quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Isaías 41:1-29 - DEUS É PODEROSO PARA CONDUZIR TODAS AS NAÇÕES.



Para você não se perder na leitura capítulo por capítulo, nós nos encontramos aqui:
Parte IV – ISAÍAS E O JULGAMENTO BABILÔNICO – 40:1 – 66:24.
Como já dissemos, as inúmeras profecias nessa parte, que ocupa uns 26 capítulos deste livro, e estamos no 41/66, foram direcionadas, basicamente, aos exilados na Babilônia para encorajá-los a escapar de seus captores e retornar, pela fé, à Terra Prometida (47:20-21).
Também nós dividimos essa quarta última parte em quatro outras partes principais: A. O chamado de Isaías para proclamar a restauração (40:1-11) – já vista; B. A capacidade e a determinação de Deus de trazer restauração para o seu povo na Babilônia (40:12 – 44:23) – começaremos a ver agora; C. Os dois instrumentos de Deus para a restauração (44:24 – 55:13); e, D. O caminho de arrependimento e restauração que Israel precisava percorrer para poder desfrutar da restauração (56:1 – 66:24).
B. A capacidade e a determinação de Deus de trazer restauração para o seu povo na Babilônia (40:12 – 44:23).
Como também já dissemos, dos versos 40:12 ao cap. 44.23, estaremos vendo o poder de Deus na restauração do povo de Deus, sendo que muitos duvidavam de que isso seria mesmo possível. As profecias proferidas visavam assegurar aos israelitas no exílio que eles não precisavam temer, pois que Deus seria plenamente capaz de cumprir a promessa da aliança.
Também essa parte “B” foi dividida em 13 blocos ou: 1. Uma discussão sobre o poder de Deus (40:12-31) – já vista; 2. Um pronunciamento judicial contra as nações (41:1-7) – veremos agora; 3. Salvação para Israel (41:8-20) – veremos agora; 4. Um pronunciamento judicial contra os ídolos (41:21-29) – veremos agora; 5. Salvação para Israel (42:1-17); 6. Uma discussão sobre a cegueira e a surdez de Deus (42:18-25); 7. Salvação para Israel (43:1-7); 8. Um pronunciamento judicial contra as nações e os ídolos (43:8-13); 9. Salvação para Israel (43:14-21); 10. Uma discussão sobre a justiça de Deus (43:22-28); 11. Salvação para Israel (44:1-5); 12. Um pronunciamento judicial contra as nações e os ídolos (44:6-20);  e, 13. Salvação para Israel (44:21-23).
2. Um pronunciamento judicial contra as nações (41:1-7).
Seria Deus mesmo capaz de restaurar Israel estando toda a nação debaixo de um cativeiro, nas mãos de outra tão grande e terrível nação? Essa era a dúvida pela qual nesses primeiros sete versículos, Isaías fará seu pronunciamento contra as nações.
A resposta de Isaías às objeções quanto à capacidade de Deus de restaurar Israel está na forma de um discurso judicial contra essas nações.
No verso primeiro, a partir dele, todas as nações são chamadas a reconhecerem a soberania do Senhor e a enxergarem a mão de Deus na História. Jamais em tempo algum Deus abandonou as coisas ou as entregou para seguirem seus próprios destinos como que desinteressado delas por causa de sua transcendência, pelo contrário, quando ele julga elas e entra em juízo, ele está sendo imanente e interessado no seu destino, em especial mesmo com relação ao seu povo, seus escolhidos.
Às vezes nos parece difícil vermos isso diante de tantas opressões que vemos no mundo como foram, masis recentes, os casos que resultaram na primeira e na segunda grande guerra mundial. Hoje vemos uma outra opressão vinda dos países muçulmanos cujo viver mesmo é um atentado à vida de tantas pessoas inocentes que eles chama de infiéis e sem misericórdias as executam ou as sacrificam por suas causas.
No verso 2 Isaías está dizendo que foi Deus que do oriente, suscitou Ciro o Grande, da Pérsia (559-530 a.C.), a cujos passos segue a vitória.
