sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Gênesis 38: 1-30 – A HISTÓRIA DE JUDÁ E TAMAR.

Temos aqui uma interrupção na narrativa que contava a história de José para contar as histórias de seus irmãos na terra de Canaã e a corrupção patriarcal que acontecia pelo envolvimento deles com as mulheres daquela região. Quantas não foram as tragédias que aconteceram nessa nação por causa de mulheres estrangeiras.
O capítulo 38 é o capítulo que narra a história de Judá e como nasceu o descendente da semente, Peres, filho de Judá com Tamar, sua nora. Embora seja interessante conhecer os detalhes de tudo, o mais importante na Bíblia não é a história em si sendo narrada, mas a história da semente.
Porque que a Bíblia vai registrando essas coisas? Certamente é para nos mostrar a origem do Messias e de seus descendentes segundo a promessa e eleição de Deus e não segundo à carne.
Reparem que no primeiro verso diz-se que Judá nesse tempo se apartou de seus irmãos. Foram cerca de uns vinte e dois anos, o tempo em que José no Egito foi da pura escravidão para a dupla honra em glória e poder.
Judá tomou por mulher a Sua, uma cananéia e com ela teve três filhos Er, Onã e Selá. Ele simplesmente a tomou por mulher e os verbos escolhidos “viu”, “possuiu”, no hebraico, apontam para luxúria e satisfação carnal total, sem quaisquer escrúpulos. Nenhum dos seus três filhos foram escolhidos por Deus para darem prosseguimento à linhagem messiânica.
Quando eles foram entregues a Tamar para gerar descendentes, eles morreram. Tanto o primeiro filho quanto o segundo foram reprovados por Deus e morreram. O terceiro filho, Judá teve medo e o escondeu dela, embora tivesse prometido que no tempo certo ele seria seu esposo, mas Judá a estava enganando também, como havia enganado, junto com seus irmãos, ao seu pai sobre José.
Judá estava tão mal intencionado com Tamar que ao ouvir de seu adultério, logo a quis executar como adúltera. No entanto, quem era que tinha com ela adulterado? Ele mesmo! Pensava que tinha estado a dormir com uma prostituta no caminho e descobriu depois que aquela com quem tinha dormido era Tamar, sua nora.
Com ela ainda deixou como promessa de pagamento da prostituição, como penhor desse pagamento, seu selo, cordão e cajado. Era um selo cilíndrico, usado num cordão no pescoço que indicava um homem importante. Se fosse rolado sobre argila amolecida, resultava numa impressão que identificava o dono do objeto. O cajado era o símbolo da autoridade e tinha a marca do seu dono gravada no topo.
Pelo preço da sua prostituição estava pagando com sua honra e prestígio. Era isso que ele estava dando a ela. Quando tentou obter de volta, já não podia. Temos de tomar cuidado com as coisas que Deus nos deu para não trocarmos por pratos de lentilha, nem para as usarmos como pagamento de prostituições ou outras coisas semelhantes, afrontosas a Deus.
Ao final, ele reconhece ela como mais justa do que ele e não a executa, mas também a ignora até o fim de sua vida. Ele, o enganador, agora era o enganado! Enganou ao seu pai dizendo que José estava morto e agora era enganado por sua nora.
O herdeiro que Deus escolheu foi um dos filhos que estava em seu ventre, pois quando ela concebeu de Judá, ela ficou grávida de gêmeos e dois meninos estavam em seu ventre disputando para ver quem nasceria primeiro.
Zera pôs a mão para fora primeiro que Perez, mas quem saiu primeiro do ventre de sua mãe foi Perez. Este que saiu primeiro foi aquele que Deus escolheu para por meio dele dar continuidade a linhagem messiânica que apontará mais a frente para Cristo Jesus, nosso Senhor.
Gn 38:1 E aconteceu
no mesmo tempo que Judá desceu de entre seus irmãos
e entrou na casa de um homem de Adulão, cujo nome era Hira,
Gn 38:2 E viu Judá ali a filha de um homem cananeu,
cujo nome era Sua;
e tomou-a por mulher,
e a possuiu.
Gn 38:3 E ela concebeu e deu à luz um filho,
e chamou-lhe Er.
Gn 38:4 E tornou a conceber e deu à luz um filho,
e chamou-lhe Onã.
Gn 38:5 E continuou ainda e deu à luz um filho,
e chamou-lhe Selá;
e Judá estava em Quezibe,
quando ela o deu à luz.
Gn 38:6 Judá, pois,
tomou uma mulher para Er,
o seu primogênito,
e o seu nome era Tamar.
