domingo, 10 de novembro de 2013

Levítico 6: 1-30 – O FOGO ARDERÁ CONTINUAMENTE SOBRE O ALTAR.

No capítulo anterior, estávamos vendo a oferta pela culpa que ainda se prolonga mais um pouco até o vs. 7, deste. A qual trata de sacrifícios pela culpa feitos em favor da pessoa que pecou intencionalmente contra o seu próximo.
No dia em que era oferecido o sacrifício, o transgressor deveria trazer também a reparação pela propriedade perdida ou danificada que consistia no quinto do valor da mesma.
Quando lemos Mateus 5:24 provavelmente era isso que tinha em mente nosso Senhor quando falava da necessidade de reconciliação com o próximo.
Já a partir do vs. 8 até o capítulo 7, vs. 36, iremos ver as instruções já não mais para os leigos, mas para os sacerdotes. A preocupação de Moisés era para que os sacerdotes cumprissem seu papel sem abusar de direitos sobre determinadas porções dos sacrifícios. Na verdade, ele já estava antevendo os problemas que iriam surgir com relação a isso. Em Cristo Jesus, não temos este problema porque o sacerdócio é feito por um sacerdote-homem perfeito.
Temos aqui, então, quatro partes: o holocausto – vs. 8 ao vs. 13; a oferta de manjares – vs. 14 ao vs. 18; a oferta de manjares do sacerdote – vs. 19 ao vs. 23 e a oferta pelo pecado, do vs. 24 ao 30.
Cristo Jesus, o sumo-sacerdote da nova aliança, ofereceu o holocausto definitivo ao entregar o seu corpo: ele foi totalmente consagrado a Deus, sofrendo a morte por causa do pecado e efetuando a morte do crente para o pecado – Rm 6:2-7.
Como a prescrição era para se manter o fogo continuamente sobre o altar, vemos aqui um lembrete da presença permanente de Deus e da necessidade contínua e constante da expiação do povo, que foi, é, e continuará a ser cumprida, perfeitamente, no Senhor Jesus Cristo.
Cristo Jesus, o sumo-sacerdote da nova aliança, ao honrar e ao dar graças a Deus em sua obediência perfeita, realizou simbolicamente a oferta de manjares. Esta oferta deveria ser contínua, diariamente feita pelo sacerdote.
Cristo Jesus, o sumo-sacerdote da nova aliança, ofereceu a oferta definitiva pelo pecado quando tomou sobre si o castigo de uma vez para sempre pelos pecados daqueles que creem no Senhor – Is 53:5. I Pe 2:24.
Lv 6:1 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
               Lv 6:2 Quando alguma pessoa pecar, e transgredir contra o SENHOR,
                              e negar ao seu próximo o que lhe deu em guarda,
                              ou o que deixou na sua mão, ou o roubo,
                                            ou o que reteve violentamente ao seu próximo,
                              Lv 6:3 Ou que achou o perdido,
                                            e o negar com falso juramento,
                              ou fizer alguma outra coisa de todas
                                            em que o homem costuma pecar;
               Lv 6:4 Será pois que, como pecou e tornou-se culpado,
                              restituirá o que roubou, ou o que reteve violentamente,
                                            ou o depósito que lhe foi dado em guarda,
                                                           ou o perdido que achou,
                              Lv 6:5 Ou tudo aquilo sobre que jurou falsamente;
                                            e o restituirá no seu todo,
                              e ainda sobre isso acrescentará o quinto;
                                            àquele de quem é o dará no dia de sua expiação.
               Lv 6:6 E a sua expiação trará ao SENHOR:
                              um carneiro sem defeito do rebanho,
                                            conforme à tua estimação,
                                                           para expiação da culpa trará ao sacerdote;
               Lv 6:7 E o sacerdote fará expiação por ela diante do SENHOR,
                              e será perdoada de qualquer das coisas que fez,
                                            tornando-se culpada.
Lv 6:8 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
               Lv 6:9 Dá ordem a Arão e a seus filhos, dizendo:
                              Esta é a lei do holocausto;
               o holocausto será queimado sobre o altar toda a noite até pela manhã,
                              e o fogo do altar arderá nele.
