quinta-feira, 11 de setembro de 2014

I Crônicas 21:1-30 - DAVI, EXEMPLO DE PASTOR - E O LIVRE-ARBÍTRIO?

Nossas reflexões se encontram aqui:
Parte II – O REINO UNIDO – 9:35 a II CR 9:31
A. O reinado de Davi – 9:35 a 29:30.
3. Preparativos para o templo – 13:1 a 29:25 – estamos vendo;
b. Davi faz preparativos para o templo – 17:1 a 29:25
Recapitulando: nessa parte “b.”, o cronista tratará de uma das contribuições mais importantes de Davi para a história de Israel: seus preparativos para a construção do templo.
Ela foi dividida em cinco seções principais: (1) Davi aceita a comissão divina de se fazer os preparativos para Salomão - 17:1-27 – já vista. (2) Davi garante a segurança do reino e coleta os materiais para o templo – 18:1 a 20:8 – já vista. (3) Davi descobre o local do templo – 21:1 a 22.1 – veremos agora. (4) Davi executa o comissionamento dos construtores - 22:2-19. (5) Davi transfere a organização dos trabalhadores e a transferência do poder da responsabilidade para Salomão – 23:1 a 29.25.
(3) Davi descobre o local do templo – 21:1 a 22.1
O cronista tratará da descoberta do templo. A vitória militar precedente de 19:1 a 20-8 prepara o terreno para o relato sobre o censo militar inapropriado realizado por Davi.
Com apenas duas exceções importantes, o cronista parece seguir II Sm 24. Em Samuel, a narrativa mostra como Davi trouxe sofrimento sobre a nação, mas intercede com sucesso em seu favor.
Se Davi não tivesse interesse pelo povo a ponto de se sacrificar ou oferecer-se em sacrifício por ele, Deus já o teria rejeitado há muito tempo. No entanto, apesar de seu pecado, ele se arrepende e se oferece no lugar do povo que sofria com a peste.
Ao que parece, o cronista adapta esse relato para mostrar como Deus levou Davi a descobrir o local do futuro templo.
Trago para o presente capítulo, minhas reflexões já feitas sobre este fato em II Sm 24, com adaptações pertinentes a este capítulo 21 de Crônicas.
A intercessão de Davi faz cessar uma peste – II Sm 24:1-25
Antes desse fato, houve o belo e simples cântico de Davi, falado pelo Espírito Santo, como ele mesmo disse, que falava, entre outras coisas, principalmente, do messias que viria de Davi.
Depois, fez o autor de Samuel o relato dos grandes homens de Davi sendo citados como os seus valentes, onde Joabe não aparece entre eles, apesar de ter sido um grande guerreiro de Davi.
E aqui, nesse capítulo, surge um fato curioso, cujo título atribuído pela BEG, não diz muita coisa não, pois se sua intercessão fez a peste cessar, ela somente começou por causa dele mesmo.
A temática deste capítulo, sem dúvidas, é a ira do Senhor e acho oportuno meditar um pouco sobre essa ira, a qual muitas vezes não pregamos sobre ela nem falamos dela, muito menos ensinamos nossas ovelhas a respeito dela, no entanto se faz mister.
A ira de Deus é a expressão do seu justo juízo contra o pecado e contra o pecador. “É uma manifestação da vingança divina contra os violadores da sua palavra e para quem não há manifestação da sua misericórdia”, a saber, os ímpios. 
Pink define a ira de Deus da seguinte maneira:
A ira de Deus é uma perfeição divina tanto como a Sua fidelidade, o Seu poder ou a Sua misericórdia. Só pode ser assim, pois não há mácula alguma, nem o mais ligeiro defeito no caráter de Deus, porém, haveria, se nEle não houvesse a Ira! A ira de Deus é a Sua eterna ojeriza por toda injustiça. É o desprazer e a indignação da divina equidade contra o mal. É a santidade de Deus posta em ação contra o pecado. É a causa motora daquela sentença justa que Ele lavra sobre os malfeitores. Deus está irado contra o pecado porque este é rebelião contra a Sua autoridade, um ultraje à Sua soberania inviolável.
Vicent Cheung ressalta que a ira de Deus é a sua divina cólera contra tudo que é contrário à santidade e à retidão; é seu intenso aborrecimento para com o pecado e a impiedade. Em suma, a Ira de Deus, nas palavras J. I. Packer, “é a sua justiça reagindo contra a justiça”.
No verso primeiro é dito que a ira do Senhor (ira santa e justa!) acendeu-se contra Israel e Davi foi incitado a enumerar o povo. Este é um assunto delicado, mas que tentaremos entender.
Quando Deus está determinado a agir em juízo, o povo se corrompe ainda mais por causa do pecado natural do povo e por causa da graça e misericórdia de Deus que são retiradas para que assim eles ajam livremente, isto é, em pecado.
