terça-feira, 15 de outubro de 2013

Êxodo 20: 1-26 – A ENTREGA DA LEI.


Êxodo 20 é o capítulo dos Mandamentos de Deus que Deus em aliança com o povo no Monte Sinai lhes fala audivelmente e visivelmente a ponto de quem ouviu pedir depois para Moisés que não mais falasse Deus assim, mas somente por intermédio dele.
Vamos analisar esses mandamentos ordenados por Deus:
Em seu estudo exegético, Gerard Van Groningen, associa os mandamentos de Deus aos mandatos espiritual, social e cultural, dizendo que os primeiros quatro mandamentos se relacionam diretamente à comunhão, os de cinco a sete ao social, e os de oito a dez aos mandatos culturais. Assim, divide os 10 mandamentos em 3 conjuntos.
Quando Deus determinou criar a raça humana, ele estabeleceu alguns propósitos e parâmetros para um bom relacionamento entre criador e criatura. Esses propósitos e parâmetros são descritos pela Bíblia e por nossa teologia na forma de uma aliança. Deus fez uma aliança com a criatura e estabeleceu pelo menos três diferentes mandatos para a humanidade:
1.        O mandato espiritual (seu relacionamento com o Criador - de continuar a andar com Deus. Ela e o seu marido são proibidos de comer do fruto da árvore – Gn 2:15-17),
2.        O mandato social (seu relacionamento em família – envolve a frutificação, multiplicação e povoamento da Terra – Gen 1:28)
3.       E o mandato cultural (seu relacionamento com a sociedade – envolve atividades de reinar, dominar e aflorar todas as influências e potencialidades grandes e maravilhosas na Terra, de acordo com as leis e modelos que Deus havia estabelecido – Gn 1:28).”[1]
Iremos, também, didaticamente, dividir os 10 mandamentos em 3 conjuntos.
A.     Os mandamentos de 1 a 4 - Relacionamento vertical (comunhão)
O primeiro bloco contendo 4 mandamentos – vs. 3 ao 11 - é aquele relacionado ao nosso relacionamento vertical, isto é, com Deus.
O primeiro conjunto dos mandamentos vai do mandamento primeiro até o quarto que, em síntese, apresenta como deve ser a nossa relação com Deus.
Nas próprias palavras de Groningen:Os primeiros quatro mandamentos falam da consideração do povo ao próprio Deus Yahweh.
(1) Ele, e somente ele, é Deus.
(2) A adoração dele deve refletir seu caráter como espiritual, eterno, onipresente, santo, majestoso e glorioso.
(3) Honrar a ele é exigido em todos os aspectos da vida - seu nome, pessoa, e ser devem ser reconhecidos e honrados em todos os relacionamentos e atividades.
(4) Tirar tempo para exercer o relacionamento amoroso abstendo-se de atividades culturais é de grande valor para a vida e serviço pactuais.”
As ideias principais são:
          De que Deus é único, sem igual ou concorrente e portanto deve ocupar sempre e em todo tempo o primeiro lugar.
          Deus não aceita concorrente nem é sábio colocarmos algo no lugar destinado a Deus em nossas vidas.
          Ele deve ocupar sempre o primeiro lugar, o primeiro pensamento em tudo e em todas as coisas que vier às nossas mãos para fazê-lo.
          De que devemos tirar um dia por semana para exclusivamente dedicarmos a Deus de forma contemplativa, em adoração e em serviço total a ele.
Quem não adora a Deus, acaba adorando deuses.
Há muitas pessoas que dizem não adorarem ídolos nem terem outros deuses aos quais se curvam e lhes dirigem orações, mas em seu coração a realidade é bem outra. O maior exemplo de outros deuses que adoramos de forma secreta é, por exemplo, o dinheiro. Se bem que não é bem em si o dinheiro, mas a riqueza, a capacidade de adquirir coisas mediante troca. O dinheiro não é a riqueza, mas a sua representação.
