sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Gênesis 10: 1-32 HOJE SOMOS FILHOS DE NOÉ, DE SEM, DE CAM E JAFÉ.

DSC_1240
Como eu havia dito, no dilúvio também foram enterradas todas aquelas culturas. Somente Noé, sua esposa e seus três filhos com suas esposas sobreviveram e começaram uma nova geração.
De Noé, Sem Cam (ou Cão) e Jafé todos nós descendemos. Somos hoje filhos de Noé, filhos de Sem, filhos de Cam e filhos de Jafé. Isso é o que também no diz muito bem uma bela canção, canção linda, de Atilano Murada que fala inclusive dos povos que dela se originaram.
O nome da canção é GENEALOGIA. O nome da canção é GENEALOGIA. Veja seu canal de vídeo no YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCYYTKMegS8yzM39DHz9uEIw:
Jafé gerou a Gômer, depois Magogue,
Depois Madai, depois Javã, depois Tubal
Depois Meseque, depois a Tiras.
Javã gerou Elisá, depois a Társis,
Depois Quitim, depois Dodanim.
Gômer gerou Rifá, depois de Asquenaz,
Depois Togarma.
E todos habitaram a Ásia Menor
E as ilhas do Mediterrâneo.
Formaram o povo grego, o povo celta,
O povo persa, o povo medo, o povo cita.

Cão gerou a Cuxe, depois Mizraim,
Depois a Pute, depois Canaã, que gerou Sidom,
Depois a Hete e o povo cananeu
Cuxe gerou Havilá, Raamá, Sebá,
Sabtecá, depois Sabtá,
Depois gerou Ninrode, caçador valente
Diante do Senhor:
Fundou a Babilônia e Nínive;
Foi grande herói e guerreiro.
Mizraim teve sete filhos. Do sexto filho,
Casluim, foi que nasceram os filisteus.

Sem gerou Elão e Assur,
Lude, Arfaxade e Arã;
De onde vieram os Assírios
Elamitas e Arameus.

E eles moraram na Ásia
Desde o Oceano Índico
Até as praias do Mar,
Do Mar Mediterrâneo.

Arfazade gerou Salá, que gerou a Héber,
Que gerou Peleque, que gerou Réu, que gerou Seruque,
Que gerou Naor, que gerou Terá.
Terá gerou Abrão que teve dois irmãos:
Naor e Harã que gerou a Ló.
Abrão desposou Sarai e Naor a Milca, sua sobrinha.
Terá, Abrão, Sarai e Ló partiram de Ur
E foram morar em Harã.
São estas as gerações que descenderam
De Noé, em suas línguas e nações.

