domingo, 13 de setembro de 2015

Marcos 12 1-44 - QUAL O MAIOR MANDAMENTO?

Estamos vendo o evangelho de Marcos que foi escrito para apresentar as boas-novas de Jesus a um público essencialmente gentio por meio da narração do testemunho dos discípulos a respeito dos fatos notáveis sobre a vida, a morte e a ressurreição de Cristo. Estamos na última parte, a III, no capítulo 12.
III. O MINISTÉRIO DE JESUS NA JUDEIA (10.1-16.20) - continuação.
Como já dissemos, embora Marcos considerasse muito importante o ministério de Jesus no norte, ele apresenta o ministério de Jesus na Judeia como o clímax da vida terrena de nosso Senhor. Nesse ponto, Jesus caminha em direção à sua morte e ressurreição, como ele havia predito.
Didaticamente, para melhor entendermos o assunto, nós dividimos esta parte, conforme a BEG, em dez subpartes: A. Os ensinos durante a jornada (10.1-45) – já vista; B. A cura em Jericó (10.46-52) – já vista; C. A entrada triunfal em Jerusalém (11.1-11) – já vimos; D. A purificação do templo (11.12-26) – já vimos; E. Controvérsias no templo (11.27 - 12.44) – concluiremos agora; F Profecias no monte das Oliveiras (13.1-37); G. Unção em Betânia (14.1-11); H. A ceia de Páscoa em Jerusalém (14.12-31); I. Abandono, julgamento e morte (14.32 15.47); e, J. Ressurreição e comprovação (16.1-20).
Um breve resumo do capítulo 12.
Marcos revelou a autoridade de Jesus para desafiar os líderes religiosos corruptos e as instituições de Jerusalém. Assim, Marcos estabeleceu Jesus como o único fundamento da fé e salvação para judeus e gentios em todo o mundo.
Jesus lhes fala por essa parábola da vinha, dos lavradores e da colheita. Contra os fariseus e herodianos é que ele fala. Ele estava anunciando a sua morte que em breve ocorreria. Indignados por que perceberam que era contra eles que ele falava, ficaram enraivecidos e loucos para apanharem ele nalguma falta.
Primeiro, armaram um laço fenomenal e logo, antecipadamente, comemoravam a vitória por que não havia saída para o laço. No entanto, no laço que armaram, Jesus, o Mestre e Senhor, o desfez com tanta elegância que se admiraram.
Ainda tentaram mais uma vez, dessa vez o ardil veio dos saduceus, mas Jesus saiu do laço com maestria; por fim, um escriba, alguém muito sábio, mas com o coração pronto para por a prova o Senhor dos céus e da terra. Sua indagação é cirúrgica e profunda, mas a resposta de Jesus vai mais além e penetra em sua alma.
Ele reconhece a sabedoria de Jesus e fala coisas profundas que tiram do Senhor a exclamação de que ele não estava longe do reino de Deus. Impressionante! Como ainda não cremos?
Vejamos com maiores detalhes este maravilhoso capítulo, com a valorosa ajuda da BEG:
E. Controvérsias no templo (11.27--12.44) - continuação.
Veremos doravante até o verso 44 as controvérsias no templo.
Aqui está Jesus a lhes falar mais uma parábola. Não há dúvida de que o pronome pessoal refere-se aos principais sacerdotes e escribas, pois está ligado ao sujeito na terceira pessoa do plural do vs. 12 (aqueles que procuravam um meio de prendê-lo).
Esse é outro exemplo de provocação (veja 11.18). Essa parábola é baseada na canção da vinha (Is 5.1-5), que retrata a infidelidade de Israel.
Quando chegou no tempo daquela vinha dar resultados, o senhor da vinha mandou seu servo - um termo usado geralmente para os profetas (Êx 14.31; 2Cr 1.3; Is 20.3; Am 3.7) que Deus havia enviado para chamar Israel ao arrependimento, mas que, em muitos casos, sofreram a morte como resultado direito de suas afirmações incriminatórias (Mt 23.37).
