sábado, 6 de setembro de 2014

I Crônicas 16:1-43 - DAVI CONCLUI COM ÊXITO SEU PLANO DE TRANSPORTE DA ARCA PARA JERUSALÉM

Nossas reflexões se encontram aqui:
Parte II – O REINO UNIDO – 9:35 a II CR 9:31
A. O reinado de Davi – 9:35 a 29:30.
3. Preparativos para o templo – 13:1 a 29:25 – estamos vendo;
Nesta parte, para reforçarmos nosso aprendizado, como já falamos, estamos vendo que o cronista relatará o segundo elemento essencial do reino considerado exemplar de Davi, ou seja, os seus preparativos repletos de entusiasmo para a construção do templo.
Esse relato foi dividido em duas principais partes: a. Davi leva a arca para Jerusalém – 13:1 a 16:43; b. Davi faz preparativos para o templo – 17:1 a 29:25.
a. Davi leva a arca para Jerusalém – 13:1 a 16:43 - continuação.
Nesta seção, o cronista relatará como Davi conseguiu centralizar o culto em Jerusalém.
Uma comparação com II Sm 5 e 6 indicará que o material em Samuel e Crônicas é organizado topicamente e não estritamente de forma cronológica.
Também aqui dividiremos para melhor compreensão a presente seção em três partes: (1) Davi fracassa na primeira tentativa de transportar a arca – 13:1-14 – já vimos; (2) As bênçãos que distinguem Davi – 14:1-17 – já vimos; e, (3) Davi transporta a arca com sucesso – 15:1 a 16:43 – concluiremos agora.
(3) Davi transporta a arca com sucesso – 15:1 a 16:43 - continuação.
Estamos vendo o relato da transferência da arca bem-sucedida e da sua festiva celebração subsequente. É possível revermos, em análise e apoiados pela BEG, que o cronista usou II  Sm 6:12 a 19 em 15:25 a 16:3 e acrescentou 15:1 a 24; 16:4 a 43.
Finalmente a arca chegou ao seu destino e todos estavam muito jubilosos com a grande conquista que tempos atrás tinha sido um fracasso total com a morte de Uzá.
Nos três primeiros versos Davi, muito feliz, comemora junto com o povo a grande conquista. Ela, a arca, era muito importante para a organização e a centralidade do culto em Israel. Ele segue a lei e os conselhos de seus sacerdotes e oferece holocaustos e sacrifícios pacíficos. Em seguida, como monarca do povo, os abençoa em nome do Senhor.
Depois, vemos nos versos de 4 a 6 a preocupação do cronista em chamar a atenção para a organização davídica dos levitas.
O cronista vai apresentar um salmo que não se encontra nos livros de Samuel, mas que é uma composição semelhante a trechos de vários salmos: (a) – ver que de 8 a 22, temos o texto paralelo de 105:1-15 (este salmo tem ao todo 45 versículos); (b) dos versos 23 a 33, temos o salmos 96 (este salmo tem 13 versos); e, (c) dos versos 34 a 36, temos o Salmos 106:1; 47 e 48 (o Sl 106, possui ao todo, 48 versos).
A entrada da arca em Jerusalém foi comemorada como um poderoso ato de Deus que tudo controla de forma esplêndida, mas também suas palavras, o cronista fez questão de registrá-las por causa de sua importância aos leitores do pós-exílio.
(a) – I Cr 16: 8 a 22 - texto paralelo Sl 105:1-15.[1]
Davi irá se utilizar deste salmo nos primeiro quinze versículos. Nos versos de 8 ao 13, ele pede que todos louvem ao Senhor e dos versos 15 ao 22, ele lembrou a promessa da terra e a proteção divina durante as perambulações do povo.
O salmo 105 é um salmo incrível com 45 versículos que narra Deus agindo em favor do seu povo desde o momento em que tudo começou com Abraão e sua mulher Sara.
Eram apenas dois que Deus tinha pedido para largar a sua parentela e seguirem viagem para algum lugar.
Deles vieram Isaque, Jacó, os 12 e entre os 12, José que foi conduzido ao Egito que era plano de Deus leva-los para lá e do seu povo tratar. Preparou José para ser príncipe e depois, numa época de grande fome na terra, conduziu o seu povo ao Egito para lá viver por um bom período de tempo até que viesse Moisés e os libertasse da opressão do Egito.
