sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Salmo 36: 1-12 segmentado


O salmo 36 começa falando do ímpio como aquele em que há nele transgressão. O que se espera encontrar numa serpente? Seu veneno. Assim, no ímpio a sua transgressão. Ele não sossega, nem encontra paz se não estiver maquinando algo tremendo sendo a sua execução pior ainda do que o planejado.
O estranho é que ele planeja e quando é cuidadoso em seus planejamentos e usa da inteligência que Deus deu a todas as suas criaturas a sua chance de sucesso é potencializada. Ele executa o mal e se ri dizendo para si mesmo que ele é o cara. Como pode ser livre uma pessoa que livremente planeja e põe em execução seus planos malignos?
Pode a serpente se livrar de sua peçonha e ser não-serpente produzindo ao invés de veneno remédio que venha a curar ao invés de matar? A serpente não pode agir contrariamente à sua natureza, nem assim o ímpio, por isso que sua liberdade não é livre, antes escrava de sua natureza ímpia.
Ele não pode pecar, mesmo assim, aos olhos vistos daquele em que um dia iremos ter de prestar contas de todos os nossos atos, pensamentos e omissões. Então ele usa uma máscara para se esconder e fugir de si mesmo. A sua máscara são as desculpas que ele arruma, principalmente a mais famosa delas: não há Deus!
Davi medita e se aprofunda examinando a mente pervertida de um ímpio e em seguida se volta para seu Deus em oração profunda pedindo-lhe atenção e então medita e fala da justiça, da benignidade, do juízo e da soberania de Deus.
O Comentário de Calvino, apenas a introdução, fala:
Almost all interpreters agree in supposing, that in this psalm David in general expresses his wonder and amazement at the goodness of God, because, in the exercise of his favor and mercy, he bears with the wicked, who, notwithstanding, basely contemn him. The opinion which I have formed is somewhat different. I think that the holy prophet, being grievously troubled and harassed by wicked and ungodly men, first complains of their depravity, and then seeks refuge in the infinite goodness of God, which extends not only to all men in general, but in a particular and special manner to his own children; and this he does in order to console, and, so to speak, take his breath, in the assurance that he shall at length be delivered since God is favorable to him. This is evident from the conclusion of the psalm, in which he arms and fortifies himself against all the assaults of the ungodly, by reflecting that he is safe under the protection of God.
To the chief musician. A Psalm of David, the servant of Jehovah.
Why the appellation, the servant of God, is ascribed to David only in this place and in the eighteenth psalm, rather than elsewhere, cannot positively be ascertained, unless that having been victorious in a conflict, of all others the most difficult, he proved himself to be a valiant warrior and an invincible champion in the sight of God. We know how rare and singular a virtue it is, when ungodliness is prevailing without restraint, and when the shade of its obscurity darkens our spiritual vision, to look up, notwithstanding, by the eye of faith, to the providence of God, which, by disposing our minds to patience, may keep us constantly in the fear of God.
Sl 36:1 Há no coração do ímpio
a voz da transgressão;
não há temor de Deus
diante de seus olhos.
Sl 36:2 Porque a transgressão o lisonjeia
a seus olhos e lhe diz que a sua iniqüidade
não há de ser descoberta, nem detestada.
Sl 36:3 As palavras de sua boca
são malícia e dolo;
abjurou o discernimento
e a prática do bem.
Sl 36:4 No seu leito,
maquina a perversidade,
detém-se em caminho que não é bom,
não se despega do mal.
Sl 36:5 A tua benignidade, SENHOR,
chega até aos céus,
até às nuvens,
a tua fidelidade.
Sl 36:6 A tua justiça
é como as montanhas de Deus;
os teus juízos,
como um abismo profundo.
Tu, SENHOR,
preservas os homens e os animais.
Sl 36:7 Como é preciosa,
ó Deus,
a tua benignidade!
Por isso, os filhos dos homens
se acolhem à sombra das tuas asas.
Sl 36:8 Fartam-se da abundância da tua casa,
e na torrente das tuas delícias lhes dás de beber.
Sl 36:9 Pois em ti
está o manancial da vida;
na tua luz,
vemos a luz.
Sl 36:10 Continua a tua benignidade
aos que te conhecem,
e a tua justiça,
aos retos de coração.
Sl 36:11 Não me calque o pé da insolência,
nem me repila a mão dos ímpios.
Sl 36:12 Tombaram os obreiros da iniqüidade;
estão derruídos
e já não podem levantar-se.
Queridos, não é fácil não ser ímpio e ainda ter de passar a vida toda no inferno junto com o diabo e seus anjos. Se você está lendo e meditando nesta palavra, por favor, dê uma chance para você mesmo. Pare e reflita na sua vida. Deus em Jesus Cristo quer te dar nova vida e esperança. Conclui Davi seu salmo falando que os obreiros da iniquidade estão destruídos e já não podem mais se levantar.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 65 dias para 26/04/13 (Inicio: 31/07/10). (hoje: 22/02/2013) e 475 dias para a Copa, sem álcool nos estádios....
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.