Aquele servo fora enviado aos lavradores - aqueles com autoridade "oficial" sobre o povo de Deus – para receber, dos lavradores, os resultados da vinha. A parábola foi contada para o benefício deles.
No entanto, apoderaram-se dele, o feriram e o mandaram embora vazio. E o senhor da vinha mandou outro servo que igualmente foi maltratado ainda pior que o primeiro, pois foi apedrejado, ferido na cabeça e mandado embora. Ainda mais uma vez outro servo, mas a este último o mataram. O senhor da vinha então resolve mandar seu próprio filho - raramente aparece nos sinóticos o tema de Jesus como Filho amado de Deus (1.11; 9.7; cf. Mt 16.16), mas nessa passagem está claramente presente. - na esperança de que ele fosse ouvido em respeito ao senhor.
O comportamento deles em relação ao filho foi ainda mais maligno, pois resolveram matá-lo para ficarem com a herança. Assim o pegaram, mataram e o lançaram fora da vinha.
O que fará então o senhor da vinha com esses lavradores? O Evangelho de Mateus declara que "vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos" (Mt 21.43), sugerindo a comunidade dos discípulos formada ao redor de Jesus (Lc 22.29-30) e a participação dos gentios (Mt 8.11-12; Rm 9.22-26).
A pedra que os construtores rejeitaram seria ele, o Filho. Após a purificação do templo, Jesus citou Sl 118.22-23, que celebra a vitória do rei dada por Deus.
Jesus demonstrou que confiava no Pai e na palavra de Deus, as Escrituras do Antigo Testamento. Ele havia acabado de profetizar a sua própria morte "E, agarrando-o, mataram-no" (vs. 8) e ora, na presença de seus assassinos, celebrava a vitória prometida.
Ouvindo a parábola e sendo expostos seus motivos vis, eles ficaram irados e queriam fazer algo, mas eram covardes e temiam a multidão. Compare com 11.32. O contraste com Jesus é claro: essas autoridades religiosas (11.27) eram políticos corruptos e covardes, aparentemente incapazes de agir por princípios.
Foram então enviarem a ele, Jesus alguns deles dos fariseus e dos herodianos para o apanharem em alguma afirmação. Reparem que aqui, entre esses fariseus e herodianos, ressurge uma antiga (3.6) e estranha aliança entre a elite religiosa (fariseus) e os políticos (herodianos).
Essa aliança foi possível porque ambos os partidos aceitavam a ocupação romana; os primeiros porque a consideravam uma punição divina, e os últimos porque buscavam vantagem política.
Nesse sentido, ambos se opunham aos zelotes, que procuravam derrotar as forças romanas de ocupação.
Eles chegaram a ele com um pedaço da verdade (por que não continuaram a crer? Vejam como a maldade fica exposta!), o elogiaram dizendo que ele era verdadeiro e que não olha ou não se importa com as aparências. O grego traduz isso como "não olhas para o rosto dos homens".
Eles perguntam a ele se seria ou não lícito pagar tributos a César. Além das inúmeras taxas alfandegárias, pedágios e outras cobranças, cada província romana era obrigada a pagar o tributo imperial. O mesmo valor era exigido de cada cidadão, fosse rico ou pobre. Os zelotes consideravam essa taxa como mais um exemplo da humilhação nacional, e por isso se recusavam a pagar.
Conhecendo Jesus a hipocrisia deles e percebendo o ardil lhes expõe a verdadeira razão de estarem ali perguntando algo. Eles estavam tentando a Jesus para o apanharem em alguma falha. Jesus exclama – vs. 15 - por que me experimentais? Como havia opiniões diversas entre os judeus a respeito dessa questão, Jesus sabia que uma resposta simples o desacreditaria perante algum dos grupos.