Quando saíram do Egito, já eram nação grande com uma população forte, sadia, rica das riquezas recebidas do Egito e com uma liderança preparada por Deus, mas não saíram de qualquer modo do Egito, antes quis Deus manifestar-se e mostrar a Israel e a todos os povos que ele era Deus que tinha escolhido aquele povo. O salmo narra os milagres, sinais e maravilhas feitos naquela terra do Egito.
Eu contei oito verbos no imperativo que falam do como devemos ser, estar e ter as coisas diante de Deus que opera maravilhas e que de fato é Deus nas nossas vidas: Rendei; invocai; fazei; cantai-lhe; narrai; gloriai-vos; buscai; lembrai-vos.
Quem começa a ler este salmo, logo percebe que está diante de alguém que estava muito alegre e jubilante querendo de todo modo nos contagiar com sua alegria e júbilo para que também nós participemos daquilo que o está motivando.
Diante de Deus, tenho aprendido nos salmos, não podemos chegar daquela forma chorosa e copiosa como se fôssemos um coitado que carece das migalhas da misericórdia divina que cai da mesa de nosso Senhor. O nosso proceder dessa forma chega a ser uma afronta a Deus que diz para nós que jamais nos deixará, nem nunca jamais nos abandonará.
Não existe coitadinho diante de Deus por que todos recebemos gratuitamente de sua graça e misericórdia todos os dias!
Calvino, comenta em sua introdução a respeito deste salmo. Ele fala de magnificarmos a singular graça de Deus que livremente se manifestou a favor de um povo entre todos os povos de todo o mundo. Ele mostra que é fiel a sua aliança feita há muitos tempos com Abraão.
Diz Calvino que o salmista amplia a singular graça de Deus exibida na seleção e adoção livre de um povo de entre todas as nações do mundo. Para mostrar que não era somente em palavras que havia feito uma aliança com Abraão e seus descendentes, Deus não cessou, depois de ter livrado eles do Egito, de conferir-lhes inúmeros benefícios; e seu projeto nisso era, que aqueles que tinham sido libertos por sua força pudessem se manter fieis à sua aliança, e dedicar-se sinceramente ao seu serviço.
Vamos nos alegrar diante de Deus. Precisamos confiar no seu cuidado e nos prepararmos para fazermos o que ele nos pede com alegria, júbilo e grande entusiasmo. Não podemos perder o nosso foco de sermos testemunhas do Senhor e de fazermos novas testemunhas para o Senhor para ficarmos nos preocupando como o mundo e seu modo descompromissado de agir.
(b) – I Cr 16: 23 a 33 – texto paralelo Sl 96:1-12.
O Salmo 96 é um salmo de exaltação ao Senhor. Este salmo é um convite do início ao fim para que os seus santos e todos os que são do Senhor o adorem, o glorifiquem e o exaltem acima de todas as coisas por que ele reina, é soberano e vem executar a justiça.
Davi aqui está insistindo para que seus leitores se expressem entusiasticamente para Deus. Os verbos estão todos no imperativo: cantai, bendizei, proclamai, anunciai, tributai, trazei, entrai, adorai, tremei, dizei. Por estes verbos se percebe que o Espírito Santo nos quer diante de Deus não de qualquer modo, mas com grande entusiasmo e crescente empolgação.
Não basta estar diante dele e ser crente, mas temos de ser crentes avivados, empolgados, alegres, sorridentes, entusiastas, cheios de energia, disposição e vontade para adorar, entoar, cantar, celebrar. É como se estivéssemos em uma grande festa de um noivo amigo nosso. Como deveria ser nosso comportamento diante das suas bênçãos?
Qual é a maior queixa do mundo se não contra a falta de justiça? A minha fé aposta que Deus é justo, que fará sua justiça e, ao final, todos estaremos satisfeitos com relação à justiça. Como então ela será feita? Não sei! Somente sei que Deus fará a justiça e para mim isto basta! Se hoje estou sendo injustiçado, meu Deus sabe e será meu defensor e justo juiz.
Ele conclui este salmo falando da justiça. Ele vem julgar a terra e a julgará com justiça! Por isso é que somos convidados a estar diante dele de forma alegre e cheia de fé por que ele está cuidando de nós e o momento atual de nossa existência requer fé em seu governo e administração.
O Espírito Santo não aceita que estejamos diante do Pai de qualquer forma. Por que isso refletirá que não cremos e assim estamos com nossos corações endurecidos e o poder de Deus não transformará as vidas daqueles que rejeitam a Deus por que seu compromisso não é andar com Deus, mas praticar o pecado.
