domingo, 3 de agosto de 2014

Jó 24:1-25 - JÓ FALA DAS INJUSTIÇAS NO MUNDO E DA NECESSIDADE DE JUSTIÇA AOS PERVERSOS

Parte II - DIÁLOGOS ENTRE JÓ E SEUS AMIGOS – 3:1 a 27:23.
D. O terceiro e último ciclo de discursos – 22:1 – 26:14.
A parte “D” foi dividida, como na BEG, em quatro partes: 1. Elifaz – 22:1 – 30 – já vista. 2. A resposta de Jó a Elifaz – 23:1 – 24:25 – estamos analisando. 3. Bildade: a glória de Deus e a insignificância da humanidade – 25:1-6. 4. A resposta de Jó a Bildade – 26:1 – 14.
2. A resposta de Jó a Elifaz – 23:1 – 24:25 - continuação.
Continua Jó com sua resposta. Dos vs 1 ao 9, tínhamos visto Jó falando do silêncio de Deus, com sua aparente ausência. Depois dos vs 10 ao 17, ele falando da soberania de Deus que não precisa explicar nada para ninguém.
Agora continuaremos vendo Jó falando das injustiças que há no mundo – dos vs 1 ao 12 e do 13 ao final, vs 25, a justiça para os perversos.
c. As injustiças que há no mundo – 1 ao 12.
Esses versículos mostram as crueldades que as pessoas infligem umas sobre as outras enquanto Deus, aparentemente, nada faz. Aqui são descritas algumas tragédias mais devastadoras que atingem as pessoas.
A palavra chave desse bloco de versículos é o verso primeiro que logo diz: POR QUE O TODO-PODEROSO NÃO DESIGNA TEMPOS DE JULGAMENTO?
Habacuque também clamou e bem assim os salmistas ou João no apocalipse até quando, ó justo Juiz, não se fara justiça e juízo na terra?
Por causa da demora na punição, o pecador se sente mais motivado a pecar. Que bom seria que toda vez que o pecado ocorresse, imediatamente se veria a sua consequência.
A promessa de Deus é que a justiça será feita! Quando? Com certeza, jamais nesta vida por que muitos injustos morrem e inocentes também sem qualquer punição ou recompensa.
Eu creio que a justiça será feita. Sempre cri, mesmo quando nem conhecia ao Senhor e andava por ai fazendo rezas a imagens de escultura, na minha infância e adolescência, achando que tinham algum poder.
Lembro-me da minha primeira invocação à mãe de Jesus, diante de uma estátua pequena de sua imagem que estava em casa, e pedi, na minha inocência, que me ajudasse a dar uma surra num outro menino que me perseguia injustamente todos os dias.
O nome dele é Antônio Carlos de Castro – o Cal -, hoje pintor, formado em Artes Plásticas pela Universidade de Guarulhos, meu amigo e vizinho de minha mãe. E não é que surrei este menino mal? (Entendam, naquela ocasião sim, ele não fazia o que era reto, mas hoje é meu amigo – coisas de infância, acho que tinha uns nove para dez anos).
Depois disso, não me lembro, nunca mais de qualquer outra invocação. Conheci ao Senhor perto de meus 18 anos e assim conheci a verdade da Bíblia e hoje dirijo as minhas orações, súplicas e intercessões ao Senhor Jesus Cristo.
Sempre também defendi essa minha crença em justiça divina. Eu sei que meu justo Juiz vive e que por fim fará justiça e juízo em toda a terra, diante de suas criaturas e seus filhos, em Cristo Jesus.
d. A justiça para os perversos – 13 ao 25.
Jó parece concordar com seus amigos quanto ao que deveria acontecer aos perversos; seu problema é que, muitas vezes, as circunstancias não seguem esse padrão, ou melhor nem tem padrão algum.
Ele insiste que é imprudente julgar a retidão ou falta de retidão de uma pessoa simplesmente com base no seu nível de prosperidade. Aparentemente, parece natural que a prosperidade seja pertencente ao justo e não ao injusto ,mas os fatos não são esses.
Tem rico honesto e próspero, mas tem também pobres honestos, ricos desonestos, pobres desonestos. A moral ou o caráter de um homem não podem ser avaliados pelas suas posses e bens.
A punição dos perversos é altamente desejada por todo justo e pela própria justiça e eles, com frequência, parece escaparem dela. Por isso que se clama tanto por justiça na terra dos viventes.
Com relação à prosperidade do ímpio, dos perversos, que fazem coisas erradas e prejudicam os outros para obterem suas vantagens, por fim, Deus irá leva-los à ruína, ainda que somente depois da morte – a minha crença!
Jó está pedindo nos versos de 18 a 25 para que os malfeitores sejam corrigidos em vida, no entanto isso é demasiadamente lento. Eu creio que se não morrêssemos e Deus governasse o mundo dos homens imortais, a justiça seria vista com toda certeza.