               Lv 6:10 E o sacerdote vestirá a sua veste de linho,
                              e vestirá as calças de linho, sobre a sua carne,
                                            e levantará a cinza,
                              quando o fogo houver consumido o holocausto sobre o altar,
                                            e a porá junto ao altar.
               Lv 6:11 Depois despirá as suas vestes, e vestirá outras vestes;
                              e levará a cinza fora do arraial para um lugar limpo.
               Lv 6:12 O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará;
                              mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã,
                                            e sobre ele porá em ordem o holocausto
                                            e sobre ele queimará
                                                           a gordura das ofertas pacíficas.
               Lv 6:13 O fogo
                              arderá continuamente sobre o altar;
                                            não se apagará.
Lv 6:14 E esta é a lei da oferta de alimentos:
               os filhos de Arão a oferecerão perante o SENHOR diante do altar.
               Lv 6:15 E dela tomará um punhado da flor de farinha,
                              da oferta e do seu azeite, e todo o incenso que estiver
                                            sobre a oferta de alimentos;
               então o acenderá sobre o altar, cheiro suave é isso,
                              por ser memorial ao SENHOR.
               Lv 6:16 E o restante dela comerão Arão e seus filhos;
                              ázimo se comerá no lugar santo,
                                            no pátio da tenda da congregação o comerão.
               Lv 6:17 Levedado não se cozerá; sua porção é que lhes dei
                              das minhas ofertas queimadas;
                                            coisa santíssima é,
                              como a expiação do pecado e como a expiação da culpa.
               Lv 6:18 Todo o homem entre os filhos de Arão comerá dela;
                              estatuto perpétuo será para as vossas gerações
                                            das ofertas queimadas do SENHOR;
                                                           todo o que as tocar será santo.
Lv 6:19 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
               Lv 6:20 Esta é a oferta de Arão e de seus filhos,
                              a qual oferecerão ao SENHOR no dia em que ele for ungido;
               a décima parte de um efa de flor de farinha
                              pela oferta de alimentos contínua;
               a metade dela pela manhã, e a outra metade à tarde.
               Lv 6:21 Numa caçoula se fará com azeite; cozida a trarás;
                              e os pedaços cozidos da oferta oferecerás em
                                            cheiro suave ao SENHOR.
               Lv 6:22 Também o sacerdote, que de entre seus filhos
                              for ungido em seu lugar, fará o mesmo;
                              por estatuto perpétuo será ela toda queimada ao SENHOR.
               Lv 6:23 Assim toda a oferta do sacerdote será totalmente queimada;
                              não se comerá.
Lv 6:24 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
               Lv 6:25 Fala a Arão e a seus filhos, dizendo:
                              Esta é a lei da expiação do pecado;
                                            no lugar onde se degola o holocausto
                              se degolará a expiação do pecado perante o SENHOR;
                                            coisa santíssima é.
               Lv 6:26 O sacerdote que a oferecer pelo pecado a comerá;
                              no lugar santo se comerá, no pátio da tenda da congregação.
               Lv 6:27 Tudo o que tocar a carne da oferta será santo;
                              se o seu sangue for espargido sobre as vestes de alguém,
                                            lavarás em lugar santo aquilo sobre o que caiu.
                              Lv 6:28 E o vaso de barro em que for cozida será quebrado;
                                            porém, se for cozida num vaso de cobre,
                                                           esfregar-se-á e lavar-se-á na água.
               Lv 6:29 Todo o homem entre os sacerdotes a comerá;
                              coisa santíssima é.
               Lv 6:30 Porém, não se comerá nenhuma oferta pelo pecado,
                              cujo sangue se traz à tenda da congregação,
                                            para expiar no santuário;
                                                           no fogo será queimada.
Os sacrifícios no Antigo Testamento não era um mero recurso humano para aplacar a ira de Deus e sim um meio de expiação providenciado pelo próprio Deus. (http://www.monergismo.com/textos/expiacao/expiacao_monografia_adilson.pdf)
Irei colocar aqui, abaixo, um quadro muito didático, que se encontra na BEG, que diz em seu título: SACRIFÍCIOS NO ANTIGO TESTAMENTO – pág. 150, Livro de Levítico, entre Lv 4:2 e 3:

SACRIFÍCIOS NO ANTIGO TESTAMENTO - ref.: Bíblia de Estudo de Genebra
CATEGORIAS
ELEMENTOS
DESCRIÇÃO
Ref.:
MAIOR
MENOR
Consagração
Holocausto
Bezerro, carneiro ou ave sem defeito. (A escolha do animal dependia da situação econômica do ofertante.)
