domingo, 17 de março de 2013

Salmo 59: 1-17 - SÚPLICA EM PROL DE LIBERTAÇÃO

Não haveria como Davi escapar de Saul que estava determinado a exterminá-lo. Para Saul, Davi era aquele que iria tomar o seu lugar no seu reino. Ele já sabia que isso iria acontecer, mas ele lutava contra isso e se esforçava para dar tudo errado para Davi. Para Satanás, Davi era aquele que carregava a semente messiânica que iria esmagar a sua cabeça.
Assim a perseguição era cruel e tudo estava certo para a derrota final de Davi, mas não podemos esquecer daquele que escreve a história dos homens sem se quer destruir a vontade deles ou anular a sua liberdade de escolha que irá gerar o pecado pelo qual irão ter de prestar contas.
Deus não permitiu que fosse apanhado e proveu livramento espetacular para Davi. Durante muito tempo Davi foi perseguido, mas em nenhum momento foram bem sucedidos os seus inimigos. Assim como Davi não perdia uma batalha se quer e sempre era o vencedor, mesmo estando contra ele todos os fatores, assim, quando perseguido, também escapava sem ser apanhado.
Ele então escreve este salmo que é uma oração ao seu Deus que nos ensina a clamar, a esperar e a ter fé e confiança que Deus no seu tempo proverá o que tiver de ser provido para sua honra e glória e nosso gozo nele.
No comentário de Calvino, apenas a sua introdução, vemos a contextualização deste salmo e sua explicação que nos ajudam a entender um pouco melhor. Somos gratos por Calvino que estudou e produziu excelentes comentários.
O título, que segue imediatamente, nos informa sobre a ocasião em que este salmo foi escrito, o que tem uma semelhança considerável com o precedente. Ele começa insistindo na injustiça dessa cruel hostilidade que seus inimigos lhe mostraram, e que ele não fez nada para merecer. Sua queixa é seguida por oração a Deus por ajuda; e depois, à medida que suas esperanças revivem no exercício da meditação devotada, ele profetiza sua destruição calamitosa. No final, ele se compromete a preservar uma lembrança agradecida de sua libertação e a louvar a bondade de Deus.
Para o principal músico, Al-taschith, [destrua não], Michtam de David, quando Saul enviou, e eles sitiaram a casa para matá-lo.
O incidente na história de Davi, aqui referido, é aquele com o qual todos estamos familiarizados, (1 Samuel 19:11.) Assediado em sua própria casa por uma tropa de soldados e sem ter oportunidade de sair da cidade, todas as avenidas para o qual foi posto de posse pelos guardas de Saul, parecia impossível que ele pudesse escapar com sua vida. Ele era agradecido por sua libertação à ingenuidade de sua esposa, mas era no amor divino que ele procurava segurança. Mical pode ter inventado o artifício que enganou os soldados enviados por seu pai, mas ele nunca poderia ter sido salvo senão pela maravilhosa preservação de Deus. Dizem-se nas palavras do título que sua casa estava sendo sitiada, e isso equivale, nas circunstâncias, a ser dito que ele estava com seus dias contados; pois os emissários de Saul foram enviados com ordens não só por sua apreensão, mas sua morte.
Sl 59:1 Livra-me,
Deus meu,
dos meus inimigos;
põe-me acima do alcance
dos meus adversários.
Sl 59:2 Livra-me
dos que praticam a iniquidade
e salva-me
dos homens sanguinários,
Sl 59:3 pois que armam ciladas à minha alma;
contra mim se reúnem os fortes,
sem transgressão minha,
ó SENHOR,
ou pecado meu.
Sl 59:4 Sem culpa minha,
eles se apressam e investem;
desperta,
vem ao meu encontro
e vê.
Sl 59:5 Tu, SENHOR, Deus dos Exércitos,
és o Deus de Israel;
desperta, pois,
e vem de encontro a todas as nações;
não te compadeças de nenhum
dos que traiçoeiramente praticam a iniquidade.
Sl 59:6 Ao anoitecer,
uivam como cães, à volta da cidade.
Sl 59:7 Alardeiam de boca;
em seus lábios há espadas.
Pois dizem eles:
Quem há que nos escute?
Sl 59:8 Mas tu, SENHOR,
te rirás deles;
zombarás de todas as nações.
Sl 59:9 Em ti,
força minha,
esperarei;
pois Deus é meu alto refúgio.
Sl 59:10 Meu Deus virá ao meu encontro
com a sua benignidade,
Deus me fará ver o meu desejo
sobre os meus inimigos.
Sl 59:11 Não os mates,
para que o meu povo não se esqueça;
dispersa-os
pelo teu poder
e abate-os,
ó Senhor,
escudo nosso.
Sl 59:12 Pelo pecado de sua boca,
pelas palavras dos seus lábios,
na sua própria soberba
sejam enredados
e pela abominação
e mentiras que proferem.
Sl 59:13 Consome-os com indignação,
consome-os,
de sorte que jamais existam
e se saiba que reina Deus em Jacó,
até aos confins da terra.
Sl 59:14 Ao anoitecer,
uivam como cães,
à volta da cidade.
Sl 59:15 Vagueiam à procura de comida
e, se não se fartam, então, rosnam.
Sl 59:16 Eu, porém,
cantarei a tua força;
pela manhã louvarei com alegria
a tua misericórdia;
pois tu me tens sido
alto refúgio
e proteção
no dia da minha angústia.
Sl 59:17 A ti,
força minha,
cantarei louvores,
porque Deus é meu alto refúgio,
é o Deus da minha misericórdia.

A conclusão de seus salmos são todas iguais: apontam para uma porta de esperança, uma resposta divina, uma bênção anunciada, uma declaração de amor e de adoração a Deus que jamais nos desamparará diante de quaisquer situação.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.