Nossa natureza é maligna por causa do pecado original e o que nos impede de agirmos livremente é o Senhor. Deus pretendeu punir o povo e a forma disso acontecer foi entregando o povo a si mesmo. Quando estamos entregues nas nossas próprias mãos, agimos, como eu costumo dizer, livremente.
É a ilusão do livre-arbítrio! Eu faço o que quero, na hora que quero, do jeito que quero. Eu sinto muito dizer e afirmar que isso não é liberdade, antes escravidão! Somente é livre aquele que em tudo pode se conter e não o que faz o que quer, pois ninguém faz o que quer, antes o que sente e o que seu corpo e mente pedem, isso não é ser livre.
Jesus disse que todos os que cometem pecado, são escravos do pecado. Se somos pecadores, não somos livres, nem temos livre-arbítrio, antes pecamos e achamos que estamos sendo livres.
Quem assistiu o filme do Robocop 2014, pode ver isso claramente quando o robô/homem foi de um desempenho excepcional em teste contra forças inimigas. O homem que estava na máquina, imaginava que era ale agindo, quando na verdade, não era ele, mas um software que era acionado para comandar as suas ações sempre que a sua viseira abaixava protegendo o seu rosto.
O mesmo se dá conosco, acostumados com o pecado. Quando pecamos, achamos que estamos sendo livres, mas nunca! Estamos apenas entregues a nós mesmos e assim, Davi foi entregue a si mesmo.
Em I Cr 21:1, está claro o texto de que foi Satanás quem o incitou a contar o povo e fazê-lo pecar. Todos sabemos que Deus não leva ninguém a pecar, muito menos tenta alguém, antes o prova, como diz Tiago em sua epístola – Tg 1:13.
Não há contradições tão pouco aqui na Bíblia, mas o que entendo disso é que Deus é soberano e que o até o diabo quando age para o mal, objetivando isso, está cumprindo os sábios planos de Deus! Deus é soberano inclusive sobre o mal e seus agentes.
Pretendeu contar o povo e contou. Ordenou a Joabe e este não gostou da ideia, mas a cumpriu. Depois de tudo concluído quando trouxeram o resultado para Davi, este caiu na realidade e se perguntou por que fizera aquilo e reconheceu que tinha pecado.
O contar o povo fazendo um levantamento de censo não parece ter sido mau em si mesmo – Nm 1:1-2; 4:1-2; 26:1-4. A ofensa aqui, como no caso da exigência de Israel por um rei – I Sm 8 -, deve ter sido na área da motivação.
Eu nunca entendi como ruim o fato de Israel desejar ser uma monarquia, minha queixa contra o povo foi o fato de eles quererem ser como as outras nações. Aqui, no caso do censo, também o problema não estava no censo, mas na sua motivação, como falou a BEG.
Depois de pecar, o mais fantástico, buscou a Deus e pediu perdão, mas o juízo já tinha sido acionado, conforme Deus tinha pretendido, e o profeta enviado por Deus lhe deu apenas três opções de juízo.
Tudo envolvendo o número três. Três escolhas e em cada escolha, o número três. Ou três anos, ou três meses, ou três dias. E os elementos da escolha seriam: a fome, a espada e a peste. A fome mais lenta, a espada mais rápida e a peste super veloz, mas altamente trágica.
Esses três elementos perseguiam o povo de Israel quando naturalmente ocorria o rompimento da aliança – Lv 26:23-26; Dt 28:21-26; 32:24-25; I Re 8:37; II Cr 20:9; Is 51:19; Jr 14:12; Ex 6:11-12.
A escolha entre os três elementos foi uma ação da misericórdia de Deus para com Davi, homem segundo o coração de Deus, que pecava, sim, mas que se arrependia.
A escolha de Davi reflete a sua personalidade. Ele escolheu a Deus e justificou sua escolha já que seu Deus era rico em misericórdia e perdão.
Davi aqui estava sendo retratado como um pecador, mas não como qualquer pecador, mas como um que se arrepende e que busca a Deus e intercede pelo povo a ponto de se oferecer em sacrifício. Este realmente é um final interessante nessa história de Davi.
Então se tem início a peste que de tão violenta vitimou a setenta mil pessoas e já ia o anjo destruidor eliminar Jerusalém quando foi interrompido pelo próprio Senhor em resposta `as orações intercessórias do rei Davi.
E acontece algo incrível, Deus permite a Davi ver o anjo que ali estava com a espada desembainhada pronto para destruir. Davi temeu o anjo, mas ao mesmo tempo foi de uma coragem excepcional ao se oferecer no lugar do povo. Isso  agradou ao Senhor que teve misericórdias dele e da nação de Israel.