Todas as nações da terra são
Filhas de Noé;
Sem, Cão e Jafé.
Atilano Muradas tem outras letras muito boas que vale a pena conhecer e refletir: 1. A construção do Tabernáculo; 2. Abre-alas; 3. Brasileiros; 4. Candeia; 5. Casar; 6. Como Te agradar; 7. Fingir; 8. Genealogia; 9. Hagar e Ismael; 10. Levítico; 11. Minha geração; 12. Noé; 13. O Grande Deus; 14. Oração pelo povo; 15. Orar; 16. Pagodeiro; 17. Sambão; 18. Sementinha; 19. Solução; 20. Tangrei Com Arte. Ref.: http://atilanomuradas.com/wordpress/?page_id=318.  No FaceBook sua página é http://www.facebook.com/atilanomuradaspage.
Depois do dilúvio, a nossa história continua e novas aventuras vão se desenrolando. Agora veio a pretensão do homem de construir uma torre que se elevasse até os céus – veremos mais detalhes no próximo capítulo. Veremos, então, que Deus descerá dos céus e confundirá as línguas de todos os povos de forma que um não entenda mais a língua do outro.
O povo se espalha pelo mundo formando hoje quem somos: filhos de Noé, de Cão, Sem e Jafé.
É interessante que quando chegamos em Jesus Cristo, filho de Maria, filho da mulher, filho natural de Deus e filho adotivo do homem, José, seu pai, a reprodução cessa.
Jesus não teve esposa. Jesus não teve relacionamento com uma mulher, nem deixou descendência. Ele foi o último.
É possível, desde Adão, constituirmos a sua descendência. Vamos para o livro de Lucas (de Paulo!) e façamos isso:
77 - Jesus; 76 - José; 75 -  Eli; 74 -  Matate; 73 -  Levi; 72 -  Melqui; 71 -  Janai; 70 -  José; 69 -  Matatias; 68 -  Amós; 67 -  Naum; 66 -  Esli; 65 -  Nagai; 64 -  Maate; 63 -  Matatias; 62 -  Semei; 61 -  José; 60 -  Jodá; 59 -  Joanã; 58 -  Resa; 57 -  Zorobabel; 56 -  Salatiel; 55 - Neri; 54 -  Melqui; 53 -  Adi; 52 -  Cosã; 51 -  Elmadã; 50 - Er; 49 -  Josué; 48 -  Eliézer; 47 -  Jorim; 46 -  Matate; 45 - Levi; 44 -  Simeão; 43 -  Judá; 42 -  José; 41 -  Jonã; 40 -  Eliaquim; 39 -  Meleá; 38 -  Mená; 37 -  Matatá; 36 -  Natã; 35 -  Davi; 34 -  Jessé; 33 -  Obede; 32 -  Boaz; 31 -  Salá; 30 -  Naassom; 29 -  Aminadabe; 28 -  Admim; 27 -  Arni; 26 -  Esrom; 25 -  Perez; 24 -  Judá; 23 -  Jacó; 22 -  Isaque; 21 -  Abraão; 20 -  Tera; 19 -  Naor; 18 -  Serugue; 17 -  Ragaú; 16 -  Faleque; 15 -  Éber; 14 -  Salá; 13 -  Cainã; 12 -  Arfaxade; 11 -  Sem; 10 -  Noé; 9 -  Lameque; 8 -  Metusalém; 7 -  Enoque; 6 -  Jarede; 5 -  Maalalel; 4 -  Cainã; 3 -  Enos; 2 -  Sete; 1 -  Adão, filho de Deus.
Referência bíblica em Lucas 3:23-38
Lucas 3:23 E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Heli,
Lucas 3:24 E Heli de Matã, e Matã de Levi, e Levi de Melqui, e Melqui de Janai, e Janai de José,
Lucas 3:25 E José de Matatias, e Matatias de Amós, e Amós de Naum, e Naum de Esli, e Esli de Nagaí,
Lucas 3:26 E Nagaí de Máate, e Máate de Matatias, e Matatias de Semei, e Semei de José, e José de Jodá,
Lucas 3:27 E Jodá de Joanã, e Joanã de Resá, e Resá de Zorobabel, e Zorobabel de Salatiel, e Salatiel de Neri,
Lucas 3:28 E Neri de Melqui, e Melqui de Adi, e Adi de Cosã, e Cosã de Elmadã, e Elmadã de Er,
Lucas 3:29 E Er de Josué, e Josué de Eliézer, e Eliézer de Jorim, e Jorim de Matã, e Matã de Levi,
Lucas 3:30 E Levi de Simeão, e Simeão de Judá, e Judá de José, e José de Jonã, e Jonã de Eliaquim,
Lucas 3:31 E Eliaquim de Meleá, e Meleá de Mená, e Mená de Matatá, e Matatá de Natã, e Natã de Davi,
Lucas 3:32 E Davi de Jessé, e Jessé de Obede, e Obede de Boaz, e Boaz de Salá, e Salá de Naassom,
Lucas 3:33 E Naassom de Aminadabe, e Aminadabe de Arão, e Arão de Esrom, e Esrom de Parez, e Perez de Judá,
Lucas 3:34 E Judá de Jacó, e Jacó de Isaque, e Isaque de Abraão, e Abraão de Terá, e Terá de Nacor,
Lucas 3:35 E Nacor de Seruque, e Seruque de Ragaú, e Ragaú de Fáleque, e Fáleque de Éber, e Éber de Salá,
Lucas 3:36 E Salá de Cainã, e Cainã de Arfaxade, e Arfaxade de Sem, e Sem de Noé, e Noé de Lameque,
Lucas 3:37 E Lameque de Metusalém, e Metusalém de Enoque, e Enoque de Jarete, e Jarete de Maleleel, e Maleleel de Cainã,
Lucas 3:38 E Cainã de Enos, e Enos de Sete, e Sete de Adão, e Adão de Deus.


