quinta-feira, 19 de junho de 2014

II Reis 4:1-44 - ELISEU E AS MARAVILHAS DO SENHOR

Dentro de nossa divisão proposta, conforme a BEG, nós estamos, conforme abaixo:
Parte II: A MONARQUIA DIVIDIDA - I Reis 12:1 a II Reis17:41.
F. Em Israel 853-841 a.C. – I Re 22:51 a II Re 8:15.
3. Jorão (852-841 a.C.) – 3:1 – 8:15 – continuação.
Para melhor compreensão, essa parte 3, foi também dividida (oito partes), conforme se vê em seguida: a. O início do reinado (3:1-3) – já vimos. b. O serviço de Eliseu na guerra moabita (3:4-2:7) – já vimos. c. O ministério de Eliseu aos necessitados (4:1-44) d. Eliseu cura Naamã da Síria (5:1-27) e. Eliseu, os profetas e o rei da Síria (6:1-23) f. Eliseu e o cerco dos sírios a Samaria (6:24-7.20) g. Eliseu e a mulher sunamita (8:1-6) h. Eliseu e Hazael da Síria (8:7-15).
c. O ministério de Eliseu aos necessitados (4:1-44).
Eliseu, um grande profeta de Deus, que tinha poção dobrada de Elias, e que era profeta no lugar dele, agora se vê em situações de extrema necessidade do povo e ele os acode maravilhosamente.
Somente neste capítulo são quatro grandes feitos extraordinários.
Primeiro ele socorre uma viúva pobre e lhe dá sustento para o resto de sua vida.
Depois ele é ajudado por uma mulher importante que o acolhe e lhe prepara um lugar especial sempre que passava ali em sua jornada. Em retribuição, ele ora e ela já idosa e sem filhos, fica grávida. Depois o menino que lhe tinha nascido na sua velhice morre e Eliseu ora e a vida volta ao menino.
Ainda nesse mesmo capítulo, uma comida especial é preparada, mas com veneno, por ignorância de quem apanhou as hortaliças. Eliseu ora, pões farinha na comida e esta se torna saudável.
Por fim, Eliseu ora e alimenta 100 homens com comida que ainda sobrou quando não dava nem para dez pessoas. Na verdade, houve ali uma grande multiplicação de pães da proposição.
São essa quatro fatos e seis maravilhas que se sucedem neste capítulo três de II Reis, nos quais meditaremos mais detidamente, a seguir.
Primeiro fato e duas maravilhas
Eliseu, a viúva e seus filhos – uma multiplicação de alimentos e um provimento de aposentadoria para a família.
1.       O Marido
  • Era discípulo de profeta.
  • Temia a Deus.
  • Devia a credores.
  • Faleceu.
Eu não irei entrar no mérito das razões das dívidas desse homem de Deus principalmente porque não temos informações suficientes para isso.
Provavelmente, este profeta era um daqueles 7.000 que não dobraram os seus joelhos diante de Baal naquele episódio que envolveu o diálogo entre o Senhor e Elias, pois Elias afirmara que somente ele tinha permanecido fiel ao Senhor.
Talvez, também, a dívida contraída por aquele profeta foi decorrente da perseguição que empreendeu a esposa de Acabe – Jesabel - aos servos do Senhor.
Basta sabermos que, conforme sua mulher (Eliseu não a contestou) ele era dos discípulos dos profetas e temia a Deus.
No entanto, quero chamar a atenção dos irmãos de que sejam cautelosos com a sua vida financeira para não virem a serem lembrados, caso sejam convocados a partir, como aqueles que deixaram dívidas às suas esposas e filhos e parentes. Quando você fizer algum negócio, seja cauteloso e pague o seguro correspondente, pois vindo a faltar não será lembrado como alguém que não gostaria de ser lembrado. Somos mortais e a nossa morte e a necessidade contínua de fazermos escolhas, são inevitáveis.
Não nos esqueçamos dos anexos das nossas escolhas. Façam seguro. Sejam cautelosos. Cuidem-se!
2.      A Esposa
  • Tinha uma casa.