Calvino comenta na introdução de seu comentário este salmo e destaca que o louvor devido não é solicitado somente aos judeus ou aos santos, mas a todo o mundo!
Diz Calvino, então, que este salmo contém uma exortação para louvar a Deus, uma exortação que é dirigido não só aos judeus, mas a todas as nações. Devemos deduzir disso, que essas coisas também se referem ao reino de Cristo. O nome de Deus não poderia ser chamado em qualquer outra parte do mundo senão na Judéia, até que ele tivesse sido revelado; e as nações pagãs estavam naquele momento, necessariamente, totalmente incapacitada para qualquer tipo de exercício. No entanto, é evidente que o Espírito Santo suscitou os santos que estavam sob a lei para celebrar os louvores divinos, até o período que deveria chegar quando Cristo, pela propagação do Evangelho, encheria toda a terra com a sua glória.
Ou cremos em Deus e aceitamos o seu convite ministrado neste salmo ou não cremos nele, endureceremos nossos corações e continuaremos com nossas práticas e de forma cada vez mais intensa. O Espírito Santo nos convida com imperativos: cantai, bendizei, proclamai, anunciai, tributai, trazei, entrai, adorai, tremei, dizei. Ousaremos rejeitá-lo novamente como estamos acostumados a fazer?
(c) – I Cr 16: 34 a 36 – texto paralelo Sl 106:1; 47 e 48.
Davi insiste e mesmo os convida a clamar por mais proteção e livramento. O público pós-exílio do cronista precisava do mesmo tipo de socorro de Deus – vs 35. Por fim, o povo respondeu com louvor e alegria pelas bênçãos de Deus – vs 36 -, da mesma maneira que os leitores do cronista deveriam louvar a Deus em sua época.
O salmo 106 é semelhante ao salmo 105 por que narra a história do povo de Israel e como se deu a sua libertação do povo do Egito. Ele começa falando a palavra “Aleluia!”. É a saudação do crente que se alegra diante de seu Deus que reina e que ele quer louvar.
Ele rende graças ao Senhor porque ele é bom e porque a sua misericórdia dura para sempre! O salmista sente isso na sua pele como o Senhor é bom e misericordioso. Ele foi assim com o povo que libertou do Egito e que nos serve de parábola ou tipo do livramento que iremos ter quando tudo for renovado e Deus estiver reconciliando consigo mesmo todas as coisas.
Eu me lembrei quando lia de Romanos, principalmente o capítulo primeiro que, certamente, serviu de inspiração ao apóstolo Paulo quando falou da rejeição do conhecimento de Deus. O povo recebe a benção do Senhor, mas rejeita o seu conhecimento e nega o poder de Deus. Daí, então, Deus os entrega a si mesmo para satisfazerem plenamente todos os seus desejos desenfreadamente.
No entanto isso não é bom! Eu fico preocupado quando o mundo atual desenfreadamente se entrega a toda sorte de prazeres e negam a lei de Deus e cometem abominações homem com homem e mulher com mulher como se Deus nem tivesse aí. A consequência é terrível! O juízo está próximo!
Vejam o que aconteceu com aqueles que não estavam nem aí para Deus neste salmo. Meu querido não dá para disputarmos com Deus ou querermos impor a ele os nossos desejos e caprichos. O mundo não é nosso, nem a nossa vida, pois tudo é proveniente de sua graça e misericórdia.
Calvino comenta na introdução ao seu comentário este belo salmo riquíssimo em ensinamentos que inspirou Paulo a escrever Romanos.
Calvino diz que este salmo é diferente do precedente, pois na medida em que o salmista mostrava, no anterior, que Deus tinha sido mais do que um pai generoso para o seu povo escolhido e que ele queria obter para si próprio, nas próximas eras, uma raça de adoradores puros, aqui, neste salmo, ele reconhece que estes benefícios notáveis ​​tinham sido lançados na conta de um povo rebelde e mau, haja vista que  os judeus desprezavam o jugo de Deus, abusavam vilmente de sua bondade, se contaminavam com muitas corrupções, e também agiam perfidamente à parte de sua palavra. No entanto, não é tanto na forma de uma repreensão ou de uma reclamação, como uma confissão de seus pecados, naturalmente para obter o perdão deles. O profeta começa com os louvores a Deus, com o propósito de incentivar a si mesmo e outras pessoas para acalentar boa esperança nele. Então, ele ora para que Deus continue a derramar a sua bênção para a descendência de Abraão. Mas porque o povo, depois de tantas vezes se revoltar com Deus, se tornou indigno de continuar a obter da sua bondade, ele pede perdão a fim de ser estendido a eles, e isso após terem confessado que do primeiro ao último, eles tinham provocado a ira de Deus por sua malícia , ingratidão, orgulho, perfídia, e outros vícios.
