quinta-feira, 19 de março de 2015

Jeremias 46:1-28. PROFECIA CONTRA AS NAÇÕES - O EGITO.

Estamos começando a décima sétima parte – a penúltima -, de nossa divisão proposta de dezoito delas, nos baseando na estruturação apresentada pela BEG. Estamos no capítulo 46.
XVII. ORÁCULOS CONTRA AS NAÇÕES (46.1-51.64).
Jeremias anunciou uma série de profecias contra outras nações. Muitas já haviam se cumprido, mostrando que as outras predições também se cumpririam. Essa seção do livro de Jeremias, de 46.1 a 51.64, é constituída de uma série de mensagens de julgamento contra nações vizinhas.
Para melhor compreensão de nosso estudo, dividiremos esta penúltima parte em 9 seções: A. Contra o Egito (46.1-28); B. Contra a Filístia (47.1-7); C. Contra Moabe (48.1-47); D. Contra Amom (49.1-6); E. Conta Edom (49.7-22); E. Contra Damasco (49.23-27); G. Contra as tribos árabes (49.28-33); H. Contra Elão (49.34-39); I. Contra a Babilônia (50.1-51.64).
A. Contra o Egito (46.1-28).
Nesse capítulo, dos versos 1 aos 28, veremos as predições de Jeremias do julgamento contra o Egito que se cumpriram pelas mãos dos babilônios antes da redação desse livro.
O primeiro verso começa falando das palavras que vieram a Jeremias sobre as nações e elas começam do o Egito.
Foi na cidade de Carquemis que uma das batalhas decisivas da antiguidade foi travada. Nela, a Babilônia derrotou o Egito (605 a.C.), acabando com a reivindicação de posse dos egípcios sobre Canaã e a Síria (Arã). Isso se deu no quarto de Jeoaquim - 36.1; 45.1. A supremacia da Babilônia sobre o Egito foi crucial para Judá em seus últimos anos.
No verso 3, o profeta escarnece dos egípcios ao dizer a eles que preparassem o escudo e se vestissem de couraças. Essas injunções dirigidas ao Egito escarneciam de suas pretensões militares.
Ele continua no verso 4 a falar para eles se prepararem e se aparelharem para a guerra, mas o profeta os via espantados e de costas voltadas, estando os seus heróis abatidos, fugindo, correndo velozmente sem olharem para trás, cheios de terrores por todos os lados.
No entanto, eles não podiam fugir e junto à borda do rio Eufrates – vs. 6 - ou seja, em Carquemis (vs. 2), eles tropeçavam e caiam.
Alguém vinha subindo como o Nilo e chamava a atenção, pois era semelhante às águas do Nilo e parecia que ia dominar toda a terra.
O Egito achava que poderia cobrir a terra, destruir a cidade e os que nela habitavam – vs. 8. Até os etíopes e os de Pute que manejavam bem o escudo e os de Lude que eram hábeis com o arco se ajuntavam ao Egito. A presença de mercenários desses locais na Grécia e na África, indicava o poder do Egito.
A verdade era que aquele dia era diferente, pois era o dia do Senhor Deus dos exércitos, o dia da vingança, de sacrifício e a espada já sentia embriagada do cheiro do sangue que derramaria.
O profeta continua sua zombaria e escárnio falando a Gileade – vs. 11 – para tomar o bálsamo que debalde servirá por causa de suas muitas feridas incuráveis. Era essa, chamada aqui de virgem, filha do Egito, uma imagem de vulnerabilidade e inocência que também podia ser empregada com ironia. Veja o seu uso com referência a Israel em 14.17; 18.13.
Seria ali na terra do Norte, junto ao rio Eufrates que o Senhor dos exércitos haveria de ter um grande sacrifício. Era essa a palavra que estava vindo a Jeremias para anunciá-la no Egito. Quem traria essa espada e morte e destruição seria Nabucodonosor, rei da Babilônia que estava prestes a ferir o Egito.
Jeremias deveria anunciar essa palavra no Egito e ali no Egito ele se encontrava, pois tinha sido raptado por Joanã, filho de Careá, que achava que estaria indo para o Egito para se proteger da Babilônia e escapar do juízo terrível de Deus. Ele deveria anunciar isso no Egito, proclamar em Migdol; proclamar também em Mênfis, e em Tapanes; dizer: Apresenta-te, e prepara-te; porque a espada devorará o que está ao redor de ti – vs. 14.
