quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Isaías 27:1-13 - O TEMPO DE ESPERA E OS GRANDES JULGAMENTOS E BÊNÇÃOS DE DEUS NA TERRA.

Estamos no capítulo 27/66, na terceira parte do livro de Isaías, na subparte “B”. Como temos dito, a época corresponde ao período entre 740 a.C e 686 a.C que se encontra detalhada em II Re 15:1 a 20:21, envolvendo os públicos de Israel e Judá.
Parte III – A RESPOSTA DE ISAÍAS AO JULGAMENTO ASSÍRIO – 7:1 – 39:8.
B. Levante internacional durante o julgamento assírio – 13:1 a 27:13.
2. O objetivo do levante internacional – 24:1 ao 27:13
Como havíamos dito, os capítulos 24 ao 27 - "Pequeno Apocalipse" de Isaías - fornecem um retrato em larga escala de como Deus vai lidar com o mundo atribulado no qual vive o seu povo.
Esses capítulos resumem e combinam as descrições dos capítulos anteriores num retrato de grande significado cósmico do amplo julgamento assírio (13:1 - 23:18).
Nós também dividimos essa subparte “2” em quatro:
a.         O profeta prediz que o julgamento é o caminho para a alegria do povo de Deus (24.1-23) – já vista.
b.        O profeta oferece o seu próprio cântico de louvor a Deus pela sua fidelidade (25.1-8) – já vista.
c.         O profeta fala da intervenção na História (25:9 – 26:8) – já vimos.
d.        O profeta prediz o tempo de espera e o resultado final dos grandes julgamentos e bênçãos de Deus na terra (26:9 – 27:13) – concluiremos agora.
d. O profeta prediz o tempo de espera e o resultado final dos grandes julgamentos e bênçãos de Deus na terra (26:9 – 27:13) - continuação.
Como já dissemos, esperar não é nada fácil, mas em Deus devemos esperar pelo futuro e anunciar isso às nações enquanto ainda é dia e o arrependimento é possível. Dos versos 9 até 27.13 estamos vendo essa espera pelo futuro. Tendo descrito as festas que acontecerão depois do julgamento e a salvação terem finalmente chegado, Isaías se volta para o problema do período de espera que o povo de Deus terá de suportar.
O profeta mais uma vez descreve aquilo pelo que ele e o povo de Deus estavam esperando e que na verdade também é o que estamos esperando em Cristo Jesus, nós os que já estamos com Cristo por sua pura graça e misericórdia, uma vez que fomos alcançados pela pregação da palavra de Deus:
·         A destruição do poder do mal (vs. 1). Todo mal será extirpado da face da terra e nunca mais se ouvirá dele em todos os tempos e tempos. Não nos inclinaremos mais para ele, nem seremos mais tentados.
·         A renovação do povo de Deus (vs. 2-6). A terra geme e aguarda com expectativa a redenção dos filhos de Deus onde tudo será renovado, não somente as pessoas, mas a própria natureza.
·         A redenção por meio do julgamento (vs. 7-13). Os justos em Cristo Jesus, justificados por ele, receberão a redenção e em consequência os ímpios, os que não aceitaram a Cristo, a condenação.
O Antigo Testamento faz uso de imagens para caracterizar as forças demoníacas por trás dos poderes políticos opressivos (30:6-7; 51:9; Jó 3:8; 41:1; Sl 8:4; 74:14; Ap 12:7-10) aqui representados por leviatã, a serpente veloz e serpente tortuosa e o dragão que está no mar das nações.
O cântico da vinha se coloca em forte contraste com a parábola de 5:1-7. Para outras ilustrações sobre a videira e a vinha, consultar 3:14; 5:1; 61:5, 65:21.  
A parábola da vinha de 5:1-7 é, como já dissemos, uma bela ilustração da vinha do Senhor na qual Deus desejou e esperou que desse frutos bons, mas que na verdade produziram frutos maus. Isaías cantou sobre as maneiras como Judá se rebelara contra Deus, usando as imagens de uma vinha e de um agricultor (veja Mt 21:33-44; Jo 15:1-6).
Tudo foi feito a favor da vinha para que sarasse e produzisse o esperado, com grande atenção, Deus tinha preparado e estabelecido o seu povo para as gerações que se seguiriam, mas de nada adiantou os esforços e aplicação de recursos. No entanto, essas imagens – vs 2 - da torre, de uvas boas, reforçam a expectativa de que a redenção do povo de Deus resultará em colheita abundante em Cristo Jesus.
O que faria, então, o dono da vinha? Então veio a palavra de julgamento de que ali se tornaria algo terrível e a vinha serviria de pasto, onde seria pisada e depois tornada em deserto.
Não mais seria podada, nem sachada, antes nela cresceriam espinheiros e abrolhos, sementes essas que representam a maldição de Deus (7:23-25; 9:18; 10:17; 27:4; 32:13).
Depois do julgamento de Deus, o remanescente restaurado responderia à graça de Deus. O Senhor cuidaria do seu povo e supriria, de dia e de noite, todas as necessidades da nação restaurada, inclusive protegeria a vinha de intrusos indesejáveis.
Deus receberia alegremente todo aquele que desejasse se reconciliar com ele (9:6; 11:1-16; 26:3).
A renovação do povo de Deus (vs. 2-6).
A nação restaurada depois da opressão e do exílio produziria o fruto da justiça e da alegria. Também em Cristo Jesus se espera que a igreja produza frutos para a glória de Deus. a igreja é constituída de indivíduos que juntos forma a família de Cristo e individualmente são a igreja representativa do reino de Deus na terra.
Somos como embaixadores de Cristo, pertencentes a uma nação celestial cujo território é fincado aqui na terra, em toda a sua extensão.