Tudo aquilo que puder ou tiver a capacidade de substituir a Deus em nossos corações está ocupando um lugar que deveria estar destinado exclusivamente ao Senhor. Não existe vida fora de Deus.
Não podemos ser auto existentes. Nossa vida, de qualquer forma, sempre é dependente de Deus. Ao tentarmos excluir Deus de nossas vidas ou tentarmos substituí-lo por algo, esse algo torna-se objeto de nossa adoração.
Às vezes não é a riqueza que está ocupando o lugar de Deus, mas alguém, ou mesmo um hábito, uma mania ou qualquer outra coisa. O “não terá outros deuses diante de mim” não é uma ação exigida para satisfazer a divindade, antes é para preservar na criatura a imagem da divindade. Sem Deus nada somos.
Por causa de nosso tempo corrido, não entraremos no mérito de cada mandamento, caso haja interesse em ver uma explicação breve de cada um deles, recomendamos a leitura do Catecismo de Heidelberg.
B.     Os mandamentos de 5 a 7- Relacionamento horizontal (social)
Este segundo bloco contendo 3 mandamentos – vs. 12 ao 14 - é aquele relacionado ao nosso relacionamento social, isto é, uns com os outros, abaixo de Deus, é óbvio.
Este conjunto aborda os aspectos sociais e envolvem do mandamento 5° ao 7° onde a ênfase, nitidamente, é o social. Aqui podemos perceber que devemos ser seres que se relacionam uns com os outros – relação horizontal.
Nesse relacionamento deve sobrar o respeito, o amor à vida, o carinho, o perdão e a comunhão. Às vezes, sou procurado por algumas pessoas sobre o que se pode ou não fazer com relação ao seu próximo em um relacionamento, seja ele qual for.
Eu cito o exemplo da balança. Quando estão sobrando de um lado, o respeito, o carinho, a atenção, o amor, etc... o relacionamento irá bem; do contrário, temos uma séria deficiência que requer cuidados imediatos. Aqui não podemos ter equilíbrio!
Quem afirma em alto e bom som que conhece a Deus a quem não vê, mas aborrece a seu irmão a quem vê, é tido por mentiroso.
“Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas.” (I Jo 2:9);
“Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” (I Jo 4:20).
Voltando às palavras benditas de Groningen:
(5) A família, a unidade básica na sociedade, deve ser preservada; os pais devem realizar suas responsabilidades de forma honrada a fim de que os filhos possam reconhecer seu papel e autoridade com amor, respeito e submissão espontânea.
(6) A vida de todas as pessoas deve ser considerada como um presente dado por Deus; ela deve ser mantida adequadamente e protegida em todas as situações.
(7) O dom e potencial maravilhosos para a procriação deve ser considerado como uma dádiva especial de Deus, pela qual a humanidade pode associar-se com Deus Yahweh para gerar e dar à luz uma nova vida.”
Um conselho pertinente nesta hora: Pai e mãe, jamais desista de seu relacionamento de amor e vida com seu filho. Filho ou filha, jamais desista de seu relacionamento de amor, de vida e de paz com seus pais.
O próximo conjunto e o último dos três blocos dos mandamentos aborda os aspectos culturais.
C.     Os mandamentos de 8 a 10 - Relacionamento circular (cultural)
O último bloco, o terceiro, contendo também 3 mandamentos – vs. 15 ao 17 - é aquele relacionado ao nosso relacionamento vertical, isto é, com Deus.
Novamente Groningen:
Os últimos três mandamentos, enquanto tem implicações de longo alcance para o mandato de comunhão espiritual e social, endereça uma extensão ampla da vida humana no mundo natural e cultural.
(8) A dádiva das possessões materiais não deve ser abusada ou violada.
(9) O sistema judicial requer uma consideração honesta e respeitosa do próximo; todos devem ser considerados portadores de imagem de Deus em todas as circunstâncias, particularmente quando as dificuldades surgirem entre as pessoas e quando crimes forem cometidos.
