segunda-feira, 29 de abril de 2013

Salmo 102: 1-28 - ARREPENDIMENTO E ESPERANÇA

Ele, o salmista, está em desespero e clama ao Senhor. Ouve, escuta, inclina teus ouvidos é o seu clamor inicial pedindo que Deus o ouça que lhe dê atenção por que ele irá fazer a sua oração e seu clamor estará diante de Deus que está no controle de tudo e de todas as coisas.
Ele se compara a Deus no sentido de que é passageiro e logo o tempo irá passar e consumir tudo ao seu redor, inclusive ele mesmo que ora. Deus já é eterno e jamais passará. Ele quer louvar a Deus e pede socorro e atenção.
Até quando clamaremos, Senhor? Se não te deixares achar por nós, como iremos encontrá-lo? Este também tem sido nosso clamor a Deus, principalmente pelo momento que estamos passando aqui no Brasil e em todo o mundo quando este nosso mundo conhecido está passando por uma crise e o fundo sexual é a faixada para as discussões e afrontas antigas.
O homem quer afrontar e sair ileso, ou melhor, ele gostaria que Deus desaparecesse para que ele ficasse à vontade em seus desejos altamente inflamáveis pelo inferno, no entanto, quem tem de sair não é quem criou todas as coisas, antes quem perdeu o temor a Deus e está se achando no direito de expulsar a justiça e a bondade.
Como iremos prevalecer contra o Criador? Não podemos! Não devemos!
Deus usou a Babilônia para castigar o seu povo rebelde, mas estes abusaram e o juízo também veio sobre eles, enquanto o povo que estava humilhado foi sustentado por Deus e, por fim, nos entregou o Messias que salvou a nossa alma e nos deu a esperança.
Agora jão não precisamos de uma Sião terrestre, nem de um templo físico, por que agora todos somos templos do Deus vivo que vive e reina neste mundo tenebroso. O Senhor nos diz para termos paciência e aguentarmos somente um pouquinho que logo, logo, serão exterminados todos os ímpios da face da terra.
No comentário de Calvino, em inglês, na sua introdução ele contextualiza este salmo e explica detalhes importantes para a sua compreensão, como por exemplo o salmo ter sido composto no cativeiro da Babilônia quando o povo sofria, era humilhado, maltratado e sentia saudades de Sião. A esperança do povo estava na reconstrução da cidade e do seu templo que foram destruídos.
Esta oração parece ter sido ditada aos fiéis quando eles estavam morrendo no cativeiro da Babilônia. Doloroso e humilde, eles primeiro lamentam suas aflições. Em próximo lugar, eles imploram a Deus pela restauração da cidade sagrada e do templo. Para se encorajarem a comparecerem diante dele em oração com maior confiança, chamam a lembrança das promessas divinas em referência à feliz renovação tanto do reino como do sacerdócio; e eles não só se asseguram da libertação do cativeiro, mas também imploram a Deus para que os reis e as nações se sujeitem a si mesmo. No final do salmo, depois de ter interposto uma breve queixa a respeito de sua condição angustiante e afligida, eles se consolam da eternidade de Deus; pois, ao adotar seus servos para uma melhor esperança, ele os separou do lote comum dos homens.
Uma oração pelos aflitos, quando ele se calar, e derramará a sua meditação perante o Senhor.
Quem dos profetas compôs este salmo, é certo que ele o ditou aos fiéis como uma forma de oração para o restabelecimento do templo e da cidade. Alguns o limitam ao tempo em que, após o retorno dos judeus da Babilônia, a construção do templo foi dificultada pelas nações vizinhas; mas com isso não posso concordar. Eu sou um pouco de opinião de que o poema foi escrito antes do retorno do povo, quando o tempo da libertação prometida estava próximo; pois os profetas começaram a ser mais sérios ao levantar os corações dos piedosos de acordo com estas palavras de Isaías (Isaías 40: 1) "Consolai, consolai o meu povo, diz o teu Deus". O design do poeta sagrado foi, não só para inspirar as pessoas com coragem, mas também para estimular neles maior cuidado com o bem-estar da Igreja. O título do salmo indica o fim e o propósito a que se destinava a servir. Aqueles que traduzem os verbos no tempo passado, uma oração pelos aflitos, quando ele estava em perigo, e derramou sua meditação, parecem dar uma visão incorreta da mente do profeta. Ele preferiu aliviar a tristeza daqueles cujos corações ele viu deprimidos; como