Gn 38:7 Er, porém, o primogênito de Judá,
era mau aos olhos do SENHOR,
por isso o SENHOR o matou.
Gn 38:8 Então disse Judá a Onã:
Toma a mulher do teu irmão,
e casa-te com ela,
e suscita descendência a teu irmão.
Gn 38:9 Onã, porém,
soube que esta descendência não havia de ser para ele;
e aconteceu que, quando possuía a mulher de seu irmão,
derramava o sêmen na terra,
para não dar descendência a seu irmão.
Gn 38:10 E o que fazia era mau aos olhos do SENHOR,
pelo que também o matou.
Gn 38:11 Então disse Judá a Tamar sua nora:
Fica-te viúva na casa de teu pai,
até que Selá, meu filho, seja grande.
Porquanto disse:
Para que porventura não morra também este,
como seus irmãos.
Assim se foi Tamar e ficou na casa de seu pai.
Gn 38:12 Passando-se pois muitos dias,
morreu a filha de Sua,
mulher de Judá;
e depois de consolado Judá
subiu aos tosquiadores das suas ovelhas em Timna,
ele e Hira, seu amigo, o adulamita.
Gn 38:13 E deram aviso a Tamar, dizendo:
Eis que o teu sogro sobe a Timna,
a tosquiar as suas ovelhas.
Gn 38:14 Então ela tirou de sobre si os vestidos
da sua viuvez
e cobriu-se com o véu,
e envolveu-se,
e assentou-se à entrada das duas fontes
que estão no caminho de Timna,
porque via que Selá já era grande,
e ela não lhe fora dada por mulher.
Gn 38:15 E vendo-a Judá,
teve-a por uma prostituta,
porque ela tinha coberto o seu rosto.
Gn 38:16 E dirigiu-se a ela no caminho, e disse:
Vem, peço-te, deixa-me possuir-te.
Porquanto não sabia que era sua nora.
E ela disse:
Que darás, para que possuas a mim?
Gn 38:17 E ele disse:
Eu te enviarei um cabrito do rebanho.
E ela disse:
Dar-me-ás penhor até que o envies?
Gn 38:18 Então ele disse:
Que penhor é que te darei?
E ela disse:
O teu selo,
e o teu cordão,
e o cajado que está em tua mão.
O que ele lhe deu,
e possuiu-a,
e ela concebeu dele.
Gn 38:19 E ela se levantou,
e se foi e tirou de sobre si o seu véu,
e vestiu os vestidos da sua viuvez.
Gn 38:20 E Judá enviou o cabrito por mão do seu amigo,
o adulamita, para tomar o penhor da mão da mulher;
porém não a achou.
Gn 38:21 E perguntou aos homens daquele lugar, dizendo:
Onde está a prostituta que estava no caminho junto às duas fontes?
E disseram:
Aqui não esteve prostituta alguma.
Gn 38:22 E tornou-se a Judá e disse:
Não a achei;
e também disseram os homens daquele lugar:
Aqui não esteve prostituta.
Gn 38:23 Então disse Judá:
Deixa-a ficar com o penhor,
para que porventura não caiamos em desprezo;
eis que tenho enviado este cabrito;
mas tu não a achaste.
Gn 38:24 E aconteceu que,
quase três meses depois, deram aviso a Judá, dizendo:
Tamar, tua nora, adulterou,
e eis que está grávida do adultério.
Então disse Judá:
Tirai-a fora para que seja queimada.
Gn 38:25 E tirando-a fora,
ela mandou dizer a seu sogro:
Do homem de quem são estas coisas eu concebi.
E ela disse mais:
Conhece,
peço-te,
de quem é
este selo,
e este cordão,
e este cajado.
Gn 38:26 E conheceu-os Judá e disse:
Mais justa é ela do que eu,
porquanto não a tenho dado a Selá meu filho.
E nunca mais a conheceu.
Gn 38:27 E aconteceu ao tempo de dar à luz
que havia gêmeos em seu ventre;
Gn 38:28 E sucedeu que, dando ela à luz,
que um pôs fora a mão,
e a parteira tomou-a,
e atou em sua mão um fio encarnado, dizendo:
Este saiu primeiro.
Gn 38:29 Mas aconteceu que,
tornando ele a recolher a sua mão,
eis que saiu o seu irmão, e ela disse:
Como tu tens rompido, sobre ti é a rotura.
E chamaram-lhe Perez.
Gn 38:30 E depois saiu o seu irmão,
em cuja mão estava o fio encarnado;
e chamaram-lhe Zerá.

A escolha de Deus caiu sobre Perez. É Deus quem escolhe, independentemente de obras que qualquer um possa ter praticado ou irá praticar.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.