terça-feira, 10 de junho de 2014

I Reis 17:1-24 - INÍCIO DO MINISTÉRIO DE ELIAS, O TESBITA

Vejamos nosso mapa e nossa posição na leitura e meditação:
Parte II – A monarquia dividida – 21:1 a II Re 17:41.
D. Em Israel (909-853 a.C.) – 15:25 a 22:40.
6. Acabe de Israel (874-853 a.C.) – 16:29 a 22:40 - continuação.
c. Acabe e a condenação profética – 17:1 – 22:38.
A apostasia nos dias de Acabe foi tão terrível que o escritor de Reis dedica atenção especial às narrativas que tratam dos profetas Elias e Micaías e de um outro profeta cujo nome não é citado, ao declararem o julgamento de Deus contra Acabe.
Esses capítulos, que veremos a seguir, podem ser divididos em seis partes para melhor compreensão e didática, seguindo, como vimos fazendo a BEG: 1. O ministério inicial de Elias – 17:1 – 24. 2. O confronto entre Elias e os sacerdotes de Baal – 18:1-46. 3. O encontro de Elias com o Senhor em Horebe – 19:1-21. 4. A guerra de Acabe com a Síria e a condenação profética – 20:1-43. 5. A vinha de Nabote e a condenação profética – 21:1-29. 6. A guerra de Acabe com a Síria e a condenação profética de Micaías – 22:1-38.
1. O ministério inicial de Elias – 17:1 – 24.
Como tínhamos visto Baal era o deus dos cananeus que era uma espécie de senhor das tempestades, do clima, dos céus mandando e interrompendo chuvas. Assim cria Acabe e assim seguia sua esposa essa crença cananéia.
Até que surge um profeta chamado Elias, um tesbita, um simples morador de Gileade, de aparência rude, cujo nome tinha um significado forte: MEU DEUS É O SENHOR E NÃO HÁ OUTRO!
Seu nome já era uma afronta à crença e ao deus cananeu de Acabe e sua esposa, pois que Baal também significava senhor e marido.
Ao anunciar Elias ao rei Acabe que segundo a sua palavra não mais choveria na terra até que ele mandasse novamente, ele estava se pondo no lugar daquele deus e desmentindo suas qualidades de fertilidade e controle das secas, pois que Baal era o deus da vida e da fertilidade, de modo que a seca desmentiu diretamente a suposta capacidade desse ídolo de controlar as condições do tempo.
Deus honrou a palavra pronunciada corajosamente por Elias e fez conforme ele falou e anunciou a Acabe e por três anos e meio não choveu naquela terra, supostamente controlada pelo deus Baal.
Acabe, portanto, temia a Elias pôs tinha visto seus sinais e sua palavra tão forte, mas também temia e ainda temia mais a sua esposa, pois cria em suas mentiras e feitiçarias.
Quem nos conta de sua eficácia em oração é o apóstolo Tiago que  nos falou que Elias era homem como nós somos, sujeitos às mesmas coisas, mas teve fé, ousadia e coragem para ser de Deus o porta voz naquela região – Tg 5:17.
Deus não somente honra a palavra de Elias como provê para ele uma saída enquanto o tempo passa e sua palavra se cumpre. Deus o orienta a retirar-se dali e ir para o oriente esconder-se junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão, onde o susterá de diversas formas espantosas.
Ali não era Elias que controlava a Deus e tinha a força e poderia fazer o que bem entendesse, antes era Deus quem tinha o controle sobre todas as coisas e soberanamente encaminhava cada assunto e negócio para cumprimento de seus propósitos maiores e perfeitos.
A história de Elias, como bem salientou a BEG, nos lembra a história de João Batista.
·         O Novo Testamento explica que João Batista ministrou no espírito de Elias (Mt 11:14; 1712).
·         João usava roupas que lembravam as de Elias (2Rs 1.8; Mt 3.4).
·         Os dois sofreram a oposição de mulheres como suas principais antagonistas (I Rs 19.2; Mt 14.3,6).
·         Seus sucessores assumiram a continuidade de seu ministério no rio Jordão, onde receberam urna visão da vinda do Espírito (2Rs 2.9-14; Mt 3.13-17).
·         Esses sucessores realizaram milagres poderosos (2Rs 2.9; Mt 11.4-5).
Levando a analogia ainda mais longe, é impressionante observar corno Eliseu e Jesus realizaram milagres semelhantes.
Por um bom tempo, Elias passou a ser alimentado por corvos que lhe traziam pão e carne pela manhã e a noite. Ele estava em obediência à palavra de Deus que mandara ela sair dali. Por isso que Jesus disse que nem só de pão viverá o homem, mas da palavra que procede da boca de Deus, sim, ele viverá! Ou seja, se Deus quer que viva, ele providenciará os meios - Dt 8:3; Lc 4:4.
Deus teria inúmeras formas de sustentá-lo e mantê-lo vivo para os seus propósitos, mas escolhera essa forma especial, inusitada e estranha como se Elias também fosse um filho daquelas aves que o alimentavam.
Ao secar o ribeiro, os corvos já não vinham mais e Deus lhe manda sair dali e ir para a casa de uma viúva que mal conseguia se alimentar, muito menos sustentar seu filho e agora, Elias que ali chegava para ser mais uma boca.
No entanto, era plano e propósitos de Deus e sua palavra era de que ela o sustentaria! Os recursos da viúva era para lá de escassos. O que tinha daria naquele dia para ela preparar uma refeição para ela, seu filho e depois morrerem.
Nisso, enquanto ela trabalhava apanhando lenha, surge um hóspede em sua casa, Elias e já vai lhe pedindo água e comida, pois estava com sede e fome. Desse pouco que ela tinha, que era quase nada, com aquela lenha iria fazer sua última refeição.
