Vamos conhecer o Caminho do Senhor?

Saiba que "O caminho do SENHOR é fortaleza para os íntegros, mas ruína aos que praticam a iniqüidade." (Pv 10:29). Saiba também que aqui no 'JAMAIS DESISTA do Caminho do Senhor' você encontrará, todos os dias uma mensagem baseada na Bíblia que representa o pensamento do autor na sua contínua busca das coisas pertencentes ao reino de Deus e a sua justiça.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

II Reis 15:1-38 - MONARQUIA DIVIDIDA, PERDIDA, CONFUSA, ASSUSTADA

Nós estamos aqui:
Parte II: A MONARQUIA DIVIDIDA - I Reis 12:1 a II Reis17:41.
M. Em Judá (792-740 a.C.): Azarias de Judá 15: 1 – 7.
Esta é a parte “M” que vai de “A” até “Q”. O historiador fica se alternando entre um rei e outro de Israel e de Judá, conforme o rei que esteja ele narrando.
Aqui estamos na história de Azarias, rei de Judá, também conhecido como rei Uzias, que começou a reinar no ano 27, do reinado de Jeroboão II. Muito provavelmente, por causa do cativeiro de seu pai, em Israel, ele tenha sido corregente com seu pai por um período em Judá.
Como nas histórias de Juízes, I e II Reis também seguem um determinado padrão, como já dissemos, de literatura (relato padrão por seguir de fato um padrão: 1. Identificação do rei. 2. Tempo de duração de seu reinado. 3. Seus feitos, se retos ou maus. 4. Algum destaque especial. 5. Sua morte.) ao narrar a história de cada rei de Israel e de Judá.
Sua idade de início no reinado foi com 16 anos, ainda adolescente e teve um dos reinados mais longos da história de Judá, 52 anos no reinado. Sua mão se chamava Jecolias, de Jerusalém.
Suas ações, ao contrário dos reis de Israel, foram tidas como retas perante o Senhor, conforme tudo o que fizera o seu pai Amazias. Como também todos os outros, este não mexeu nos altos a que o povo tinha se acostumado e precisava ser retirado de vez de Judá.
Não se tem explicação para o fato de ter sido ele acometido de uma doença de pele que o obrigou ao isolamento, provavelmente lepra, mas não necessariamente. O fato é que o Senhor o feriu – vs 5 - e desde esse momento até a sua morte, ficou ele com essa doença.
Assim como seu pai viveu isolado em Israel, este também se isolou em Judá devido a sua doença e seu filho Jotão começou a reinar em seu lugar.
N. Em Israel (753-732 a.C.): cinco reis 15: 8 – 31.
Esta é a parte “N” que vai de “A” até “Q”. O historiador se volta agora para Israel para falar conforme o padrão já analisado de cinco reis em Israel: 1. Zacarias. 2. Salum. 3. Menaém. 4. Pecaias. 5. Peca.
Nenhum deles, como já sabemos, fez o que era reto diante do Senhor, ou seja, andaram nos pecados de seus pais, principalmente no pecado de Jeroboão, filho de Nebate.
Zacarias foi o último rei dos quatro que o Senhor tinha prometido e falado por boca de seu profeta a Jeú. Seu reinado, no entanto, foi muito curto, apenas seis meses e Salum, filho de Jabes, diante de todo o povo, o feriu e assumiu o seu trono.
Salum começou a reinar no 39º ano do reinado de Uzias em Judá e reinou por somente um mês em Samaria, pois foi ferido por Menaém, filho de Gadi que passou a reinar em seu lugar.
Menaém ainda foi deveras maligno a ponto de rasgar as mulheres grávidas ao meio. Ele ainda reinou em Israel por dez anos.
Durante seu reinado foi atacado por Pul, rei da Assíria e esse deu a Pul 1000 talentos de prata, retirados cinquenta siclos de prata por cabeça de todos os poderosos e ricos de seu reinado, para que o ajudasse na consolidação de seu reinado.
Tendo morrido, reinou em seu lugar Pecaías, no 40º ano de Azarias, rei de Judá e reinou por apenas dois anos em Israel por que Peca, seu capitão, filho de Remalias, conspirou contra ele e o feriu na fortaleza da casa do rei, juntamente com Argobe e com Arié.
