sábado, 7 de março de 2015

Jeremias 34:1-22 - A INCONSTÂNCIA EM JUDÁ LHE CAUSOU RUÍNAS.

Iniciamos a décima quarta parte, de nossa divisão proposta de dezoito delas, nos baseando na estruturação apresentada pela BEG. Estamos no capítulo 34.
XIV.TRANSGRESSÕES E JULGAMENTOS REPRESENTATIVOS (34.1-36.32).
Vários acontecimentos selecionados retratam os tipos de pecado que transtornavam Judá.
Dos versos de 34.1 até 36.32, estaremos meditando nas transgressões e julgamentos representativos. Esses capítulos contêm cenas representativas da rejeição da palavra do Senhor que levaram ao julgamento final de Judá.
A divisão proposta dessa parte ficará assim: A. O julgamento contra Zedequias por voltar atrás em sua promessa de libertar os escravos (34.1-22) – veremos agora; B. O julgamento por ficarem aquém do exemplo dos recabitas (35.1-19); C. O julgamento contra Jeoaquim que queimou o rolo de Jeremias (36.1-32).
A. O julgamento contra Zedequias (34.1-22).
Veremos neste capítulo, o julgamento contra Zedequias. Essa seção mostra Jeremias transmitindo profecias de julgamento contra Zedequias por este haver quebrado a sua promessa de libertar os escravos de Jerusalém.
A palavra do Senhor veio ao profeta naquele momento em que todo o mundo parecia conspirar contra Jerusalém, mas isso se explica. Era comum os tratados trazerem estipulações que obrigavam as nações vassalas a lutar para o seu suserano.
E Deus disse para Jeremias dizer ao rei de Judá, Ezequias, que ele estaria prestes a entregar a sua cidade nas mãos de Nabucodonosor que a queimaria a fogo. Reparem nas ações simultâneas. Babilônia e seus vassalos atacavam Jerusalém e Deus lhe entregava a cidade.
Ora, se Deus não entregasse a cidade, jamais os babilônios poderiam conquistá-la ainda que fossem muito superiores em efetivo, armas, táticas e estratégias. Diz a palavra de Deus que em vão vigiam as sentinelas se o Senhor não guardar a cidade – Sl 127:1,2.
Zedequias veria os olhos do rei da Babilônia e falaria a ele face a face, mas não morreria, em paz morreria no tempo oportuno. O fim exato de Zedequias permanece obscuro em 21.4-7; 32.3-5 (52.11). O fato é que ele não morreria em combate.
Como lhe ordenou o Senhor, assim fez Jeremias anunciando-lhe todas as palavras fieis e verdadeiras do Senhor em sua vida. Assim ele fez, no exato momento, quando o exército babilônico atacava a cidade de Jerusalém e outras como Laquis e Meca, importantes cidades fortificadas de Judá (2Cr 11.5,9).
Esse versículo – vs. 7 - oferece um vislumbre dos últimos dias de Judá. Jerusalém sabia que o inimigo estava se aproximando, tomando, uma a uma, as cidades mais afastadas da capital do reino. Um fragmento de cerâmica datado de 588 a.C. traz uma mensagem ao comandante de Laquis: "Estamos esperando os sinais de fogo de Laquis... pois não podemos ver Azeca".
Novamente a palavra do Senhor veio a Jeremias quando o rei Zedequias tinha feito um pacto com o povo que estava em Jerusalém para lhes apregoar a liberdade. De acordo com as leis (Êx 21.2-11; Lv 25.39-55; Dt 15.12-18), os escravos deviam ser libertos no último ano de um ciclo de sete anos. Zedequias não havia exigido o cumprimento dessa prática, mas agora obedece à lei na tentativa de apaziguar Deus. Essa iniciativa do rei reflete a sua ambivalência quanto a dar ouvidos a Jeremias ou aos seus conselheiros políticos.
À princípio, todos obedeceram ao comando do rei, mas logo voltaram atrás em suas decisões de libertá-los e refizeram a escravidão e nisso veio a palavra ao profeta que Deus tinha feito com eles um pacto, uma aliança no deserto, no dia em que os tirou do Egito, da terra de servidão.
O Senhor relembra o que foi dito em Dt 15.12 de que era para libertarem cada um a seu irmão hebreu que lhe foi vendido e que lhe serviu por seis anos, mas ressalta o Senhor o fato de não terem ouvido a Deus, nem terem se inclinado a ele para obedecer.
Deus tinha se agradado do pacto deles, mas tão rapidamente desistiram e como meninos voltaram atrás. Isso despertou a ira do Senhor contra eles.
Esses dois verbos (a mesma palavra no hebraico “voltado a fazer”; “mudaste” - וַתָּשֻׁ֙בוּ֙) retratam claramente a inconstância de Judá (3.6,14). Os judaítas iam para um lado e depois para o outro. Porém, não existe neutralidade moral. O que eles faziam profanavam o nome do Senhor. A desconsideração ostensiva da lei que determinava a libertação dos escravos representava, na verdade, um repúdio do Senhor que deu a lei.
Como cada um desrespeitou sua própria decisão de proclamar a liberdade deles, ele o Senhor proclamaria a liberdade deles para a espada, para a fome e para a peste e ainda que os faria um espetáculo de horror em toda a terra. A repetição irônica “liberdade... liberdade” reflete a maneira como o povo trouxe julgamento sobre si mesmo (7.5-6; 23.12).
