terça-feira, 10 de setembro de 2013

Gênesis 35: 1-29 – JACÓ ERIGE UM ALTAR AO SENHOR.

Neste capítulo, Deus aparece a Jacó e lhe dá instruções para sair de Siquém e para a edificação de um altar a ele e lhe fala de sua aliança e do que requer dele e lhe faz promessas. Nasce Benjamim, seu último filho com Raquel, no entanto, esta vem a óbito, bem assim, Débora, sua ama e ainda seu pai Isaque com 180 anos, em dias, uns 65.000 dias de vida.
Foi Deus dessa vez quem pediu a Jacó que construísse um altar a ele. Ele fala para ele sair dali e ir para Betel, habitar lá e lá construir um altar a ele, seu Deus. Deus lhe diz palavras de lembrança para ele porque diz exatamente que é para ele edificar um altar a ele que lhe apareceu quando ele, Jacó, fugia de seu irmão.
É este Deus que conhece a nossa história e que conhece os nossos medos e sabe das coisas que se passam. É este Deus que nos ama, apesar de nós. Jacó nada tinha feito, creio eu, que merecesse algo especial, bem pelo contrário, mas Deus é que por meio dele, seu escolhido, fazia as suas obras.
Jacó segue as instruções e se prepara para isso. Aqui vejo sabedoria e temor a Deus. Ele reúne toda a sua família e todos os que estavam com ele e dá instruções que nos são também úteis:
·        Tirar os deuses estranhos que há no meio de nós que nos apegamos a eles no lugar do Deus de Jacó.
·        Purificarmo-nos e mudar as nossas vestes que devem estar limpas e aprovadas por Deus.
·        Levantarmo-nos e irmos para onde Deus está nos mandando e não ficar parado ou a esperar algo.
Tudo isso para edificar este altar a Deus que lhe aparecera e que fora portanto para com ele misericordioso ao responder a ele no dia da angústia e ao tê-lo guiado no caminho que era necessário que ele seguisse, conforme tinha ele pedido a Deus em suas orações.
Ao partirem, Deus enviou de sua parte terror aos seus vizinhos de forma que temeram atacá-los e fugiam de sua presença.
É tudo Deus quem faz – isso me lembra Isaias 64:4, neste capítulo 35 de Gênesis:
·        Deus lhe pediu para sair.
·        Deus lhe pediu para edificar altar no lugar onde iam.
·        Deus disse para onde ir e onde deveriam ficar e edificar o altar.
·        Deus os abençoa e saem, em obediência.
·        Deus envia terror aos povos vizinhos.
·        Finalmente, Deus os faz chegar em segurança.
É tudo Deus quem faz! “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera.” – Is 64:4.
Ao chegarem no lugar que Deus falou e depois de se prepararem e obedecerem Jacó em tudo e depois de edificarem o altar que Deus tinha pedido, vem à óbito primeiro Débora, ama de Raquel e depois a própria Raquel em Efrata, próxima de Betel, ao dar a luz ao seu filho Benjamim, nome dado pelo pai que significa, “boa sorte” ao contrário do que queria Raquel Benoni que significa “infortúnio”.
Antes de Benjamim nascer, Deus tinha aparecido novamente a Jacó e com ele tinha falado e dado instruções a ele onde o abençoou e onde renovou sua aliança, seus mandados e suas promessas. No lugar onde Deus lhe aparecera ele erigiu uma coluna de pedra e deitou sobre ela azeite e uma libação.
Edificar um altar significava que a família da aliança estava assegurando a sua separação dos cananeus, o seu testemunho a eles e, simbolicamente, a sua reinvindicação da terra com base nas promessas de Deus.
Habitando Israel em Éder, onde não se menciona a existência de qualquer altar erigido por Jacó ao seu Deus, ocorre um pecado grave por parte de Ruben, seu primogênito ao se deitar com a concubina de seu pai, Bila, mãe de Dã e Naftali. Talvez este negócio maligno estava associado a disputa pelo poder contra seu pai ao cometer tão grave delito. O fato que isto se tornou notório entre todos.