Havia muitas moedas em circulação. Jesus pediu pelo denário romano, que equivalia a um dia de salário. Numa das faces da moeda estava gravada a efígie de César (Augusto ou seu filho adotivo, Tibério) e na outra uma cena que glorificava o seu reino.
Ao examinar a moeda que Jesus pedira, falhou-lhes para darem a César o que era de César e a Deus o que era de Deus. Apesar das muitas injustiças da taxação romana e do governo em geral, Jesus confirmou a legitimidade do poder político de Roma e em seu julgamento declarou que tal autoridade procedia de Deus (Jo 19.11). A igreja primitiva seguiu esse ensinamento de Jesus (Rm 13:1-7; Cl 1.16; 1Tm 2.1-6; Tt 3.1-2; 1Pe 2.13-17).  
Não poderiam ter outra reação diante daquilo e o elogiaram, mas continuaram endurecidos.
Então surgem os saduceus com uma pergunta problemática – vs. 18. É a primeira menção explícita desse grupo no Evangelho de Marcos. Eram membros da família dos sumo sacerdotes no tempo de Jesus, e aceitavam como canônicos apenas os cinco livros de Moisés (o Pentateuco).
Também negavam a ressurreição com base no fato de que ela não era ensinada no Pentateuco. O nome do grupo provavelmente procedia de Zadoque, o sumo sacerdote de Davi (2Sm 8.17; 1Cr 15.11; cf. 1Cr 29.22), designado sobre a linhagem de Aarão (1Cr 27.17) e que tinha direitos exclusivos ao ofício de sumo sacerdote (Ez 40.46; cf. Ez 43.19).
A história que contaram a Jesus (vs. 19-23) era baseada na lei do levirato, ou do parente resgatador, em Dt 25.5-10, que ordenava, no caso de morte prematura, que fossem tomadas providências para perpetuar a linhagem familiar por meio do parente mais próximo (veja também Rt 3.4).
O fato era que todos os sete irmãos tiveram a esposa como mulher deles e eles queriam saber, na ressurreição, de quem ela seria mulher? Do primeiro marido, do último ou de algum outro? Pois todos a tiveram legitimamente.
Jesus lhes diz que o erro deles provinha do fato de não conhecerem as Escrituras. Como no cap. 7 (7.3), Jesus afirma conhecer o sentido verdadeiro da Escritura e então refuta o falso entendimento dos lideres judeus (cf. Jo 5.39-40).
Jesus provavelmente estava se referindo à continuidade da obra de Deus, bem como às manifestações futuras do poder de Deus (incluindo a ressurreição) por intermédio do seu Messias (Lc 22.69; Rm 1.16; 1 Co 1.18,24) — manifestações que os saduceus se recusavam a aceitar.
Na ressurreição final (quando da transformação do universo físico [Rm 8.21; 1Co 15 52-53]), o mandato criacional quanto ao casamento e reprodução (Gn 1.27-28; 2.24) não será mais apropriado. Os saduceus novamente demonstram ignorância sobre o "poder de Deus" (vs. 24) e o final da história do mundo.
Ao ressuscitarmos dos mortos não mais casaremos, mas seremos como os anjos que estão nos céus.
Jesus os lembra, então, do episódio da sarça ardente (Veja Êx 3.1-6), no Livro de Moisés (vs. 18). Para refutar o argumento dos saduceus, Jesus citou uma passagem que eles consideravam canônica.
O Deus que apareceu de maneira miraculosa na sarça ardente fez referência a si mesmo não por memórias passadas ("Deus de mortos"), mas sim da parte de homens vivos e cheios de fé, que estão vivendo com ele numa aliança eterna de graça. Isso nos faz refletir de que não morremos para nós mesmos, mas que a morte, por causa de Cristo, é uma passagem de um estágio a outro, até que todos ressuscitaremos.
