quarta-feira, 6 de março de 2013

Salmo 48: 1-14 segmentado


Grande é o Senhor, assim começa este salmo lindo ao falar de Jerusalém, da cidade do nosso Deus. A exaltação é devida ao nome de Deus que está acima de todas as coisas. Muitas religiões tem surgido no mundo procurando por um deus que satisfaça ao homem. Todas elas vão apontar coisas, caminhos, ritos e irão falar até coisas bonitas e aparentemente muito profundas, mas Deus rejeitou todas elas.
O homem não alcança Deus por meio de sua religião, antes afasta-se mais ainda dele. O que Deus fez? Proveu ele mesmo um caminho para o homem se achegar a ele. Assim, a verdadeira religião não é o caminho do homem até Deus, antes é o caminho de Deus até o homem. Deus viu que o homem estava perdido, por isso lhes mostrou o caminho.
Neste salmo, no seu vs 3 é ele que se faz conhecer como alto refúgio. Assim, Deus ao se deixar achar por nós, nós o achamos. A sua misericórdia e seu amor tem nos alcançado. O evangelho é a resposta de Deus para o homem.
A rejeição do evangelho encaminha o homem por caminhos estranhos: as religiões! A aceitação do evangelho conduz o homem a Deus. Jesus Cristo não somente trouxe a mensagem de Deus como ele mesmo é o evangelho que anunciamos da parte do Espírito de Deus. Tudo é de Deus amados!
No comentário de Calvino em sua introdução ele fala da contextualização deste salmo e de seu autor explicando a ação soberana de Deus sobre a santa cidade onde está o Monte Sião.
In this psalm there is celebrated some notable deliverance of the city of Jerusalem at a time when many kings had conspired to destroy it. The prophet, (whoever was the author of the psalm,) after having given thanks to God for this deliverance, takes occasion from thence to extol in magnificent terms the happy state of that city, seeing it had God for its continual guardian and protector. It would not have been enough for the people of God to have felt and acknowledged that they were once preserved and defended by the power of God, had they not at the same time been assured of being also preserved and protected by the same God in the time to come, because he had adopted them for his peculiar people. The prophet, therefore, chiefly insists upon this point, that it was not in vain that the sanctuary of God was erected upon mount Zion, but that his name was there called upon in order that his power might be conspicuously manifested for the salvation of his people. It is easy to gather from the subject-matter of the psalm that it was composed after the death of David. I indeed admit that among David's enemies there were some foreign kings, and that it was not for want of will on their part that the city of Jerusalem was not utterly destroyed; but we do not read that they ever proceeded the length of besieging it, and reducing it to such extremity as to render it necessary that their efforts should be repressed by a wonderful manifestation of the power of God. It is more probable that the psalm is to be referred to the time of king Ahaz, when the city was besieged and the inhabitants brought to the point of utter despair, and when, nevertheless, the siege was suddenly raised, (2 Kings 16:5;) or else to the time of Jehoshaphat and Asa, (2 Chronicles 14:9; and 20:2) for we know that under their reigns Jerusalem was preserved from utter destruction only by miraculous aid from heaven. This we are to regard as certain, that the Psalmist here exhibited to true believers an example of the favor of God towards them, from which they had reason to acknowledge that their condition was happy, seeing God had chosen for himself a dwelling-place upon mount Zion, that from thence he might preside over them for their good and safety.
A song of praise of the sons of Korah.
Sl 48:1 Grande é o SENHOR
e mui digno de ser louvado,
na cidade do nosso Deus.
Sl 48:2 Seu santo monte, belo e sobranceiro,
é a alegria de toda a terra;
o monte Sião, para os lados do Norte,
a cidade do grande Rei.
Sl 48:3 Nos palácios dela,
Deus se faz conhecer como alto refúgio.
Sl 48:4 Por isso, eis que os reis se coligaram e juntos sumiram-se;
Sl 48:5 bastou-lhes vê-lo,
e se espantaram,
tomaram-se de assombro
e fugiram apressados.
Sl 48:6 O terror ali os venceu,
e sentiram dores como de parturiente.
Sl 48:7 Com vento oriental
destruíste as naus de Társis.
Sl 48:8 Como temos ouvido dizer,
assim o vimos na cidade do SENHOR dos Exércitos,
na cidade do nosso Deus.
Deus a estabelece para sempre.
Sl 48:9 Pensamos,
ó Deus, na tua misericórdia no meio do teu templo.
Sl 48:10 Como o teu nome,
ó Deus, assim o teu louvor
se estende até aos confins da terra;
a tua destra está cheia de justiça.
Sl 48:11 Alegre-se o monte Sião,
exultem as filhas de Judá,
por causa dos teus juízos.
Sl 48:12 Percorrei a Sião,
rodeai-a toda,
contai-lhe as torres;
Sl 48:13 notai bem os seus baluartes,
observai os seus palácios,
para narrardes às gerações vindouras
Sl 48:14 que este é Deus,
o nosso Deus para todo o sempre;
ele será nosso guia até à morte.
É Deus o nosso guia até a morte! Esta é a conclusão do salmo de Corá.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 53 dias para 26/04/13 (Inicio: 31/07/10). (hoje: 06/03/2013) e 463 dias para a Copa, sem álcool nos estádios....
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.