Também outra razão para o livro de Samuel se encerrar aqui, foi o fato de que o local escolhido para sacrifício de apaziguamento da ira de Deus foi a eira de Araúna, local do futuro templo de Israel – I Cr 22:1; ou seja, o monte Moriá, de acordo com II Cr 3:1, também conforme Gn 22:2, local onde Abraão foi provado e ali iria oferecer seu filho Isaque.!
Araúna – ou Ornã, o jebuseu - quis ofertar a Davi a sua eira, mas Davi não a aceitou por que iria oferecê-la ao Senhor e disse a ele que não ofereceria ao Senhor algo que nada lhe custasse. Pagou o preço justo e pode oferecer seus sacrifícios, conforme recebera de Gade, o profeta,  a orientação para assim proceder.
Davi levantou o altar ao Senhor naquele lugar que ficou sendo o local onde mais tarde, seu filho Salomão iria erguer o templo e que hoje está ocupada pela Mesquita de Omar, de abóboda dourada, templo muçulmano, o mesmo lugar, também, onde Abraão foi provado quando o Senhor pediu a ele que oferecesse Isaque, seu filho, em sacrifício.
Os leitores deveriam perceber – cf BEG -, nesses acontecimentos, a eficácia da intercessão dos filhos de Davi, mesmo quando tiveram de lidar com as consequências de seus próprios pecados. Davi e seus filhos conduziram a nação para tempos difíceis, mas eles mesmos é que deveriam conduzi-lo para tempos melhores.
Após levantar o altar e oferecer ali sacrifícios por instruções de Gade, o profeta, Deus se tornou favorável para com a terra, e a praga cessou de sobre Israel.
A sequência da narrativa continuará, no caso do livro de Samuel  em I e II Reis, e no caso de I Cr, com as orientações gerais para a edificação do templo.
O contexto já está todo preparado para a continuidade do reinado eterno de Davi, sendo que quem irá subir ao trono agora será o seu filho Salomão que realizará muitos dos sonhos que Davi quis, mas não pode fazê-lo.
I Cr 21:1 Então Satanás se levantou contra Israel,
                e incitou Davi a numerar a Israel.
                I Cr 21:2 E disse Davi a Joabe e aos maiorais do povo:
                               Ide, numerai a Israel, desde Berseba até Dã;
                                               e trazei-me a conta para que saiba o número deles.
                I Cr 21:3 Então disse Joabe:
                               O SENHOR acrescente ao seu povo cem vezes tanto como é;
                                               porventura, ó rei meu senhor, não são todos servos
                                               de meu senhor? Por que procura isto o meu senhor?
                               Porque seria isto causa de delito para com Israel.
                I Cr 21:4 Porém a palavra do rei prevaleceu contra Joabe;
                               por isso saiu Joabe, e passou por todo o Israel;
                                               então voltou para Jerusalém.
                I Cr 21:5 E Joabe deu a Davi a soma do número do povo;
                               e era todo o Israel um milhão e cem mil homens,
                                               dos que arrancavam da espada;
                               e de Judá quatrocentos e setenta mil homens,
                                               dos que arrancavam da espada.
                I Cr 21:6 Porém os de Levi e Benjamim não contou entre eles,
                               porque a palavra do rei foi abominável a Joabe.
I Cr 21:7 E este negócio também pareceu mau aos olhos de Deus;
                por isso feriu a Israel.
                I Cr 21:8 Então disse Davi a Deus:
                               Gravemente pequei em fazer este negócio;
                                               porém agora sê servido tirar a iniquidade de teu
                                                               servo, porque procedi mui loucamente.
                I Cr 21:9 Falou, pois, o SENHOR a Gade, o vidente de Davi, dizendo:
                               I Cr 21:10 Vai, e fala a Davi, dizendo:
                                               Assim diz o SENHOR:
                Três coisas te proponho; escolhe uma delas, para que eu ta faça.
I Cr 21:11 E Gade veio a Davi, e lhe disse:
                Assim diz o SENHOR: Escolhe para ti,
                               I Cr 21:12 Ou três anos de fome,
                               ou que três meses sejas consumido diante dos teus
                                               adversários, e a espada de teus inimigos te alcance,
                               ou que três dias a espada do SENHOR, isto é,
                                               a peste na terra, e o anjo do SENHOR destrua todos
                                                               os termos de Israel;
                vê, pois, agora, que resposta hei de levar a quem me enviou.
I Cr 21:13 Então disse Davi a Gade:
                Estou em grande angústia; caia eu, pois, nas mãos do SENHOR,
                               porque são muitíssimas as suas misericórdias;
                                               mas que eu não caia nas mãos dos homens.
                I Cr 21:14 Mandou, pois, o SENHOR a peste a Israel;
                               e caíram de Israel setenta mil homens.
                I Cr 21:15 E Deus mandou um anjo a Jerusalém para a destruir;
                               e, destruindo-a ele, o SENHOR olhou, e se arrependeu
                                               daquele mal, e disse ao anjo destruidor:
                                                               Basta, agora retira a tua mão.