  • Tinha dois filhos.
  • Tinha uma botija de Azeite.
  • Devia a credores – herança das dívidas de seu marido, provavelmente.
  • Tinha um grande e grave problema financeiro: não podia pagar a dívida e os credores já a ameaçavam de levar seus filhos como escravos – esse, talvez fosse, seu problema impossível.
  • Fez um clamor ao homem de Deus – Eliseu.
Realmente, ela não tinha muita coisa, mas o pouco que tinha, juntamente com seus dois filhos, creio, daria para ela sobreviver e educar seus filhos. No entanto a dívida era a sua dor de cabeça que lhe roubava a paz. Perder os seus dois filhos como escravos por causa de dívidas... que terrível!
En el AT hay casos de personas que se venden a sí mismas (Lev. 25:39), personas que son vendidas por sus padres (Exo. 21:7), personas que son vendidas por su acreedor (2 Rey. 4; 1), o personas que son vendidas por causa de una sentencia judicial, en caso de hurto (Exo. 22:3). [1]
O que é que hoje, aqui nesse momento, está roubando a tua paz?
Será que também é um problema financeiro? De saúde? No emprego ou falta-lhe um emprego? É relacionado a comportamentos indesejáveis, como vícios e hábitos pecaminosos que como praga insistem e persistem em te escravizar?
O Deus dos impossíveis, o Deus dessa viúva, da família e de Eliseu está aqui, neste blog, atento às tuas orações e pronto para lhe dar uma resposta aprazível, favorável! Confie em Deus.
Aquela mulher estava desesperada e não tinha qualquer esperança de saída. A quem ela iria recorrer? A quem pedir ajuda? Do que é capaz uma mãe desesperada com um problema que envolve os seus próprios filhos?
A Bíblia não relata os pensamentos que passaram por sua cabeça e nas horas das crises é que os maus pensamentos vêm às nossas mentes com tamanha força que parecem ter garras de ferro que penetram o mais profundo de nosso cérebro nos ocasionando dores terríveis.
O que fazer nos momentos de crises em nossas vidas em que a qualquer momento estarão na porta de nossa casa credores querendo levar de nós nossos bens mais preciosos?
Ela clamou à pessoa certa! Um homem de Deus que, sem dúvidas, tinha a fama na região de uma pessoa que andava com Deus, cujo testemunho era de todos conhecido.
Nós poderíamos ousar e fazer um paralelo da seguinte maneira:
A mulher somos nós que estamos na estrada da vida rumo a Canaã celestial.
Eliseu representa o Pai, o Senhor, sempre pronto a nos socorrer diante de nossos problemas: “que te hei de fazer?” (vs 2), “Que quereis que eu vos faça” (Mt 20:32). O Senhor assim perguntou aos dois cegos de Jericó que clamavam diante dele dizendo: “Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós” (Mt 20:31).
Ressalte-se que aqueles dois cegos tinham diante de si o seu problema impossível e ainda tinham de enfrentar a oposição dos que tentavam impedi-los de se achegarem ao Senhor para apresentarem o seu clamor, mas foram insistentes e não desistiram até que Jesus parou... ele sempre irá parar, sempre, quando ouvir o clamor de um de seus filhos que a ele o invocam.
Ele parou e lhes disse: “Que quereis que eu vos faça”. E qual foi a resposta divina do Senhor Jesus? Ele ficou condoído, sim Jesus também fica condoído, isso mesmo, ele sabe de nossas dores e lutas.
Jesus tocou-lhe os olhos e IMEDIATAMENTE recuperaram a vista e o foram seguindo! Aleluias! O Senhor está passando por aqui, pronto a ouvir o teu clamor de misericórdia. Ele vai te tocar e você IMEDIATAMENTE será curado, visitado.
Voltando a nossa história, aquela mulher clamou a Eliseu e este lhe fez duas perguntas:
1.      O que te hei de fazer?
2.      O que tens em casa?
Isso nos mostra duas coisas importantes. Primeiro, devemos pedir ao Senhor e apresentar diante dele o nosso pedido, a nossa oração. Segundo, por pior que seja a nossa situação, sempre temos alguma coisa que pode ser usada por Deus e ser multiplicada redundando em bênçãos.
