quarta-feira, 6 de março de 2013

Salmo 48: 1-14 - A CIDADE DE DEUS

Grande é o Senhor, assim começa este salmo lindo ao falar de Jerusalém, da cidade do nosso Deus. A exaltação é devida ao nome de Deus que está acima de todas as coisas. Muitas religiões tem surgido no mundo procurando por um deus que satisfaça ao homem. Todas elas vão apontar coisas, caminhos, ritos e irão falar até coisas bonitas e aparentemente muito profundas, mas Deus rejeitou todas elas.
O homem não alcança Deus por meio de sua religião, antes afasta-se mais ainda dele. O que Deus fez? Proveu ele mesmo um caminho para o homem se achegar a ele. Assim, a verdadeira religião não é o caminho do homem até Deus, antes é o caminho de Deus até o homem. Deus viu que o homem estava perdido, por isso lhes mostrou o caminho.
Neste salmo, no seu vs. três é ele que se faz conhecer como alto refúgio. Assim, Deus ao se deixar achar por nós, nós o achamos. A sua misericórdia e seu amor tem nos alcançado. O evangelho é a resposta de Deus para o homem.
A rejeição do evangelho encaminha o homem por caminhos estranhos: as religiões! A aceitação do evangelho conduz o homem a Deus. Jesus Cristo não somente trouxe a mensagem de Deus como ele mesmo é o evangelho que anunciamos da parte do Espírito de Deus. Tudo é de Deus amados!
No comentário de Calvino em sua introdução ele fala da contextualização deste salmo e de seu autor explicando a ação soberana de Deus sobre a santa cidade onde está o Monte Sião.
Neste salmo, celebra-se uma notável libertação da cidade de Jerusalém em um momento em que muitos reis conspiravam para destruí-la. O profeta, (aquele que foi o autor do salmo), depois de ter dado graças a Deus por essa libertação, aproveita a oportunidade de exaltar em termos magníficos o feliz estado daquela cidade, vendo que Deus tinha sido o seu contínuo guardião e protetor. Não teria sido suficiente para o povo de Deus ser reconhecido e ter sentido que uma vez foram preservados e defendidos pelo poder de Deus, ao mesmo tempo, foram assegurados de serem também preservados e protegidos pelo mesmo Deus no tempo por vir, porque ele os adotou como suas possessões peculiares. O profeta, portanto, insiste principalmente neste ponto, que não foi em vão que o santuário de Deus foi erguido sobre o monte de Sião, mas que o nome dele foi aclamado para que seu poder fosse manifesto de forma evidente para a salvação de pessoas. É fácil deduzir-se do assunto do salmo que foi composto após a morte de Davi. De fato, admito que entre os inimigos de Davi havia alguns reis estrangeiros, e que não era por exercício de sua vontade que a cidade de Jerusalém não fosse completamente destruída; mas não lemos que eles já passaram o a sitiá-la e a  reduzirem a tal situação que tornasse necessário que seus esforços fossem reprimidos por uma maravilhosa manifestação do poder de Deus. É mais provável que o salmo seja encaminhado para o tempo do rei Acaz, quando a cidade foi assediada e os habitantes chegaram ao ponto de desespero total, e quando, no entanto, o cerco surgiu repentinamente (2 Reis 16: 5), ou ao tempo de Jeosafá e Asa (2 Crônicas 14: 9 e 20: 2), pois sabemos que, sob seus reinados, Jerusalém foi preservada de uma destruição total somente por ajuda milagrosa do céu. Isto deve-se considerar como certo que o salmista aqui exibiu aos verdadeiros crentes um exemplo do favor de Deus para com eles, do qual eles tinham razão para reconhecer que sua condição era propícia, visto que Deus havia escolhido para si uma habitação sobre monte de Sião, que desde então ele poderia presidi-los por seu bem e segurança.
Uma canção de louvor dos filhos de Corá.
Sl 48:1 Grande é o SENHOR
e mui digno de ser louvado,
na cidade do nosso Deus.
Sl 48:2 Seu santo monte, belo e sobranceiro,
é a alegria de toda a terra;
o monte Sião, para os lados do Norte,
a cidade do grande Rei.
Sl 48:3 Nos palácios dela,
Deus se faz conhecer como alto refúgio.
Sl 48:4 Por isso, eis que os reis se coligaram e juntos sumiram-se;
Sl 48:5 bastou-lhes vê-lo,
e se espantaram,
tomaram-se de assombro
e fugiram apressados.
Sl 48:6 O terror ali os venceu,
e sentiram dores como de parturiente.
Sl 48:7 Com vento oriental
destruíste as naus de Társis.
Sl 48:8 Como temos ouvido dizer,
assim o vimos na cidade do SENHOR dos Exércitos,
na cidade do nosso Deus.
Deus a estabelece para sempre.
Sl 48:9 Pensamos,
ó Deus, na tua misericórdia no meio do teu templo.
Sl 48:10 Como o teu nome,
ó Deus, assim o teu louvor
se estende até aos confins da terra;
a tua destra está cheia de justiça.
Sl 48:11 Alegre-se o monte Sião,
exultem as filhas de Judá,
por causa dos teus juízos.
Sl 48:12 Percorrei a Sião,
rodeai-a toda,
contai-lhe as torres;
Sl 48:13 notai bem os seus baluartes,
observai os seus palácios,
para narrardes às gerações vindouras
Sl 48:14 que este é Deus,
o nosso Deus para todo o sempre;
ele será nosso guia até à morte.

É Deus o nosso guia até a morte! Esta é a conclusão do salmo de Corá.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 

...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.