O ensinamento da ressurreição não está baseado unicamente em passagens explícitas da Escritura (p. ex., SI 16.9-11; Is 53.11; Dn 12.2; Os 6.2; cf. Jó 14.14; 19.25-27; SI 17.15; 73.24-26; Is 26.19; Ez 37.1-14; Os 13.14), mas se apoia basicamente na pessoa do Deus vivo e doador de vida. A BEG recomenda, neste ponto, a leitura de seu excelente artigo teológico "A ressurreição de Jesus", em Lc 24.
A conclusão de Jesus era que eles estavam laborando em grande erro. Também pode ser traduzido mais vigorosamente como "Estais completamente errados" ou "Estais muito enganados".
Um escriba ali presente acompanhou todas as respostas e estava admirado com Jesus e também o põe à prova com outra pergunta sobre qual o primeiro de todos os mandamentos.
Ouve, ó Israel. Novamente o debate estava ancorado na Escritura e nesse quesito Jesus demonstrou ser um mestre perfeito. Ele citou Dt 6.4, mais conhecido como a Shema ("ouve", no hebraico), que já havia se tornado a grandiosa confissão da fé monoteísta do judaísmo. Ele então disse – vs. 29b e 30: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento.
E vai então para o segundo, semelhante ao primeiro. Aqui, Jesus faz ligação de Lv 19.18, uma passagem que Tiago chama de "lei régia" (Tg 2.8), com Dt 6.4-5 (Shema). E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.
O escriba aprovou a resposta de Jesus e resolveu ele mesmo acrescentar uma passagem da Escritura — 1Sm 15.22 e Os 6.6. ao que Jesus lhe correspondeu dizendo não estar ele longe do reino de Deus.
Compare esse escriba com o jovem rico ("Só uma coisa te falta..." 10.21) e com Nicodemos 3.1ss.). Em todos esses casos, era evidente a necessidade de um novo nascimento (Jo 3).
Aqui, Jesus tinha em mente o reino já totalmente consumado e que será desfrutado somente pelos remidos mediante a morte e ressurreição do Filho do Homem (Jo 3.3,14-15). De acordo com At 6.7, muitos escribas herdaram o reino após o Pentecostes.
Depois dessa sabatina e sua excelente aprovação, ninguém mais ousava qeustioná-lo – vs. 34.
E estava Jesus ali ensinando no templo. Além do átrio dos gentios havia também o átrio das mulheres (além do qual as mulheres não tinham permissão para ir) e o átrio de Israel, reservado para os homens judeus.
Era agora a vez de Jesus que lhes fazia uma pergunta: como dizem os escribas que Cristo é filho de Davi? As palavras e a interpretação de Jesus dependiam da autoria davídica desse salmo. Foi o próprio Davi que falou pelo Espírito Santo. Jesus atribuiu total inspiração divina ao escrito de Davi, como fariam seus apóstolos mais tarde (At 1.16; 4.25).
Como poderia se dar isso de o próprio Davi lhe chamar de Senhor, como, então seria ele seu filho? O mesmo Davi chama-lhe Senhor. Jesus argumentou que embora o Messias viesse da linhagem davídica, seu poder e dignidade real superam o de Davi, pois este se dirige ao seu rei como "meu senhor" (Sl 110.1), e o exercício de governo desse rei está associado exclusivamente com o SENHOR (Javé, SI 110.2).
A interpretação lúcida e fiel que Jesus fazia da Escritura produzia "deleite" entre seus ouvintes (cf. Lc 24.32). De fato, por um lado, Jesus era filho de Davi no sentido de ser de sua linhagem, mas como tinha natureza dupla – o único assim – também era o próprio Senhor.
Jesus então passou a falar para todos se guardarem dos escribas. Os adversários de Jesus possuíam uma aparência de profundidade, mas estavam "em grande erro" (vs. 27). Uma advertência semelhante é encontrada em 8.15.
Os escribas não recebiam um salário fixo; então, buscavam apoio no povo, sem dúvida entre as viúvas, as vítimas mais fáceis. Veja Mt 6.5-6 para um julgamento semelhante de ostentação e hipocrisia espiritual.