(10) O respeito pelo privilégio de propriedade, em todas as dimensões da vida, deve ser mantido. A cobiça é um ato pessoal profundo; ela surge do coração e pode afetar as atitudes com relação às outras pessoas e suas bênçãos, uma exaltação da própria pessoa sobre as outras, e rebelião contra o governo sábio de Yahweh em tudo da vida
Podemos reparar na integralidade dos mandamentos:
Tiago 2:10 Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.
Mateus 5:19 Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.
Nos lembra G. V. Groningen que embora divididos em 10 e agrupados didaticamente em três grupos, os mandamentos representam os aspectos de nossa vida que deve ser integral e não esfacelada.
Quem rompe um único dos mandamentos está pecando contra todos os outros. Somos seres que devemos nos interagir com Deus, com os homens e com os nossos talentos. Ninguém deve viver numa ilha isolado.
Mais uma vez Groningen:
No entanto, deve ser lembrado que, enquanto os três mandatos pactuais criacionais são distintos, nenhum deles pode ser considerado de forma isolada dos outros dois.
Vida pactual do reino é integrada, cada aspecto influenciando o outro. Quando um mandato é violado, os outros dois também são a uma extensão surpreendente.
Violações culturais infringem os mandatos de comunhão espiritual/moral; violações da comunhão afetam profundamente os outros dois.
Por exemplo, uma violação na vida social, frequentemente causada por uma violação no cultural, distancia o violador do Senhor
É interessante notarmos que Calvino dizia que há três questões básicas da vida que necessitam ser tratadas de imediato:
1)      Como uma pessoa se relaciona com Deus.
2)      Como uma pessoa se relaciona com outras pessoas.
3)      Como uma pessoa que se relaciona com Deus e com as outras pessoas se relacionam com o mundo criado por Deus.
Quanto a esses relacionamentos Abraham Kuyper ( 1837/1920) faz a seguinte colocação em seu livro CALVINISMO[2]:
Resumo dos Três Primeiros Relacionamentos:
Assim, é demonstrado que o Calvinismo tem um ponto de partida claramente definido para as três relações fundamentais de toda existência humana próprio: a saber, nossa relação
          com Deus,
          com o homem
           com o mundo.
Para nossa relação com Deus:
Uma comunhão imediata do homem com o Eterno, independentemente do sacerdote ou igreja.
Para a relação do homem com o homem:
O reconhecimento do valor humano em cada pessoa, que é seu em virtude de sua criação conforme a semelhança de Deus, e portanto da igualdade de todos os homens diante de Deus e de seu magistrado.
E para nossa relação com o mundo:
O reconhecimento que no mundo inteiro a maldição é restringida pela graça, que a vida do mundo deve ser honrada em sua independência, e que devemos, em cada campo, descobrir os tesouros e desenvolver as potências ocultas por Deus na natureza e na vida humana.
Isto justifica plenamente nossa declaração de que o Calvinismo deve responder as três condições acima mencionadas, e assim está incontestavelmente autorizado a tomar sua posição ao lado do Paganismo, Islamismo, Romanismo e Modernismo, e a reivindicar para si a glória de possuir um princípio bem definido e um sistema de vida abrangente.”
Infelizmente, o povo ao qual Deus falou não guardou a aliança e assim todos se extraviaram e à uma se fizeram inúteis se desviando do caminho; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. (Rm 3:12).
O que Deus fez então? Enviou o seu filho amado para cumprir toda a lei. Ele sendo Deus se humilhou na forma de homem e veio até nós para por nós cumprir toda a lei e por meio dela morrer a morte que era destinada para nós.
Jesus Cristo cumpriu toda a lei e, por meio dele, Deus fez nova aliança pelo seu sangue e pelo seu corpo, uma nova aliança, eterna, imutável, perfeita.
Lucas 22:20 Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.
I Coríntios 11:25 Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.
II Coríntios 3:6 o qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.
Hebreus 8:8 E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o Senhor, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá,
Hebreus 9:15 Por isso mesmo, ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados.
Hebreus 12:24 e a Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel.
O que era impossível para nós cumprirmos por causa da lei, agora é possível por causa do Espírito Santo, penhor da nossa salvação.