Ela diz que não tem nada em casa, se não somente uma botija de azeite. E você o que tens em casa? Também não tens nada a não ser uma botija de azeite? É suficiente para Deus operar um grande milagre na sua vida que você jamais se esquecera.
Eu já disse certa vez, de uma forma muito rápida, mas agora quero voltar a dar ênfase ao que disse sobre o fato de que não estamos jamais abandonados por Deus e entregues a qualquer credor incompassivo, pelo contrário, Deus sempre nos dará o escape em tempo oportuno.
Deus controla todas as coisas e todas as coisas estão sob o seu domínio. Tudo está no controle de Deus. Em casa, em Guarulhos/SP, minha mãe passava por umas crises (Ela já passou por tantas crises e problemas... quando tiver oportunidade, escreverei um livro contando seus inúmeros testemunhos da ação de Deus em sua vida.) e o telefone não parava e a cada ligação uma notícia que quem transmitia insistia em enfatizar a gravidade da situação.
A palavra “UTI”, “emergência”, “está muito mal”, eram as preferidas. Eu sempre atendia dizendo “não temam, Deus está no controle de tudo”. Meus parentes até me chamavam de “Deus está no controle de tudo”. Eu achava engraçado, mas é a pura verdade. Deus está, meu irmão, minha irmã, no controle de tudo! Nenhum credor desses irá levar os teus preciosos filhos. Creia em Deus!
O que você tem em casa?
Eu tenho dito e insistido diversas vezes:
·         EU TENHO O QUE DEUS QUER QUE EU TENHA;
·         EU SOU O QUE DEUS QUER QUE EU SEJA;
·         EU ESTOU ONDE DEUS QUER QUE EU ESTEJA.
Por eu dizer estas coisas, eu estou, também, dizendo que creio num Deus Administrador de todas as coisas.
A uns, abate, a outros, exalta; a uns enriquece, a outros, empobrece. Ele é Deus! Deus para mim é Deus! Deus é quem controla todas as coisas. Nem um fio de cabelo ou uma folha de árvore cai seu o seu consentimento.
Eu creio num Deus que conhece a história e que é soberano, mas também creio, igualmente, na responsabilidade do homem! Logo, Deus é 100% soberano e o homem 100% responsável – isso daria um enorme estudo, mas me limito a apenas isso afirmar , nesse momento.
Eu antes irmãos vivia inquieto e angustiado querendo ter mais, ou ser mais ou estar em outro lugar (morar em outra região, casa, ou trabalhar em outro lugar, em outra sessão) e teve um dia que fiquei muitíssimo triste e até procurei ajudas (políticos, amigos influentes).
Graças a Deus, nada deu certo e eu tive que “engolir alguns sapos”. Deus falou comigo: “filho, porque andas triste e abatido? Eu sou o teu Deus e não quero te ver assim como se estivesse entregue ao acaso?” Eu refleti muito naquelas palavras e acordei!
Eu tenho um Deus grande, soberano e que controla todas as coisas! Esperem, tenham paciência, pois Deus ainda tem muito a falar! Glórias a Deus!
O que você tem em casa é suficiente para Deus mudar a sua história para sempre.
Eliseu, então, diz a ela o que fazer, com todos os detalhes possíveis. Ela sai dali em paz, sem confusão. Sabia o que ia fazer e podia confiar no homem de Deus. Ele lhe disse:
·         Pede emprestadas vasilhas (ele enfatiza: vazias e não poucas) a todos os seus vizinhos.
·         Entra e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos
·         Deita o teu azeite (aquele pouco que ela tinha na sua botija) em todas aquelas vasilhas
·         Põe à parte a que estiver cheia.
Ela segue fielmente, à risca, as instruções do homem de Deus. Tudo ela fez conforme as instruções.
Certamente que ela tinha crédito junto as suas vizinhas que não lhe negariam tão estranho pedido “panelas vazias e não poucas”. O seu milagre, em parte, dependia de suas vizinhas e amigas.