Diante disso, todos estavam alarmados e os seus valentes derribados porque o Senhor os abateu e já poderiam visualizar a derrota que lhes seguiria. Não adiantaria lutar, o tempo já havia passado.
A palavra da vinda dele para juízo era tão forte que o Senhor a jurou por si mesmo que ele viria. Ele, Deus, se identifica aqui como o Rei. Para referências a Deus como Rei, veja 8.19; 10.7,10, 48.15; 51.57; Dt 33.5. Nos oráculos contra as nações, a verdadeira realeza é contrastada com as pretensões fúteis de reis terrenos.
Em seu juramento ele diz que certamente viria assim como o Tabor estava entre os montes, e como o Carmelo estava junto ao mar, assim ele viria. Ambos, Tabor e Carmelo, são montes altos no norte de Israel, sendo este último, associado a uma batalha em Jz 4.6.
Novamente a ameaça de cativeiro e de fogo, como tinha sido feito e cumprido em Jerusalém. Eles deveriam se prepararem, pois o destruidor viria e poria a fogo a sua cidade de Mênfis e levaria todos cativos para a Babilônia.
O Egito é comparado a uma novilha – vs. 20 – muito formosa. Talvez uma alusão à adoração ao touro no Egito, mas do norte viria uma mutuca, um inseto que pica animais domésticos. Aqui, a mutuca ou tavão referia-se a Nabucodonosor, que importunaria o Egito.
Até os seus mercenários iriam fugir e virarem as costas porque também sobre eles viria o dia de suas ruínas e o tempo da punição de Deus – vs. 21. O povo do norte iria humilhá-los e ainda que fossem considerados impenetráveis, eles não riam resistir.
Amom de Tebas seria castigado, Faraó e o Egito, juntamente com todos os seus deuses, reis e os que nele confiavam, igualmente. Amom era o deus principal do Egito. Nô, ou Tebas, ficava ao sul, sugerindo uma infiltração profunda dos babilônios no território egípcio impossibilitando qualquer defesa, reação ou fuga.
Jr 46:1 A palavra do Senhor, que veio a Jeremias,
o profeta, acerca das nações.
Jr 46:2 Acerca do Egito:
a respeito do exército de Faraó-Neco, rei do Egito,
que estava junto ao rio Eufrates em Carquêmis,
ao qual Nabucodonosor, rei de Babilônia,
derrotou no quarto ano de Jeoiaquim,
filho de Josias, rei de Judá.
Jr 46:3 Preparai o escudo e o pavês, e chegai-vos para a peleja.
Jr 46:4 Aparelhai os cavalos, e montai, cavaleiros!
Apresentai-vos com elmos;
açacalai as lanças;
vesti-vos de couraças.
Jr 46:5 Por que razão os vejo espantados e voltando as costas?
Os seus heróis estão abatidos, e vão fugindo,
sem olharem para trás; terror há por todos os lados,
diz o Senhor.
Jr 46:6 Não pode fugir o ligeiro, nem escapar o herói;
para a banda do norte, junto ao rio Eufrates,
tropeçaram e caíram.
Jr 46:7 Quem é este que vem subindo como o Nilo,
como rios cujas águas se agitam?
Jr 46:8 O Egito é que vem subindo como o Nilo,
e como rios cujas águas se agitam; e ele diz:
Subirei, cobrirei a terra;
destruirei a cidade e os que nela habitam.
Jr 46:9 Subi, ó cavalos; e estrondeai, ó carros; e saiam valentes:
Cuche e Pute, que manejam o escudo,
e os de Lude, que manejam e entesam o arco.
Jr 46:10 Porque aquele dia é o dia do Senhor Deus dos exércitos,
dia de vingança para ele se vingar dos seus adversários.
A espada devorará, e se fartará, e se embriagará
com o sangue deles;
pois o Senhor Deus dos exércitos tem um sacrifício
na terra do Norte junto ao rio Eufrates.
Jr 46:11 Sobe a Gileade, e toma bálsamo,
ó virgem filha do Egito; debalde multiplicas remédios;
não há cura para ti.