QUADRO III -  TABELA DOS 77 DESCENDENTES DE ADÃO ATÉ CRISTO
A LINHAGEM DA SEMENTE DE ADÃO ATÉ JESUS POR LUCAS
1
ADÃO

26
ESROM

51
ELMADÃ
2
SETE
27
ARNI

52
COSÃ
3
ENOS
28
ADMIM

53
ADI
4
CAINÃ
29
AMINADABE

54
MELQUI
5
MAALALEL
30
NAASSOM

55
NERI
6
JAREDE
31
SALÁ

56
SALATIEL
7
ENOQUE
32
BOAZ

57
ZOROBABEL
8
METUSALEM
33
OBEDE

58
RESA
9
LAMEQUE
34
JESSÉ

59
JOANÃ
10
NOÉ
35
DAVI

60
JODÁ
11
SEM
36
NATÃ

61
JOSÉ
12
ARFAXADE
37
MATATÁ

62
SEMEI
13
CAINÃ
38
MENÁ

63
MATATIAS
14
SALÁ
39
MELEÁ

64
MAATE
15
ÉBER
40
ELIAQUIM

65
NAGAI
16
FALEQUE
41
JONÃ

66
ESLI
17
RAGAÚ
42
JOSÉ

67
NAUM
18
SERUGUE
43
JUDÁ

68
AMÓS
19
NAOR
44
SIMEÃO

69
MATATIAS
20
TERA
45
LEVI

70
JOSÉ
21
ABRAÃO
46
MATATE

71
JANAI
22
ISAQUE
47
JORIM

72
MELQUI
23
JACÓ
48
ELIÉZER

73
LEVI
24
JUDÁ
49
JOSUÉ

74
MATATE
25
PÉRES
50
ER

75
ELI
Referência: Lucas 3:23-38

76
JOSÉ

77
JESUS CRISTO
Considerando Adão, o primeiro, avançando na contagem dos descendentes, chegaremos em Jesus Cristo, o 77º (7x11) descendente, aquele que ferirá mortalmente a serpente na cabeça, mas que a serpente iria lhe ferir o calcanhar. Outra curiosidade é Abraão, o 21º (3x7) e Davi, o 35º (5x7).
A história do homem começou com Adão e terminou com Jesus, o chamado último Adão, mas que na verdade, novamente, é o primeiro, pois Jesus é o primeiro de milhares de milhares e de milhões de milhões, pois que com seu sangue comprou para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação.
E entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação”. Apocalipse 5:9
Apesar de Jesus não ter descendentes segundo a carne, no entanto, nós continuamos a nos multiplicarmos e continuamos a gerar filhos e filhas, descendentes de Noé, de Sem, Cão e Jafé.
Como em Jesus houve uma parada, eu creio, particularmente, que essa nossa geração oriunda de Noé também haverá de cessar com o último homem (quem será?).
Jesus Cristo teve de passar pela morte, para por sua morte gerar a nossa vida e nos fazer reviver. É um mistério muito grande a pessoa e a obra de Jesus.
Infelizmente, estamos com nossos olhos entorpecidos e não compreendemos o mistério que está diante de nossos olhos e ficamos, como diz John Piper correndo atrás de miséria e migalhas quando Deus nos oferece verdadeiros banquetes.
Ele é anunciado diante da serpente, de Adão, de Eva, dos anjos e por meio dos descendentes vai se perpetuando até Cristo quando atinge a plenitude e já não mais pode morrer.
Abraão podia morrer e morreu, Davi poderia morrer e morreu, todos eles poderiam morrer e morreram, mas todos geraram descendentes e Deus preservou a linhagem messiânica.
É mesmo como uma longa linha até chegar a Cristo. Agora o seu reino é eterno e durará para sempre. 
Gn 10:1 Estas, pois, são as gerações dos filhos de Noé:
Sem, Cão e Jafé;
e nasceram-lhes filhos depois do dilúvio.
Gn 10:2 Os filhos de Jafé são:
Gomer, Magogue, Madai, Javã, Tubal, Meseque e Tiras.
Gn 10:3 E os filhos de Gomer são:
Asquenaz, Rifate e Togarma.
Gn 10:4 E os filhos de Javã são:
Elisá, Társis, Quitim e Dodanim.
Gn 10:5 Por estes foram repartidas as ilhas dos gentios nas suas terras,
cada qual segundo a sua língua,
segundo as suas famílias,
entre as suas nações.
Gn 10:6 E os filhos de Cão são:
Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã.
Gn 10:7 E os filhos de Cuxe são:
Sebá, Havilá, Sabtá, Raamá e Sabtecá;
e os filhos de Raamá:
Sebá e Dedã.
Gn 10:8 E Cuxe gerou a Ninrode;
este começou a ser poderoso na terra.
Gn 10:9 E este foi poderoso caçador diante da face do SENHOR;
por isso se diz:
Como Ninrode, poderoso caçador diante do SENHOR.
Gn 10:10 E o princípio do seu reino foi
Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar.
Gn 10:11 Desta mesma terra saiu à Assíria e edificou
a Nínive, Reobote-Ir, Calá,
Gn 10:12 E Resen, entre Nínive e Calá (esta é a grande cidade).
Gn 10:13 E Mizraim gerou
a Ludim, a Anamim, a Leabim, a Naftuim, Gn 10:14 A Patrusim
e a Casluim (donde saíram os filisteus) e a Caftorim.
Gn 10:15 E Canaã gerou a Sidom,
seu primogênito,
e a Hete; Gn 10:16 E ao jebuseu, ao amorreu, ao girgaseu,
Gn 10:17 E ao heveu, ao arqueu, ao sineu,
Gn 10:18 E ao arvadeu, ao zemareu, e ao hamateu,
e depois se espalharam as famílias dos cananeus.
Gn 10:19 E foi o termo dos cananeus desde Sidom,
indo para Gerar, até Gaza;
indo para Sodoma e Gomorra, Admá e Zeboim, até Lasa.
Gn 10:20 Estes são os filhos de Cão
segundo as suas famílias, segundo as suas línguas,
em suas terras, em suas nações.
Gn 10:21 E a Sem nasceram filhos,
e ele é o pai de todos os filhos de Eber,
o irmão mais velho de Jafé.
Gn 10:22 Os filhos de Sem são:
Elão, Assur, Arfaxade, Lude e Arã.
Gn 10:23 E os filhos de Arã são:
Uz, Hul, Geter e Más.
Gn 10:24 E Arfaxade gerou a Selá;
e Selá gerou a Éber.
Gn 10:25 E a Éber nasceram dois filhos:
o nome de um foi Pelegue,
porquanto em seus dias se repartiu a terra,
e o nome do seu irmão foi Joctã.
Gn 10:26 E Joctã gerou a Almodá, a Selefe, a Hazarmavé, a Jerá,
Gn 10:27 A Hadorão, a Usal, a Dicla,
Gn 10:28 A Obal, a Abimael, a Sebá,
Gn 10:29 A Ofir, a Havilá e a Jobabe;
todos estes foram filhos de Joctã.
Gn 10:30 E foi a sua habitação desde Messa,
indo para Sefar, montanha do oriente.
Gn 10:31 Estes são os filhos de Sem
segundo as suas famílias,
segundo as suas línguas,
nas suas terras,
segundo as suas nações.
Gn 10:32 Estas são as famílias dos filhos de Noé
segundo as suas gerações,
nas suas nações;
e destes foram divididas
as nações na terra
depois do dilúvio.
Fora as gerações que comentei de Sem que geraram o Messias, há gerações interessantes dos inimigos de Deus que logo, em breve, irão enfrentar, quando forem sair do Egito, as terras de Canaã habitadas pelos os heteus, e os girgazeus, e os amorreus, e os cananeus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus e depois, enfrentarão a geração dos Filisteus e ainda, enfrentarão outras terras e povos que tiveram a sua origem aqui, depois do dilúvio.
Terão de enfrentar esses povos e de forma tão terrível por causa da desobediência do povo de Deus, pois se, desde o início, tivessem optado, não pela rejeição do conhecimento de Deus, a nossa própria história moderna seria bem outra. Paciência! Ainda sobre a genealogia veja esse post em que exibimos um vídeo de Adauto Lourenço: http://www.jamaisdesista.com.br/2015/02/genealogia-biblica-adauto-lourenco.html
Esse conhecimento prévio é bom para nos orientar e para entendermos o quanto Deus tem sido misericordiosos em tolerar e conceder a bênção da vida mesmo aos que o aborrecem e o rejeitam continuamente. 
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete 
http://www.jamaisdesista.com.br

