quarta-feira, 9 de março de 2016

Tiago 1 1-27 - VOCÊ É PRATICANTE OU MERO OUVINTE DA PALAVRA?

Tiago foi escrito com o objetivo de ensinar a sabedoria de Deus para podermos perseverar em meio às dificuldades até o retorno de Cristo. Ela, provavelmente, foi escrita entre 44-62 d.C. Estamos vendo o capítulo 1/5.
Breve síntese do capítulo 1.
Tiago, meio-irmão de Jesus Cristo, meio irmão de Judas, o autor do livro de Judas na Bíblia e não o Judas Isacariotes que traiu o Senhor, escreve esta epístola, como ele mesmo diz, às 12 tribos da dispersão.
Quem era Tiago? Certamente, uma das autoridades juntamente com Pedro, João e demais apóstolos: “Tiago era altamente qualificado para escrever uma carta de conselhos à congregação cristã. Era grandemente respeitado como superintendente na congregação de Jerusalém. Paulo fala de “Tiago, o irmão do Senhor”, como uma das “colunas” na congregação, junto com Cefas e João. (Gál. 1:19; 2:9) Que Tiago se destacava vê-se do fato de que Pedro, ao ser solto da prisão, imediatamente mandou avisar a “Tiago e aos irmãos”. E não foi Tiago quem agiu como porta-voz dos ‘apóstolos e dos anciãos’ quando Paulo e Barnabé viajaram a Jerusalém para pedir uma decisão a respeito da circuncisão? A propósito, tanto esta decisão como a carta de Tiago começam com uma saudação similar: “Cumprimentos!” — outra indicação de que tiveram um escritor comum. — Atos 12:17; 15:13, 22, 23; Tia. 1:1.[1]
O Senhor lhe apareceu – I Co 15:7 -, e isto o ajudou a solidificar sua crença no Senhor, como o Deus ressurreto. Que engraçado, Tiago conviveu e certamente brincou som seu irmão, mesmo assim precisou de um reforço para crer.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
I. SAUDAÇÃO (1.1).
Tiago saudou seus leitores cristãos como os descendentes espirituais da Israel do Antigo Testamento. Tiago primeiro identificou-se e depois identificou os seus leitores.
Tiago declarou ser um servo cativo, ou escravo, de Deus e de Cristo. Um servo é alguém comprado que pertence a um dono ou "senhor".
Isso indica não somente a humildade de Tiago, mas também um profundo testemunho da sua fé em seu meio-irmão terreno como seu Redentor (1Co 15.3).
Aqui o servo está ligado tanto a Deus como a Jesus, um apoio teológico decisivo. Ele se direciona às doze tribos que se encontram na dispersão. Essa expressão pode ser compreendida de duas maneiras.
Em primeiro lugar, Tiago pode estar se dirigindo aos cristãos judeus que estavam espalhados entre as nações.
Em segundo, Tiago pode estar se dirigindo até mesmo aos cristãos gentios dessa maneira, uma vez que tanto judeus como gentios haviam sido reunidos num só corpo em Cristo juntamente com os doze apóstolos, um número simbólico que lembra as doze tribos de Israel.
II. A SABEDORIA E SEUS EFEITOS NAS PROVAÇÕES (1.2-3.12).
Tiago explicou por que a sabedoria divina era necessária e como ela se mostraria nas provações que viriam aos seus leitores. Os cristãos devem pedir a Deus por sabedoria, o que ele concede livremente a todos aqueles que não hesitam.
A sabedoria ensinará tanto ao rico quanto ao pobre como viver em harmonia com os outros e com Deus. Simplesmente ouvir e conhecer a Palavra não é suficiente; temos de obedecer a ela.
Os cristãos devem resistir à tentação de proteger os ricos em detrimento dos pobres. Declarar a fé não é suficiente; ela deve ser expressa em boas obras, especialmente com respeito aos pobres.
Os cristãos (especialmente os mestres) devem controlar a própria língua, a qual tem grande poder para criar conflitos e dificuldades na igreja.
Veremos de 1.2 a 3.12 a sabedoria e seus efeitos nas provações. Tiago passou imediatamente para a sua preocupação central: a sabedoria divina em meio às provações e aos sofrimentos.