Peca era apoiado pelos Gileaditas e passou a reinar no lugar de Pecaías. Já era o 52º ano do reinado de Azarias, em Judá, quando Peca começou a reinar em Israel. Seu reinado durou 20 anos.
Foi nos dias de Peca que o rei da Assíria, Tiglate-Pileser III, tomou cativos a parte norte do reino de Israel: Ijom, a Abel-Bete-Maaca, a Janoa, e a Quedes, a Hazor, a Gileade, e a Galiléia, e a toda a terra de Naftali. Ele ainda saqueou a Síria e capturou a sua capital Damasco – 16:9. Era o começo do juízo de Deus em Israel que já estava diminuindo o seu território e população.
Oséias, filho de Elá, no 20º ano do reinado de Jotão, conspirou contra Peca e o matou e reinou em seu lugar.
O. Em Judá (750-715 a.C.): Jotão e Acaz 15: 32 - 16:20.
Esta é a parte “O” que vai de “A” até “Q”. O historiador agora está de volta para Judá e vai descrever a história de mais dois reis: 1. Jotão. 2. Acaz.
1. Jotão de Judá (750-735 a.C.): 15: 32 – 38.
Tendo morrido seu pai, Azarias ou Uzias no isolamento devido a sua doença, passou a reinar em seu lugar, seu filho Jotão. Ele começou a reinar em Judá no segundo ano de Peca, filho de Remalias, rei de Israel.
Sua idade era de 25 anos e reinou 16 anos, a mesma idade que seu pai tinha começado a reinar em Judá. A sua mãe se chamava Jerusa, filha de Zadoque. Também, semelhantemente ao seu pai, tenha ele sido corregente por causa da doença que obrigava seu pai ao isolamento.
Seguindo ainda o exemplo de seu pai, este também fez o que era reto diante do Senhor, porém, também não tocou nos altos que o povo estava acostumado.
No tocante às suas obras, o narrador comenta de uma que fez edificando a Porta de Cima da Casa do Senhor, ou seja, a porta superior de Benjamim – Jr 20:2. Essa porta ficava na parte norte da área do templo, voltada para o território de Benjamim.
Ele então morre, é enterrado junto com seus pais e seu filho Acaz começa a reinar em Judá.
II Re 15:1 No ano vinte e sete de Jeroboão, rei de Israel,
            começou a reinar Azarias, filho de Amazias, rei de Judá.
            II Re 15:2 Tinha dezesseis anos quando começou a reinar,
                        e cinqüenta e dois anos reinou em Jerusalém;
                                   e era o nome de sua mãe Jecolias, de Jerusalém.
            II Re 15:3 E fez o que era reto aos olhos do SENHOR,
                        conforme tudo o que fizera Amazias, seu pai.
            II Re 15:4 Tão-somente os altos não foram tirados;
                        porque o povo ainda sacrificava e queimava incenso nos altos.
            II Re 15:5 E o SENHOR feriu o rei, e ficou leproso até ao dia da
                        sua morte; e habitou numa casa separada; porém Jotão,
                        filho do rei, tinha o cargo da casa, julgando o povo da terra.
            II Re 15:6 Ora, o mais dos atos de Azarias, e tudo o que fez,
                        porventura não está escrito no livro das crônicas
                                   dos reis de Judá?
            II Re 15:7 E Azarias dormiu com seus pais e o sepultaram junto
                        a seus pais, na cidade de Davi;
                                   e Jotão, seu filho, reinou em seu lugar.
II Re 15:8 No ano trinta e oito de Azarias, rei de Judá, reinou Zacarias,
            filho de Jeroboão, sobre Israel, em Samaria, seis meses.
            II Re 15:9 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR,
                        como tinham feito seus pais; nunca se apartou dos pecados de
                                    Jeroboão, filho de Nebate, com que fez pecar a Israel.
            II Re 15:10 E Salum, filho de Jabes, conspirou contra ele e feriu-o
                        diante do povo, e matou-o; e reinou em seu lugar.
            II Re 15:11 Ora, o mais dos atos de Zacarias,
                        eis que está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel.
