sábado, 7 de fevereiro de 2015

Jeremias 6:1-30 - AS INIQUIDADES DE JERUSALÉM SÃO A CAUSA DE SUA QUEDA.



Estamos trabalhando na quarta parte, de nossa divisão proposta de dezoito delas, nos baseando na estruturação apresentada pela BEG. Estamos no capítulo 6.
IV. OS PECADOS E JULGAMENTOS DE JUDÁ (3.6-6.30) - continuação.
Como já dissemos, nós já vimos os pecados repetidos de Judá (2.1-3.5) que levaram aos julgamentos divinos e, agora, em consequência os pecados que os levaram à invasão estrangeira (3.6-6.30).
Também havíamos dividido essa parte “4” como segue:: A. Judá é pior do que Israel - 3.6-4.4 – já vimos; B. O julgamento por meio da invasão - 4.5-31 – já vimos; C. A cidade pecaminosa de Jerusalém - 5.1-13 – já vimos; D. O julgamento por meio da destruição de Jerusalém - 5.14-19 - já vimos; E. Os pecados de Judá - 5.20-31 - já vimos; F. O julgamento por meio do exílio – 6:1-30 – veremos e encerraremos a parte IV agora.
F. O julgamento por meio do exílio – 6:1-30.
Estamos, finalmente, no último capítulo dessa quarta parte e nela veremos, em seus 30 versículos, o julgamento por meio do exílio. Depois de anunciar o pecado de Judá, Jeremias faz uma declaração final sobre o exílio iminente.
A aproximação dos babilônios aterrorizaria todos em Judá. Não haveria onde se esconder. Fugir para onde, se o inimigo já estava a caminho a passos largos? Haveria algum lugar de segurança?
O profeta se refere a Jerusalém como a formosa e delicada, como a filha de Sião. Apesar de ser uma personificação de Jerusalém - 4.31 - a imagem também se refere às mulheres refinadas da cidade - Is 3.16-26; Am 4.1. A tristeza do profeta é expressa no olhar nostálgico que ele lança sobre a sua cidade amada.
Ela agora não mais seria pastoreada pelos pastores de Israel, mas pelos líderes babilônios com as suas tropas tomando Jerusalém (cf. 4.15).
A guerra já estaria preparada contra ela e por ironia, essas mesmas palavras “levantai-vos e subamos de noite” eram usadas pelos israelitas quando subiam à Jerusalém para adorar - 31.6. Aqui, a imagem da guerra santa é invertida: o Senhor lutaria contra o seu povo.
O ataque poderia se dar a qualquer hora, mesmo em horas tidas como incomuns para os ataques como ao meio-dia ou de noite. Isso revelava que a força do inimigo era tanta que o resultado seria o mesmo qualquer que fosse o momento que decidissem atacar.
Nos versos 6 e 7, Deus parece que se dirige aos babilônios, instruindo-os acerca de como castigar Jerusalém. A opressão citada, no meio dela, era contra o seu próprio povo que como um poço cuja água transborda, Jerusalém transbordava de perversidade.
Ele se dirige a ela em tom ameaçador e final como se já avisada já fosse de que o mal estava por vir a ela por causa de seus pecados e por causa de sua rejeição a Deus. o risco dela era Deus se apartar dela definitivamente e ela se tornar uma total assolação, uma terra deserta e já não mais habitada para sempre, por isso o aviso.
Em vez de rebuscar suas plantações – vs. 9 -, os agricultores deviam deixar o que sobrava para os pobres (Dt 24.19-221. No entanto, a Babilónia "rebuscaria" Judá meticulosamente. No capítulo anterior, vs. 10, o problema da vinha eram as gravinhas. Retirando-se elas, o remanescente seria salvo. O Senhor tinha propósitos mais profundos por trás da permissão que concedeu aos babilónios (23.3 – Deus esta no controle de tudo). Trata-se de urna expressão hiperbólica; Deus poupou um remanescente para cumprir a sua aliança de redenção - 11.23. ela não haveria de alcançar o joio, nem as gravinhas, mas o remanescente fiel que teme e treme de sua palavra.
 O profeta usa de exagero nos vs. 11-12 para indicar a destruição quase total de Jerusalém que envolveria crianças, jovens, marido,  mulher, velho, casas, campos, toda a terra.
Tudo estava contaminado desde o menor até ao maior, desde o profeta até ao sacerdote. A falsa mensagem deles, separados para pregarem a palavra de Deus, era paz, paz, no entanto, essa não era a palavra de Deus, mas a palavra que seus corações malignos desejavam para continuar, cada um em seu pecado predileto. A mensagem dos falsos profetas, recebida de bom grado pelo povo, não poderia trazer a paz verdadeira (Mq 2.6), cuja contraparte é a justiça.