Ciro foi vitorioso em estabelecer uma nova ordem (44:24-45:5,13; 46:11). As nações estavam debaixo da autoridade do Senhor, ainda que vivendo como se Deus não existisse, desprezando todo direito e toda justiça e oprimindo todos os povos, inclusive os de seu próprio reino.
Por isso, elas desempenhariam qualquer papel que lhes tosse atribuído para redimir Israel do exílio (45:1; 49:7,22-23; 52:15; 60:3,16). É ele, Deus, quem faz com que as nações se lhe submetam, como se fosse um resgate por Israel (43:3).
As conquistas de Ciro, devido a sua grande foça militar, foram rápidas (cf. 46:11) e precisas por que Deus as entregava em suas mãos. Nenhuma nação ou reino poderia se lhe opor, sendo que Deus já o tinha feito vitorioso e por meio dele exercia o seu juízo contra todas as nações e reinos, inclusive contra o seu próprio povo.
No verso 4, uma pergunta retórica. Foi, é, continará sendo Deus a ordenar a história humana e toda a sua criação (Na BEG, veja as notas sobre 11.2; 40.21). Ele, o SENHOR mesmo, uma significativa fórmula da autoidentificação divina (43.10,13; 46.4). "Eu mesmo" é uma forma reduzida de "Eu (sou) o SENHOR" (41:13; 42:8; 43:3,15; 44:24; 45:3,5-6; 48:17; 49:23; 51:15; 60:22; Jo 6:35; 8:12,58; 9:5; 10:7,9,11,14; 11:25; 14:6; 15:1,5).
O Senhor é o Deus dos patriarcas e, como tal, ele prometeu estar com o seu povo; ele é o Deus do passado, do presente e do futuro, e cumprirá as suas promessas (cf. Êx 3:14-15; 6:6-8; Ez 20:5,7; Ap 4:8). Ele é o nosso Deus das promessas[1] e já nos fez tantas que daria para escolher uma por dia.
Aproveite a oportunidade para meditar em suas promessas para você não ir desanimando pelo caminho, pois breve chegará a hora, a nossa hora de triunfo, como já chegou para milhares e milhões e bilhões de pessoas em todo o mundo e, em breve, quando todos ressuscitaremos e viveremos para sempre – vida eterna – com o Senhor. Afinal de contas tudo está no controle absoluto de Deus, o Senhor (vs. 27; 44:6; 48:12; cf: Hb 13:8; Ap 1:8,17; 2:8; 21:6; 22:13).
Em resposta ao desafio do Senhor às nações, no vs. 1, as mesmas temeram e, por conta disso, entraram em rebelião. Um ao outro ajudaram e disseram para serem fortes, mas do que adianta toda força quando se está nadando contra a maré da vida?
No verso 7, novamente a polêmica de Isaías contra a idolatria. Do que adianta confiar em deuses que não são deuses e que necessitam de um artífice para os sustentar? Poderiam tais deuses ajudarem as nações contra aquele que viria do Oriente?
3. Salvação para Israel (41:8-20).
Há, no entanto, uma salvação anunciada para o povo de Deus, para os filhos piedosos de Abraão  (vs. 14; 40:27; 42:24; 43:1,22,28; 44:1,5,21,23; 45:4; 46:3; 48:1,12; cf: Lc 1:54), nos versos de 8 a 20. A primeira promessa de lsaías quanto salvação de Israel nessa seção (40:12 – 44:23) concentra-se no papel da nação como serva de Deus no mundo.
Repare que entre os capítulos de Isaías do 40 ao 55, o título de "servo" é concedido implicitamente a Ciro (45:1-4) e explicitamente aos profetas de Deus (44:26), à nação (aqui) e ao Messias (42:1-4). Essas aplicações frequentemente se mesclam, embora às vezes elas devam ser mantidas separadas, como quando o antigo Israel mostrou-se cego e surdo (42:18), rebelde (46:3,8,12) e carente da salvação do servo alerta e obediente (49:5; 50:4-5; 53:6).
Deus prometeu estar com o seu povo, lutar as suas batalhas e libertá-lo (8:8,10; 43:2,5; 45:14; cf: II Cr 20:17; At 18:9-10).