Quando juntamos os versos de 23 a 25 ao primeiro deste capítulo, passamos a entender o motivo e o sentido do capítulo.
Jó estava tentando mostrar que os perversos são, de fato, punidos, mas que o processo acontece aos poucos  - vs 23 e 24 – uma frustração para os justos, que querem ver a justiça feita completa e sumariamente.
Em discussões acerca da existência de Deus um dos temas preferidos dos ateus é a justiça, pois que eles não entendem ela por causa de seu aparente triunfo temporário.
Jó 24:1 Visto que do Todo-Poderoso não se encobriram os tempos,
                por que, os que o conhecem, não veem os seus dias?
                               Jó 24:2 Até os limites removem; roubam os rebanhos,
                                               e os apascentam.
                Jó 24:3 Do órfão levam o jumento;
                               tomam em penhor o boi da viúva.
                Jó 24:4 Desviam do caminho os necessitados;
                               e os pobres da terra juntos se escondem.
                Jó 24:5 Eis que, como jumentos monteses no deserto,
                                saem à sua obra, madrugando para a presa;
                                               a campina dá mantimento a eles e aos seus filhos.
                Jó 24:6 No campo segam o seu pasto,
                               e vindimam a vinha do ímpio.
                Jó 24:7 Ao nu fazem passar a noite sem roupa,
                               não tendo ele coberta contra o frio.
                Jó 24:8 Pelas chuvas das montanhas são molhados
                               e, não tendo refúgio, abraçam-se com as rochas.
                Jó 24:9 Ao órfãozinho arrancam dos peitos,
                               e tomam o penhor do pobre.
                Jó 24:10 Fazem com que os nus vão sem roupa
                               e aos famintos tiram as espigas.
                Jó 24:11 Dentro das suas paredes espremem o azeite;
                               pisam os lagares, e ainda têm sede.
                Jó 24:12 Desde as cidades gemem os homens,
                               e a alma dos feridos exclama,
                                               e contudo Deus lho não imputa como loucura.
                Jó 24:13 Eles estão entre os que se opõem à luz;
                               não conhecem os seus caminhos,
                                               e não permanecem nas suas veredas.
                Jó 24:14 De madrugada se levanta o homicida,
                               mata o pobre e necessitado, e de noite é como o ladrão.
                Jó 24:15 Assim como o olho do adúltero
                               aguarda o crepúsculo, dizendo:
                                               Não me verá olho nenhum;
                                                               e oculta o rosto,
                Jó 24:16 Nas trevas minam as casas, que de dia se marcaram;
                               não conhecem a luz.
                Jó 24:17 Porque a manhã para todos eles é como sombra de morte;
                               pois, sendo conhecidos,
                                               sentem os pavores da sombra da morte.
                Jó 24:18 É ligeiro sobre a superfície das águas;
                               maldita é a sua parte sobre a terra;
                                               não volta pelo caminho das vinhas.
                Jó 24:19 A secura e o calor desfazem as águas da neve;
                               assim desfará a sepultura aos que pecaram.
                Jó 24:20 A madre se esquecerá dele,
                               os vermes o comerão gostosamente;
                                               nunca mais haverá lembrança dele;
                                               e a iniquidade se quebrará como uma árvore.
                Jó 24:21 Aflige à estéril que não dá à luz,
                               e à viúva não faz bem.
                Jó 24:22 Até aos poderosos arrasta com a sua força;
                               se ele se levanta, não há vida segura.
                Jó 24:23 Se Deus lhes dá descanso, estribam-se nisso;
                               seus olhos porém estão nos caminhos deles.
                Jó 24:24 Por um pouco se exaltam, e logo desaparecem;
                               são abatidos, encerrados como todos os demais;
                                               e cortados como as cabeças das espigas.
                Jó 24:25 Se agora não é assim,
                               quem me desmentirá e desfará as minhas razões?
Veremos na sequência o pequeníssimo discurso de Bildade que falará que  o homem não pode justificar-se diante de Deus.
Interessantes os temas e discussões em Jó sobre a vida, a justiça, o sofrimento e Deus em tudo isso.
Como eu sei que nas discussões, como estava dizendo acima, com ateus, que quase sempre o assunto se volta para a questão da justiça, eu logo, indago do ateu que aquele senso que ele tem, pelo qual ele invoca a justiça, não vem dele, mas da própria Justiça, ou seja de Deus.
Ninguém, em são consciência, busca razões na injustiça, na mentira, na falsidade, mas em valores reais que somente estão presentes em uma divindade, um ser moral, em Deus. Não há ordem, nem verdades, nem justiças, nem mentiras no caos, ou no nada; sendo assim, todo ateu é um crente que não sabe.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 366 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.