            II Re 15:12 Esta foi a palavra do SENHOR, que falou a Jeú:
                        Teus filhos, até à quarta geração, se assentarão sobre o trono
                                   de Israel. E assim foi.
II Re 15:13 Salum, filho de Jabes, começou a reinar no ano
            trinta e nove de Uzias, rei de Judá, e reinou um mês inteiro
                        em Samaria.
            II Re 15:14 Porque Menaém, filho de Gadi, subiu de Tirza,
                        e veio a Samaria; e feriu a Salum, filho de Jabes, em Samaria,
                                   e o matou, e reinou em seu lugar.
            II Re 15:15 Ora, o mais dos atos de Salum, e a conspiração que fez,
                        eis que está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel.
II Re 15:16 Então Menaém feriu a Tifsa, e a todos os que nela havia,
            como também a seus termos desde Tirza, porque não lha tinham aberto;
            e os feriu, pois, e a todas as mulheres grávidas fendeu pelo meio.
            II Re 15:17 Desde o ano trinta e nove de Azarias, rei de Judá,
                        Menaém, filho de Gadi, começou a reinar sobre Israel,
                                   e reinou dez anos em Samaria.
            II Re 15:18 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR;
                        todos os seus dias não se apartou dos pecados de Jeroboão,
                                   filho de Nebate, com que fez pecar a Israel.
            II Re 15:19 Então veio Pul, rei da Assíria, contra a terra;
                        e Menaém deu a Pul mil talentos de prata, para que este o
                                   ajudasse a firmar o reino na sua mão.
            II Re 15:20 E Menaém tirou este dinheiro de Israel,
                        de todos os poderosos e ricos, para dá-lo ao rei da Assíria,
                                   de cada homem cinqüenta siclos de prata;
                                   assim voltou o rei da Assíria, e não ficou ali na terra.
            II Re 15:21 Ora, o mais dos atos de Menaém, e tudo quanto fez,
            porventura não está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel?
II Re 15:22 E Menaém dormiu com seus pais;
            e Pecaías, seu filho, reinou em seu lugar.
            II Re 15:23 No ano cinqüenta de Azarias, rei de Judá,
                        começou a reinar Pecaías, filho de Menaém, sobre Israel,
                                   em Samaria, e reinou dois anos.
            II Re 15:24 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR;
                        nunca se apartou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate,
                                   com que fez pecar a Israel.
            II Re 15:25 E Peca, filho de Remalias, seu capitão, conspirou contra
                        ele, e o feriu em Samaria, no paço da casa do rei,
                                   juntamente com Argobe e com Arié,
                                   e com ele cinqüenta homens dos filhos dos gileaditas;
                                               e o matou, e reinou em seu lugar.
            II Re 15:26 Ora, o mais dos atos de Pecaías, e tudo quanto fez, eis que
                        está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel.
II Re 15:27 No ano cinqüenta e dois de Azarias, rei de Judá, começou a reinar
            Peca, filho de Remalias, sobre Israel, em Samaria, e reinou vinte anos.
            II Re 15:28 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR;
                        nunca se apartou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate,
                                   com que fez pecar a Israel.
            II Re 15:29 Nos dias de Peca, rei de Israel, veio Tiglate-Pileser,
                        rei da Assíria, e tomou a Ijom, a Abel-Bete-Maaca, a Janoa,
                                   e a Quedes, a Hazor, a Gileade, e a Galiléia,
                                   e a toda a terra de Naftali, e os levou à Assíria.
            II Re 15:30 E Oséias, filho de Elá, conspirou contra Peca,
                        filho de Remalias, e o feriu, e o matou, e reinou em seu lugar,
                                   no vigésimo ano de Jotão, filho de Uzias.
            II Re 15:31 Ora, o mais dos atos de Peca, e tudo quanto fez, eis que
                        está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel.
II Re 15:32 No ano segundo de Peca, filho de Remalias, rei de Israel,
            começou a reinar Jotão, filho de Uzias, rei de Judá.
            II Re 15:33 Tinha vinte e cinco anos de idade quando começou a
                        reinar, e reinou dezesseis anos em Jerusalém; e era o nome de
                                   sua mãe Jerusa, filha de Zadoque.