Estavam tão acostumados com o pecado e suas abominações que mal sabiam o que era envergonharem-se – vs. 15 - de tão cauterizada que estava as suas consciências.
Deus lhes pede que se ponham no caminho novamente para o bem deles. Os caminhos verdadeiros estabelecidos por Moisés. O bom caminho, literalmente, "o caminho para o bem", ou seja, o caminho para a paz e para a prosperidade. O sinal de que estariam no caminho certo seriam achar descanso para a sua alma - Mt 11.29.
Até os seus atalaias - uma designação usada para os profetas (Is 21.11; Ez 3.17; Hc 2.1) - Deus colocou para eles os avisando para estarem atentos à voz da buzina, mas eles disseram que não escutariam!
Então Deus conclama nações e fala à terra e anuncia que trará o mal sobre o povo – vs. 18, 19 -, o próprio fruto dos seus pensamentos porque rejeitaram a palavra do Senhor e a sua lei. Ao invés de agradar a Deus com o que Deus requer, ofereceram a ele o incenso de Sabá,  com ingredientes caros usados em rituais (Ex 30.23-38), numa tentativa clara de suborno. De tais holocaustos - uma ênfase importante nos salmos e nos profetas (SI 40.6-8; Is 1.11-15; Mq 6.6-8; veja Mt 23.23) – o Senhor não se agradava.
O resultado disso não poderia ser outro. Levariam as consequências consigo e estariam armados, doravante, tropeços ao próprio povo que pais e filhos juntamente, e vizinhos e amigos para que eles perecessem.
O povo da terra do norte já estava vindo. Uma grande, temível e terrível nação já se levantava das extremidades da terra, trazendo seus arcos e flechas, não usando de misericórdias, rugindo como um leão feroz, montados em cavalos dispostos à batalha. A manutenção de vivos não era ato de misericórdia deles, mas interesses na escravidão e outros negócios. Embora fossem instrumentos de Deus para o juízo, Deus não aprovava a violência deles e ainda deles haveria de requerer todo sangue derramado.
O profeta fala que ao ouvirem a notícia disso, logo de todos se afrouxaram as suas mãos e do povo se apegou uma angústia de dar nó na língua. As dores já poderiam se sentir como a que está de parto para fazer nascer a criança, mas a criança não sai.
Não poderiam sair no campo, nem andarem pelo caminho por causa da espada do inimigo e do espanto que estava por todos os lados. Era de fato muito terrível a destruição de Jerusalém – 20:10; 46:5; 49:29.
Jr 6:1 Fugi para segurança vossa, filhos de Benjamim, do meio de Jerusalém!
                Tocai a buzina em Tecoa, e levantai o sinal sobre Bete-Haquerem;
                               porque do norte vem surgindo um grande mal, sim,
                                               uma grande destruição.
                 Jr 6:2 A formosa e delicada, a filha de Sião, eu a exterminarei.
                Jr 6:3 Contra ela virão pastores com os seus rebanhos;
                               levantarão contra ela as suas tendas
                                               em redor e apascentarão, cada um no seu lugar.
                Jr 6:4 Preparai a guerra contra ela;
                               levantai-vos, e subamos ao meio-dia.
                                               Ai de nós! que já declina o dia,
                                               que já se vão estendendo as sombras da tarde.
                Jr 6:5 Levantai-vos, e subamos de noite,
                               e destruamos os seus palácios.
                Jr 6:6 Porque assim diz o Senhor dos exércitos:
                               Cortai as suas árvores, e levantai uma tranqueira
                                               contra Jerusalém.
                               Esta é a cidade que há de ser castigada;
                                               só opressão há no meio dela.
                Jr 6:7 Como o poço conserva frescas as suas águas,
                               assim ela conserva fresca a sua maldade;
                                               violência e estrago se ouvem nela;
                                               enfermidade e feridas há
                                                               diante de mim continuadamente.
                Jr 6:8 Sê avisada, ó Jerusalém, para que não me aparte de ti;
                               para que eu não te faça uma assolação,
                                               uma terra não habitada.
                Jr 6:9 Assim diz o Senhor dos exércitos:
                               Na verdade respigarão o resto de Israel como uma vinha;
                                               torna a tua mão, como o vindimador, aos ramos.
                Jr 6:10 A quem falarei e testemunharei, para que ouçam?
                               eis que os seus ouvidos estão incircuncisos,
                                               e eles não podem ouvir;
                               eis que a palavra do Senhor se lhes tornou em opróbrio;
                                               nela não têm prazer.