Romanos 8:1 Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
Romanos 8:2 Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.
Romanos 8:3 Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado,
Romanos 8:4 a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.
Romanos 8:5 Porque os que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito.
Romanos 8:6 Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz.
Romanos 8:7 Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar.
Romanos 8:8 Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.
Romanos 8:9 Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.
Romanos 8:10 Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça.
Romanos 8:11 Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita.
Romanos 8:12 Assim, pois, irmãos, somos devedores, não à carne como se constrangidos a viver segundo a carne.
Romanos 8:13 Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis.
Romanos 8:14 Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.
Veremos agora a segmentação deste capítulo:
Ex 20:1 Então falou Deus todas estas palavras, dizendo:
Ex 20:2 Eu sou o SENHOR teu Deus,
que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
Ex 20:3 Não terás outros deuses
diante de mim.
Ex 20:4 Não farás para ti imagem de escultura,
nem alguma semelhança do que há em cima nos céus,
nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
Ex 20:5 Não te encurvarás a elas nem as servirás;
porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso,
que visito a iniquidade dos pais nos filhos,
até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.
Ex 20:6 E faço misericórdia a milhares
dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.
Ex 20:7 Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão;
porque o SENHOR não terá por inocente
o que tomar o seu nome em vão.
Ex 20:8 Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.
Ex 20:9 Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
Ex 20:10 Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus;
não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha,
nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal,
nem o teu estrangeiro,
que está dentro das tuas portas.
Ex 20:11 Porque em seis dias fez o SENHOR
os céus e a terra, o mar e tudo que neles há,
e ao sétimo dia descansou;
portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado,
e o santificou.
Ex 20:12 Honra a teu pai e a tua mãe,
para que se prolonguem os teus dias na terra
que o SENHOR teu Deus te dá.
Ex 20:13 Não matarás.
Ex 20:14 Não adulterarás.
Ex 20:15 Não furtarás.
Ex 20:16 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
Ex 20:17 Não cobiçarás a casa do teu próximo,
não cobiçarás a mulher do teu próximo,
nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi,
nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
Ex 20:18 E todo o povo viu os trovões e os relâmpagos,
e o sonido da buzina, e o monte fumegando;
e o povo, vendo isso retirou-se e pôs-se de longe.
Ex 20:19 E disseram a Moisés:
Fala tu conosco, e ouviremos:
e não fale Deus conosco,
para que não morramos.
Ex 20:20 E disse Moisés ao povo:
Não temais,
Deus veio para vos provar,
e para que o seu temor esteja diante de vós,
afim de que não pequeis.
Ex 20:21 E o povo estava em pé de longe.
Moisés, porém, se chegou à escuridão,
onde Deus estava.
Ex 20:22 Então disse o SENHOR a Moisés:
Assim dirás aos filhos de Israel:
Vós tendes visto
que, dos céus, eu falei convosco.
Ex 20:23 Não fareis outros deuses comigo;
deuses de prata ou deuses de ouro não fareis para vós.
Ex 20:24 Um altar de terra me farás,
e sobre ele sacrificarás os teus holocaustos,
e as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas, e as tuas vacas;
em todo o lugar,
onde eu fizer celebrar a memória do meu nome,
virei a ti e te abençoarei.
Ex 20:25 E se me fizeres um altar de pedras,
não o farás de pedras lavradas;
se sobre ele levantares o teu buril,
profaná-lo-ás.
Ex 20:26 Também não subirás ao meu altar por degraus,
para que a tua nudez não seja descoberta diante deles.
Deus falou dos céus ao povo e eles viram e ouviram Deus falar com eles. O temor geral de todos foi tão grande que Deus somente vem a falar novamente quando dá testemunho de seu Filho no Monte da Transfiguração a somente três pessoas que com o Filho ali estavam e nunca mais falou assim.
Hoje temos o Espírito Santo que é Deus habitando em nós e conosco tendo comunhão e falando diretamente conosco em nossos corações e mentes. Aleluias!




[2] CALVINISMO, de Abrahan Kuyper

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.