            II Re 15:34 E fez o que era reto aos olhos do SENHOR;
                        fez conforme tudo quanto fizera seu pai Uzias.
            II Re 15:35 Tão-somente os altos não foram tirados;
                        porque o povo ainda sacrificava e queimava incenso nos altos.
                                   Este edificou a porta alta da casa do SENHOR.
            II Re 15:36 Ora, o mais dos atos de Jotão, e tudo quanto fez,
            porventura não está escrito no livro das crônicas dos reis de Judá?
            II Re 15:37 Naqueles dias começou o SENHOR a enviar contra                           Judá a Rezim, rei da Síria, e a Peca, filho de Remalias.
            II Re 15:38 E Jotão dormiu com seus pais, e foi sepultado junto
                        a seus pais, na cidade de Davi, seu pai;
                                   e Acaz, seu filho, reinou em seu lugar.
Como já estamos entrando nos últimos reis de Israel e de Judá, é interessante agora colocarmos, a benefício de nossa compreensão dos fatos narrados, uma explicação do mapa das campanhas dos assírios contra Israel e Judá, referente ao texto bíblico de II Re 15 - p. 506, da BEG:
Os assírios entram na história bíblica na época dos últimos reis de Israel (séc. 8º a.C.), quando o profeta Isaias estava se tornando conhecido no reio de Judá. Até esse tempo, ano 840 a.C., a Assíria havia considerado Israel como estado vassalo. O obelisco de pedra negra que documenta as vitórias de Salmaneser III, mostra Jeú, rei de Israel, rendendo tributo (II Rs 9-10).
1-         Campanhas de Tiglate-Pileser III (738-732 a.C.)
Em 745 a.C. Tiglate—Pileser III ascendeu ao trono da Assíria. Ele invadiu Israel e forçou o rei Menaém a renovar o pagamento do tributo (2Rs 15:17-23). Anos mais tarde, o rei assírio voltou a invadir Israel, tomou terras e cidades e exilou muitas pessoas.: (Para evitar problemas posteriores, os assírios tinham por hábito exilar os conquistados, estabelecendo-os em outro país).
2-        Campanha de Salmaneser V (725-722 a.C.)
Oseias, rei de Israel, resistiu aos assírios. Foi derrotado, mas logo se revoltou. Nessa ocasião, o rei assírio Salmaneser V sitiou e tomou Samaria., a capital de Israel. Toda a população foi enviada ao exílio; Samaria foi repovoada com pessoas de outras nações no ano 721 a.C. (2Rs 17; 18.9-12). Sargão II, sucessor de Salmaneser, declarou haver exilado como prisioneiros''... 27.290 de seus habitantes junto com seus carros... e os deuses nos quais confiavam".
3-        Campanha de Senaqueribe contra Judá (701 a.C.)
O reino de Judá tornou-se vassalo assírio ao pedir proteção contra o ataque de Israel e da Síria (2Rs 16.1-9). Assim, quando o rei Ezequias buscou a independência de Judá, a sua ação levou o exército assírio até Judá. O rei assírio sitiou e tomou Laquis e enviou um grande exército contra Jerusalém. Ezequias, por conselho do profeta Isaías, não se rendeu, e os assírios foram obrigados a retroceder (2Rs 18.1-8---19.37).
Judá permaneceu leal à Assíria até que o império foi derrotado pelos babilônios, que tomaram Nínive, a capital assíria, no ano 612 a.C. (Dn 5).
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...

domingo, 29 de junho de 2014

II Reis 14:1-29 - AMAZIAS, DE JUDÁ E JEROBOÃO II, DE ISRAEL - A GRAÇA DE DEUS

Nós estamos aqui:
Parte II: A MONARQUIA DIVIDIDA - I Reis 12:1 a II Reis17:41.
K. Em Judá (796-767 a.C.): Amazias de Judá 14: 1 – 22.
Esta é a parte “K” que vai de “A” até “Q”. O historiador se volta agora para Judá em 796 a.C. depois de relatar os acontecimentos em Israel até 782 a.C.