Nós não vivemos numa ilha, mas estamos cercados de pessoas ao nosso derredor que conosco habitam confiadamente. Você um dia poderá precisar de panelas vazias, por isso não despreze o teu próximo.
Ele ainda pode ser uma grande benção na tua vida e, até, a razão de tua riqueza e prosperidade. Sem vasilhas, como iria conseguir as suas bênçãos? E sem vizinhos, como iria conseguir as vasilhas?
Deve ter sido uma cena e tanto aqueles montes de panelas vazias. E os meninos que certamente ajudaram a mãe nas coletas de panelas vazias. Imaginem os três juntando panelas... mãe... já chega de panelas... menino, deixa de besteira e vá na Dona Maria e apanhe mais panelas...
De posse das panelas, segue a instrução de nº 2 de entrar e fechar a porta após si e os seus filhos. Vai começar o trabalho de equipe, de toda a família e somente da família. Fechem a porta que o milagre vai começar e não podemos interromper nossa missão até concluí-la.
Nada de receber visitas, nem vizinhos, nem credores, estamos todos ocupados... a bênção começa e o óleo não para de jorrar de uma vasilha que insiste em não esvaziar. Traga mais panelas e lá vai um filho juntado panelas cheias e outro colocando na fila outra panela vazia.
Trabalho de equipe, de união, de família, concentrados, de portas fechadas e o milagre acontecendo... a alegria devia ser algo indizível... aleluias! Ainda tem óleo e ainda tem panelas para serem cheias. ... Mãe! Acabaram as panelas! ... O Azeite também parou de jorrar.
Você sabia que as bênçãos inesperadas nascem das situações mais estéreis? A oliveira cresce em terra rochosa, e seu óleo é extraído em lugares entalhados na rocha. Veja o que diz Jó 29:6 “... e da rocha me corriam ribeiros de azeite.”.
Não havendo mais vasilhas, o azeite parou. O AZEITE SOMENTE PAROU DE JORRAR DEPOIS QUANDO NÃO HAVIA MAIS VASILHAS PARA PREENCHER.
Em seguida, volta ao homem de Deus e lhe diz o que ocorreu e ele dá as instruções finais:
·         Vai e vende o azeite.
·         Paga a tua dívida
·         Vivei tu e teus filhos do restante.
Está aí o milagre da multiplicação do azeite da viúva que lhe rendeu recursos para pagar as suas dívidas e ainda gerar tanta renda que pode viver e manter a sua família com a sobra. Assim Deus vai fazer com você!
Russel Shedd nos diz em seus comentários que a mulher:
·         Recebeu exatamente tanto azeite quantas vasilhas possuíam.
·         Possuía tantas vasilhas quanto o seu desejo, fé e obediência a impulsionaram a tomar emprestadas.
Eu acrescento:
·         O número de vasilhas vazias estava limitado ao número de vizinhos que ela conseguiu falar.
Isso reflete vontade, fé, obediência e amizades.
Segundo fato e duas maravilhas
Eliseu, a senhora estéril, idosa influente, seu marido e um filho – uma cura de infertilidade em retribuição à sua generosa e sem intenção hospitalidade e  um ressuscitamento do menino nascido em sua velhice.
Lembro-me certa vez que meu filho Miguel jazia na sua cama enfermo e todos nós estávamos preocupados com seu estado e já era noite e estávamos igualmente cansados.
No entanto, alguma providencia deveria de ser tomada por que era alta a sua febre e seu estado inspirava cuidados. Resolvemos todos orar pelo Miguel e eu ministrei a ele como Eliseu ministrou ao menino sem vida.
Deitei sobre meu filho e fiz como ele fez, pés com pés, mãos com mãos, nariz com nariz, testa com testa. Imediatamente a vida voltou ao nosso filho e a febre o deixou e o seu semblante melhorou de forma que foi visível a sua cura, pelo que muito glorificamos a Deus por sua graça e misericórdia.
Aqui neste caso, a senhora via que Eliseu era um santo homem de Deus que passava por ali costumeiramente e lhe fez, despretensiosamente, um lugar de repouso para ele, um quartinho, com uma cama, mesa, uma cadeira e um candeeiro.