                Jr 6:11 Pelo que estou cheio de furor do Senhor;
                               estou cansado de o conter;
                                               derrama-o sobre os meninos pelas ruas,
                                                               e sobre a assembleia dos jovens também;
                               porque até o marido com a mulher serão presos,
                                               e o velho com o que está cheio de dias.
                Jr 6:12 As suas casas passarão a outros,
                               como também os seus campos e as suas mulheres;
                               porque estenderei a minha mão contra os habitantes da terra,
                                               diz o Senhor.
                Jr 6:13 Porque desde o menor deles até o maior,
                               cada um se dá à avareza; e desde o profeta até o sacerdote,
                                               cada um procede perfidamente.
                Jr 6:14 Também se ocupam em curar superficialmente
                               a ferida do meu povo, dizendo:
                                               Paz, paz; quando não há paz.
                Jr 6:15 Porventura se envergonharam
                               por terem cometido abominação? Não, de maneira alguma;
                                               nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se.
                               Portanto cairão entre os que caem;
                                               quando eu os visitar serão derribados, diz o Senhor.
                Jr 6:16 Assim diz o Senhor:
                               Ponde-vos nos caminhos, e vede,
                                               e perguntai pelas veredas antigas,
                                                               qual é o bom caminho, e andai por ele;
                                                               e achareis descanso para as vossas almas.
                               Mas eles disseram:
                                               Não andaremos nele.
                Jr 6:17 Também pus atalaias sobre vós dizendo:
                               Estai atentos à voz da buzina.
                                               Mas disseram: Não escutaremos.
                Jr 6:18 Portanto ouvi, vós, nações, e informa-te tu,
                               ó congregação, do que se faz entre eles!
                Jr 6:19 Ouve tu, ó terra!
                               Eis que eu trarei o mal sobre este povo,
                                               o próprio fruto dos seus pensamentos;
                                               porque não estão atentos às minhas palavras;
                                                               e quanto à minha lei, rejeitaram-na.
                Jr 6:20 Para que, pois, me vem o incenso de Sabá,
                               ou a melhor cana aromática de terras remotas?
                                               Vossos holocaustos não são aceitáveis,
                                                               nem me agradam os vossos sacrifícios.
                Jr 6:21 Portanto assim diz o Senhor:
                               Eis que armarei tropeços a este povo,
                                               e tropeçarão neles pais e filhos juntamente;
                                                               o vizinho e o seu amigo perecerão.
                Jr 6:22 Assim diz o Senhor:
                               Eis que um povo vem da terra do norte,
                               e uma grande nação se levanta das extremidades da terra.
                Jr 6:23 Arco e lança trarão; são cruéis, e não usam de misericórdia;
                               a sua voz ruge como o mar, e em cavalos vêm montados,
                                               dispostos como homens para a batalha, contra ti,
                                                               ó filha de Sião.
                Jr 6:24 Ao ouvirmos a notícia disso, afrouxam-se as nossas mãos;
                               apoderam-se de nós angústia e dores, como as de parturiente.
                Jr 6:25 Não saiais ao campo, nem andeis pelo caminho;
                               porque espada do inimigo e espanto há por todos os lados.
                Jr 6:26 Ó filha do meu povo, cingi-te de saco,
                               e revolve-te na cinza; pranteia como por um filho único,
                                               em pranto de grande amargura;
                                               porque de repente virá o destruidor sobre nós.
                Jr 6:27 Por acrisolador e examinador te pus entre o meu povo,
                               para que proves e examines o seu caminho.
                Jr 6:28 Todos eles são os mais rebeldes,
                               e andam espalhando calúnias; são bronze e ferro;
                                               todos eles andam corruptamente.
                Jr 6:29 Já o fole se queimou; o chumbo se consumiu com o fogo;                        
                               debalde continuam a fundição,
                                               pois os maus não são arrancados.
                Jr 6:30 Prata rejeitada lhes chamam,
                               porque o Senhor os rejeitou.
Dos versos de 27 a 30, Deus revela a Jeremias o seu papel nisso tudo. O de acrisolador e o de fortaleza para conhecer o caminho deles e o examinar ficando claro assim seu papel de mediador e intercessor do povo.
O Senhor ordena que Jeremias teste Judá como um acrisolador testa os metais para averiguar a pureza deles. Em outras partes do livro, o próprio Senhor é o acrisolador tanto do povo, quanto de Jeremias – 9:7; 17:10; 20:12; 11:20; 12:3). A parte ruim seria descartada, mas a parte boa, livre das impurezas, seria tratada e reaproveitada.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 178 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br

...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.