O presente capítulo se encerra com Jesus observando a entrega de ofertas no gazofilácio. Convenientemente, as caixas de ofertas se localizavam no átrio das mulheres, sendo, desse modo, acessíveis a todos.
Ele observa uma viúva ofertando uma simples oferta, mas que relativamente, conforme o seu coração, era, das ofertas, a maior de todas, embora em valor monetário, a menor de todas.
Essa moeda, chamada de lepton, era a de menor valor em circulação e valiam meio centavo. Já um quadrante era uma moeda romana que equivalia a 1/64 de um denário (um denário equivalia ao salário de um dia de trabalho). Mais uma vez, Marcos faz a tradução para seus leitores gentios (7.34).
Mc 12:1 Depois,
entrou Jesus a falar-lhes por parábola:
Um homem plantou uma vinha,
cercou-a de uma sebe,
construiu um lagar,
edificou uma torre,
arrendou-a a uns lavradores
e ausentou-se do país.
Mc 12:2 No tempo da colheita,
enviou um servo aos lavradores
para que recebesse deles dos frutos da vinha;
Mc 12:3 eles, porém,
o agarraram,
espancaram
e o despacharam vazio.
Mc 12:4 De novo, lhes enviou outro servo,
e eles o esbordoaram na cabeça
e o insultaram.
Mc 12:5 Ainda outro lhes mandou,
e a este mataram.
Muitos outros lhes enviou,
dos quais espancaram uns
e mataram outros.
Mc 12:6 Restava-lhe ainda um,
seu filho amado;
a este lhes enviou, por fim, dizendo:
Respeitarão a meu filho.
Mc 12:7 Mas os tais lavradores disseram entre si:
Este é o herdeiro; ora,
vamos,
matemo-lo,
e a herança será nossa.
Mc 12:8 E,
agarrando-o, mataram-no
e o atiraram para fora da vinha.
Mc 12:9 Que fará, pois, o dono da vinha?
Virá,
exterminará aqueles lavradores
e passará a vinha a outros.
Mc 12:10 Ainda não lestes esta Escritura:
A pedra que os construtores rejeitaram,
essa veio a ser a principal pedra,
angular;
Mc 12:11 isto procede do Senhor,
e é maravilhoso aos nossos olhos?
Mc 12:12 E procuravam prendê-lo,
mas temiam o povo;
porque compreenderam que contra eles
proferira esta parábola.
Então, desistindo,
retiraram-se.
Mc 12:13 E
enviaram-lhe alguns dos fariseus e dos herodianos,
para que o apanhassem em alguma palavra.
Mc 12:14 Chegando, disseram-lhe:
Mestre, sabemos que és verdadeiro
e não te importas com quem quer que seja,
porque não olhas a aparência dos homens;
antes,
segundo a verdade,
ensinas o caminho de Deus;
é lícito pagar tributo a César ou não?
Devemos ou não devemos pagar?
Mc 12:15 Mas Jesus,
percebendo-lhes a hipocrisia, respondeu:
Por que me experimentais?
Trazei-me um denário
para que eu o veja.
Mc 12:16 E eles lho trouxeram.
Perguntou-lhes:
De quem é esta efígie e inscrição?
Responderam:
De César.
Mc 12:17 Disse-lhes, então, Jesus:
Dai a César o que é de César
e a Deus o que é de Deus.
E muito se admiraram dele.
Mc 12:18 Então,
os saduceus, que dizem não haver ressurreição,
aproximaram-se dele e lhe perguntaram, dizendo:
Mc 12:19 Mestre, Moisés nos deixou escrito que,
se morrer o irmão de alguém e deixar mulher sem filhos,
seu irmão a tome como esposa
e suscite descendência a seu irmão.
Mc 12:20 Ora, havia sete irmãos;
o primeiro casou e morreu sem deixar descendência;
Mc 12:21 o segundo desposou a viúva e morreu,
também sem deixar descendência;
e o terceiro, da mesma forma.