Ela não agiu pensando no bem que poderia receber, mas ofereceu de si mesma algo que pudesse dar mais conforto para aquele que ela sabia ser um santo homem de Deus.
Eliseu reconhece a dádiva e sente vontade de retribuir de alguma forma. Pensa nas suas necessidades, tenta falar com ela, mas sua palavra é que tudo ia bem com ela. Era uma mulher grata a Deus.
Geazi, servo de Eliseu, percebe que ela não tinha filhos e isso, naquela época, era muito importante, pois sua casa e seus bens seriam entregues a outros, além do que ela poderia ficar viúva a qualquer tempo e ai ficaria numa situação ainda pior. Um filho, realmente seria muito bom para ela.
Eliseu resolve lhe dar um filho! Este homem era homem de muita oração! Como poderia ele abençoar o ventre daquela mulher de forma que concebesse de seu marido já idoso? O fato é que conforme sua palavra a mulher engravidou-se e teve um filho que muito lhe alegrou seu coração solitário.
Seu filho, tempos depois, então tem uma crise de dor de cabeça e acaba falecendo. Ela pega do menino e não o enterra, mas o coloca na cama do profeta. E sai-lhe ao encontro. Ela cria que aquele homem poderia orar e a vida de seu filho voltar.
Quando ela encontra Eliseu, este logo fica preocupado e percebe seu semblante caído, mas nada conseguiu tirar dela, senão que tudo ia bem com ela, seu marido e filho. Deus tinha ocultado a ele, Eliseu, o que se passava, mas Eliseu percebeu que se tratava de algo muito sério.
Por fim descobre que o menino que ela profetizara que nasceria veio à óbito e ela estava ali o procurando. Imediatamente Eliseu providencia socorro ao menino por meio de Geazi e seu bastão, mas a vida não volta ao menino.
Ele então chega no seu quarto. Tranca as portas e começa a orar insistentemente e percebe que o menino se aquecia quando ele se deitava sobre ele e assim foi fazendo até que o menino voltou e ele a entregou novamente a sua mãe.
Terceiro fato e uma maravilha
Eliseu, os discípulos dos profetas e um cozinhado – havia morte na panela daquele cozido devido a colocação de uma planta venenosa por alguém inexperiente. A morte é expulsa pela oração de Eliseu que colocou farinha como agente eliminador de veneno. Todos comeram e não se fez mal a ninguém.
Quarto fato e uma maravilha.
Eliseu, vinte pães da proposição e cem homens famintos – um milagre de multiplicação de alimentos de forma que todos os cem homens comeram e ainda sobrou alimento quando no inicio, apenas vinte homens poderiam se saciar.
Isso nos faz recordar do Senhor Jesus que por duas vezes multiplicou pães e peixes para multidões que iam além das cinco mil pessoas.
II Re 4:1 E uma mulher, das mulheres dos filhos dos profetas,
            clamou a Eliseu, dizendo:
                        Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo
                                   temia ao SENHOR; e veio o credor, para levar os
                                               meus dois filhos para serem servos.
            II Re 4:2 E Eliseu lhe disse:
                        Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa.
            E ela disse:
                        Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.
            II Re 4:3 Então disse ele:
                        Vai, pede emprestadas, de todos os teus vizinhos,
                                   vasilhas vazias, não poucas.
                        II Re 4:4 Então entra, e fecha a porta sobre ti,
                                   e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas
                                               vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.
            II Re 4:5 Partiu, pois, dele, e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos;
                        e eles lhe traziam as vasilhas, e ela as enchia.
            II Re 4:6 E sucedeu que, cheias que foram as vasilhas, disse a seu filho:
                        Traze-me ainda uma vasilha.
            Porém ele lhe disse:
                        Não há mais vasilha alguma.
                                    Então o azeite parou.
            II Re 4:7 Então veio ela, e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele:
                        Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida;
                                   e tu e teus filhos vivei do resto.
