quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Jeremias 24:1-10 - OS FIGOS BONS E OS FIGOS RUINS, IMPRESTÁVEIS.



Estamos finalizando a décima primeira parte, de nossa divisão proposta de dezoito delas, nos baseando na estruturação apresentada pela BEG. Estamos no capítulo 24.
XI. JULGAMENTO E ESPERANÇA NOS ÚLTIMOS DIAS DE JUDÁ (21.1-24.10) – continuação.
Como já dissemos, ainda que alguns negassem a realidade, o julgamento de Judá seria inevitável. Esses capítulos estão narrando o fim da dinastia davídica, deixando claro que a calamidade e o exílio seriam o resultado do julgamento divino dos pecados dos reis, dos profetas e do povo de Judá. O julgamento é enfatizado, mas o tema de esperança de restauração futura também está presente.
Para melhor compreensão do assunto, também foi dividida esta parte em três seções: A. Os governantes de Judá (21.1 - 23.8) – já vista; B. Os falsos profetas (23.9-40) – já vista; C. Uma distinção e a esperança futura (24.1-10) – concluiremos agora.
C. Uma distinção e a esperança futura (24.1-10).
Jeremias teve uma visão interessante sobre a figueira e seus frutos e isso se sucedeu depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, levou em cativeiro a Jeconias, filho de Jeoiaquim, rei de Judá e com ele os príncipes de Judá, os carpinteiros, os ferreiros. A primeira grande deportação ocorreu em 597 a.C. (2Rs 24.14-16).
A visão dos figos bons e ruins traz à memória a seca que havia sido uma das consequências da desobediência de Judá (12.4; 14.1; cf. 8.13). Eles estão relacionados aos que resistiam de alguma forma ao cativeiro.
Os "bons figos" são equiparados aos exilados, aos quais, diz a palavra – vs. 5 – o Senhor os enviou. Seria por meio daqueles que haviam sido levados para o exílio na Babilônia que ocorreria a restauração do povo de Deus. O próprio Cristo era descendente desses que voltaram do exílio babilônico.
Sobre esses estariam os olhos atentos do Senhor para o bem deles e, com certeza, os faria voltar, obviamente que não eles mesmos, mas os seus filhos, pois que tal cativeiro durou cerca de 70 anos.
Considerando o nascimento de Israel em 1948 ou 47, teremos os 70 anos de uma geração em 2017 ou 18. Muitos tem estabelecido em seus cálculos que a volta de Jesus a este mundo não passará desta data.
O fato é que ninguém sabe ao certo, mas os rumores mexem com nossa imaginação. Também devemos estar atentos às festas judaicas uma vez que Cristo participou com a história de sua vida de todos os momentos dela, como por exemplo a páscoa. Ele foi “imolado” no mesmo dia de comemoração da páscoa.
Além de por os olhos neles e edificá-los e plantá-los, o Senhor daria a eles um coração humilde e disposto a aprender e a conhecer ao Senhor.
Os judaítas que estavam no exílio não eram melhores nem mais propensos a crer do que os judaítas que haviam ficado para trás. Em resposta à incapacidade do seu povo de manter o relacionamento de aliança com ele, o próprio Senhor interviria, criando nos seus escolhidos uma nova capacidade de conhecê-lo.
A fórmula da aliança “eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus” (32.38; Lv 26.12) mostra que essa resposta constitui nada menos que uma nova aliança. A teologia introduzida aqui é desenvolvida em 31.31-34.
Já quanto aos figos ruins – vs. 8 - aqueles que permaneceram na terra, pensaram que estariam protegidos da ira de Deus, mas Jeremias afirma o contrário. Os que ficaram para trás seriam ainda mais castigados.
O Senhor os faria um espetáculo horrendo e uma ofensa para todo os reinos da terra. Deles faria um opróbrio e um provérbio, um escárnio e uma maldição em todos os lugares por onde os haveria de arrojar. Ou seja, seriam totalmente esquecidos e igualados àqueles que não conhecem ao Senhor nem por ele se interessam, antes dele se afastam cada vez mais.
Para tais, haveria a trilogia do terror do Senhor: - a espada, a fome e a peste! Ela os consumiria, bem assim todos os seus descendentes. Terrível coisa é negligenciar ao Senhor. Melhor é não conhecê-lo e por isso ser condenado e sofrer as ações de sua escolha, do que conhecendo-o, ignorá-lo ou buscar outros deuses.
Jr 24:1 Fez-me o Senhor ver,
e vi dois cestos de figos, postos diante do templo do Senhor.
Sucedeu isso depois que Nabucodonosor, rei de Babilônia,
levara em cativeiro a Jeconias, filho de Jeoiaquim,
rei de Judá, e os príncipes de Judá, e os carpinteiros,
e os ferreiros de Jerusalém,
e os trouxera a Babilônia.
Jr 24:2 Um cesto tinha figos muito bons, como os figos temporãos;
mas o outro cesto tinha figos muito ruins,
 que não se podiam comer, de ruins que eram.
Jr 24:3 E perguntou-me o Senhor:
Que vês tu, Jeremias?
E eu respondi:
Figos; os figos bons, muito bons, e os ruins,
muito ruins, que não se podem comer,
de ruins que são.
Jr 24:4 Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Jr 24:5 Assim diz o Senhor, o Deus de Israel:
Como a estes bons figos, assim atentarei com favor
para os exilados de Judá, os quais eu enviei
deste lugar para a terra dos caldeus.
Jr 24:6 Porei os meus olhos sobre eles, para seu bem,
e os farei voltar a esta terra.
Edificá-los-ei, e não os demolirei; e plantá-los-ei,
e não os arrancarei.
Jr 24:7 E dar-lhes-ei coração para que me conheçam,
que eu sou o Senhor; e eles serão o meu povo,
e eu serei o seu Deus; pois se voltarão para mim
de todo o seu coração.
Jr 24:8 E como os figos ruins, que não se podem comer,
de ruins que são, certamente assim diz o Senhor:
Do mesmo modo entregarei Zedequias, rei de Judá,
e os seus príncipes, e o resto de Jerusalém,
que ficou de resto nesta terra,
e os que habitam na terra do Egito;
Jr 24:9 eu farei que sejam espetáculo horrendo,
uma ofensa para todos os reinos da terra,
um opróbrio e provérbio, um escárnio,
e uma maldição em todos os lugares
para onde os arrojarei.
Jr 24:10 E enviarei entre eles a espada, a fome e a peste,
até que sejam consumidos de sobre a terra
que lhes dei a eles e a seus pais.
Eles foram levados para o cativeiro, sofrendo a primeira grande deportação em 597 a.C., conforme se ve em 2Rs 24.14-16. A primeira impressão dessa leitura é “o inimigo os levou para o cativeiro”, mas ao lermos o vs. 5, somos obrigados a repensar tudo. O inimigo, na verdade, não os levou, mas Deus foi quem os enviou ao cativeiro, pela instrumentalidade dos babilônios.
Isso é muito importante de se destacar. O Senhor jamais é surpreendido em qualquer coisa, mas é soberano sobre todas elas e é ele quem dirige os destinos das nações e dos homens, de forma que eles poderia imitar o apóstolo Paulo dizendo, eu, cativo do Senhor na Babilônia – Ef 3:1 – ou como eu (guardada as devidas proporções), no século XXI, em 2015 – eu, empregado de Cristo nos Correios.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 160 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.