Depois de Joás ter sido assassinado pelos seus próprios oficiais – 12:20,21 – foi sucedido pelo seu filho Amazias no trono de Judá. Amazias seguiu o exemplo piedoso de seu pai piedoso Joás.
Quando começou a reinar ele tinha 25 anos e por mais 29 governou Judá. A narrativa bíblica padrão[1] dos feitos dos reis em Judá e em Israel fala que este rei fez o que era reto perante o Senhor, isto é, seguiu as prescrições da aliança, ou seja, teve o zelo de andar nos seus caminhos, para guardar os seus estatutos e os seus mandamentos.
Foi dessa forma que Davi exortou seu filho Salomão (I Re 2:1-4) a ser fiel e a fazer o que era reto aos olhos do Senhor: observando as leis de Deus e, portanto, experimentando sua bênção – Dt 6:2; 8:6, 11; 10:12-23; 11:22. Se, por acaso, fosse infiel, fazendo o que era mau aos olhos do Senhor, ele e a nação sofreriam, inevitavelmente, consequências terríveis – Dt 4:40, 44-45.
Este, igualmente, seu pai, não tirou os altos e o povo ainda ali sacrificava e queimava incenso. O povo insistia em adorar nos altos, ou seja, repetindo o que já disse antes e expliquei, os altos eram santuários nos altos das colinas. Ao entrarem na terra de Canaã, os israelitas deveriam ter abolido todos os altos dos cananeus – Nm 33:52; Dt 7:5; 12:3 – e construído seus próprios centros de culto ou altares em locais aprovados por Deus – Ex 20:24; Jz 6:4; 13:19; I Sm 7:17; I Re 9:12-13. Essa adoração, em certos locais sancionados, seria somente considerada aceitável até o tempo em que o santuário central do qual Dt 12 trata em detalhes, fosse construído.
Depois que foi de fato confirmado rei em Judá, tratou de eliminar aqueles servos que tinham matado a seu pai. Amazias teve o zelo de poupar os filhos daqueles homens por temor a Deus, pois na lei estava escrito que nem os filhos nem os pais deveriam pagar pelo pecado um do outro, mas cada um seria responsável pelo seu próprio pecado – Dt 24:16.
Amazias, em batalha, vence os edomitas, mas cai diante de Israel por causa de sua precipitação. Seu desafio impulsivo a Jeoás, rei de Israel, resultou em derrota para Judá na batalha, bom como na destruição de parte do muro de Jerusalém e no saque do templo e dos tesouros reais.
Amazias fora forçado a ficar em cativeiro até a morte de Jeoás quando, finalmente, fora liberto – vs 17. Apesar de ter sido derrotado e preso, viveu ainda mais 15 anos depois da morte do rei de Israel, Jeoás.
Depois disso, houve uma conspiração contra ele em Jerusalém que o obrigou a fugir para Laquis, uma cidade importante de Judá, distante uns 24 km a oeste de Hebrom. De nada adiantou a sua fuga, pois que o alcançaram lá e o mataram. Trouxeram o seu cadáver e o sepultaram junto a seus pais, na cidade de Davi e o seu filho, Uzias, com 16 anos, passou a reinar em Judá.
Este edificou Elate e a restituiu a Judá depois que o rei descansou com seus pais. Elate era um porto marítimo no golfo da Ácaba, usado inicialmente por Salomão para promover o comércio marítimo com outras nações – I Re 9:26-28. Uma vez que Amazias derrotou a Edom – vs 7 -, o seu filho Uzias (também chamado de Azarias – 15: 30, 32, 34; Is 6:1) pode reconstruir Elate e usá-lo novamente como porto de Judá – I Re 22:47-50; II Reis 8:20-22; 16:6.
L. Em Israel (793-753 a.C.): Jeroboão II de Israel 14: 23 – 29.
Esta é a parte “L” que vai de “A” até “Q”. Ela apresenta um resumo sucinto do longo reinado de Jeroboão II sobre Israel.
Ele começou a reinar no 15º ano de Amazias, filho de Joás, rei de Judá. O seu reinado durou longos 41 anos, mas fez – como todos os reis de Israel - o que era mau aos olhos do Senhor, sem jamais se apartar dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar Israel.