II Re 4:8 Sucedeu também um dia que, indo Eliseu a Suném,
            havia ali uma mulher importante, a qual o reteve para comer pão;
                        e sucedeu que todas as vezes que passava por ali entrava para
                                   comer pão.
            II Re 4:9 E ela disse a seu marido:
                        Eis que tenho observado que este que sempre passa por nós
                                   é um santo homem de Deus.
                        II Re 4:10 Façamos-lhe, pois, um pequeno quarto junto ao
                                   muro, e ali lhe ponhamos uma cama, uma mesa,
                                               uma cadeira e um candeeiro;
                                   e há de ser que, vindo ele a nós, para ali se recolherá.
            II Re 4:11 E sucedeu que um dia ele chegou ali,
                        e recolheu-se àquele quarto, e se deitou.
            II Re 4:12 Então disse ao seu servo Geazi:
                        Chama esta sunamita.
                                   E chamando-a ele, ela se pôs diante dele.
            II Re 4:13 Porque ele tinha falado a Geazi:
                        Dize-lhe: Eis que tu nos tens tratado com todo o desvelo;
                                   que se há de fazer por ti?
                                   Haverá alguma coisa de que se fale por ti ao rei,
                                               ou ao capitão do exército?
                        E disse ela:
                                   Eu habito no meio do meu povo.
            II Re 4:14 Então disse ele:
                        Que se há de fazer por ela?
            E Geazi disse:
                        Ora ela não tem filho, e seu marido é velho.
            II Re 4:15 Por isso disse ele:
                        Chama-a. E, chamando-a ele, ela se pôs à porta.
            II Re 4:16 E ele disse:
                        A este tempo determinado, segundo o tempo da vida,
                                   abraçarás um filho.
            E disse ela:
                        Não, meu senhor, homem de Deus, não mintas à tua serva.
            II Re 4:17 E concebeu a mulher, e deu à luz um filho,
                        no tempo determinado, no ano seguinte,
                                   segundo Eliseu lhe dissera.
            II Re 4:18 E, crescendo o filho, sucedeu que um dia saiu
                        para ter com seu pai, que estava com os segadores,
            II Re 4:19 E disse a seu pai:
                        Ai, a minha cabeça! Ai, a minha cabeça!
            Então disse a um moço:
                        Leva-o à sua mãe.
            II Re 4:20 E ele o tomou, e o levou à sua mãe;
                        e esteve sobre os seus joelhos até ao meio dia, e morreu.
            II Re 4:21 E subiu ela, e o deitou sobre a cama do homem de Deus;
                        e fechou a porta, e saiu.
            II Re 4:22 E chamou a seu marido, e disse:
                        Manda-me já um dos moços, e uma das jumentas,
                                   para que eu corra ao homem de Deus, e volte.
            II Re 4:23 E disse ele:
                        Por que vais a ele hoje? Não é lua nova nem sábado.
            E ela disse:
                        Tudo vai bem.
            II Re 4:24 Então albardou a jumenta, e disse ao seu servo:
                        Guia e anda, e não te detenhas no caminhar,
                                   senão quando eu to disser.
            II Re 4:25 Partiu ela, pois, e foi ao homem de Deus,
                        ao monte Carmelo; e sucedeu que, vendo-a o homem de Deus
                                   de longe, disse a Geazi, seu servo:
                                               Eis aí a sunamita.
            II Re 4:26 Agora, pois, corre-lhe ao encontro e dize-lhe:
                        Vai bem contigo? Vai bem com teu marido?
                                   Vai bem com teu filho?
            E ela disse:
                        Vai bem.
            II Re 4:27 Chegando ela, pois, ao homem de Deus, ao monte,
                        pegou nos seus pés; mas chegou Geazi para retirá-la;
                                   disse porém o homem de Deus:
                        Deixa-a, porque a sua alma está triste de amargura,
                                   e o SENHOR me encobriu, e não me manifestou.
            II Re 4:28 E disse ela:
                        Pedi eu a meu senhor algum filho? Não disse eu:
                                   Não me enganes?