Ele focalizou em cinco tópicos: pedir a Deus sabedoria (1.2-18); obedecer à Palavra de Deus (1.19-27); não favorecer os ricos (2.1-13); provar a fé por meio da obediência (2.14-26) e evitar o dano causado pela falta de controle da língua dentro da comunidade cristã 3.1-12). Elas gerarão a seguinte divisão proposta, conforme a BEG: A. Pedindo a Deus por sabedoria (1.2-18) – veremos agora; B. Ouvir e fazer (1.19-27) – veremos agora; C. Favorecendo o rico (2.1-13); D. Fé e obediência (2.14-26); e, E. O controle da língua (3.1-12).
A. Pedindo a Deus por sabedoria (1.2-18).
Tiago encorajou seus leitores a verem suas provações como um modo de amadurecer em Cristo, mas também os advertiu a não atribuírem as tentações que vinham a eles a Deus.
Tiago dirigiu-se aos destinatários em termos filiais, como pertencentes à família de Deus, a igreja visível.
O que se segue requer cuidadosa reflexão de uma perspectiva teológica. Trata-se de um chamado a considerar o sofrimento do um ponto de vista da confiança na soberania de Deus.
Os cristãos não devem sentir uma alegria mórbida em seus sofrimentos, mas alegrar-se no meio das provações por causa dos resultados positivos que o sofrimento traz.
Ninguém gosta de provações, privações ou sofrimentos, mas o fato de estarmos passando por eles tem um significado. Tiago tinha em mente uma categoria ampla e geral de provações. Mais adiante, a partir dos princípios estabelecidos aqui, ele elaboraria uma discussão a respeito da questão mais específica dos conflitos entre os crentes, especialmente entre os ricos e os pobres (veja os vs. 9-11).
Que as provações deveriam ser motivo de alegria está baseado no conhecimento que elas foram designadas por Deus tendo em vista um propósito. Elas são provas de fé dadas com o objetivo de desenvolver a perseverança. Por sua vez, a perseverança produz o amadurecimento do caráter cristão (Rm 5.3-4).
Em termos bíblicos, a sabedoria é entendida como incluindo conhecimento, discernimento, prudência, perspicácia, cuidado, aprendizagem, orientação, capacidade, desenvoltura, planejamento e até mesmo força heroica.
Tiago tinha em mente de modo especial a sabedoria com respeito à retidão e a viver em relacionamento com outros cristãos. Deus é a fonte da sabedoria, e ele a concede a todos os que sinceramente a peçam a ele.
Essa expressão rara “homem de ânimo dobre” – vs. 18 - foi possivelmente criada por Tiago. Ela sugere um homem que tem duas almas; ele é instável, perseguindo objetivos que são conflitantes e mutuamente excludentes.
Aqui pela primeira vez – vs. 9 e 10 - Tiago dá a entender que as provações que ele tinha em mente envolviam conflitos entre ricos e pobres. Ambos os grupos são exortados a orgulharem-se de suas posições.
O pobre pode ser rico em tesouros espirituais e desfrutar de posição elevada no reino de Deus. O rico precisa reconhecer que suas riquezas mundanas pouco significam.
Tiago possivelmente se referia aos cristãos abastados que podiam regozijar-se no fato de terem aprendido onde estava o seu verdadeiro tesouro. Se ele estava se referindo aos incrédulos, suas palavras são irônicas.
Tiago chama de bem-aventurado o home que persevera na provação. Isso ecoa os oráculos proféticos usados pelos profetas do Antigo Testamento e por Jesus (Mt 5.3-11).
Há uma importante diferença entre uma provação (vs. 12) e uma tentação (vs. 14). Muitas vezes, Deus prova o seu povo para expor suas qualidades interiores (Gn 22.1; Ex 15.25; 16.4; SI 66.10), mas Deus nunca tenta ninguém no sentido de levá-lo a pecar.
Tiago entendia que os cristãos podiam facilmente atribuir suas tentações a Deus, pois eles sabiam que Deus é o soberano sobre todas as coisas.
De fato, Jesus nos ensinou a orar "e não nos deixes cair em tentação" (Mt 6.13) porque Deus permite que Satanás faça suas obras más. No entanto, Tiago insistiu que é um perverso equívoco atribuir motivos malignos, incluindo a tentação, a Deus.
No vs. 17 vemos que toda boa dádiva e todo dom perfeito vem de Deus e ele a ninguém tenta. Ele somente concede dons que estão de acordo com a sua imutável bondade.
