terça-feira, 7 de maio de 2013

Salmo 110.1-7 - O REINO E O SACERDÓCIO DO MESSIAS

Salmo de Davi, muito profundo, profético, messiânico, comentado pelo Senhor e citado em diversas partes pelos apóstolos, especialmente por quem escreveu o livro de Hebreus.
Já no verso primeiro deste salmo, citado por Jesus quando ensinava no templo, fez uma pergunta sobre como os escribas explicavam o fato de que Cristo era filho de Davi porque Davi, pelo Espírito Santo, disse: “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.”? Jesus ali explicava que o mesmo Davi de quem o Cristo era, chamava o Cristo de Senhor. (Mc 12:35-37).
Também de outra feita, certamente, os fariseus estavam interrogando Jesus, mas com o propósito de o apanhar em algum deslize, no entanto, sabiamente, escapava de todas as armadilhas montadas e ele mesmo faz a pergunta aos fariseus sobre a declaração de Davi, neste salmo, sobre o Cristo ser filho de Davi e eles ficaram sem palavras. (Mt 22: 41-46).
Nós entendemos a declaração porque nos foi revelado a Trindade de Deus com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
Em seguida, o salmista fala do domínio deste Cristo que se estenderá por toda parte e dominará sobre tudo e todos. Nada irá escapar ou ficar de fora.
Também ele é o sumo-sacerdote que entrou uma única vez no santuário, no santo dos santos, e se rasgou o véu que fazia a separação do homem que se aproximava de Deus, do próprio Deus. Seu sacerdócio não decorreu de ordem humana, mas foi segundo a ordem de Melquisedeque, uma figura enigmática que conforme Hebreus, permanece também sacerdote para sempre.
Hebreus 7:1 Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou,
Hebreus 7:2 para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei de justiça, depois também é rei de Salém, ou seja, rei de paz;
Hebreus 7:3 sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente.
Calvino faz na introdução sobre este salmo, em seus comentários, algumas colocações importantes para o entendimento do salmo. Em primeiro lugar fala que Davi coloca Cristo como aquele a quem Deus constituiu sobre todos, tendo domínio supremo e poder e força e em segundo lugar, que Deus expandiu seu reinado além de todos os limites, constituindo-o em sacerdote eterno diante de Deus a favor dos homens e, finalmente, que assim, ele estabelecerá uma nova ordem pondo fim nas coisas antigas e fazendo tudo novo.
Neste salmo, Davi estabelece a perpetuidade do reinado de Cristo e a eternidade do seu sacerdócio; e, em primeiro lugar, ele afirma que Deus conferiu a Cristo o supremo domínio, combinado com o poder invencível, com o qual ele conquista todos os seus inimigos, ou os obriga a submeter-se a ele. Em segundo lugar, ele acrescenta: que Deus estenderia os limites deste reino; E, em terceiro lugar, que Cristo, tendo sido instalado no recinto sacerdotal com toda a solenidade de um juramento, sustenta as honras disso igualmente com as de seu sacerdócio real. Finalmente, que esta seja uma nova ordem de sacerdócio, cuja introdução deve pôr fim ao sacerdócio levítico, que foi temporário, e que será eterna.
Um salmo de David.
Tendo o testemunho de Cristo de que este salmo foi escrito em referência a si mesmo, não precisamos de nenhum outro para corroborar esta afirmação; e, mesmo admitindo que não tivéssemos autoridade, nem o testemunho do apóstolo, o próprio salmo não admitiria nenhuma outra interpretação; pois, embora tenhamos uma disputa com os judeus, as pessoas mais obstinadas do mundo, sobre a aplicação correta dela, somos capazes, pelos argumentos mais irresistíveis, de obrigá-los a admitir que as verdades aqui referidas se relacionam nem para David nem para qualquer outra pessoa além do Mediador. É reconhecido que o reino de Cristo é tipificado na pessoa de Davi, mas não pode ser afirmado dele, nem de nenhum dos seus sucessores, que ele deve ser um rei cujo domínio deve ser amplamente estendido e quem, no mesmo  tempo era sacerdote, não de acordo com a lei, mas de acordo com a ordem de Melquisedeque, e para sempre; pois, naquela época, nenhuma dignidade sacerdotal nova e incomum poderia ser instituída, sem privar a casa de Levi dessa honra peculiar. Além disso, a perpetuidade atribuída ao ofício sacerdotal não pode pertencer a nenhum homem, porque, com exceção do homem Cristo Jesus, esta honra termina imediatamente no fim do curso curto e incerto da vida presente. Mas, como esses tópicos serão considerados, em maior proporção, em seu devido lugar, basta que, neste momento, façamos alusão a eles em breve.
Sl 110:1 Disse o SENHOR
ao meu senhor:
Assenta-te à minha direita,
até que eu ponha os teus inimigos
debaixo dos teus pés.
Sl 110:2 O SENHOR
enviará de Sião o cetro do seu poder, dizendo:
Domina entre os teus inimigos.
Sl 110:3 Apresentar-se-á voluntariamente o teu povo,
no dia do teu poder;
com santos ornamentos,
como o orvalho emergindo da aurora,
serão os teus jovens.
Sl 110:4 O SENHOR
jurou e não se arrependerá:
Tu és sacerdote para sempre,
segundo a ordem de Melquisedeque.
Sl 110:5 O Senhor,
à tua direita,
no dia da sua ira,
esmagará os reis.
Sl 110:6 Ele julga entre as nações;
enche-as de cadáveres;
esmagará cabeças por toda a terra.
Sl 110:7 De caminho,
bebe na torrente
e passa de cabeça erguida.

Jesus Cristo é o Senhor para sempre! Por isso Deus o exaltou acima de tudo e de todos e a ele deu todas as coisas, nos céus e na terra. Agora, ele julga e brevemente se completará o tempo dos gentios e todas as coisas serão reconciliadas com Deus e com Cristo.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.