quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Levítico 3: 1-17 – A PAZ E O BEM-ESTAR NOS SACRIFÍCIOS.

Moisés estava agora ministrando instruções dos sacrifícios pacíficos – ou sacrifícios de comunhão ou sacrifícios de reconciliação -, cujo significado no hebraico parece associado à palavra shalom, que significa “paz” ou “bem-estar”, aos leigos, conforme também Lv 7:11, 28-34.
O significado preciso se perdeu, mas parece indicar harmonia e paz entre Deus e o adorador, uma posição que capacitava aos adoradores individuais, o compartilhamento do sacrifício.
O adorador deveria se identificar simbolicamente com o sacrifício e entregá-lo ao sacerdote, o qual aspergia o sangue em todos os lados do altar. Ele era muito peculiar pelo fato do adorador e sua família poderem comer grande parte da carne, sendo apenas uma porção dela entregue ao sacerdote ou queimada sobre o altar.
A oferta pacífica era um sacrifício oferecido sempre que alguém buscava a bênção de Deus ou celebrava as bênçãos recebidas. O sacrifício era oferecido:
1.     Para enfatizar uma oração solene – como um voto.
2.     Quando essa oração era respondida.
3.     Ou, simplesmente pela gratidão – 7:16.
A melhor parte do sacrifício – a gordura e os dois rins, vs. 3 e 4 - deveriam ser entregues totalmente a Deus para serem queimadas.
Devido às suas características, muitos sacrifícios pacíficos eram oferecidos durante as festas anuais de Israel – Êx 23:14-17, festa dos pães ázimos, a festa da sega e a festa da colheita.
Conforme Lv 17:3, todo animal abatido para alimento deveria, primeiro, ser oferecido como sacrifício, de modo que pelo menos no período em que o povo vagou pelo deserto – veja Dt 12:15-16 para prescrições na Terra Prometida -, todas as refeições que continham carne eram antecedidas de uma “oferta pacífica”. (BEG).
Deus mesmo não comia de fato dos sacrifícios oferecidos – ver Sl 50:12-14. A descrição metafórica do sacrifício como manjar – vs. 11 – indicava que Deus se agradava do sacrifício da mesma maneira como os seres humanos desfrutam o alimento. Além disso, sugere a intimidade entre Deus e o seu povo por meio da imagem da comunhão à mesa.
As ofertas por meio dos sacrifícios podem ser agrupadas em cinco tipos:
1.     Holocausto.
2.     Oferta de manjares.
3.     Pacífico.
4.     Pelo pecado.
5.     Pela culpa.
 E, em três categorias:
1.     Consagração.
2.     Comunhão.
3.     Expiação. 
Veja tabela “Sacrifícios no Antigo Testamento”, em Lv 7, mais a frente.
Lv 3:1 E se a sua oferta for sacrifício pacífico;
                se a oferecer de gado, macho ou fêmea,
                               a oferecerá sem defeito diante do SENHOR.
                Lv 3:2 E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta,
                e a degolará diante da porta da tenda da congregação;
                               e os filhos de Arão, os sacerdotes,
                                               espargirão o sangue sobre o altar em redor.
                Lv 3:3 Depois oferecerá, do sacrifício pacífico,
                               a oferta queimada ao SENHOR;
                                               a gordura que cobre a fressura,
                                                               e toda a gordura que está sobre a fressura,
                Lv 3:4 E ambos os rins, e a gordura que está sobre eles,
                               e junto aos lombos, e o redenho que está sobre o fígado
                                               com os rins, tirará.
                Lv 3:5 E os filhos de Arão queimarão isso sobre o altar,
                               em cima do holocausto, que estará sobre a lenha
                                               que está no fogo;
                               oferta queimada é de cheiro suave ao SENHOR.
                Lv 3:6 E se a sua oferta for de gado miúdo
                               por sacrifício pacífico ao SENHOR, seja macho ou fêmea,
                                               sem defeito o oferecerá.
                Lv 3:7 Se oferecer um cordeiro por sua oferta,
                               oferecê-lo-á perante o SENHOR;
                Lv 3:8 E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta,
                               e a degolará diante da tenda da congregação;
                                               e os filhos de Arão espargirão o seu sangue
                                                               sobre o altar em redor.
                Lv 3:9 Então, do sacrifício pacífico,
                               oferecerá ao SENHOR, por oferta queimada,
                                               a sua gordura, a cauda toda,
                               a qual tirará do espinhaço, e a gordura que cobre a fressura,
                                               e toda a gordura que está sobre a fressura;
                Lv 3:10 Como também ambos os rins, e a gordura que está sobre eles,
                               e junto aos lombos, e o redenho que está sobre o fígado
                                               com os rins, tirá-los-á.
                Lv 3:11 E o sacerdote queimará isso sobre o altar;
                               alimento é da oferta queimada ao SENHOR.
                Lv 3:12 Mas, se a sua oferta for uma cabra,
                               perante o SENHOR a oferecerá,
                Lv 3:13 E porá a sua mão sobre a sua cabeça,
                               e a degolará diante da tenda da congregação;
                                               e os filhos de Arão espargirão o seu sangue
                                                               sobre o altar em redor.
                Lv 3:14 Depois oferecerá dela a sua oferta
                               por oferta queimada ao SENHOR,
                                               a gordura que cobre a fressura,
                               e toda a gordura que está sobre a fressura;
                Lv 3:15 Como também ambos os rins, e a gordura que está sobre eles,
                               e junto aos lombos, e o redenho que está sobre o fígado
                                               com os rins, tirá-los-á.
                Lv 3:16 E o sacerdote o queimará sobre o altar;
                               alimento é da oferta queimada de cheiro suave.
                                               Toda a gordura será do SENHOR.
Lv 3:17 Estatuto perpétuo é pelas vossas gerações,
                em todas as vossas habitações:
                               nenhuma gordura nem sangue algum comereis.
A gordura do animal sacrifical pertencia a Deus – vs. 3. Comer sangue significa consumir a carne da qual o sangue não foi drenado.
A vida estava presente no sangue – Gn 9:4; Lv 17:11; I Sm 14:33. Ela é sagrada porque pertence a Deus. Como sinal de respeito pela vida e pelo seu Criador, nenhum israelita podia comer carne com sangue “porque a vida da carne está no sangue” e “é o sangue que fará expiação em virtude da vida”.
A vida pertence a Deus! Também não existe vida sem Deus de forma que eu possa vivê-la longe dele ou que eu possa dizer que ela me pertence. A vida do homem pertence somente a Deus!
Ou seja, o sangue dos animais derramado nos sacrifícios substituía e redimia, de modo figurado, a vida do adorador. O sangue animal era um sinal da salvação, não devia ser consumido. A expiação é uma dádiva de Deus – eu vô-lo tenho dado, vs. 11 -, e não invencionices humanas.

A preocupação com o sangue era de tal forma tão arraigada na vida dos hebreus que Tiago ao discursar no episódio da grande discussão sobre o circuncidar ou não os novos convertidos, prescreve – At 15:13-10 - aos irmãos, entre outras coisas para se absterem das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.