P.S.: Complemento de postagem. Objetivo: esclarecer algumas questões e acrescentar dados dos sumérios e dos amorreus.
Enoque morreu bem antes do dilúvio e bem assim todos os descendentes de Adão, exceto Noé, seus filhos e suas esposas. Noé foi pai de Sem.
Quanto aos sumérios, irei me valer dos escritos de Dom Terra – “O DEUS DOS SEMITAS”, ed. Loyola, 2015, p. 17. HISTÓRIA DA MESOPOTÂMIA . 1. OS SUMÉRIOS .
Os primeiros habitantes da Mesopotâmia conhecidos até hoje pela história foram os sumérios, cujas origens são ainda objeto de muita controvérsia. E. Dhorme, citando F. Thureau-Dangin, afirma: "Tudo faz crer que a civilização suméria não foi importada, mas se formou" no sul da Mesopotâmia'. J. L. Mackenzie, por sua vez, escreve: Os sumérios não eram um povo semítico. Não eram habitantes nativos do país. Provavelmente, entraram na Mesopotâmia via golfo Pérsico no quarto milênio. O nome geográfico "suméria" na antiguidade designava a Mesopotâmia inferior, da foz do Diyala até o golfo Pérsico. A linha costeira da foz do Tigre e do Eufrates avançou ao menos 110-120 km no período histórico, por causa dos depósitos de sedimentação. Eridu, a mais meridional das cidades sumérias, estava situada na costa.
As escavações arqueológicas descobriram numerosas cidades sumérias, tais como Ur, Eridu, Nippur, Lagash, Uruk, Kish, etc. As explorações desenterraram dezenas de milhares de inscrições cuneiformes em tabuletas de argila e revelaram restos importantes de cidades e templos sumérios.
A maior invenção suméria e o mais precioso legado que os sumérios deixaram para a humanidade foi a escrita cuneiforme, usada primeiramente para documentos e contas, e depois para escritos históricos, literários, jurídicos e religiosos.
Desde o início de sua história, os sumérios apresentavam uma vida social organizada em centros urbanos bastante florescentes. As atividades rural e pastoril gravitavam em redor de antigas cidades, onde se erguiam templos aos deuses, palácios reais, bibliotecas e escolas de escribas.
Várias dessas cidades lograram, episodicamente, uma supremacia por períodos mais ou menos longos. Por isso, o deus da cidade vitoriosa também adquiria uma hegemonia sobre as divindades das cidades dominadas. No entanto, o deus vencido não era eliminado, mas continuava senhor dos destinos de sua cidade santa, razão pela qual aumentava o panteão.
O rei vitorioso respeitava os cultos locais dos povos conquistados, como se pode ver no prólogo do Código de Hamurabi, onde se registra a liberalidade do rei em favor dos deuses, das deusas, dos templos, e das cidades de Sumer e de Acad. Por isso, as religiões viviam num espírito de mútua tolerância, mantendo entre si relações muito estreitas. Uma sistematização teológica estabelecia uma rede intrincada de parentesco entre os deuses protetores das grandes cidades su-mérias. Assim, Ningirsu, deus da cidade Lagash, era filho de Enlil, deus de Nippur; o deus-lua, Narina, da cidade de Ur, era pai do deus-sol, Utu, da cidade de Larsa; Marduc, deus da Babilônia, era filho de Enki, ou Éa, deus da cidade Eridu, etc.
Quanto aos arameus, igualmente, cito Dom Terra, na mesma obra. Ele fala disso no cap IV de seu livro já citado.