Ele é o nosso Pai das luzes. Os luminares da natureza variam em magnitude e estão sujeitos a fases, eclipses e sombras. Deus é o autor da luz. Nele não há mudança de brilho ou claridade. Seu caráter é imutável, não dado a oscilações.
Por essa razão, os cristãos podem estar certos de que Deus não irá mudar de modo a tentá-los a pecar ou determinar qualquer propósito para a vida deles que seja contrário a eles serem "como que primícias" (vs. 18).
No entanto, cada um de nós é tentado por sua própria cobiça, sendo por ela arrastado e seduzido – vs. 14. Diz John Owen que quando estamos atraídos por algo, nós já entramos em tentação, porém ainda não caímos nela.
Por sua decisão e desígnio, ele nos gerou pela palavra da verdade. Isso se refere à graça da regeneração pela qual nós somos adotados pela família de Deus (1 Pe 1.23). Isso ele fez para que fôssemos como que primícias, como os primeiros frutos que ele criou.
As primícias não eram somente a primeira, mas também o melhor, da colheita (Ex 23.19; 34.26; Lv 23.9-19; Ez 44.30). A humanidade redimida é o ápice da criação de Deus, independentemente de quando os seus membros individuais são levados à fé, bem como o início da redenção de toda a criação (Cl 1.20).
B. Ouvir e fazer (1.19-27).
Tendo estabelecido a importância de obter a sabedoria divina nas provações da vida cristã, Tiago chamou a atenção para o fato de que a ira humana não complementa a sabedoria do plano de Deus.
Essa verdade não deve ser somente ouvida, mas também totalmente obedecida. Por isso que deveríamos ser prontos para ouvir, tardios para falar e irar. A paciência e o respeito na maneira de falar aumentam a paz e a harmonia e promovem um modo de viver justo na comunidade cristã. A ira – vs. 20 – não produz a justiça de Deus, antes revela a nossa imaturidade e falta de fé.
Em função disso, portanto, deveríamos nos livrar de toda impureza moral e da maldade que prevalece, e aceitar humildemente a palavra implantada em nós, a qual é poderosa para nos salvar – vs. 21. A lei de Deus está escrita no coração dos cristãos (Dt 6.6).
Ouvir a Palavra com autenticidade deve levar à ação piedosa. Não é suficiente saber que um cristão deve ser tardio para se irar. Ele deve ser realmente tardio para se irar, ou seja, deve ser praticante e não mero ouvinte apenas.
Aqueles que somente ouvem a palavra, mas não a praticam estão se enganando a si mesmo e se torna semelhante àqueles que olham a sua face num espelho. Os espelhos no mundo antigo eram feitos de metal polido, e não de vidro.
A Escritura é um espelho da necessidade da alma de graça que revela o nosso verdadeiro caráter. Aqui, no entanto, Tiago advertiu contra ter os pecados expostos, mas se esquecer de colocar em prática os ensinos da Escritura.
Tiago provavelmente usou essa expressão “Lei perfeita” como um sinônimo da Escritura Sagrada, com ênfase particular na lei. Em Cristo, a lei de Deus nos liberta da tirania das tradições humanas e da futilidade por não ter uma orientação equivocada na vida (Jo 8.36; Rm 8.2; GI 5.13).
Tiago, no vs. 26, antecipou um tema do qual ele trataria de modo mais extenso em 3.1-12. Aquele que se considera de Deus, deve ter a capacidade de refrear a sua própria língua, caso contrário, de nada vale sua religião.
E a religião que tem valor é aquela religião pura e sem mácula – vs. 27. Tiago enfatizou que a preocupação pela situação difícil das viúvas e dos órfãos é a verdadeira dimensão de um tipo de obediência que é agradável a Deus.
Viver de acordo com a sabedoria e a Palavra de Deus consiste em servir aos outros, e não em ser cheio de orgulho (1.9-11).
A atenção às viúvas e aos órfãos reflete a preocupação do próprio Deus (Dt 10.18; SI 68.5; 146.9). Essa responsabilidade foi dada a Israel no Antigo Testamento (Dt 14.29; Ez 22.7).
Tg 1:1  Tiago,
                servo de Deus
                e do Senhor Jesus Cristo,
                               às doze tribos que se encontram na Dispersão,
                                               saudações.