Jr 46:12 As nações ouviram falar da tua vergonha,
e a terra está cheia do teu clamor;
porque o valente tropeçou no valente e ambos juntos cairam.
Jr 46:13 A palavra que falou o Senhor a Jeremias, o profeta,
acerca da vinda de Nabucodonosor, rei de Babilônia,
para ferir a terra do Egito.
Jr 46:14 Anunciai-o no Egito, proclamai isto em Migdol;
proclamai-o também em Mênfis, e em Tapanes; dizei:
Apresenta-te, e prepara-te;
porque a espada devorará o que está ao redor de ti.
Jr 46:15 Por que está derribado o teu valente?
Ele não ficou em pé, porque o Senhor o abateu.
Jr 46:16 Fez tropeçar a multidão; caíram uns sobre os outros,
e disseram:
Levanta-te, e voltemos para o nosso povo,
para a terra do nosso nascimento,
por causa da espada que oprime.
Jr 46:17 Clamaram ali:
Faraó, rei do Egito, é apenas um som;
deixou passar o tempo assinalado.
Jr 46:18 Vivo eu, diz o Rei, cujo nome é o Senhor dos exércitos,
que certamente como o Tabor entre os montes,
e como o Carmelo junto ao mar, assim ele vira.
Jr 46:19 Prepara-te para ires para o cativeiro,
ó moradora filha do Egito;
porque Mênfis será tornada em desolação,
e será incendiada, até que ninguém mais aí more.
Jr 46:20 Novilha mui formosa é o Egito;
mas já lhe vem do Norte um tavão.
Jr 46:21 Até os seus mercenários no meio dela
são como bezerros cevados;
mas também eles viraram as costas, fugiram juntos,
não ficaram firmes;
porque veio sobre eles o dia da sua ruína
 e o tempo da sua punição.
Jr 46:22 A sua voz irá como a da serpente;
porque marcharão com um exército,
e virão contra ela com machados, como cortadores de lenha.
Jr 46:23 Cortarão o seu bosque, diz o Senhor,
embora seja impenetrável;
porque se multiplicaram mais do que os gafanhotos;
são inumeráveis.
Jr 46:24 A filha do Egito será envergonhada;
será entregue na mão do povo do Norte.
Jr 46:25 Diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel:
Eis que eu castigarei a Amom de Tebas,
e a Faraó, e ao Egito, juntamente com os seus deuses
e os seus reis, sim, ao próprio Faraó,
e aos que nele confiam.
Jr 46:26 E os entregarei na mão dos que procuram a sua morte,
na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia,
e na mão dos seus servos;
mas depois será habitada, como nos dias antigos,
diz o Senhor.
Jr 46:27 Mas não temas tu, servo meu, Jacó, nem te espantes, ó Israel;
pois eis que te livrarei mesmo de longe,
e a tua descendência da terra do seu cativeiro;
e Jacó voltará, e ficará tranqüilo e sossegado,
e não haverá quem o atemorize.
Jr 46:28 Tu não temas, servo meu, Jacó, diz o senhor;
porque estou contigo;
pois destruirei totalmente todas as nações
para onde te arrojei;
mas a ti não te destruirei de todo,
mas castigar-te-ei com justiça,
e de modo algum te deixarei impune.
Apesar de serem totalmente destruídos, Deus ainda garantia que voltariam a ser habitados, como nos dias antigos. O mesmo se daria para com Jacó, servo do Senhor, e para com Israel também. Deus os visitaria de longe mesmo, fazendo com que voltassem posteriormente, tranquilos e sossegados, sem haver quem os atemorizasse novamente.
A palavra profética foi entregue ao Egito, mas o fecho do capítulo fala de Jacó afirmando que Deus continuaria com eles e destruiria todas as nações para onde os arrojou. A sua disciplina e correção teria seu completo fecho sobre aqueles a quem ele amava e tinha escolhido.
Ai das outras nações que poderiam, naqueles momentos, exagerarem e aproveitarem a oportunidade para excederem os seus limites. A nação que fosse sábia, sim, deveria aproveitar a oportunidade, mas com temor e tremor diante de Deus que os vingaria pelos excessos.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 138 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.