Gn 35:1 Depois disse Deus a Jacó:
Levanta-te, sobe a Betel, e habita ali;
e faze ali um altar ao Deus que te apareceu,
quando fugiste da face de Esaú teu irmão.
Gn 35:2 Então disse Jacó
à sua família, e a todos os que com ele estavam:
Tirai os deuses estranhos,
que há no meio de vós,
e purificai-vos,
e mudai
as vossas vestes.
Gn 35:3 E levantemo-nos,
e subamos a Betel;
e ali farei
um altar ao Deus
que me respondeu no dia da minha angústia,
e que foi comigo no caminho que tenho andado.
Gn 35:4 Então deram a Jacó
todos os deuses estranhos, que tinham em suas mãos,
e as arrecadas que estavam em suas orelhas;
e Jacó os escondeu debaixo do carvalho
que está junto a Siquém.
Gn 35:5 E partiram;
e o terror de Deus foi sobre as cidades que estavam ao redor deles,
e não seguiram após os filhos de Jacó.
Gn 35:6 Assim chegou Jacó a Luz,
que está na terra de Canaã (esta é Betel),
ele e todo o povo que com ele havia.
Gn 35:7 E edificou ali um altar,
e chamou aquele lugar El-Betel;
porquanto Deus ali se lhe tinha manifestado,
quando fugia da face de seu irmão.
Gn 35:8 E morreu Débora,
a ama de Rebeca,
e foi sepultada ao pé de Betel,
debaixo do carvalho cujo nome chamou
Alom-Bacute.
Gn 35:9 E apareceu Deus outra vez a Jacó,
vindo de Padã-Arã,
e abençoou-o.
Gn 35:10 E disse-lhe Deus:
O teu nome é Jacó;
não te chamarás mais Jacó,
mas Israel será o teu nome.
E chamou-lhe Israel.
Gn 35:11 Disse-lhe mais Deus:
Eu sou o Deus Todo-Poderoso;
frutifica
e multiplica-te;
uma nação, sim,
uma multidão de nações sairá de ti,
e reis procederão dos teus lombos;
Gn 35:12 E te darei a ti
a terra que tenho dado a Abraão e a Isaque,
e à tua descendência depois de ti darei a terra.
Gn 35:13 E Deus subiu dele,
do lugar onde falara com ele.
Gn 35:14 E Jacó pôs uma coluna
no lugar onde falara com ele,
uma coluna de pedra;
e derramou sobre ela uma libação,
e deitou sobre ela azeite.
Gn 35:15 E chamou Jacó aquele lugar,
onde Deus falara com ele,
Betel.
Gn 35:16 E partiram de Betel;
e havia ainda um pequeno espaço de terra para chegar a Efrata,
e deu à luz Raquel,
e ela teve trabalho em seu parto.
Gn 35:17 E aconteceu que,
tendo ela trabalho em seu parto,
lhe disse a parteira:
Não temas,
porque também este filho terás.
Gn 35:18 E aconteceu que, saindo-se-lhe a alma
(porque morreu),
chamou-lhe Benoni;
mas seu pai
chamou-lhe Benjamim.
Gn 35:19 Assim morreu Raquel,
e foi sepultada no caminho de Efrata;
que é Belém.
Gn 35:20 E Jacó pôs uma coluna sobre a sua sepultura;
esta é a coluna da sepultura de Raquel até o dia de hoje.
Gn 35:21 Então partiu Israel,
e estendeu a sua tenda além de Migdal Eder.
Gn 35:22 E aconteceu que,
habitando Israel naquela terra,    
foi Rúben
e deitou-se com Bila,
concubina de seu pai;
e Israel o soube.
E eram doze os filhos de Jacó.
Gn 35:23 Os filhos de Lia:
Rúben, o primogênito de Jacó,
depois Simeão e Levi, e Judá, e Issacar e Zebulom;
Gn 35:24 Os filhos de Raquel:
José e Benjamim;
Gn 35:25 E os filhos de Bila, serva de Raquel:
Dã e Naftali;
Gn 35:26 E os filhos de Zilpa, serva de Lia:
Gade e Aser.
Estes são os filhos de Jacó,
que lhe nasceram em Padã-Arã.
Gn 35:27 E Jacó veio a seu pai Isaque,
a Manre, a Quiriate-Arba (que é Hebrom),
onde peregrinaram Abraão e Isaque.
Gn 35:28 E foram os dias de Isaque
cento e oitenta anos.
Gn 35:29 E Isaque expirou,
e morreu,
e foi recolhido ao seu povo,
velho e farto de dias;
e Esaú e Jacó,
seus filhos,
o sepultaram.

Após isso, Jacó vem visitar seu pai e na oportunidade ocorre seu óbito já com a idade avançada de 180 anos. Ambos os filhos, Esaú e Jacó, sepultaram seu pai e a jornada de Israel estava tendo prosseguimento.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.