sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Salmo 36: 1-12 - A MALÍCIA HUMANA E A BENIGNIDADE DIVINA

O salmo 36 começa falando do ímpio como aquele em que há nele transgressão. O que se espera encontrar numa serpente? Seu veneno. Assim, no ímpio a sua transgressão. Ele não sossega, nem encontra paz se não estiver maquinando algo terrível sendo a sua execução pior ainda do que o planejado.
O estranho é que ele planeja sendo muito cuidadoso em seus planejamentos. Usando da inteligência que Deus deu a todas as suas criaturas, a sua chance de sucesso é potencializada. Ele executa o mal e se ri dizendo para si mesmo que ele é o cara. Como pode ser livre uma pessoa que livremente planeja e põe em execução seus planos malignos? Jesus explicou-lhes:Em verdade, em verdade vos asseguro: todo aquele que pratica o pecado é escravo do pecado.” (Jo 8.34).
Pode a serpente se livrar de sua peçonha e ser não-serpente produzindo ao invés de veneno remédio que venha a curar ao invés de matar? A serpente não pode agir contrariamente à sua natureza, nem assim o ímpio, por isso que sua liberdade não é livre, antes escrava de sua natureza ímpia.
Ele não pode pecar à vontade diante dos olhos daquele em que um dia iremos ter de prestar contas de todos os nossos atos, pensamentos e omissões. Então ele usa uma máscara para se esconder e fugir de si mesmo. A sua máscara são as desculpas que ele arruma, principalmente a mais famosa delas: não há Deus!
Davi medita, se aprofunda examinando a mente pervertida de um ímpio e em seguida se volta para seu Deus em oração profunda pedindo-lhe atenção. Depois, então, medita e fala da justiça, da benignidade, do juízo e da soberania de Deus.
O Comentário de Calvino, apenas a introdução, fala:
Quase todos os intérpretes concordam que, neste salmo, Davi, em geral, expressa sua admiração e espanto pela bondade de Deus, porque, no exercício de seu favor e misericórdia, ele dá oportunidade aos perversos, que, apesar disso, o desprezam. A opinião que eu formei é um pouco diferente. Penso que o profeta santo, perturbado e assediado pelos homens perversos e ímpios, primeiro queixa-se de sua depravação, e então busca refúgio na infinita bondade de Deus, que se estende não apenas a todos os homens em geral, mas em particular e maneira especial para seus próprios filhos; e isso ele faz para consolar, e, por assim dizer, respirar, com a certeza de que ele será finalmente entregue, uma vez que Deus é favorável a ele. Isso é evidente a partir da conclusão do salmo, no qual ele se arma e fortalece contra todos os assaltos dos ímpios, ao refletir que ele está seguro sob a proteção de Deus.
Para o principal músico. Um salmo de Davi, servo de Jeová.
Por que a denominação, o servo de Deus, é atribuída a Davi apenas neste lugar e no décimo oitavo salmo, e não em outros lugares, não pode ser constatada positivamente, a menos que tenha sido vitorioso em um conflito. De todos os outros o mais difícil, ele provou ele mesmo ser um guerreiro valente e um campeão invencível à vista de Deus. Sabemos quão rara e singular é uma virtude, quando a impiedade prevalece sem restrições, e quando a sombra de sua obscuridade escurece nossa visão espiritual, nosso olhar, não obstante, pelo olho da fé, para a providência de Deus, que, ao descartar nossas mentes para a paciência, pode nos manter constantemente no temor de Deus.
Sl 36:1 Há no coração do ímpio
a voz da transgressão;
não há temor de Deus
diante de seus olhos.
Sl 36:2 Porque a transgressão o lisonjeia
a seus olhos e lhe diz que a sua iniquidade
não há de ser descoberta, nem detestada.
Sl 36:3 As palavras de sua boca
são malícia e dolo;
abjurou o discernimento
e a prática do bem.
Sl 36:4 No seu leito,
maquina a perversidade,
detém-se em caminho que não é bom,
não se despega do mal.
Sl 36:5 A tua benignidade, SENHOR,
chega até aos céus,
até às nuvens,
a tua fidelidade.
Sl 36:6 A tua justiça
é como as montanhas de Deus;
os teus juízos,
como um abismo profundo.
Tu, SENHOR,
preservas os homens e os animais.
Sl 36:7 Como é preciosa,
ó Deus,
a tua benignidade!
Por isso, os filhos dos homens
se acolhem à sombra das tuas asas.
Sl 36:8 Fartam-se da abundância da tua casa,
e na torrente das tuas delícias lhes dás de beber.
Sl 36:9 Pois em ti
está o manancial da vida;
na tua luz,
vemos a luz.
Sl 36:10 Continua a tua benignidade
aos que te conhecem,
e a tua justiça,
aos retos de coração.
Sl 36:11 Não me calque o pé da insolência,
nem me repila a mão dos ímpios.
Sl 36:12 Tombaram os obreiros da iniquidade;
estão derruídos
e já não podem levantar-se.

Queridos, não é fácil não ser ímpio e ainda ter de passar a vida toda no inferno junto com o diabo e seus anjos. Se você está lendo e meditando nesta palavra, por favor, dê uma chance para você mesmo. Pare e reflita na sua vida. Deus em Jesus Cristo quer te dar nova vida e esperança. Conclui Davi seu salmo falando que os obreiros da iniquidade estão destruídos e já não podem mais se levantar.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.