Tipo de sacrifício em que a vítima é totalmente consumida pelo fogo (Lv 1). No templo de Jerusalém, eram oferecidos holocaustos duas ao dia pela ela manhã e outro à tarde. As pessoas podiam, além disso, oferecer um holocausto como sacrifício privado por meio dos sacerdotes
Lv 1; 6:8-13; 8:18-21; 16:24
Oferta de manjares
Grãos, flor de farinha incenso, pão cozido (sem fermento), sal. Proibidos o fermento e o mel.
Sacrifício de farinha, pão assado ou simples grãos (cevada, trigo), com azeite, incenso e sal (Lv 2.1-16), acompanhados de vinho (Lv 23.131. Não devia ser usado fermento nem mel (Lv 2.11). Uma porção era queimada como oferta a Deus, e o resto era dado ao sacerdote no templo. Quando os ofertantes eram pessoas pobres, a oferta de manjares podia substituir a oferta pelo pecado (Lv 5.11).
Lv 2; 6:14-23
Comunhão
Pacífico
Qualquer animal do gado, sem defeito; pães (tortas, obreias)
Conhecido também como oferta de como-chão (Lv 7.11; Nm 7.17). Era um sacrifício que primeiro era oferecido ao Senhor e depois distribuído entre o ofertante e a sua família e parentes. Como comida da aliança, simbolizava a união entre Deus e o seu povo.
Lv 3; 7:11-34
Expiação
Pelo pecado
Novilho, bode, cabra, ovelha, duas rolas ou dois pombinhos, a décima parte de um efa de flor de farinha (a escolha dependia da situação econômica do ofertante.)
Oferta especial por diversos pecados que, de modo geral, ofendiam o próximo. Nesses casos, devia ser oferecido como sacrifício um carneiro sem defeito, além de uma restituição em espécie para a pessoa ofendida,  qual se acrescentava uma quinta parte do que fora defraudado ou perdido.
Lv 4:1 – 5:13; 6:24-30; 8:14-17; 16:3-22
As ofertas pelo pecado tinham como finalidade restabelecer o relacionamento com Deus, comprometido pelas faltas involuntárias ou por algum estado de impureza.
Pela culpa
Carneiro sem defeito. (Em lugar do sacrifício, era permitido oferecer uma soma em dinheiro.)
É difícil determinar com exatidão em que se diferenciavam a oferta pelo pecado (Lv 4) e a oferta pela culpa. Uma nota distintiva dessa última era que a vítima sacrificada devia ser sempre um canteiro (Lv 5.15-16,18). Além disso, se a fraude cometida contra Deus ou contra o próximo podia ser estimada numa quantia em dinheiro, era acrescentada a obrigação de reparar a dívida, restituindo-se a Deus ou à pessoa prejudicada o preço do que havia sido defraudado, acrescido de uma quinta parte (Lv 5.16).
Lv 5:14 – 6:7; 7:1-6; 14:12-21
No Antigo Testamento, o sacrifício era um ato do culto tão importante que era considerado indispensável. Hoje, entendemos por "sacrifício" a imolação de um animal; ou seja, o ato de matá-lo para oferecê-lo a Deus. Para os hebreus, essa era apenas uma das maneiras possíveis do sacrifício, talvez a principal, mas não a única. Também eram feitas ofertas de alimentos, de bebidas e de incenso. Quanto ao seu propósito, o sacrifício podia ser de gratidão (ou ação de graças), de expiação pelos pecados (no qual era pedido o perdão de Deus), de reconciliação com Deus ou de purificação. Um dos tipos principais do sacrifício era o holocausto. Jesus Cristo, mediante a sua morte na cruz, fez a oferta do seu corpo, "uma vez por todas" (Hb 10.10), pelos pecados de todo o mundo (Jo 1.29).
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.