Ela lhe traz água, mas diz que a refeição não seria possível, pois o que tinha, um pouco de farinha e um bocadinho de azeite, mal daria a ela e a seu filho.
Agora é que entra a palavra profética de um homem de Deus! Elias diz para ela: - Não temas! E lhe dá as ordens das coisas que se sucederiam a seguir: primeiro faze para mim; depois faze para ti e seu filho; por fim, não faltará, diz o Senhor, Deus de Israel, nem a farinha, nem o azeite na sua panela até o dia em que o Senhor fizer chover novamente naquela terra.
De fato assim se sucedeu e aquela mulher fora ricamente abençoada e não somente pode suster-se a si mesma junto com seu filho, mas sustentar também um profeta em sua casa, um homem de Deus, como Elias.
Depois disso, ainda adoeceu o filho da viúva e acabou vindo à óbito. A mulher se indignou e veio ao homem de Deus e este pegou o menino e orou a Deus por ele.
Deus o ouviu e devolveu a vida ao menino e ele, Elias, devolveu a ela. A mulher glorificou a Deus e de fato reconheceu que estava ali diante de um verdadeiro homem de Deus, cuja palavra se cumpriria fielmente.
I Re 17:1 Então Elias, o tisbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe:
            Vive o SENHOR Deus de Israel, perante cuja face estou,
                        que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá,
                                   senão segundo a minha palavra.
            I Re 17:2 Depois veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo:
                        I Re 17:3 Retira-te daqui, e vai para o oriente, e esconde-te
                                   junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão.
            I Re 17:4 E há de ser que beberás do ribeiro; e eu tenho ordenado aos
                        corvos que ali te sustentem.
            I Re 17:5 Foi, pois, e fez conforme a palavra do SENHOR;
                        porque foi, e habitou junto ao ribeiro de Querite,
                                   que está diante do Jordão.
            I Re 17:6 E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã;
                        como também pão e carne à noite; e bebia do ribeiro.
            I Re 17:7 E sucedeu que, passados dias, o ribeiro se secou,
                        porque não tinha havido chuva na terra.
I Re 17:8 Então veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo:
            I Re 17:9 Levanta-te, e vai para Sarepta, que é de Sidom, e habita ali;
                        eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente.
            I Re 17:10 Então ele se levantou, e foi a Sarepta; e, chegando à porta
                        da cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando
                                   lenha; e ele a chamou, e lhe disse:
                        Traze-me, peço-te, num vaso um pouco de água que beba.
            I Re 17:11 E, indo ela a trazê-la, ele a chamou e lhe disse:
                        Traze-me agora também um bocado de pão na tua mão.
            I Re 17:12 Porém ela disse:
                        Vive o SENHOR teu Deus, que nem um bolo tenho,
                                   senão somente um punhado de farinha numa panela,
                                   e um pouco de azeite numa botija; e vês aqui apanhei
                                   dois cavacos, e vou prepará-lo para mim e para o meu
                                               filho, para que o comamos, e morramos.
            I Re 17:13 E Elias lhe disse:
                        Não temas; vai, faze conforme à tua palavra;
                                   porém faze dele primeiro para mim um bolo pequeno,
                                   e traze-mo aqui; depois farás para ti e para teu filho.
            I Re 17:14 Porque assim diz o SENHOR Deus de Israel:
                        A farinha da panela não se acabará,
                        e o azeite da botija não faltará até ao dia em que o
                                   SENHOR dê chuva sobre a terra.
            I Re 17:15 E ela foi e fez conforme a palavra de Elias;
                        e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias.
            I Re 17:16 Da panela a farinha não se acabou,
                        e da botija o azeite não faltou;
                                   conforme a palavra do SENHOR,
                                               que ele falara pelo ministério de Elias.
I Re 17:17 E depois destas coisas sucedeu que adoeceu o filho desta mulher,
            dona da casa; e a sua doença se agravou muito, até que nele nenhum
                        fôlego ficou.
            I Re 17:18 Então ela disse a Elias:
                        Que tenho eu contigo, homem de Deus?
                                   vieste tu a mim para trazeres à memória a minha
                                               iniqüidade, e matares a meu filho?
            I Re 17:19 E ele disse:
                        Dá-me o teu filho.
            E ele o tomou do seu regaço, e o levou para cima, ao quarto,
                        onde ele mesmo habitava, e o deitou em sua cama,
            I Re 17:20 E clamou ao SENHOR, e disse:
                        O SENHOR meu Deus, também até a esta viúva,
                                   com quem me hospedo, afligiste, matando-lhe o filho?
            I Re 17:21 Então se estendeu sobre o menino três vezes,
                        e clamou ao SENHOR, e disse:
                                   O SENHOR meu Deus, rogo-te que a alma deste
                                               menino torne a entrar nele.
            I Re 17:22 E o SENHOR ouviu a voz de Elias;
                        e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.
            I Re 17:23 E Elias tomou o menino, e o trouxe do quarto à casa,
                        e o deu a sua mãe;
            e disse Elias:
                        Vês aí, teu filho vive.
            I Re 17:24 Então a mulher disse a Elias:
                        Nisto conheço agora que tu és homem de Deus,
                                   e que a palavra do SENHOR
                                               na tua boca é verdade.
“Ó Senhor, meu Deus, rogo-te que faças a alma deste menino tornar a entrar nele!” – vs 21b. “O Senhor atendeu à voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.” – vs 22.
Voltando a Tiago: “Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.” – Tg 5:17,18.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 2 dias para a Copa, sem álcool nos estádios.... também faltam 421 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.