                               E o anjo do SENHOR estava junto à eira de Ornã, o jebuseu.
                I Cr 21:16 E, levantando Davi os seus olhos, viu o anjo do SENHOR,
                               que estava entre a terra e o céu, com a sua espada
                               desembainhada na sua mão estendida contra Jerusalém;
                                               então Davi e os anciãos, cobertos de sacos,
                                                               se prostraram sobre os seus rostos.
                I Cr 21:17 E disse Davi a Deus:
                               Não sou eu o que disse que se contasse o povo?
                                               E eu mesmo sou o que pequei, e fiz muito mal;
                                                               mas estas ovelhas que fizeram?
                               Ah! SENHOR, meu Deus, seja a tua mão contra mim,
                                               e contra a casa de meu pai, e não para castigo
                                                                de teu povo.
                I Cr 21:18 Então o anjo do SENHOR ordenou a Gade
                               que dissesse a Davi para subir e levantar um altar ao
                                               SENHOR na eira de Ornã, o jebuseu.
                I Cr 21:19 Subiu, pois, Davi, conforme a palavra de Gade,
                               que falara em nome do SENHOR.
                I Cr 21:20 E, virando-se Ornã, viu o anjo, e esconderam-se seus
                               quatro filhos que estavam com ele;
                                               e Ornã estava trilhando o trigo.
                I Cr 21:21 E Davi veio a Ornã; e olhou Ornã, e viu a Davi,
                               e saiu da eira, e se prostrou perante Davi
                                               com o rosto em terra.
                I Cr 21:22 E disse Davi a Ornã:
                               Dá-me este lugar da eira, para edificar nele
                                               um altar ao SENHOR;
                               dá-mo pelo seu valor, para que cesse este castigo
                                               sobre o povo.
                I Cr 21:23 Então disse Ornã a Davi:
                               Toma-o para ti, e faça o rei meu senhor dele o que parecer
                                               bem aos seus olhos; eis que dou os bois para
                                               holocaustos, e os trilhos para lenha, e o trigo para
                                                               oferta de alimentos; tudo dou.
                I Cr 21:24 E disse o rei Davi a Ornã:
                               Não, antes, pelo seu valor, a quero comprar;
                                               porque não tomarei o que é teu, para o SENHOR,
                                                               para que não ofereça holocausto sem custo.
                I Cr 21:25 E Davi deu a Ornã, por aquele lugar,
                               o peso de seiscentos siclos de ouro.
                I Cr 21:26 Então Davi edificou ali um altar ao SENHOR,
                               e ofereceu nele holocaustos e sacrifícios pacíficos;
                                               e invocou o SENHOR,
                               o qual lhe respondeu com fogo do céu
                                               sobre o altar do holocausto.
                I Cr 21:27 E o SENHOR deu ordem ao anjo,
                               e ele tornou a sua espada à bainha.
                I Cr 21:28 Vendo Davi, no mesmo tempo,
                               que o SENHOR lhe respondera na eira de Ornã, o jebuseu,
                                               sacrificou ali.
                I Cr 21:29 Porque o tabernáculo do SENHOR,
                               que Moisés fizera no deserto, e o altar do holocausto,
                                               estavam naquele tempo no alto de Gibeom.
                I Cr 21:30 E não podia Davi ir perante ele consultar a Deus;
                               porque estava aterrorizado por causa
                                               da espada do anjo do SENHOR.
Entre os relatos de Crônicas e de Samuel há algumas discrepâncias e omissões e acréscimos, mas nada comprometedoras. Por exemplo a questão do verso 5 que diz um milhão e cem mil contra o relato de 2 Sm 24 que diz oitocentos mil. Também alguns fatos como Davi viu o Anjo do Senhor, Ornã estava debulhando trigo e os versos de 21:28 a 22:1 – que falam do lugar do templo - não aparecem no texto hebraico – massorético – tradicional de II Sm 24.
A despeito de tudo o que vimos e já refletimos, sem dúvida o verso 17 é digno de que guardemos em nossos corações, principalmente se temos funções de liderança. Notem o coração arrependido, a preocupação e o cuidado de pastor presente na sua mente, o amor sacrificial a ponto de se oferecer “no lugar de”, a sua mente de intercessor e mediador, a sua ousadia de “lutar” com Deus e seu coração pesaroso por ter sido o motivador de tudo isso.
E disse Davi a Deus:
                Não sou eu o que disse que se contasse o povo?
                                E eu mesmo sou o que pequei, e fiz muito mal;
                                               mas estas ovelhas que fizeram?
                Ah! SENHOR, meu Deus, seja a tua mão contra mim,
                                e contra a casa de meu pai, e não para castigo  de teu povo.
A Deus toda a glória sempre. p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 337 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.