terça-feira, 5 de agosto de 2014

Jó 26:1-22 - VERDADES COSMOLÓGICAS EM JÓ

Parte II - DIÁLOGOS ENTRE JÓ E SEUS AMIGOS – 3:1 a 27:23.
D. O terceiro e último ciclo de discursos – 22:1 – 26:14.
A parte “D” foi dividida, como na BEG, em quatro partes: 1. Elifaz – 22:1 – 30 – já vista. 2. A resposta de Jó a Elifaz – 23:1 – 24:25 – já vista. 3. Bildade: a glória de Deus e a insignificância da humanidade – 25:1-6 – já vista. 4. A resposta de Jó a Bildade – 26:1 – 14 – veremos agora.
4. A resposta de Jó a Bildade – 26:1 – 14.
Chegamos ao fim dessa terceira série de discursos com a resposta de Jó a Bildade. Como tinha sido nos dois primeiros conjuntos de discursos, teríamos, antes, a fala de Zofar e a resposta de Jó a ele, mas nessa terceira série ele não discursou.
Também estamos perto de encerrarmos a parte II e entrarmos no capítulo 28, na parte III, deste livro.
Nesse discurso de resposta de Jó a Bildade que ocupa todo o capítulo 26, veremos Jó, sarcasticamente, rejeitar os argumentos de Bildade – dos versos 1 ao 4 -, e, depois, ele afirmar a supremacia de Deus, em todas as coisas, vs 5 ao 14.
a. A rejeição sarcástica de Jó – 26:1 – 4.
Em uma série de perguntas retóricas, Jó, sarcasticamente, rejeita a avaliação de Bildade acerca da situação difícil da humanidade. O ponto de vista de Bildade a ninguém traz qualquer ajuda.
Ele, Bildade, mistura a verdade com o engano de forma que quem o ouve pode cair em seus ardis astutos e começar a ter uma ideia errada sobre Deus e seu reino eterno.
Jó critica sua falta de sensibilidade para com ele – versos 1 e 2 - e isso deveria incomodá-lo afinal a sua dor era notória a todos, mas ao invés do alívio, do abraço e da compreensão, apenas pesadas e ardilosas críticas contra ele.
Jó pergunta a ele com quem ele está buscando ajuda – verso 4 -para proferir tais palavras vazias e absurdas. Jó sabia que não era a ajuda do Espírito de Deus, logo suspeitava ele de que algo estava estranho naqueles comportamentos de seus amigos conselheiros.
b. A afirmação da supremacia divina – 26:5 – 14.
Jó celebra a preeminência de Deus para se opor à objeção de Bildade – cap. 25. As palavras de Jó fazem lembrar o que ele havia dito em 9:5-10, de modo que não devem ser atribuídas a um dos conselheiros. As objeções de Jó não significam uma negação da soberania divina sobre a criação.
Vemos na resposta de Jó uma crença diferente de outras nações, culturas e povos, pois ele cria em Deus como governante até do Sheol – Pv 15:11. Ou seja Deus é único e tanto o bem quanto o mal está debaixo de seu governo justo e soberano.
A diferença com as outras culturas e povos está em que cada deus deles representava um domínio que não poderia ser ultrapassado por outros deuses onde o eterno conflito existiria sempre entre as forças do bem e das forças do mal.
Veja, por exemplo, o verso 12 quando Jó fala de Deus fendendo o mar e como com o seu entendimento abatendo o adversário, a BEG, nos diz que se trata do poder e do controle ilimitado de Deus sobre o domínio de Yam, o deus cananeu dos mares.
Continua a BEG a dizer que em hebraico, Raabe é um monstro cananeu das profundezas, corno o monstro marinho (veja 3.8; leviatã, em algumas versões) e o crocodilo (veja 41.1). Essa figura poética enriquece o conceito do grande poder de Deus sobre o mar tempestuoso.
