono não tem fim. Embora o trono de Judá estivesse vazio, o reinado do Senhor não estava ameaçado. Essa compilação de poemas assume essa última afirmação do princípio ao fim.
Esqueceria deles, o Senhor, para sempre? A nota de lamento soa novamente (1.22). Não há qualquer panaceia fácil para a dor manifestada; a afirmação do reinado do Senhor brotou do centro dessa dor. É o reconhecimento de que Deus é Deus apesar de nós.
Se estamos de pé, é por causa da misericórdia de Deus; se não estamos, é por causa da nossa arrogância e constante rejeição daquele que nos pode dar a vida. A justa tribulação vem indistintamente sobre todos nós para nos aperfeiçoar no amor.
Lm 5:1 Lembra-te, Senhor, do que nos tem sucedido;
considera, e olha para o nosso opróbrio.
Lm 5:2 A nossa herdade passou a estranhos,
e as nossas casas a forasteiros.
Lm 5:3 órfãos somos sem pai, nossas mães são como viuvas.
Lm 5:4 A nossa água por dinheiro a bebemos,
por preço vem a nossa lenha.
Lm 5:5 Os nossos perseguidores estão sobre os nossos pescoços;
estamos cansados, e não temos descanso.
Lm 5:6 Aos egípcios e aos assírios estendemos as mãos,
para nos fartarmos de pão.
Lm 5:7 Nossos pais pecaram, e já não existem;
e nós levamos as suas iniqüidades.
Lm 5:8 Escravos dominam sobre nós;
ninguém há que nos arranque da sua mão.
Lm 5:9 Com perigo de nossas vidas obtemos o nosso pão,
por causa da espada do deserto.
Lm 5:10 Nossa pele está abraseada como um forno,
por causa do ardor da fome.
Lm 5:11 Forçaram as mulheres em Sião,
as virgens nas cidades de Judá.
Lm 5:12 Príncipes foram enforcados pelas mãos deles;
as faces dos anciãos não foram respeitadas.
Lm 5:13 Mancebos levaram a mó;
meninos tropeçaram sob fardos de lenha.
Lm 5:14 Os velhos já não se assentam nas portas,
os mancebos já não cantam.
Lm 5:15 Cessou o gozo de nosso coração;
converteu-se em lamentação a nossa dança.
Lm 5:16 Caiu a coroa da nossa cabeça;
ai de nós. porque pecamos.
Lm 5:17 Portanto desmaiou o nosso coração;
por isso se escureceram os nossos olhos.
Lm 5:18 Pelo monte de Sião, que está assolado, andam os chacais.
Lm 5:19 Tu, Senhor, permaneces eternamente;
e o teu trono subsiste de geração em geração.
Lm 5:20 Por que te esquecerias de nós para sempre,
por que nos desampararias por tanto tempo?
Lm 5:21 Converte-nos a ti, Senhor,
e seremos convertidos;
renova os nossos dias como dantes;
Lm 5:22 se é que não nos tens de todo rejeitado,
se é que não estás sobremaneira irado contra nos.
A oração que se segue – vs. 21 - é do padrão de Jeremias que pede ao Senhor a conversão e a renovação, certos de que o Senhor é quem converte e quem renova. Os profetas nunca consideraram uma restauração da Terra Prometida à parte de um arrependimento para com Deus. Para um paralelo desse pensamento, veja Jr 31.18.
A soberania de Deus não anula a responsabilidade humana. Sempre seremos responsáveis por nossos atos e sempre será Deus soberano sobre todas as coisas.
O poeta se recusa a terminar o lamento com uma nota positiva. Como nos outros lamentos, as expressões de esperança são encontradas na porção mediana. A conclusão exprimia não desespero, mas petição.
Esse é o caráter essencial de todos os poemas em Lamentações: eles haviam sido instigados por intensa aflição por causa do julgamento de Deus e expressavam o anseio de que a compaixão de Deus os levariam a libertar o seu povo.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 127 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.