Jeroboão II era filho de Jeoás, rei de Israel, o terceiro descendente de Jeú o qual o Senhor tinha prometido que sua descendência iria durar quatro gerações por causa do que ele fez com Acabe e como acabou com o culto a Baal em Israel.
Em sua graça e misericórdia, Deus ainda o usou, apesar dele, para trazer um alívio a Israel que estava muito oprimido.
Ele restabeleceu os limites de Israel, desde a entrada em Hamate até o mar da Planície, conforme a palavra que ele tinha falado por meio de seu profeta Jonas – o mesmo Jonas tido como livro da Bíblia Sarada - , filho de Amitai ,o profeta, o qual era de Gate-Hefer.
Jeroboão II expandiu assim o território de Israel não apenas para o norte, mas também para o sul, do lado leste do Jordão (as terras de Amom e Moabe). Portanto, Jeroboão II controlou um território maior do que qualquer outro rei anterior do norte – Am 6:13,14. Ele ainda também reconquistou a Damasco, capital da Síria e Hamate que estavam com o controle e domínio de Judá (esse Judá poderia ser uma referência a laudi, uma designação mencionada em algumas inscrições assírias como um lugar na região norte da Síria ou uma referência ao controle exercido por Davi e Salomão – ambos de Judá – sobre Damasco e Hamate – II Sm 8:6; I Re 8:65; II Cr 8:3).
Por fim, descansou Jeroboão II com seus pais, com os reis de Israel e Zacarias, seu filho, o quarto descendente de Jeú, reinou em seu lugar.
II Re 14:1 No segundo ano de Jeoás, filho de Jeoacaz, rei de Israel,
            começou a reinar Amazias, filho de Joás, rei de Judá.
            II Re 14:2 Tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar,
                        e vinte e nove anos reinou em Jerusalém.
                                   E era o nome de sua mãe Joadã, de Jerusalém.
            II Re 14:3 E fez o que era reto aos olhos do SENHOR,
                        ainda que não como seu pai Davi; fez, porém, conforme tudo o
                                   que fizera Joás seu pai.
            II Re 14:4 Tão-somente os altos não foram tirados;
                        porque o povo ainda sacrificava e queimava incenso nos altos.
            II Re 14:5 Sucedeu que, sendo já o reino confirmado na sua mão,
                        matou os servos que tinham matado o rei, seu pai.
            II Re 14:6 Porém os filhos dos assassinos não matou, como está escrito
                        no livro da lei de Moisés, no qual o SENHOR deu ordem,
                                   dizendo: Não matarão os pais por causa dos filhos,
                                   e os filhos não matarão por causa dos pais;
                                               mas cada um será morto pelo seu pecado.
            II Re 14:7 Este feriu a dez mil edomitas no vale do Sal,
                        e tomou a Sela na guerra; e chamou-a Jocteel,
                                   até ao dia de hoje.
            II Re 14:8 Então Amazias enviou mensageiros a Jeoás,
                        filho de Jeoacaz, filho de Jeú, rei de Israel, dizendo:
                                   Vem, vejamo-nos face a face.
            II Re 14:9 Porém Jeoás, rei de Israel, enviou a Amazias, rei de Judá,
                        dizendo: O cardo que estava no Líbano mandou dizer ao cedro
                                   que estava no Líbano:
                                               Dá tua filha por mulher a meu filho;
                                               mas os animais do campo, que estavam no
                                               Líbano, passaram e pisaram o cardo.
            II Re 14:10 Na verdade feriste os moabitas, e o teu coração se
                        ensoberbeceu; gloria-te disso, e fica em tua casa;
                                   e por que te entremeterias no mal, para caíres tu,
                                               e Judá contigo?
            II Re 14:11 Mas Amazias não o ouviu. E subiu Jeoás, rei de Israel,
                        e Amazias, rei de Judá, e viram-se face a face, em Bete-Semes,
                                   que está em Judá.
            II Re 14:12 E Judá foi ferido diante de Israel, e fugiu
                        cada um para a sua tenda.