Salva-nos e congrega-nos! Este é pedido em oração do salmista no final deste salmo. A salvação foi sim enviada pelo Pai e ela está em Jesus Cristo. É nele também que o Pai nos congregou em uma única igreja invisível, mas real. Jesus Cristo é a resposta de Deus para o homem!
Do verso 37 ao 42, Davi nomeia sacerdotes e levitas em Jerusalém e Gibeão. A iniciativa de Davi para centralizar o culto mediante  a transferência da arca termina com a organização que ele fez dos levitas.
O cronista destaca o compromisso de Davi com a observância da lei mosaica como um modelo para a reorganização da comunidade pós-exílio (6:49; 1513,15; 22:12-13; 28:7; 29:19; 2Cr 6:16; 7:17-18; 12:1-2; 14:4; 15:12-14; 17:3-9; 19:8-10; 24:6,9; 25:4; 30:15-16; 31:3-21; 33:8; 34:19-33; 35:6-26).
I Cr 16:1 Trouxeram, pois, a arca de Deus,
                e a puseram no meio da tenda que Davi lhe tinha armado;
                e ofereceram holocaustos e sacrifícios pacíficos perante Deus. I Cr
                16:2 E, acabando Davi de oferecer os holocaustos
                               e sacrifícios pacíficos, abençoou o povo
                                               em nome do SENHOR.
                I Cr 16:3 E repartiu a todos em Israel, tanto a homens
                               como a mulheres, a cada um, um pão,
                                               e um bom pedaço de carne, e um frasco de vinho.
I Cr 16:4 E pôs alguns dos levitas por ministros perante a arca do SENHOR;
                isto para recordarem, e louvarem, e celebrarem
                               ao SENHOR Deus de Israel.
                I Cr 16:5 Era Asafe, o chefe, e Zacarias o segundo depois dele;
                               Jeiel, e Semiramote, e Jeiel, e Matitias, e Eliabe, e Benaia,
                               e Obede-Edom, e Jeiel, com alaúdes e com harpas;
                                               e Asafe se fazia ouvir com címbalos;
                I Cr 16:6 Também Benaia, e Jaaziel, os sacerdotes,
                               continuamente tocavam trombetas, perante
                                               a arca da aliança de Deus.
I Cr 16:7 Então naquele mesmo dia Davi, em primeiro lugar,
                deu o seguinte salmo para que, pelo ministério de Asafe
                               e de seus irmãos, louvassem ao SENHOR;
                I Cr 16:8 Louvai ao SENHOR, invocai o seu nome,
                               fazei conhecidas as suas obras entre os povos.
                I Cr 16:9 Cantai-lhe, salmodiai-lhe, atentamente
                               falai de todas as suas maravilhas.
                I Cr 16:10 Gloriai-vos no seu santo nome;
                               alegre-se o coração dos que buscam ao SENHOR.
                I Cr 16:11 Buscai ao SENHOR e a sua força;
                               buscai a sua face continuamente.
                I Cr 16:12 Lembrai-vos das maravilhas que fez, de seus prodígios,
                               e dos juízos da sua boca;
                I Cr 16:13 Vós, semente de Israel, seus servos,
                               vós, filhos de Jacó, seus escolhidos.
                I Cr 16:14 Ele é o SENHOR nosso Deus; os seus juízos
                               estão em toda a terra.
                I Cr 16:15 Lembrai-vos perpetuamente
                               da sua aliança e da palavra que prescreveu
                                               para mil gerações;
                I Cr 16:16 Da aliança que fez com Abraão,
                               e do seu juramento a Isaque;
                I Cr 16:17 O qual também a Jacó confirmou por estatuto,
                               e a Israel por aliança eterna,
                I Cr 16:18 Dizendo:
                               A ti te darei a terra de Canaã, quinhão da vossa herança.