“Eu sou o teu Deus” é a principal promessa da aliança (41:13-14; 43:1,5; 44:2,8; 51:12; Gn 17:7; 21:17; 26:24; Dt 20:1; 31:6,8; Lv 26:12; Jr 32:38; Ez 37:27; 2Co 6:16). Hoje, em Cristo Jesus, podemos até dizer pelo Espírito Santo que “nós temos a mente de Cristo” I Co 2:16 – isso é demais”. É, assim, Deus que nos fortalece e que nos sustenta, que estaria presente por meio da libertação cheia de graça, exaltando e defendendo os seus filhos (v. 13; 42.1; 44.2; 48.13; 49.8; 50.7; 63.12), que nos conduziria com a sua destra fiel e que estabeleceria ordem na terra, mediante o seu poder, como tinha feito com êxito, no êxodo (63.12; Êx 15.6).
Envergonhados – vs 11 – e confundidos estariam todos os que estariam indignados contra o povo de Deus. E aos que pelejariam ou os buscariam para os dominar, não os achariam e ainda seriam reduzidos a nada e a coisa nehuma, de nenhum valor, principalmente os que insistissem em guerrear contra os escolhidos do Senhor.
No verso 13, ele volta a afirmar que ele é o SENHOR, seu Deus que nos toma pela sua mão direita como um pai ao seu filho e que o consola e o conforta e o anima dizendo para não temer. Não temas! – vs 14.
O termo em hebraico para seu redentor designa o protetor da família. Para um membro da família em apuros esse "vingador do sangue", entre outras coisas, podia vingar um assassinato (Nm 35:19) e redimir um escravo (Lv 25:27-49). O Deus Santo se lança para defender o seu povo (43.14-15; 45.11; 47.4; 48.17; 49.7; 54.5; 57.15), para vingá-lo, para redimi-lo.
Nos versos de 15 e 16, de um povo fraco e sem qualquer defesa, ele o Senhor o faria um trilho cortante, novo e de lâminas duplas que trilharia os montes e reduziria a palha os outeiros. Depois os padejaria, mas o vento os levaria e o redemoinho os espalharia e, em consequência, alegrarias sobremaneira no Senhor e em seu nome gloriarias para sempre.
41.17-20 O Senhor das promessas, nos versos de 17 a 20,  promete restauração ao humilde e ao necessitado.
Aos aflitos e necessitados que buscam águas, ou sejam, os exilados que voltavam e todos aqueles que buscam o favor de Deus, encontrariam a salvação de Deus que ouviria o seu clamor, estando sua boca e línguas secas.
O Senhor abriria rios nos altos desnudos e fontes nos meios dos vales, tornando o deserto em açudes de águas e a terra seca em mananciais, onde seriam abundantes toda vegetação e espécies vivas da natureza mediante transformação da criação e, consequentemente, da renovação do compromisso com a aliança do Senhor.
Esse também é o quadro daqueles que anunciam as boas novas da salvação que anunciam novos tempos para os gentios, para todos os povos que se encontram desesperados por uma saída e não as encontra por causa da idolatria e da rejeição do homem contra Deus.
4. Um pronunciamento judicial contra os ídolos (41:21-29).
Finalizando o capítulo, dos versos de 21 ao 29, o Senhor prova a sua grandeza fazendo pronunciamentos contra os ídolos.
Esse segundo pronunciamento contra a descrença em Israel nessa seção (veja vs. 1-7) é um discurso judicial que se concentra nos ídolos que representavam os poderes sobrenaturais por trás das nações gentias (cf. Sl 82).
No mundo antigo tinha-se como certo que a deidade principal de uma nação conquistada passava a sujeitar-se à divindade da nação que a havia capturado.
No entanto, isso não era a verdade para o caso da nação de Deus. Isaías argumenta que não era esse o caso em relação ao cativeiro de Israel. Ninguém tinha subjugado o Senhor, pelo contrário, ele estava disciplinando o seu povo e fazendo os passar pela peneira onde somente continuariam os remanescentes, seus escolhidos, para darem continuidade ao seu reino à espera do Messias que em breve viria.