            II Re 14:13 E Jeoás, rei de Israel, tomou a Amazias, rei de Judá,
                        filho de Joás, filho de Acazias, em Bete-Semes;
                                   e veio a Jerusalém, e rompeu o muro de Jerusalém,
                                   desde a porta de Efraim até a porta da esquina,
                                               quatrocentos côvados.
            II Re 14:14 E tomou todo o ouro e a prata, e todos os vasos que se
                        acharam na casa do SENHOR e nos tesouros da casa do rei,
                                   como também os reféns e voltou para Samaria.
            II Re 14:15 Ora, o mais dos atos de Jeoás, o que fez e o seu poder,
                        e como pelejou contra Amazias, rei de Judá, porventura não
                                   está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel?
            II Re 14:16 E dormiu Jeoás com seus pais, e foi sepultado em
                        Samaria, junto aos reis de Israel;
                                   e Jeroboão, seu filho, reinou em seu lugar.
II Re 14:17 E viveu Amazias, filho de Joás, rei de Judá, depois da morte de
            Jeoás, filho de Jeoacaz, rei de Israel, quinze anos.
            II Re 14:18 Ora, o mais dos atos de Amazias, porventura não está
                        escrito no livro das crônicas dos reis de Judá?
            II Re 14:19 E conspiraram contra ele em Jerusalém,
                        e fugiu para Laquis; porém enviaram após ele até Laquis,
                                   e o mataram ali.
            II Re 14:20 E o trouxeram em cima de cavalos;
                        e o sepultaram em Jerusalém, junto a seus pais,
                                   na cidade de Davi.
II Re 14:21 E todo o povo de Judá tomou a Azarias,
            que já era de dezesseis anos, e o fizeram rei em lugar de
                        Amazias, seu pai.
            II Re 14:22 Este edificou a Elate, e a restituiu a Judá,
                        depois que o rei dormiu com seus pais.
II Re 14:23 No décimo quinto ano de Amazias, filho de Joás,
            rei de Judá, começou a reinar em Samaria, Jeroboão, filho de Jeoás,
                        rei de Israel, e reinou quarenta e um anos.
            II Re 14:24 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR;
                        nunca se apartou de nenhum dos pecados de Jeroboão,
                                   filho de Nebate, com que fez pecar a Israel.
            II Re 14:25 Também este restituiu os termos de Israel,
                        desde a entrada de Hamate, até ao mar da planície;
                                   conforme a palavra do SENHOR Deus de Israel,
                                   a qual falara pelo ministério de seu servo Jonas,
                                   filho do profeta Amitai, o qual era de Gate-Hefer.
            II Re 14:26 Porque viu o SENHOR que a miséria de Israel era
                        muito amarga, e que nem havia escravo, nem absolvido,
                                   nem quem ajudasse a Israel.
            II Re 14:27 E ainda não falara o SENHOR em apagar
                        o nome de Israel de debaixo do céu; porém os livrou por meio
                                   de Jeroboão, filho de Jeoás.
            II Re 14:28 Ora, o mais dos atos de Jeroboão, tudo quanto fez,
                        e seu poder, como pelejou, e como restituiu a Damasco
                        e a Hamate, pertencentes a Judá, sendo rei em Israel,
                        porventura não está escrito no livro das crônicas de Israel?
            II Re 14:29 E Jeroboão dormiu com seus pais, com os reis de Israel;
                        e Zacarias, seu filho, reinou em seu lugar.
As histórias dos livros de I e II Reis vão se desenrolando a partir de Saul, primeiro rei, depois Davi, quando seu trono foi estabelecido para sempre no lugar de Saul que fora rejeitado, em seguida Salomão, filo de Davi, onde ocorre a divisão do reino, ficando a dinastia de Davi com um trono ao sul e as outras tribos com Israel ao norte.
São vários os reis que se vão se sucedendo um ao outro e em cada um o resultado de seu reinado se preservaram ou não a aliança do Senhor. Em Israel, nenhum rei até o momento e até o cativeiro também não haverá nenhum rei que fara o que é reto ao Senhor.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br



[1] Chamo de relato padrão por seguir de fato um padrão: 1. Identificação do rei. 2. Tempo de duração de seu reinado. 3. Seus feitos, se retos ou maus. 4. Algum destaque especial. 5. Sua morte.
...