sábado, 9 de março de 2013

Salmo 51: 1-19 segmentado



Famoso salmo de Davi que foi criado por causa de seu pecado com Urias e Bete-Sabá. Ele foi escrito depois que Natã o confrontou e contando uma pequena parábola despertou no seu rei a cólera contra quem tinha pecado tão gravemente na parábola de um rei que querendo agradar seu convidado não tomou de suas ovelhas para lhe oferecer um banquete, mas do camponês que tinha uma única ovelha. Assim a si mesmo atribui o veredito e, então, caindo em si viu que Natã falava dele mesmo e que aquele homem maligno que acabara de julgar a morte era ele mesmo.
Outros homens também pecaram gravemente na história e uns foram perdoados e outros poderiam ter sido perdoados, mas seu coração endurecido os levou ao remorso e não ao arrependimento. Exemplos: Pedro, que também se arrependeu e Judas, que sendo do maligno, não se arrependeu.
Davi se arrependeu e Deus o perdoou! Isso é tremendo, não o fato de podermos pecar para obter o arrependimento, mas o fato de Deus, apesar de nós, nos oferecer o perdão gratuitamente. Eu não vivo na garantia de que pecando terei oportunidades de arrependimento. Quem vive assim dessa forma jamais conheceu a Deus e não é dele, antes do maligno, como Judas foi.
Em Cristo Jesus Deus nos perdoou de nossos pecados e nos deu vida nova nos aceitando agora como filhos dele. O perdão é certo para nós pecadores e a regra do obter é dar. Por isso que está escrito: ... perdoais as nossas ofensas, como temos perdoado aos nossos ofensores...
É tão bom sabermos que temos Deus que nos ama apesar de nós e que nos perdoa em Cristo Jesus. Davi conhecia seu Deus e sua oração é um presente para nós em aprendizado de relacionamento com Deus. Davi, todavia, não foi poupado das consequências de seus atos tresloucados, antes sofreu demasiadamente.
Se na hora da transgressão lhe fosse mostrado o preço a pagar, jamais, quero crer, o autor deste Salmo 51, Davi, teria se enveredado por este caminho reprovado por Deus. Quer um conselho sobre esta situação que você está vivendo? Cai fora urgentemente, antes que sejas devorado(a).
No comentário de Calvino, na sua introdução, ele comenta e situa este salmo na vida de Davi:
We learn the cause which led to the composition of this psalm from the title appended to it, and which will immediately come under our consideration. For a long period after his melancholy fall, David would seem to have sunk into a spiritual lethargy; but when roused from it by the expostulation of Nathan, he was filled with self-loathing and humiliation in the sight of God, and was anxious both to testify his repentance to all around him, and leave some lasting proof of it to posterity. In the commencement of the psalm, having his eyes directed to the heinousness of his guilt, he encourages himself to hope for pardon by considering the infinite mercy of God. This he extols in high terms, and with a variety of expressions, as one who felt that he deserved multiplied condemnation. In the after part of the psalm, he prays for restoration to the favor of God, being conscious that he deserved to have been cast off for ever, and deprived of all the gifts of the Holy Spirit. He promises, should forgiveness be bestowed upon him, to retain a deep and grateful sense of it. Towards the conclusion, he declares it to be for the good of the Church that God should grant his request; and, indeed, when the peculiar manner in which God had deposited his covenant of grace with David is considered, it could not but be felt that the common hope of the salvation of all must have been shaken on the supposition of his final rejection.
To the chief musician. A Psalm of David, when Nathan the prophet came to him, after he had gone in to Bathsheba.