Jr 34:1 A palavra que da parte do Senhor veio a Jeremias,
quando Nabucodonosor, rei de Babilônia, e todo o seu exército,
e todos os reinos da terra que estavam sob o domínio da sua mão,
e todos os povos, pelejavam contra Jerusalém,
e contra todas as suas cidades, dizendo:
Jr 34:2 Assim diz o Senhor, Deus de Israel:
Vai, e fala a Zedequias, rei de Judá, e dize-lhe:
Assim diz o Senhor:
Eis que estou prestes a entregar esta cidade na mão
do rei de Babilônia, o qual a queimará a fogo.
Jr 34:3 E tu não escaparás da sua mão; mas certamente serás preso
e entregue na sua mão; e teus olhos verão
os olhos do rei de Babilônia,
e ele te falará boca a boca, e irás a Babilônia.
Jr 34:4 Todavia ouve a palavra do Senhor, ó Zedequias, rei de Judá;
assim diz o Senhor acerca de ti:
Não morrerás à espada;
Jr 34:5 em paz morrerás, e como queimavam perfumes
a teus pais, os reis precedentes, que foram antes
de ti, assim tos queimarão a ti;
e te prantearão, dizendo: Ah Senhor!
Pois eu disse a palavra, diz o Senhor.
Jr 34:6 E anunciou Jeremias, o profeta, a Zedequias, rei de Judá,
todas estas palavras, em Jerusalém,
Jr 34:7 quando o exército do rei de Babilônia
pelejava contra Jerusalém, e contra todas as cidades de Judá,
que ficaram de resto, contra Laquis e contra Azeca;
porque dentre as cidades de Judá, só estas haviam ficado
como cidades fortificadas.
Jr 34:8 A palavra que da parte do Senhor veio a Jeremias,
depois que o rei Zedequias fez um pacto com todo o povo
que estava em Jerusalém, para lhe fazer proclamação de liberdade,
Jr 34:9 para que cada um libertasse o seu escravo,
e cada um a sua escrava, hebreu ou hebréia,
de maneira que ninguém se servisse mais dos judeus,
seus irmãos, como escravos.
Jr 34:10 E obedeceram todos os príncipes e todo o povo
que haviam entrado no pacto de libertarem
cada qual o seu escravo, e cada qual a sua escrava,
de maneira a não se servirem mais deles,
sim, obedeceram e os libertaram.
Jr 34:11 Mas depois se arrependeram, e fizeram voltar os escravos
e as escravas que haviam libertado, e tornaram
a escravizá-los.
Jr 34:12 Veio, pois, a palavra do Senhor a Jeremias,
da parte do Senhor, dizendo:
Jr 34:13 Assim diz o Senhor, Deus de Israel:
Eu fiz um pacto com vossos pais,
no dia em que os tirei da terra do Egito,
da casa da servidão, dizendo:
Jr 34:14 Ao fim de sete anos libertareis cada um a seu irmão hebreu,
que te for vendido, e te houver servido seis anos,
e despedi-lo-ás livre de ti;
mas vossos pais não me ouviram, nem inclinaram
os seus ouvidos.
Jr 34:15 E vos havíeis hoje arrependido,
e tínheis feito o que é reto aos meus olhos,
proclamando liberdade cada um ao seu próximo;
e tínheis feito diante de mim um pacto,
na casa que se chama pelo meu nome;
Jr 34:16 mudastes, porém, e profanastes o meu nome,
e fizestes voltar cada um o seu escravo,
e cada um a sua escrava,
que havíeis deixado ir livres à vontade deles;
e os sujeitastes de novo à servidão.
Jr 34:17 Portanto assim diz o Senhor:
Vós não me ouvistes a mim, para proclamardes a liberdade,
cada um ao seu irmão, e cada um ao seu próximo.
Eis, pois, que eu vos proclamo a liberdade, diz o Senhor,
para a espada, para a peste e para a fome;
e farei que sejais um espetáculo de terror
a todos os reinos da terra.
Jr 34:18 Entregarei os homens que traspassaram o meu pacto,
e não cumpriram as palavras do pacto que fizeram
diante de mim com o bezerro que dividiram
em duas partes,
passando pelo meio das duas porções.
Jr 34:19 Os príncipes de Judá, os príncipes de Jerusalém, os eunucos,
os sacerdotes, e todo o povo da terra,
os mesmos que passaram pelo meio das porções do bezerro,
Jr 34:20 entregá-los-ei, digo, na mão de seus inimigos,
e na mão dos que procuram a sua morte.
Os cadáveres deles servirão de pasto
para as aves do céu e para os animais da terra.
Jr 34:21 E a Zedequias, rei de Judá, e seus príncipes entregarei
na mão de seus inimigos e na mão dos que procuram
a sua morte, e na mão do exército
do rei de Babilônia,
os quais já se retiraram de vós.
Jr 34:22 Eis que eu darei ordem, diz o Senhor,
e os farei tornar a esta cidade,
e pelejarão contra ela, e a tomarão,
e a queimarão a fogo;
e das cidades de Judá farei uma assolação,
de sorte que ninguém habite nelas.
O pacto tinha sido feito e um cordeiro tinha sido sacrificado ao dividirem o bezerro e passarem entre as partes. (Gn 15.18) . essa passagem entre os corpos era um ato que, com frequência, acompanhava a ratificação de uma aliança e indicava uma solene maldição sobre si mesmo (1 Rs 19.2). Aquele que andava entre os pedaços das carcaças dizia: "Se eu quebrar a minha aliança, que aconteça comigo o mesmo que aconteceu com este animal". Aqui o Senhor jura permitir que a maldição se realize.
Nos versos 21 e 22, o Senhor decidiu entregar Zedequias e seus oficiais aos babilônios porque Zedequias havia transgredido a lei de Deus e a sua aliança com Deus. E se não tivessem falhado no bom começo que tiveram, mas que recuaram em seguida? Deus teria mudado a sorte deles! É Deus quem muda a nossa sorte!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 150 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.