se ele tivesse dito: Embora você possa estar afligido com angústia e desespero, não deve, por essa razão, desistir da oração. Alguns traduzem o verbo tph, ataph, quando ele deve se esconder e conceber que esta é uma expressão metafórica do gesto de um homem engajado na oração, quando, por causa de sua dor, incapaz de levantar o rosto, ele, como foi, esconde-se e mantém sua cabeça embrulhada em seu peito. Mas parece-me ser um jogo elegante sobre as palavras, quando as angústias da mente, e a sua calidez, são faladas, por um lado, e o derramamento de orações do outro; ensinando-nos que, quando estamos tão calados pela dor para evitar a luz e a presença dos homens, o portão está tão longe de ser fechado contra nossas orações, que, na verdade, é a estação mais adequada para se envolver em oração, por isso é um alívio singular de nossas dores quando temos a oportunidade de derramar livremente nossos corações diante de Deus. O verbo svch, suach, muitas vezes denota para orar; Mas, como também significa meditar, o substantivo derivado dele significa corretamente, neste lugar, a meditação. Além disso, deve-se observar que, com estas palavras, o salmista admoesta os israelitas quanto ao estado de espírito com o qual se tornou eles usar esta forma de oração no trono da graça; como se ele tivesse dito, que ele prescreveu isso para aqueles que estavam angustiados por causa da condição desolada da Igreja.
Sl 102:1 Ouve,
SENHOR,
a minha súplica,
e cheguem
a ti
os meus clamores.
Sl 102:2 Não me ocultes
o rosto no dia da minha angústia;
inclina-me
os ouvidos;
no dia em que eu clamar,
dá-te pressa em acudir-me.
Sl 102:3 Porque os meus dias,
como fumaça,
se desvanecem,
e os meus ossos
ardem como em fornalha.
Sl 102:4 Ferido como a erva,
secou-se o meu coração;
até me esqueço de comer o meu pão.
Sl 102:5 Os meus ossos
já se apegam à pele,
por causa do meu dolorido gemer.
Sl 102:6 Sou
como o pelicano no deserto,
como a coruja das ruínas.
Sl 102:7 Não durmo
e sou como o passarinho solitário nos telhados.
Sl 102:8 Os meus inimigos me insultam a toda hora;
furiosos contra mim,
praguejam com o meu próprio nome.
Sl 102:9 Por pão
tenho comido cinza
e misturado com lágrimas a minha bebida,
Sl 102:10 por causa da tua indignação
e da tua ira,
porque me elevaste
e depois me abateste.
Sl 102:11 Como a sombra que declina,
assim os meus dias,
e eu me vou
secando como a relva.
Sl 102:12 Tu, porém,
SENHOR,
permaneces para sempre,
e a memória do teu nome,
de geração em geração.
Sl 102:13 Levantar-te-ás
e terás piedade de Sião;
é tempo de te compadeceres dela,
e já é vinda a sua hora;
Sl 102:14 porque os teus servos
amam até as pedras de Sião
e se condoem
do seu pó.
Sl 102:15 Todas as nações
temerão o nome do SENHOR,
e todos os reis da terra,
a sua glória;
Sl 102:16 porque o SENHOR edificou a Sião,
apareceu na sua glória,
Sl 102:17 atendeu à oração do desamparado
e não lhe desdenhou as preces.
Sl 102:18 Ficará isto registrado
para a geração futura,
e um povo,
que há de ser criado,
louvará ao SENHOR;
Sl 102:19 que o SENHOR,
do alto do seu santuário,
desde os céus,
baixou vistas à terra,
Sl 102:20 para ouvir o gemido dos cativos
e libertar os condenados à morte,
Sl 102:21 a fim de que seja anunciado
em Sião
o nome do SENHOR
e o seu louvor,
em Jerusalém,
Sl 102:22 quando se reunirem os povos e os reinos,
para servirem ao SENHOR.
Sl 102:23 Ele me abateu a força no caminho
e me abreviou os dias.
Sl 102:24 Dizia eu:
Deus meu,
não me leves na metade de minha vida;
tu, cujos anos
se estendem por todas as gerações.
Sl 102:25 Em tempos remotos,
lançaste os fundamentos da terra;
e os céus
são obra das tuas mãos.
Sl 102:26 Eles perecerão,
mas tu permaneces;
todos eles envelhecerão
como uma veste,
como roupa os mudarás,
e serão mudados.
Sl 102:27 Tu, porém,
és sempre o mesmo,
e os teus anos
jamais terão fim.
Sl 102:28 Os filhos dos teus servos
habitarão seguros,
e diante de ti
se estabelecerá a sua descendência.
Dentro de pouco tempo aquele que há de vir, virá e não tardará, mas o que não quiser esperar que se entregue cada vez mais aos seus desejos e vontades para que assim se encha mais ainda a taça da ira divina que arderá sobre as suas cabeças.

Desperta, Senhor, teu povo! 
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.