POVOS SEMITAS. ARAMEUS.
As origens dos arameus são ainda bastante obscuras. Conforme N. Schneider (Bb 30, 1949, 109-111), por volta do ano 2.000 a.C. ou um pouco mais cedo, aparecem primeiro ao longo do médio-Eufrates, depois também para o sul, elementos étnicos cujos nomes são semíticos. Devem ter sido os primeiros antepassados dos grupos que mais tarde aparecem na Palestina e na Síria sob o nome de arameus. Os arameus são mencionados pela primeira vez nos documentos do rei assírio, Teglat-Falasar I (1112-1074).
Parece que os arameus devem ser identificados com os ahlamu, que são mencionados em documentos bastante anteriores, ou então os arameus seriam uma parte dos ahlamu. É provável que ahlamu seja um denominativo significando "nômade". Os ahlamu surgem pela primeira vez como tribo nômade do deserto sírio que inicialmente ataca as populações da região e depois se estabelecem no território.
Pode ser que nas inscrições de Naram Sin já se encontrem vestígios da pré-história dos arameus. Mas, com certeza, somente a partir do século XIII são encontrados documentos inequívocos: para Nippur, no século XII, e por volta de 1700, em Mari; em Ugarit, por volta de 1350. Há inscrições assírias do século XII que falam em tribos de aramu, vindas do deserto sírio-arábico, que penetraram nas terras cultivadas da Assíria. Nas inscrições assírias de Teglat-Falasar I, do século XII, é mencionado o nome dos arameus, junto com outras tribossemíticas-ocidentais, como um grupo étnico relativamente recente, estabelecido no oeste da Assíria, entre as margens ocidentais do Eufrates e Palmira (Tadmor), no deserto da Síria.
Com o enfraquecimento da Assíria nos séculos XII-XI, os arameus se estabeleceram no norte da Síria e no sul da Babilônia, onde se mesclaram com os caldeus. Os arameus nunca formaram grandes estados. Criaram na Síria grupos de cidades-estados comercialmente fortes, que prosperaram até a conquista assíria, nos séculos IX-V111, quando foram absorvidos pelo grande império assírio.
Entre as tribos aramaicas que invadiram as terras cultivadas da Síria e da Palestina, as que se situaram no norte conservaram a língua aramaica; outras, como Israel, Moab, e provavelmente também Edom e Amon, adotaram a língua falada em Canaan.
No Antigo Testamento as relações de Israel com os arameus remontam às origens. Conforme Amós 9,7, os arameus eram provenientes de Cir, o que talvez possa ser identificado com o nordeste da Arábia, habitat dos caldeus. Nas tradições das origens de Israel, os arameus se encontram entre os seus antepassados. Na tábula dos Povos, Aram aparece como filho de Sem (Gn 24,10). Em egípcio, Naharina (nas tabuinhas acádicas de Amarna: Nahrina) indica o nome do território no norte da Síria e do alto Eufrates, em torno de Carquemis e Harã, áreas que se tornariam territórios arameus a partir do século XII a.C. Ao nome Nahrina, os hebreus acrescentaram o prefixo Aram, como também fizeram com os nomes de outros estados arameus. Balaão foi chamado de AramNaaraim (Nm 23,7; Dt 23,5). Em outras tradições, essa região é chamada de Padã-Aram. Em algumas passagens, Jacó é chamado de "arameu errante" (Dt 26,5); e também Labão é considerado arameu (Gn 25,20; 28,5; 31,20.24).