                I Cr 16:19 Quando eram poucos homens em número,
                               sim, mui poucos, e estrangeiros nela,
                I Cr 16:20 Quando andavam de nação em nação,
                               e de um reino para outro povo,
                I Cr 16:21 A ninguém permitiu que os oprimisse,
                               e por amor deles repreendeu reis, dizendo:
                                               I Cr 16:22 Não toqueis os meus ungidos,
                                                               e aos meus profetas não façais mal.
                I Cr 16:23 Cantai ao SENHOR em toda a terra;
                               anunciai de dia em dia a sua salvação.
                I Cr 16:24 Contai entre as nações a sua glória,
                               entre todos os povos as suas maravilhas.
                I Cr 16:25 Porque grande é o SENHOR, e mui digno de louvor,
                               e mais temível é do que todos os deuses.
                I Cr 16:26 Porque todos os deuses dos povos são ídolos;
                               porém o SENHOR fez os céus.
                I Cr 16:27 Louvor e majestade há diante dele,
                               força e alegria no seu lugar.
                I Cr 16:28 Tributai ao SENHOR, ó famílias dos povos,
                               tributai ao SENHOR glória e força.
                I Cr 16:29 Tributai ao SENHOR a glória de seu nome;
                               trazei presentes, e vinde perante ele;
                                               adorai ao SENHOR na beleza da sua santidade.
                I Cr 16:30 Trema perante ele, trema toda a terra;
                               pois o mundo se firmará, para que não se abale.
                I Cr 16:31 Alegrem-se os céus, e regozije-se a terra;
                               e diga-se entre as nações: O SENHOR reina.
                I Cr 16:32 Brame o mar com a sua plenitude;
                               exulte o campo com tudo o que nele há;
                I Cr 16:33 Então jubilarão as árvores dos bosques
                               perante o SENHOR; porquanto vem julgar a terra.
                I Cr 16:34 Louvai ao SENHOR, porque é bom;
                               pois a sua benignidade dura perpetuamente.
                I Cr 16:35 E dizei:
                               Salva-nos, ó Deus da nossa salvação,
                               e ajunta-nos,
                               e livra-nos das nações,
                                               para que louvemos o teu santo nome,
                                                               e nos gloriemos no teu louvor.
                I Cr 16:36 Bendito seja o SENHOR Deus de Israel,
                               de eternidade a eternidade.
E todo o povo disse:
                Amém!
                               E louvou ao SENHOR.
I Cr 16:37 Então Davi deixou ali, diante da arca da aliança do SENHOR,
                a Asafe e a seus irmãos, para ministrarem continuamente
                               perante a arca, segundo se ordenara para cada dia.
                I Cr 16:38 E mais a Obede-Edom, com seus irmãos, sessenta e oito;
                               a este Obede-Edom, filho de Jedutum,
                                               e a Hosa, deixou por porteiros.
                I Cr 16:39 E deixou a Zadoque, o sacerdote, e a seus irmãos,
                               os sacerdotes, diante do tabernáculo do SENHOR,
                                               no alto que está em Gibeom,
                I Cr 16:40 Para oferecerem holocaustos ao SENHOR continuamente,
                               pela manhã e à tarde, sobre o altar dos holocaustos;
                                               e isto segundo tudo o que está escrito
                                               na lei do SENHOR que tinha prescrito a Israel.
                I Cr 16:41 E com eles a Hemã, e a Jedutum, e aos mais escolhidos,
                               que foram apontados pelos seus nomes,
                                               para louvarem ao SENHOR,
                                               porque a sua benignidade dura perpetuamente.
                I Cr 16:42 Com eles, pois, estavam Hemã e Jedutum, com trombetas
                               e címbalos, para os que haviam de tocar,
                                               e com outros instrumentos de música de Deus;
                               porém os filhos de Jedutum estavam à porta.
I Cr 16:43 Então todo o povo se retirou,
                cada um para a sua casa;
                               e voltou Davi,
                                               para abençoar a sua casa.
O plano de Davi (15.1-2) para transportar a arca para Jerusalém foi completado com sucesso. Isso porque Deus estava abençoando Davi em todos os seus projetos.
O verso 43 diz que depois todo o povo se retirou cada um para a sua casa e também Davi voltou para abençoar a sua casa. Todos voltaram para as suas casas! A nossa casa é a casa de Deus onde deve reinar a paz e deve ser o lugar de nosso retiro.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 342 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br




[1] Para melhor compreensão dos salmos, ver o livro do mesmo autor “REFLEXÕES NO LIVRO DE SALMOS - Aprendendo a orar e a adorar com os salmistas bíblicos.”
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.