Deus demonstrou o seu poder sobre esses poderes demoníacos e sobre as esferas da suposta influência desses poderes na criação (Gn 1.1-2), quando libertou Israel do Egito pelo mar (veja SI 89.9-10; Is 51.9) e quando Jesus acalmou o mar (Mt 8.23-27). Ele também prometeu fazê-lo novamente quando recriar a terra sem qualquer mar (Ap 21.1).
Voltando para os versos de 7 e 8 fica uma pergunta interessante: de onde, naquela época, Jó tirou a ideia da terra suspensa no nada? E também do vazio do norte? Somente há pouco tempo é que essas verdades vieram à tona cientificamente, pois até na idade média supunha-se que a terra era o centro do universo e que ela nem seria redonda.
Quem tentou provar o contrário, acabou sendo morto como herege ou divulgador de mensagens oriundas do inferno. No meu ponto de vista a ciência, como a que busca a verdade para explicar os fenômenos que nos cercam e o mundo ao nosso redor, é um braço de Deus e não trunfo de quem quer que seja.
A ciência não é pessoa, pois nem fala, nem se expressa, é apenas um método científico desenvolvido pelo homem interessado na explicação dos fenômenos que o cercam. Há cientistas que usam a ciência que são crentes e há cientistas que usam a ciência, mas não são crentes.
A concepção cosmológica de Jó naquela época nos causa espécie. Adaulto Lourenço, cientista, crente, explica-nos de forma muito interessante a questão da expansão vazia do Norte que somente foi verificada em meados do século passado onde o Observatório de Washington descobriu que, dentro dos céus do Norte, há uma grande expansão vazia na qual não há uma só estrela visível.
Duas questões cosmológicas interessantes e intrigantes em Jó:
1.      A terra sendo suspensa no nada.
2.      A expansão vazia do Norte. Jó 26:7!
Jó 26:1 Jó, porém, respondeu, dizendo:
                Jó 26:2 Como ajudaste aquele que não tinha força,
                               e sustentaste o braço que não tinha vigor?
                Jó 26:3 Como aconselhaste aquele que não tinha sabedoria,
                               e plenamente fizeste saber a causa, assim como era?
                Jó 26:4 A quem proferiste palavras,
                               e de quem é o espírito que saiu de ti?
                Jó 26:5 Os mortos tremem debaixo das águas,
                               com os seus moradores.
                Jó 26:6 O inferno está nu perante ele,
                               e não há coberta para a perdição.
                Jó 26:7 O norte estende sobre o vazio;
                               e suspende a terra sobre o nada.
                Jó 26:8 Prende as águas nas suas nuvens,
                               todavia a nuvem não se rasga debaixo delas.
                Jó 26:9 Encobre a face do seu trono,
                               e sobre ele estende a sua nuvem.
                Jó 26:10 Marcou um limite sobre a superfície das águas em redor,
                               até aos confins da luz e das trevas.
                Jó 26:11 As colunas do céu tremem,
                               e se espantam da sua ameaça.
                Jó 26:12 Com a sua força fende o mar,
                               e com o seu entendimento abate a soberba.
                Jó 26:13 Pelo seu Espírito ornou os céus;
                               a sua mão formou a serpente enroscadiça.
                Jó 26:14 Eis que isto são apenas as orlas dos seus caminhos;
                               e quão pouco é o que temos ouvido dele!
                Quem, pois, entenderia o trovão do seu poder?
Jó fala de Deus e do reino de Deus colocando argumentos em respostas a seus amigos que nos fazem refletir no conhecimento que ele tinha da graça e da misericórdia de Deus, apesar dele mesmo.
Ele entende ao final que tem muito a aprender e a conhecer desse Deus infinito e que nossa estadia aqui nessa vida é muito curta para nos deixarmos levar pelo mal.
Como ele mesmo encerra, estamos apenas nas orlas dos seus caminhos, como pois compreenderíamos a sua fala poderosa – trovão do seu poder?
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 364 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.