Mc 12:22 E, assim,
os sete não deixaram descendência.
Por fim, depois de todos,
morreu também a mulher.
Mc 12:23 Na ressurreição,
quando eles ressuscitarem,
de qual deles será ela a esposa?
Porque os sete a desposaram.
Mc 12:24 Respondeu-lhes Jesus:
Não provém o vosso erro de não conhecerdes
as Escrituras, nem o poder de Deus?
Mc 12:25 Pois, quando ressuscitarem de entre os mortos,
nem casarão,
nem se darão em casamento;
porém, são como os anjos nos céus.
Mc 12:26 Quanto à ressurreição dos mortos,
não tendes lido no Livro de Moisés,
no trecho referente à sarça, como Deus lhe falou:
Eu sou
o Deus de Abraão,
o Deus de Isaque
e o Deus de Jacó?
Mc 12:27 Ora,
ele não é Deus de mortos,
e sim de vivos.
Laborais em grande erro.
Mc 12:28 Chegando um dos escribas,
tendo ouvido a discussão entre eles,
vendo como Jesus lhes houvera respondido bem,
perguntou-lhe:
Qual é o principal de todos os mandamentos?
Mc 12:29 Respondeu Jesus:
O principal é:
Ouve, ó Israel,
o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor!
Mc 12:30 Amarás, pois, o Senhor, teu Deus,
de todo o teu coração,
de toda a tua alma,
de todo o teu entendimento
e de toda a tua força.
Mc 12:31 O segundo é:
Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Não há outro mandamento
maior do que estes.
Mc 12:32 Disse-lhe o escriba:
Muito bem, Mestre,
e com verdade disseste que ele é o único,
e não há outro senão ele,
Mc 12:33 e que amar a Deus
de todo o coração
e de todo o entendimento
e de toda a força,
e amar ao próximo
como a si mesmo excede a todos
os holocaustos e sacrifícios.
Mc 12:34 Vendo Jesus que ele havia respondido sabiamente, declarou-lhe:
Não estás longe do reino de Deus.
E já ninguém
mais ousava interrogá-lo.
Mc 12:35 Jesus,
ensinando no templo, perguntou:
Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi?
Mc 12:36 O próprio Davi falou,
pelo Espírito Santo:
Disse o Senhor ao meu Senhor:
Assenta-te à minha direita,
até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.
Mc 12:37 O mesmo Davi chama-lhe Senhor;
como, pois, é ele seu filho?
E a grande multidão
o ouvia com prazer.
Mc 12:38 E,
ao ensinar, dizia ele:
Guardai-vos dos escribas,
que gostam de andar com vestes talares
e das saudações nas praças;
Mc 12:39 e das primeiras cadeiras nas sinagogas
e dos primeiros lugares nos banquetes;
Mc 12:40 os quais devoram as casas das viúvas
e, para o justificar, fazem longas orações;
estes sofrerão juízo muito mais severo.
Mc 12:41 Assentado diante do gazofilácio,
observava Jesus como o povo lançava ali o dinheiro.
Ora,
muitos ricos depositavam grandes quantias.
Mc 12:42 Vindo, porém,
uma viúva pobre,
depositou duas pequenas moedas
correspondentes a um quadrante.
Mc 12:43 E,
chamando os seus discípulos, disse-lhes:
Em verdade vos digo que esta viúva pobre
depositou no gazofilácio
mais do que o fizeram todos os ofertantes.
Mc 12:44 Porque todos eles
ofertaram do que lhes sobrava;
ela, porém,
da sua pobreza
deu tudo quanto possuía,
todo o seu sustento.
A oferta da viúva pobre nos ensina que as aparências não servem diante de Deus, mas sim as coisas que estão no mais profundo do nosso coração. Como enganaremos ao Senhor de nossas almas? Somos tolos demais da conta...
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 221 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.