            II Re 4:29 E ele disse a Geazi:
                        Cinge os teus lombos, toma o meu bordão na tua mão, e vai;
                                   se encontrares alguém não o saúdes,
                                               e se alguém te saudar, não lhe respondas;
                                               e põe o meu bordão sobre o rosto do menino.
            II Re 4:30 Porém disse a mãe do menino:
                        Vive o SENHOR, e vive a tua alma,
                                   que não te hei de deixar.
                        Então ele se levantou, e a seguiu.
            II Re 4:31 E Geazi passou adiante deles, e pôs o bordão sobre o rosto
                        do menino; porém não havia nele voz nem sentido;
                        e voltou a encontrar-se com ele, e lhe trouxe aviso, dizendo:
                                   O menino não despertou.
            II Re 4:32 E, chegando Eliseu àquela casa, eis que o menino jazia
                        morto sobre a sua cama.
            II Re 4:33 Então entrou ele, e fechou a porta sobre eles ambos,
                        e orou ao SENHOR.
            II Re 4:34 E subiu à cama e deitou-se sobre o menino,
                        e, pondo a sua boca sobre a boca dele, e os seus olhos sobre os
                                   olhos dele, e as suas mãos sobre as mãos dele,
                                               se estendeu sobre ele;
                                                           e a carne do menino aqueceu.
            II Re 4:35 Depois desceu, e andou naquela casa de uma parte
                        para a outra, e tornou a subir, e se estendeu sobre ele,
                                   então o menino espirrou sete vezes, e abriu os olhos.
            II Re 4:36 Então chamou a Geazi, e disse:
                        Chama esta sunamita.
            E chamou-a, e veio a ele. E disse ele:
                        Toma o teu filho.
            II Re 4:37 E entrou ela, e se prostrou a seus pés, e se inclinou à terra;
                        e tomou o seu filho e saiu.
II Re 4:38 E, voltando Eliseu a Gilgal, havia fome naquela terra,
            e os filhos dos profetas estavam assentados na sua presença;
                        e disse ao seu servo:
                                    Põe a panela grande ao lume, e faze um caldo de ervas
                                                para os filhos dos profetas.
            II Re 4:39 Então um deles saiu ao campo a apanhar ervas,
                        e achou uma parra brava, e colheu dela enchendo a sua capa
                                   de colocíntidas; e veio, e as cortou na panela do caldo;
                                               porque não as conheciam.
            II Re 4:40 Assim deram de comer para os homens.
                        E sucedeu que, comendo eles daquele caldo,
                                   clamaram e disseram:
                        Homem de Deus, há morte na panela. Não puderam comer.
            II Re 4:41 Porém ele disse:
                        Trazei farinha. E deitou-a na panela, e disse:
                                   Dai de comer ao povo.
                                               E já não havia mal nenhum na panela.
II Re 4:42 E um homem veio de Baal-Salisa,
            e trouxe ao homem de Deus pães das primícias,
                        vinte pães de cevada, e espigas verdes na sua palha, e disse:
                                   Dá ao povo, para que coma.
            II Re 4:43 Porém seu servo disse:
                        Como hei de pôr isto diante de cem homens?
            E disse ele:
                        Dá ao povo, para que coma; porque assim diz o SENHOR:
                                   Comerão, e sobejará.
            II Re 4:44 Então lhos pôs diante,
                        e comeram e ainda sobrou,
                                   conforme a palavra do SENHOR.

Multiplicação de farinha e azeite, provimento de recursos de aposentadoria, cura de infertilidade, ressuscitamento de um menino, eliminação de veneno do alimento, multiplicação de pães da proposição.
Se Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e ele orou e Deus respondeu suas orações, o que dizer de Eliseu, servo de Elias? Também, igualmente, era homem como nós. Que jamais venhamos a desanimar em nossas vidas de orações a Deus.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 411 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br




[1]Carro, D., Poe, J. T., Zorzoli, R. O., & Editorial Mundo Hispano (El Paso, T. (1993-<1997). Comentario bı́blico mundo hispano / Levitico, Numeros, y Deuteronomio (1. ed.) (Página 432). El Paso, TX: Editorial Mundo Hispano.
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.