O povo de Deus cumpriria o seu propósito: espalhar o reino de Deus por todas as nações (26:17-19). Assim também a igreja deve levar a palavra da salvação para todos os povos. Obviamente que será salvação para aqueles que Deus irá salvar e juízo para aqueles que escolheram a rejeição do Senhor.
A redenção por meio do julgamento (vs. 7-13).
Isaías explica que a opressão e o exílio do povo de Deus não eram simplesmente para julgamento, mas também para renovação e salvação.
Embora externamente parecesse que Deus tratava o seu povo da mesma maneira como fazia com as outras nações, sujeitando-as ao julgamento assírio, o seu propósito para o seu povo era bastante diferente do propósito que tinha para as outras nações.
Não porque a nação fosse especial, mas por pura escolha soberana de sua vontade que coincidia justamente com a escolha das nações a favor ou contra Deus.
O vento oriental que carregava o pó e o grande calor do deserto representava a severidade do julgamento decretado sobre o povo de Deus por meio de desterro e do exílio.
Os severos julgamentos contra o povo de Deus eram os meios pelos quais a nação poderia ser restaurada (40.2). Esse processo temporário de expiação antecipava a expiação eterna realizada quando Deus castigou Jesus em favor do seu povo.
Seja grãos por agitação (Rt 2,17) ou azeitonas ao se bater os ramos (Dt 24.20). O território de Canaã concedido por promessa a Abraão (Gn 15.18) está aqui profundamente associado com o jardim primevo do Éden (veja Gn 2.10-14).
Deus prometeu restaurar o seu povo com cuidado meticuloso e individual. Representantes daqueles que foram levados ao exílio seriam levados de volta à Terra Prometida.
O cumprimento dessa expectativa começou no Antigo Testamento com a reunião das tribos depois do exílio (I Cr 9:1-34). O estágio final dessa reunião:
·         Começou no dia de Pentecostes (At 2).
·         Continua por meio do ministério do evangelho hoje.
·         Será por fim completado na volta de Cristo.
O chamado do santo exército de Deus para o ataque contra os inimigos, os assírios (13:1 – 14:32) se dando por trombetas. No momento oportuno, essa promessa será por fim cumprida quando Cristo voltar em glória (veja I Co 15:42; I Ts 4:16).
Essa referência, aos que andavam perdidos pela terra da Assíria, demonstra que o profeta tinha em mente em primeiro lugar o julgamento assírio.
A lista completa de julgamentos e bênçãos mencionada aqui, porém, não acontecerá até que Cristo volte.
Essa promessa de adoração revivida em Jerusalém foi cumprida em parte quando Zorobabel completou o templo (Ed 6.13-18).
Is 27:1 Naquele dia o SENHOR castigará com a sua dura espada,
                grande e forte, o leviatã, serpente veloz, e o leviatã,
                               a serpente tortuosa, e matará o dragão, que está no mar.
                Is 27:2 Naquele dia haverá uma vinha de vinho tinto;
                               cantai-lhe.
                Is 27:3 Eu, o SENHOR, a guardo, e cada momento a regarei;
                               para que ninguém lhe faça dano,
                                               de noite e de dia a guardarei.
                Is 27:4 Não há indignação em mim. Quem me poria sarças
                               e espinheiros diante de mim na guerra?
                                               Eu iria contra eles e juntamente os queimaria.
                Is 27:5 Ou que se apodere da minha força, e faça paz comigo;
                               sim, que faça paz comigo.
                Is 27:6 Dias virão em que Jacó lançará raízes, e florescerá e brotará
                               Israel, e encherão de fruto a face do mundo.
                Is 27:7 Feriu-o como feriu aos que o feriram?
                               Ou matou-o, assim como matou aos que foram mortos
                                               por ele?
                Is 27:8 Com medida contendeste com ela, quando a rejeitaste,
                               quando a tirou com o seu vento forte, no tempo do vento leste.
                Is 27:9 Por isso se expiará a iniquidade de Jacó,
                               e este será todo o fruto de se haver tirado seu pecado;
                                               quando ele fizer a todas as pedras do altar como
                                                               pedras de cal feitas em pedaços,
                               então os bosques e as imagens não poderão ficar em pé.
                Is 27:10 Porque a cidade fortificada ficará solitária,
                               será uma habitação rejeitada e abandonada
                                               como um deserto; ali pastarão os bezerros,
                                               e ali se deitarão, e devorarão os seus ramos.
                Is 27:11 Quando os seus ramos se secarem, serão quebrados,
                               e vindo as mulheres, os acenderão,
                                               porque este povo não é povo de entendimento,
                                               assim aquele que o fez não se compadecerá dele,
                               e aquele que o formou não lhe mostrará nenhum favor.
                Is 27:12 E será naquele dia que o SENHOR debulhará seus cereais
                               desde as correntes do rio, até ao rio do Egito; e vós,
                                               ó filhos de Israel, sereis colhidos um a um.
                Is 27:13 E será naquele dia que se tocará uma grande trombeta,
                               e os que andavam perdidos pela terra da Assíria,
                                               e os que foram desterrados para a terra do Egito,
                                                               tornarão a vir, e adorarão ao SENHOR
                                                                              no monte santo em Jerusalém.
Conclui a BEG, nos mostrando que o ministério terreno de Jesus em Jerusalém:
·         Começou a levar o cumprimento aos seus estágios finais (Jo 2.13-22; Jo 1.14).
·         Continua hoje em Cristo, que está na Jerusalém que é lá de cima (GI 4.26).
·         Alcançará a plena realização na segunda volta de Cristo (Ap 21.2-3).
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 223 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.