Somente o Senhor planeja, declara e executa profecias:
·         De acontecimentos passados, especialmente quanto a Israel e a Judá serem abandonadas por Deus, como aquelas registradas nos caps. 1 ao 35 (42:9; 43:9,18; 46:9; 48:3; 65:7,17).
·         De profecias de coisas futuras, sobre as coisas que "hão de vir" (vs. 23), a era do favor do Senhor e o pleno estabelecimento do seu reino, como as apresentadas nos caps. 40 ao 66 (42:23; 44:7; 45:11; 46:10).
Essa era do favor do Senhor e do pleno estabelecimento do seu reino:
·         Foi oferecida a Israel quando da restauração do exílio em 539 a.C.
·         Foi inaugurada com a obra de Cristo, na sua primeira vinda gloriosa e vitoriosa.
·         Será consumada em sua volta.
Isaías desafia os poderes dos deuses que não são deuses, das forças que se dizem poderosas e, em seguida, zombou delas, dos seus deuses, pedindo que eles fizessem qualquer coisa que fosse; eles, porém, eram, e são, totalmente impotentes.
Deus condenava e condena aqueles que não dependem dele (vs. 29; 44:9), que nada fazem e que escolhem a abominação em seu lugar, por causa da sua vaidade e orgulho.
Dos versos de 25 a 29, concluindo o capítulo 41, logo ficaria evidente que, em lugar dos ídolos, o Senhor é que é o Deus onipotente que realiza seus propósitos como lhe apraz.
Ele, Deus, suscita Ciro veio da Pérsia, no Oriente. Ciro conquistou a Média em 549 a.C., o que fez dele o governante dos territórios ao norte da Babilônia.
Esse rei executou a vontade do Senhor, muito provavelmente sem dar-se conta disso (45:4-5; II Cr 36:23; Ed 1:1-4 – em Esdras ele até chega a mencionar o Senhor como aquele que o estaria comissionando a edificar uma casa ao Senhor em Jerusalém.
 Is 41:1 Calai-vos perante mim, ó ilhas,
                e os povos renovem as forças;
                               cheguem-se, e então falem;
                                               cheguemo-nos juntos a juízo.
                Is 41:2 Quem suscitou do oriente o justo e o chamou para o seu pé?
                               Quem deu as nações à sua face e o fez dominar sobre reis?
                                               Ele os entregou à sua espada como o pó
                                                               e como pragana arrebatada
                                                                              pelo vento ao seu arco.
                Is 41:3 Ele os persegue e passa em paz,
                               por uma vereda por onde os seus pés
                                               nunca tinham caminhado.
                Is 41:4 Quem operou e fez isto, chamando as gerações
                               desde o princípio?
                                               Eu o SENHOR, o primeiro,
                                                               e com os últimos eu mesmo.
                Is 41:5 As ilhas o viram, e temeram;
                               os fins da terra tremeram; aproximaram-se, e vieram.
                Is 41:6 Um ao outro ajudou, e ao seu irmão disse: Esforça-te.
                Is 41:7 E o artífice animou ao ourives,
                               e o que alisa com o martelo ao que bate na bigorna,
                                               dizendo da coisa soldada: Boa é.
                               Então com pregos a firma, para que não venha a mover-se.
                Is 41:8 Porém tu, ó Israel, servo meu, tu Jacó,
                               a quem elegi descendência de Abraão, meu amigo;
                Is 41:9 Tu a quem tomei desde os fins da terra,
                               e te chamei dentre os seus mais excelentes, e te disse:
                                               Tu és o meu servo, a ti escolhi e nunca te rejeitei.
                Is 41:10 Não temas, porque eu sou contigo;
                               não te assombres, porque eu sou teu Deus;
                                               eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento
                                                               com a destra da minha justiça.
                Is 41:11 Eis que, envergonhados e confundidos serão
                               todos os que se indignaram contra ti;
                                               tornar-se-ão em nada, e os que contenderem contigo,
                                                               perecerão.
                Is 41:12 Buscá-los-ás, porém não os acharás;
                               os que pelejarem contigo, tornar-se-ão em nada,
                                               e como coisa que não é nada,
                                                               os que guerrearem contigo.
                Is 41:13 Porque eu, o SENHOR teu Deus, te tomo
                               pela tua mão direita; e te digo:
                                               Não temas, eu te ajudo.