No tempo dos patriarcas, já se constatava a presença de arameus na região na qual haveriam de se estabelecer mais tarde. Durante a monarquia, apesar das constantes guerras, Israel manteve relações comerciais e culturais com os estados arameus da Síria.
No Antigo Testamento são mencionados os seguintes estados arameus na Síria:
1.     Soba, estado arameu localizado ao norte do vale da Beqaac, entre o Líbano e o Antilíbano. É conhecido o seu rei Hadadezer, que foi derrotado por Davi (2Sm 8,3-5.7). Um antigo oficial de Hadadezer, chamado Razon, logrou proclamar-se rei de Damasco, durante o reinado de Salomão (1Rs 11,23).
Documentos assírios indicam que o reino arameu de Soba era extenso, atin-gindo o Norte até o Eufrates, e representava também uma ameaça para a Assíria, que no século X estava enfraquecida.
2.     Bet-Rehob (2Sm 10,6), uma cidade aramaica próxima do limite norte de Canaã (Nm 13,21) que se aliou a Amon na guerra contra Davi.
Nas listas do Faraó Tutmose III e Shishak (ANET, 253), e num texto geográfico egípcio do século XIII, se faz menção a uma cidade chamada Rehob, em Canaã. Parece que deve ser identificada com a Bet-Rohob bíblica.
3.     Maaca, reino arameu situado ao sul do monte Hermom e ao norte do lago Hule. Maaca aliou-se com os amonitas (2Sm 10,6-8) e com outras tribos arameias, na luta contra Davi. Desde cedo, foi incorporado a Israel (2Sm 10,14-22). Mais tarde, foi anexado à Assíria por Teglat-Falasar III (2Rs 15,29).
4.     Gessur, reino aramaico a leste do Jordão e ao norte de Basã, nas partes setentrionais do Golan. A esposa de Davi, Maaca, era filha de Tolmai, rei de Ges-sur. Absalão fugiu para Gessur depois do assassínio de Amon, seu irmão, e ficou lá três anos (2Sm 3,3; 13.37).
5.     Damasco: apesar de Damasco ser uma cidade muito antiga, sua história primitiva é desconhecida. A primeira referência histórica parece ser um texto de execração egípcia, do século XIX a.C., no qual Damasco é mencionada com o nome de Apum. Alguns textos de Mari, dessa época, também fazem referência a ela. As tabuinhas de Amarna mencionam duas vezes essa cidade.
A história do reino arameu de Damasco só nos é conhecida através dos documentos assírios e bíblicos. Salmanasar III fala de quatro campanhas vitoriosas contra Damasco, duas contra Ben-Adad e duas contra Hazael. A primeira dessas batalhas foi a de Carcar (853), na qual Ben-Adad de Damasco e Acab de Israel se aliaram aos estados arameus da Síria. Adad-Nirari III (809-783) fala de uma vitória de Damasco sobre Mari. Teglat-Falasar fala de uma vitória sobre o "país de Aram". Um texto assírio do início do reinado de Sargon (721-705) alude a uma revolta ocorrida em Damasco. Depois disto, somente no reinado de Assurbanipal volta-se a falar de Damasco como uma base assíria governada diretamente por um administrador assírio. Com a queda do império assírio, Damasco papassou para o domínio da Pérsia. Em 333, caiu em poder de Alexandre, tornando reino selêucida; e em 85 a.C. ficou submetida ao reino nabateu.
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.