When Nathan the prophet came to him Express mention is made of the prophet having come before the psalm was written, proving, as it does, the deep lethargy into which David must have fallen. It was a wonderful circumstance that so great a man, and one so eminently gifted with the Spirit, should have continued in this dangerous state for upwards of a year. Nothing but satanic influence can account for that stupor of conscience which could lead him to despise or slight the divine judgment, which he had incurred. It serves additionally to mark the supineness into which he had fallen, that he seems to have had no compunction for his sin till the prophet came to him. We have here a striking illustration, at the same time, of the mercy of God in sending the prophet to reclaim him when he had wandered. In this view, there is an antithesis in the repetition of the word came. It was when David came in to Bathsheba that Nathan came to him. By that sinful step he had placed himself at a distance from God; and the Divine goodness was signally displayed in contemplating his restoration. We do not imagine that David, during this interval, was so wholly deprived of the sense of religion as no longer to acknowledge the supremacy of the Divine Being. In all probability he continued to pray daily, engaged in the acts of Divine worship, and aimed at conforming his life to the law of God. There is no reason to think that grace was wholly extinct in his heart; but only that he was possessed by a spirit of infatuation upon one particular point, and labored under a fatal insensibility as to his present exposure to Divine wrath. Grace, whatever sparks it might emit in other directions, was smothered, so to speak, in this. Well may we tremble to contemplate the fact, that so holy a prophet, and so excellent a king, should have sunk into such a condition! That the sense of religion was not altogether extinguished in his mind, is proved by the manner in which he was affected immediately upon receiving the prophet's reproof. Had such been the case, he could not have cried out as he did, "I have sinned against the Lord," (2 Samuel 12:13;) nor would he have so readily submitted himself, in the spirit of meekness, to admonition and correction. In this respect, he has set an example to all such as may have sinned against God, teaching them the duty of humbly complying with the calls to repentance, which may be addressed to them by his servants, instead of remaining under sin till they be surprised by the final vengeance of Heaven.
Sl 51:1 Compadece-te de mim, ó Deus,
segundo a tua benignidade;
e, segundo a multidão das tuas misericórdias,
apaga as minhas transgressões.
Sl 51:2 Lava-me completamente da minha iniqüidade
e purifica-me do meu pecado.
Sl 51:3 Pois eu conheço as minhas transgressões,
e o meu pecado está sempre diante de mim.
Sl 51:4 Pequei contra ti,
contra ti somente,
e fiz o que é mau perante os teus olhos,
de maneira que serás tido por justo no teu falar
e puro no teu julgar.
Sl 51:5 Eu nasci na iniqüidade,
e em pecado me concebeu minha mãe.
Sl 51:6 Eis que te comprazes na verdade no íntimo
e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria.
Sl 51:7 Purifica-me com hissopo,
e ficarei limpo;
lava-me,
e ficarei mais alvo que a neve.
Sl 51:8 Faze-me ouvir júbilo e alegria,
para que exultem os ossos que esmagaste.
Sl 51:9 Esconde o rosto dos meus pecados
e apaga todas as minhas iniqüidades.
Sl 51:10 Cria em mim, ó Deus,
um coração puro
e renova dentro de mim
um espírito inabalável.
Sl 51:11 Não me repulses da tua presença,
nem me retires o teu Santo Espírito.
Sl 51:12 Restitui-me a alegria da tua salvação
e sustenta-me com um espírito voluntário.
Sl 51:13 Então,
ensinarei aos transgressores
os teus caminhos,
e os pecadores
se converterão a ti.
Sl 51:14 Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus,
Deus da minha salvação,
e a minha língua
exaltará a tua justiça.
Sl 51:15 Abre, Senhor,
os meus lábios,
e a minha boca manifestará os teus louvores.
Sl 51:16 Pois não te comprazes em sacrifícios;
do contrário, eu tos daria;
e não te agradas de holocaustos.
Sl 51:17 Sacrifícios agradáveis a Deus
são o espírito quebrantado;
coração compungido e contrito,
não o desprezarás, ó Deus.
Sl 51:18 Faze bem a Sião,
segundo a tua boa vontade;
edifica os muros de Jerusalém.
Sl 51:19 Então, te agradarás
dos sacrifícios de justiça,
dos holocaustos
e das ofertas queimadas;
e sobre o teu altar
se oferecerão novilhos.
O salmo é lindo e uma grande lição no nosso relacionamento com Deus que todas as coisas vê. Ele está certo de que Deus não aceitará sacrifícios nem ofertas nem holocaustos tendo um coração contrário e rebelde. O que agrada a Deus é: espírito quebrantado, coração compungido e contrito.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 50 dias para 26/04/13 (Inicio: 31/07/10). (hoje: 08/03/2013) e 460 dias para a Copa, sem álcool nos estádios....
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.