                Is 41:14 Não temas, tu verme de Jacó, povozinho de Israel;
                               eu te ajudo, diz o SENHOR, e o teu redentor
                                               é o Santo de Israel.
                Is 41:15 Eis que farei de ti um trilho novo, que tem dentes agudos;
                               os montes trilharás e moerás; e os outeiros tornarás
                                               como a pragana.
                Is 41:16 Tu os padejarás e o vento os levará,
                               e o redemoinho os espalhará; mas tu te alegrarás
                                               no SENHOR e te gloriarás no Santo de Israel.
                Is 41:17 Os aflitos e necessitados buscam águas, e não há,
                               e a sua língua se seca de sede; eu o SENHOR os ouvirei,
                                               eu, o Deus de Israel não os desampararei.
                Is 41:18 Abrirei rios em lugares altos, e fontes no meio dos vales;
                               tornarei o deserto em lagos de águas,
                                               e a terra seca em mananciais de água.
                Is 41:19 Plantarei no deserto o cedro, a acácia, e a murta,
                               e a oliveira; porei no ermo juntamente a faia, o pinheiro
                                               e o álamo.
                Is 41:20 Para que todos vejam, e saibam, e considerem,
                               e juntamente entendam que a mão do SENHOR fez isto,
                                               e o Santo de Israel o criou.
                Is 41:21 Apresentai a vossa demanda, diz o SENHOR;
                               trazei as vossas firmes razões, diz o Rei de Jacó.
                Is 41:22 Tragam e anunciem-nos as coisas que hão de acontecer;
                               anunciai-nos as coisas passadas, para que atentemos
                                               para elas, e saibamos o fim delas;
                                                              ou fazei-nos ouvir as coisas futuras.
                Is 41:23 Anunciai-nos as coisas que ainda hão de vir,
                               para que saibamos que sois deuses;
                                               ou fazei bem, ou fazei mal,
                                               para que nos assombremos, e juntamente o vejamos.
                Is 41:24 Eis que sois menos do que nada e a vossa obra
                               é menos do que nada; abominação é quem vos escolhe.
                Is 41:25 Suscitei a um do norte, e ele há de vir;
                               desde o nascimento do sol invocará o meu nome;
                                               e virá sobre os príncipes, como sobre o lodo e,
                                                               como o oleiro pisa o barro, os pisará.
                Is 41:26 Quem anunciou isto desde o princípio,
                               para que o possamos saber, ou desde antes,
                                               para que digamos: Justo é?
                               Porém não há quem anuncie, nem tampouco quem manifeste,
                                               nem tampouco quem ouça as vossas palavras.
                Is 41:27 Eu sou o que primeiro direi a Sião:
                               Eis que ali estão; e a Jerusalém
                                               darei um anunciador de boas novas.
                Is 41:28 E quando olhei, não havia ninguém; nem mesmo entre estes,
                               conselheiro algum havia a quem perguntasse
                                               ou que me respondesse palavra.
                Is 41:29 Eis que todos são vaidade;
                               as suas obras não são coisa alguma;
                               as suas imagens de fundição são vento e confusão.
Novamente uma pergunta retórica  - vs 26 - sobre quem teria anunciado previamente isso exatamente como iria acontecer?
O Senhor foi o primeiro que disse a Sião “Eis! Ei-los aí!” e a Jerusalém que estaria dando um mensageiro, provavelmente o próprio Is prefigurando, ambos, O Senhor e os mensageiros do Senhor com suas notícias de novas de salvação para todos os povos.
As nações e seus ídolos eram impotentes. A avaliação que o Senhor faz dos ídolos conclui que eles eram uma nulidade – 40:18-20; 41:7, 21-24; 44:9 – sem poder algum para manter ou livrar Isarael do cativeiro. p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 249 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br


[1] Aproveite para ler e refletir em “DEUS DE PROMESSAS - Reflexões bíblicas no livro de Josué.” Disponível em: www.agbook.com.br  - formato impresso e em www.ossemeadores.com.b r e http://pt.scribd.com/doc/210882681/DEUS-DE-PROMESSAS  - em formato ebook.
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.