Tg 1:2 Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria
                o passardes por várias provações,
                               Tg 1:3 sabendo que a provação da vossa fé,
                                               uma vez confirmada,
                                                               produz perseverança.
Tg 1:4 Ora, a perseverança deve ter ação completa,
                para que sejais
                perfeitos
                e íntegros,
                em nada deficientes.
Tg 1:5 Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria,
                peça-a a Deus,
                               que a todos dá liberalmente
                               e nada lhes impropera;
                                               e ser-lhe-á concedida.
Tg 1:6 Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando;
                pois o que duvida é semelhante à onda do mar,
                               impelida e agitada pelo vento.
Tg 1:7 Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa;
                Tg 1:8 homem de ânimo dobre,
                inconstante em todos os seus caminhos.
Tg 1:9 O irmão, porém, de condição humilde
                glorie-se na sua dignidade,
Tg 1:10 e o rico,
                na sua insignificância,
                               porque ele passará como a flor da erva.
Tg 1:11 Porque o sol se levanta com seu ardente calor,
                e a erva seca,
                e a sua flor cai,
                e desaparece a formosura do seu aspecto;
                               assim também se murchará o rico em seus caminhos.
Tg 1:12 Bem-aventurado o homem que suporta,
                com perseverança, a provação;
                               porque, depois de ter sido aprovado,
                                               receberá a coroa da vida,
                                                               a qual o Senhor prometeu aos que o amam.
Tg 1:13 Ninguém, ao ser tentado, diga:
                Sou tentado por Deus;
                               porque Deus não pode ser tentado pelo mal
                               e ele mesmo a ninguém tenta.
Tg 1:14 Ao contrário, cada um é
                tentado pela sua própria cobiça,
                               quando esta o atrai e seduz.
Tg 1:15 Então, a cobiça,
                depois de haver concebido,
                               dá à luz o pecado;
                                               e o pecado, uma vez consumado,
                                                               gera a morte.
Tg 1:16 Não vos enganeis, meus amados irmãos.
                Tg 1:17 Toda boa dádiva
                e todo dom perfeito são lá do alto,
                               descendo do Pai das luzes,
                                               em quem não pode existir variação
ou sombra de mudança.
Tg 1:18 Pois, segundo o seu querer,
                ele nos gerou pela palavra da verdade,
                               para que fôssemos como que primícias das suas criaturas.
Tg 1:19 Sabeis estas coisas, meus amados irmãos.
                Todo homem, pois, seja
                               pronto para ouvir,
                               tardio para falar,
                               tardio para se irar.
Tg 1:20 Porque a ira do homem
                não produz a justiça de Deus.
Tg 1:21 Portanto, despojando-vos
                de toda impureza
                e acúmulo de maldade,
                               acolhei, com mansidão,
                                               a palavra em vós implantada,
                                                               a qual é poderosa para salvar a vossa alma.
Tg 1:22 Tornai-vos, pois, praticantes da palavra
                e não somente ouvintes,
                               enganando-vos a vós mesmos.
Tg 1:23 Porque, se alguém
                é ouvinte da palavra
                e não praticante,
                               assemelha-se ao homem que contempla,
                                               num espelho, o seu rosto natural;
                                                               Tg 1:24 pois a si mesmo se contempla,
                                                                              e se retira,
                                                                              e para logo se esquece de como era
a sua aparência.
Tg 1:25 Mas aquele que considera, atentamente,
                na lei perfeita,
                lei da liberdade,
                e nela persevera,
                não sendo ouvinte negligente,
                               mas operoso praticante,
                                               esse será bem-aventurado no que realizar.
Tg 1:26 Se alguém supõe ser religioso,
                deixando de refrear a língua,
                               antes, enganando o próprio coração,
                                               a sua religião é vã.
Tg 1:27 A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta:
                visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações
                e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.
O que é simplesmente ouvinte da palavra e não praticante engana-se a si mesmo como aquele que se contempla no espelho e logo se esquece de sua aparência. Amados, temos praticado a palavra de Deus ou apenas contemplado ela?
p.s.: link da imagem original: nossa.
Contagem regressiva: Faltam 293 dias para 26/04/13 (Inicio: 31/07/10). (hoje: 09/07/2012) e 703 dias para a Copa, sem álcool nos estádios....
A Deus toda glória! p/ Pr. Daniel Deusdete – 


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.